Serie A

900 minutos em 9: 9ª rodada

Antes desacreditado, o Milan de Nesta venceu três partidas em oito dias (Getty Images)

A mais morna das nove rodadas disputadas nesta Serie A não teve nenhuma alteração nas três primeiras colocações da tabela, mas foi palco da confirmação da boa fase de Milan, Napoli, Palermo, Atalanta, Bari e Cagliari. O Genoa, por sua vez, continua a levar muitos gols e Gasperini está mais pressionado do que nunca. Lazio e Roma, então, seguem sem empolgar ninguém. Os giallorossi refugaram após o bom início com Ranieri e a Lazio está a apenas quatro pontos da zona de rebaixamento, com apenas duas vitórias em nove partidas.

A semana foi a melhor possível para o Milan. Após vencer a Roma de virada e os galáticos do Real Madrid em pleno Santiago Bernabéu, em duas ótimas partidas de Alexandre Pato, os rossoneri mais uma vez venceram de virada pela Serie A. No Bentegodi de Verona, a semana de sonho dos milanistas parecia que ia acabar em pesadelo, quando o Chievo saiu na frente com um belo gol de Pinzi e continuou pressionando durante todo o primeiro tempo e o início do segundo. Pellissier perdeu duas chances muito boas, que poderiam ter matado o jogo. Mesmo sem o domínio da partida, o Milan levava perigo, obrigando Sorrentino a parar Pato, Ronaldinho, Seedorf e Inzaghi. O goleiro veronese só não conseguiu parar três cabeçadas: duas delas quando Borriello (que substituiu um pífio Huntelaar, candidato a Bidone d’Oro) acertou o travessão e acabou deixando Nesta livre para cabecear para as redes. A terceira veio já nos acréscimos, quando o ex-defensor da Azzurra (melhor rossonero da temporada) fulminou para as redes e marcou sua doppietta providencial. Minutos antes, Dida fez uma defesa fenomenal e importantíssima após cabeceio de Granoche, que só não o colocará na seleção da rodada porque Frey teve uma jornada fabulosa.

Em Florença, Frey roubou a cena na partida entre Fiorentina e Napoli, a mais disputada desta rodada. Ambas as equipes tiveram muitas chances durante a partida e embora a Fiorentina tivesse dominado o jogo por todo o segundo tempo, os lances de maior perigo foram dos azzurri. Inspirado, o goleiro viola começou a trabalhar no primeiro tempo, quando espalmou bomba de Maggio no primeiro minuto e ao fazer uma dupla defesa em chutes à queima-roupa de Lavezzi e Hamsik. Já no segundo tempo, o francês continuou evitando gols dos visitantes, sobretudo de Quagliarella. Frey venceu o atacante partenopeo até mesmo num pênalti bem cobrado pelo atacante da Azzurra, quando saltou no cantinho para evitar seu gol. No entanto, Frey nada pode fazer quando a defesa viola cochilou e permitiu que, pela segunda vez, Maggio marcasse o gol do Napoli no final do jogo. Mazzarri, expulso por reclamação, parece ter dado outro fôlego a esta equipe, que agora está na zona de classificação para a Liga Europa.

Em outro jogo que envolvia postulantes à zona das competições europeias, o Palermo venceu a Udinese. No início do jogo, os donos da casa tiveram azar com a lesão de Balzaretti. Blasi entrou no centro do meio-campo e Pastore foi deslocado para a ala esquerda, mas não deu muito certo. Em uma partida fechada, ambas as equipes tentaram jogadas pelas laterais e arriscaram muito de fora da área, exigindo boa participação dos goleiros Handanovic e Sirigu (outra vez escolhido em lugar de Rubinho). Sanchez e Di Natale tiveram boas chances em jogadas individuais, mas Migliaccio foi decisivo nas duas: na primeira, cometeu pênalti que o juiz não deu e, na segunda, recuperou-se para desarmar Di Natale, que já havia driblado Sirigu e estava frente ao gol aberto. O gol da vitória rosanera só poderia ter saído mesmo de um chute de fora da área. No fim do jogo, Bovo pegou um sem pulo após rebote da defesa friulana e contou com um desvio em Asamoah para dar os três pontos a seu time.

Inter e Samp venceram com facilidade em jogos decididos no primeiro tempo, mantendo-se na liderança e na vice, respectivamente. Em dia histórico, Javier Zanetti completou 635 partidas na Serie A, igualando Giacinto Facchetti como segundo jogador na história com mais jogos pelos nerazzurri. Samuel e Stankovic, poupados, e Cambiasso, lesionado, não fizeram falta à Inter, que contou com boas atuações de Vieira e Córdoba. A estratégia de Mourinho era partir logo para o ataque para depois cozinhar o jogo e assim, a equipe fez dois gols logo no primeiro tempo, com um lance de sorte de Muntari e um belo gol de falta de Sneijder. Para os interistas, a se lamentar apenas o gol sofrido após pênalti inexistente em Plasmati, originado por uma falha de Júlio César.

