Categorias de base

Garotos prodígios: Alessandro Nesta

A história de Alessandro Nesta poderia ser a de qualquer jovem torcedor da Lazio com talento e vontade de jogar de futebol. Logo aos oito anos foi inscrito numa escolinha de futebol da Cinecittà, área na periferia leste da cidade eterna, onde, inicialmente como meio-campista, chamou a atenção da Roma, que ofereceu cerca de cinco mil euros pelo jovem talento, em valores atuais. Proposta logo recusada por Giuseppe, seu pai, fanático torcedor laziale.

Uma semana depois, Nesta iniciava sua carreira na base da Lazio, onde jogou até mesmo como atacante antes de ser efetivado como zagueiro por Domenico Caso, já em 1992, coincidentemente o ano da chegada de Sergio Cragnotti ao clube. A partir daí, foram três anos no time primavera, relativo aos juniores do Brasil. O título do campeonato da categoria veio em 1995, além de um vice-campeonato em 1993.

Nesse meio tempo, Nesta havia sido lançado por Dino Zoff no elenco principal. Além da estréia em novembro de 1994, o jovem já participava de treinamentos com os profissionais, a ponto de se lesionar seriamente ao dividir uma bola com Gascoigne num treinamento. Zeman chegou na temporada 1994-95, e junto dele mais oportunidades para o jovem defensor. Agregado ao time de cima, Nesta só disputou as partidas decisivas para o título da primavera. Um ano depois, a decisão era mais importante.

O futuro vem a galope

Zeman continuou apostando no garoto, que logo retribuiu, tornando-se o xodó da torcida. Num time que dava espetáculo e deixava a defesa desprotegida, um bom zagueiro ganha visibilidade: o caso de Nesta, desde cedo seguro e influente em campo. A bela campanha na Serie A garantiu sua participação no Europeu sub-21 como titular ao lado de Cannavaro, jovem napolitano que se destacava no Parma. Na épica final contra a Espanha, Nesta converteu o pênalti decisivo que deu o título aos azzurrini.

Um dos melhores da competição em maio, bastou uma semana para que fosse convocado por Sacchi para a Eurocopa, no lugar de Ferrara, lesionado. Apenas espectador do torneio continental, seguiu logo no mês seguinte para a inditosa expedição para os Jogos Olímpicos de Atlanta. Mesmo com apenas uma semana de férias, Nesta não deixou que isso interferisse em sua temporada. Após a queda de Zeman, Zoff retomou o comando do time, já com o jovem romano numa posição privilegiada em seus planos.

Na temporada 1997-98, com Eriksson desde o início, a ambição do clube estava à mostra: junto do sueco, chegaram campeões como Mancini e Almeyda. Na Serie A, o time se manteve na cola da Juventus até o confronto direto do returno, quando o trabalho desandou e apenas um ponto foi conquistado em sete jogos. Mas os olhos da torcida estavam voltados para a final da Coppa. Após perder o jogo de ida, a Lazio começou atrás também no Olimpico. Mas um inspirado Mancini marcou o seu e ainda deu duas assistências: a última delas, para Nesta marcar um dos gols mais importantes da história do clube.

Com o título, ficava clara a retomada de um projeto mais ambicioso na Lazio, no qual Nesta estava bem inserido. Eleito o melhor jovem do ano, chegaria com moral também na Copa do Mundo: titular aos 22 anos. Após duas boas atuações, no último jogo da primeira fase deixou o campo com uma ruptura nos ligamentos do joelho.

Peça-chave da Super Lazio

Enquanto Nesta iniciava um período de seis meses de recuperação, Cragnotti montava um dos mais belos times da história do futebol italiano. Para a defesa, chegaram Mihajlovic e Couto. Em dezembro, Nesta retornaria de sua lesão já com a faixa de capitão laziale. Com seu novo caudilho, a Lazio engatou uma seqüência de nove vitórias que colocaram o clube isolado na liderança da Serie A. Até que uma derrota no dérbi capitolino (na qual Nesta acabou expulso) iniciou a queda que culminou na perda de um scudetto que parecia simples. Para salvar a temporada, o título da última Recopa européia da história, sobre o Mallorca, primeiro troféu levantado pelo novo capitão.

A temporada 1999-00 coincidiu com o centenário da Lazio. Dessa vez, não bastava chegar perto: vencer era a missão. O próprio elenco respirava conquistas, a partir da vitória sobre o Manchester United na Supercopa européia. Após nove jogos de invencibilidade, outra vez o dérbi desmoronou a casa laziale, que perdeu o título simbólico de inverno para a Juve. A dupla Nesta-Mihajlovic era fundamental à Lazio. Quando algum dos dois não estava em campo, o time não conseguia segurança defensiva. Um exemplo foi a partida contra a Fiorentina, no Artemio Franchi, um empate por 3-3. Paolo Negro deixou o campo desolado após falhar nos três gols viola.

