Serie A

A Roma respira

Espiridião Amin observa a comemoração dos romanistas

Roma 2-0 Atalanta – Panucci e Vucinic
O grande número de jogadores machucados dificultou a escalação da equipe. A derrota dura na última partida contra o Genoa, o clima ruim entre o staff médico e o comando da equipe. Problemas para enfrentar a Atalanta eram variados. A própria equipe de Bérgamo havia começado muito bem o campeonato e em caso de vitória estaria dividindo a liderança com a Lazio. Estaria.
Apesar das dificuldades, a equipe capitolina apresentou um ingrediente que parecia pouco presente nas primeiras apresentações. Vontade e confiança fizeram com que a vitória frente à Atalanta viesse fácil. Antes do fim do primeiro tempo os dois a zero no placar e a partida definida.Os chutões na direção de Vucinic continuaram. A squadra até pressionava a saída da Atalanta e criava chances, mas não era perigosa o bastante para abrir o placar. Até que aos 17, Panucci – com um faro de gol totalmente desproporcional à sua função de lateral-zagueiro – abriu o placar com um chute que desviou antes de enganar Coppola.A Atalanta não assustava. Com Doni vigiado de perto por Brighi e Mexès, havia muito mais segurança na defesa. Contando com Panucci, a Roma controlava a posse de bola.Aos 31 minutos, o golpe de misericórdia. Boa jogada de Menèz que serve Vucinic. Com um giro o montenegrino amplia o placar e encerra as possibilidades da equipe nerazzurra.O restante do jogo foi bastante fraco. A Roma pouco criava de concreto, e as poucas chances da Atalanta paravam nas péssimas conclusões de Floccari e Valdes.O time ainda não está pronto. Juan, Totti, Júlio Baptista, De Rossi devem entrar logo na equipe. Pizarro dificilmente, já que Aquilani tem sido o principal nome da Roma nas últimas partidas. Mas a vitória era imprescindível para dar calma e não afastar tanto os giallorossi dos líderes.Individualmente Brighi (discreto com a bola nos pés, mas bem na marcação de Doni), Aquilani (chamando a armação das jogadas e única mente ‘criativa’ do meio campo), Cicinho (muito bem na parte defensiva e nas antecipações, ainda criou perigo quando foi ao ataque) e Vucinic (pelo gol e pelo esforço de costume) se destacaram.O abraço de Spalletti após a substituição de Vucinic deu o tom da partida. Spalletti com vários problemas (incluindo a sua fixação por um só esquema e pela insistência com alguns jogadores) deve ter pensado: “Obrigado Mirko. Salvou minha pele”.Resta saber até quando.

2 comentários

  • Mirko salvou Spalletti, mas estou começando a achar que a era deste técnico está com seus dias contados na Roma… Pelo menos ele enxergou, finalmente, que o Aquilani tem que ser titular. Hoje eu vi o Albè fazer tudo: criar, ajudar a defesa e atacar. Agora é torcer pra Roma linda da temporada passada voltar logo, mas o scudetto esse ano vai ficar só no sonho, infelizmente…=/

  • Nada Helen o carequinha é o pesadelo contínuo do Braitiniér (hahaha).
    Sei lá… depois de todas essas discrepâncias da Roma, ainda prefiro pensar que as novas chegadas sempre demoram pra se entrosar ao esquema do Spalletti. a saída do mancini e as contusões também pesaram para que este time se perdesse um pouco.

Deixe um comentário