Mais cedo no sábado, a Sampdoria não teve qualquer dificuldade para atropelar o Bologna, que estreava Franco Colomba como novo treinador. Ainda no primeiro tempo, com Cassano, Pazzini e Mannini jogando por música, saíram os quatro gols da vitória blucerchiata por quatro a um. Cassano participou com duas assistências, Pazzini com um gol e uma bela assistência e Mannini (uma das melhores contratações do mercado) fez dois gols. O Bologna também terá problemas para a próxima rodada, já que Di Vaio foi expulso. Quem sabe Osvaldo, que marcou o gol de honra rossoblù, possa substitui-lo dignamente. Por sua vez, a Juventus não deixou que Inter e Sampdoria escapassem, e terá a chance de assumir a vice-liderança no confronto direto contra a equipe de Del Neri na quarta, em Turim. Em boa partida de Diego (não tanto quanto as primeiras), os bianconeri derrotaram o Siena com um gol de Amauri e empurraram o Siena para a lanterna da Serie A. Marco Giampaolo deve ser demitido, enfim.

Na Sardenha, o Cagliari conquistou sua primeira vitória em casa contra um Genoa que parece não saber mais o que é vencer. Allegri deu ao brasileiro Nenê a primeira chance de começar entre os titulares e Gasperini, preocupado com sua defesa, escalou seu time com quatro zagueiros (Sokratis e Bocchetti nas laterais) e um meio-campo super físico (Rossi, Juric e Milanetto). Porém, todo o planejamento de Gasperson foi por água abaixo quando Juric se machucou ainda no início e Zapater entrou em seu lugar. Os rossoblù visitantes até chegaram a ficar duas vezes na frente no placar, com Mesto e Floccari, mas o Cagliari jogou melhor, teve espírito de reação e empatou duas vezes em lances polêmicos. O primeiro empate surgiu após jogada de pinball na área adversária, que Biondini concluiu para as redes. No entanto, houve muitas dúvidas se Agostini estava impedido quando recebeu lançamento de Cossu no início de tudo. No segundo empate, o mesmo Cossu chutou e a bola desviou na mão de Moretti. Não pareceu intencional, mas Gabriele Gava expulsou o defensor grifone por segundo amarelo. Nenê converteu e pouco depois, já no fim do jogo e com um a mais, o Cagliari chegou à vitória após gol de Lazzari. Mesmo com tantos incidentes, o Genoa não jogou bem e Gasperini começa a sentir sua batata assando.

Hoje, o Bari estaria classificado para a Liga Europa. No San Nicola, a mais nova vítima dos biancorossi foi a Lazio, que não vence desde a segunda rodada. Em um jogo no qual os mandantes dominaram francamente desde o início, o primeiro gol saiu após um belo lançamento de Almirón para conclusão de Barreto. A partir de então, Almirón e Donati venceram todos os duelos no meio-campo, permitindo que o Bari jogasse nos contra-ataques e explorando a velocidade de Alvarez . No segundo tempo, Meggiorini fez o segundo e sobrou tempo para a estreia do jovem e promissor Koman (destaque da Hungria no Mundial sub-20) e para a expulsão de Dabo. Ballardini, um tanto insatsfeito, disse que estava sendo difícil não contar com Pandev e Ledesma, afastados por não renovarem seus contratos. A outra surpresa da temporada, o Parma, acabou jogando mal contra a Atalanta e saiu derrotada do Atleti Azzurri d’Italia. A defesa crociata, que foi bem nas rodadas anteriores, acabou sentindo a ausência de Paci (gripado) e falhou muito – como nos gols de Tiribocchi e Peluso, além de outras duas chances claras para os donos da casa. Também houve espaço para um pênalti infantil cometido pelo experiente Panucci, que colocou a mão na bola em uma jogada despretensiosa. No entanto, é necessário dar méritos também para Antonio Conte, que não sabe o que é perder desde que sentou no banco nerazzurro, na quarta rodada.

E, quando menos se esperava, a Roma superou todas as expectativas e voltou a romar – verbo utilizado quando alguma coisa, geralmente o time giallorosso, deixa algum resultado escapar no último minuto ou não cumpre com as expectativas geradas. Um time em ascenção que jogava em casa contra o lanterna, que estreava o bom Serse Cosmi na função de treinador. Vitória certa. Ou não. Porque, como já sabemos, a Roma romou e sofreu o gol de um certo Tavano, recente ex-atacante que figura entre as piores contratações do clube na década, que deu a primeira vitória ao Livorno no campeonato. E não soube se aproveitar nem da expulsão infantil do goleiro De Lucia no início do segundo tempo. Vucinic e Perrotta perderam inúmeras boas chances, Faty não foi bem na armação, Taddei continua em sua péssima fase e o dia romanista foi pro saco em definitivo quando Pit fez sua estreia. Depois de três anos sem chances para o romeno, hoje o motivo ficou bem claro. No fim do jogo, Ranieri ainda declarou que sem Totti ficava difícil ganhar. Qual o problema, então?

Texto com colaboração de Braitner Moreira

Para resultados, escalações, classificação e estatísticas da 9ª rodada, clique aqui.

Seleção da 9ª rodada
Frey (Fiorentina); Cordoba (Inter), Nesta (Milan), Bovo (Palermo); Maggio (Napoli), Padoin (Atalanta), Almirón (Bari), Cossu (Cagliari), Mannini (Sampdoria); Cassano (Sampdoria), Pazzini (Sampdoria).

Deixe um comentário