Serie A

Uma grande decepção

Seria tão interessante ver uma Roma mordida em campo, com sede de vingança e tentando jogar o que sabe contra um Manchester igualmente completo, mais capacitado (como é, de fato) e tão raçudo quanto. Mas, infelizmente, passou longe, muito longe disso. Ambos os times estavam desfigurados e não lutavam por mais nada, visto que as posições do grupo já estavam definidas. Grande culpa por tal ocasião tem o Sporting, que não conseguiu segurar um empate em Old Trafford contra os donos da casa e sofreu um gol aos 90 minutos, com Cristiano Ronaldo batendo falta e culminando a virada do time de Alex Ferguson. Caso isso não tivesse acontecido, a squadra italiana e os red devils teriam brigado pela primeira posição do grupo F.

A partida começa morna, com as duas equipes sem grande capacidade de criação. O Manchester United até começa pressionando, mantendo um bom ritmo mas sem ser fatal. Até que, aos trinta e quatro minutos, em rebosteio da zaga romanista, o jovem zagueiro Piqué aproveita-se de cobrança de escanteio e cabeceia para o gol. Um tento que faz com que os red devils relaxem e sejam ameaçados na partida. Ainda no primeiro tempo, Mancini chuta na trave e Esposito perde boa chance de gol ao tentar aproveitar-se de um rebote com a cabeça.

Mancini: finalmente, um bom jogo do brasileiro, próximo da despedida

Já no segundo período, a Roma esboça alguma reação e aperta mais os visitantes, que ainda permaneciam acomodados com a temporária vitória. Aos poucos, a squadra de Luciano Spalletti chegava mais perto do gol. Com boas atuações dos laterais Cicinho e Antunes, os mandantes chegam ao empate com Mancini, aos vinte e seis minutos de segundo tempo. Em rápida jogada pela direita, o brasileiro recebe e, logo após cortar para o meio, chuta no canto esquerdo do goleiro Kuszczak. A Roma começa a gostar da partida e se empolga em campo. Entram De Rossi e Vucinic em um time disposto a virar o jogo. Algum chute perigoso daqui, outra jogada ali, um lance duvidoso de pênalti sobre Saha… mas o placar não muda. O mais próximo disso foi o excelente – e inesperado – chute de Mirko Vucinic, que carimbou a trave pouco antes do fim da partida. Os romanistas podem agora enfrentar Chelsea, Barcelona, Real Madrid, Sevilla ou Porto nas oitavas-de-final do torneio.

PSV 0-1 Internazionale
Mesmo com um time misto, um jogo sem importância, uma disputa apenas para cumprir tabela e ainda por cima na Holanda, a Internazionale venceu mais uma. Com gol do sempre matador Julio Cruz, a squadra de Roberto Mancini conseguiu mais três pontos e somou, no total, 15, na liderança isolada, tendo perdido somente uma partida em campanha composta por um aproveitamento excelente. Os holandeses precisavam da vitória e ainda de um tropeço do Fenerbahçe, entretanto, nenhum dos dois aconteceu e o time de Jan Wouters irá somente à Copa UEFA. Um fator que ajudou a construir o resultado nerazzurro foi, sem dúvidas, a expulsão de Méndez, após carrinho criminoso em David Suazo. Os interistas podem agora pegar Lyon, Arsenal, Liverpool, Celtic ou Olympiacos nas oitavas-de-final.

Julio Cruz: gol.

3 comentários

  • Mesmo que esse jogo não valesse nada (como não valia…), a Roma tem sido excessivamente estranha nos últimos jogos. E esse encontro com o United só corrobora esta tese.

    Qualquer outro elenco romanista que eu me recorde entraria com sede de vingança, mesmo que os jogadores fossem outros… continuaria sendo o United. Enfim, com vaga conquistada, a grata surpresa para a mídia italiana foi Antunes, que praticamente cavou sua permanência no plantel.

    O futuro romanista na competição é uma incógnita, e será definido junto do quadro de lesões do time. Já Milan e Inter, além de esperarem por um sorteio mais tranqüilo, contam com uma maior experiência a nível europeu e – a Inter, neste caso – um plantel mais longo para suprir as possíveis perdas.

  • De fato, certamente qualquer outro elenco romanista entraria com brios feridos em campo. Mas de quem é a culpa de isso não ter acontecido?
    Indolência dos próprios jogadores ou falta de mentalidade combativa do mister Spalletti?

  • Acho que foi mesmo falta de mentalidade combativa do Spalletti. Mas não è uma culpa excessiva, apenas è uma culpa “estrategica”. Quero dizer, o Spalletti não escalou a força maxima e aproveitou para testar alguns jogadores, se importando totalmente de qualquer vingança. Não tivesse sido por isso , a gente não teria descoberto o Antunes.
    Abraço
    http://futbolandia.ilcannocchiale.it

Deixe um comentário