Com seu capitano em campo, a Lazio conseguiu tirar os nove pontos de vantagem que a Juventus havia adquirido ao decorrer do campeonato. Na última rodada, o time de Ancelotti ainda estava à frente e bastava vencer o Perugia para conseguir o título italiano. Mas o zagueiro Calori marcou o único gol da partida no Renato Curi, enquanto a Lazio atropelou a Reggina no Olimpico para conquistar seu segundo scudetto. E sem Nesta, suspenso por levar seu quarto amarelo na rodada anterior. Três dias depois, o zagueiro garantiu o empate sem gols com a Inter, no San Siro, e que valeu o título da Coppa.

A inevitável saída

O jogador mais representativo da Lazio agregava classe, experiência, raça e tranqüilidade. Na Eurocopa de 2000, mais experiente, foi um dos destaques da equipe vice-campeã, fazendo contra a Holanda sua melhor partida pela seleção. Ainda ficou mais dois anos na Lazio, tempo para conquistar uma Supercoppa e testemunhar o início do desmanche do time montado por Cragnotti.

Já melhor zagueiro do campeonato italiano e, provavelmente, do futebol mundial, não eram poucas as especulações que o tirava das fileiras da Lazio. O interesse da Inter era enorme, mas tudo parecia correr bem, para a torcida. A sociedade de Cragnotti, na porta da falência, iria buscar na venda de outros jogadores o seu sustento. Até que em 31 de agosto de 2002, último dia do calciomercato, a pior notícia chegou: Nesta havia fechado com o Milan.

Alessandro Nesta foi o maior defensor laziale de todos os tempos. No Milan, manteve a camisa 13 e o nível de seu futebol. Ainda em Milão conquistou outra Serie A, um Mundial de Clubes e duas Ligas dos Campeões, além de outros títulos de menor porte. Pela Seleção, o tetracampeonato mundial – mesmo se lesionando na terceira partida da competição, assim como em 1998.

Ficha técnica

Nome completo: Alessandro Nesta
Local de nascimento: Roma, Itália
Data de nascimento: 19/03/1976
Clubes que defendeu: Lazio (259 jogos, 3 gols) e Milan (229 jogos, 6 gols)
Seleção italiana: 78 jogos
Seleções de base que defendeu: Itália sub-23, sub-21 e sub-18
Prêmios individuais: Melhor jogador jovem da Serie A (1998), Melhor defensor da Serie A (2000, 01, 02 e 03) e FIFPro World XI (2005 e 07)

10 comentários

  • PERFEITO – Um dos melhores

    zagueiros que vi jogar,sem

    dúvidas.Inteligente,rápido,seguro,desarma

    com muita facilidade e ainda

    técnica.Belo texto para um grande

    jogador como Nesta,vou mostrar para

    minhas amigas,dando crédito ao

    blog.

  • A camisa da Lazio está linda nas

    fotos,nossa mostrei para amigos e

    todos gostaram e demoraram para

    reconhecer o Nesta,e tipo,esse

    cabeludo aí é o Salas não é mesmo?O

    rosto ta parecido,até o rosto do WE

    dele ta parecido com esse cabeludo

    aí.Avante,esse post de hoje ficou

    demais.

  • Braitner,
    Mais uma vez, parabéns pelo post, mais do que merecido para um dos maiores zagueiros que vi jogar.
    Pena que, nos últimos anos, contusões tenham impedido que ele atue sempre em alto nível.
    Abraços,

  • Grande post, Braitner.

    Me lembro que nesse período em que Lazio buscava tirar a diferença para a Juve, o Cragnotti fretou alguns jatinhos para buscarem os atletas que, divididos, serviam diversos selecionados pelo mundo. A manobra deu certo e os atletas chegaram inteiros para o compromisso seguinte vencido pelo time da capital.

    Abs

    PS: Parabéns pelo texto.

  • Nesta jogava muito mais na Lazio que no Milan.

    Os acionistas minoritários italianos da Cirio e os brasileiros da Bombril agradecem Sergio Cragnotti pela perda do dinheiro guardado em anos de trabalho.
    Na Itália quem foi mais prejudicado por esse bandido foram os aposentados que investiram a “Indenização por Demissão” comprando ações da Cirio.

  • grande alessandro pena que as lesoes impedissem ele sempre de jogar . o garnde simbola da lazio.jogava de mais ai foi pro milan em 2002 por 30 milhoes de euros e para poucos. sempre marcando poucos gols mais importantes como no titulo da lazio da copa da italia em 1998,na vitoria de virada do milan contra o chievo que ele fez 2 ,se não fossem as lesoes poderiamos ver ate que ponto chegaria

  • grande alessandro pena que as lesoes impedissem ele sempre de jogar . o garnde simbola da lazio.jogava de mais ai foi pro milan em 2002 por 30 milhoes de euros e para poucos. sempre marcando poucos gols mais importantes como no titulo da lazio da copa da italia em 1998,na vitoria de virada do milan contra o chievo que ele fez 2 ,se não fossem as lesoes poderiamos ver ate que ponto chegaria

Deixe um comentário