Serie A

900 minutos em 9: 12ª rodada

Em noite de Camoranesi e com a ajuda da Roma, a Juventus reabre o campeonato (Getty Images)

A primeira partida desta 12ª rodada foi um tormento: Catania e Napoli empataram em um jogo muito ruim. Como disse a manchete da Gazzetta dello Sport, o time azzurro ficou em Turim. E a Juventus, derrotada pelo Napoli nesta mesma Turim, não ficou por lá: foi a Bérgamo e jogou como outro time, para vencer sem muitos dramas a Atalanta, apesar das boas partidas de Guarente e Valdés e do pequeno susto levado quando os nerazzurri encostaram no placar por duas vezes seguidas. A Velha Senhora, logo após sofrer os dois gols, logo ampliou sua vantagem, primeiro com Felipe Melo e depois com Diego. Porém, o nome da partida foi Camoranesi, que fez dois gols ainda no primeiro tempo e também participou bem de todo o jogo. Festa para o ítalo-argentino e também para Trezeguet, que com seu gol chegou a 167 gols pelo clube, atingindo a marca de estrangeiro a marcar mais gols pela Juve. Porém, quem mais comemorou foi a Juventus, que está a cinco pontos da Inter e vê o campeonato reaberto.

No Meazza, na partida que fechou a rodada, um empate ficou de bom tamanho para Inter e Roma, pelo futebol não jogado, como disse Mourinho. O técnico nerazzurro decidiu poupar Cambiasso, Sneijder e Chivu, que não estavam 100% e lançou um meio-campo formado por Muntari, Vieira e Thiago Motta. Os visitantes, por sua vez, estavam desfalcados de Doni, Burisso, Juan e Totti. A Roma começou o jogo a todo o vapor e se aproveitou da desatenção defensiva da defesa nerazzurra para levar perigo. Na primeira, Vucinic recebeu passe de Ménez e demorou o suficiente para que Lúcio se recuperasse para desarmá-lo. Na segunda, o montenegrino ganhou do zagueiro brasileiro no alto e encobriu Júlio César, inexplicavelmente adiantado. Daí para a frente, a Inter foi toda ataque contra uma Roma fechadíssima, que só ameaçava em esporádicos contra-ataques. Maicon tentou atacar o jogo inteiro, mas Riise esteve muito bem na marcação e ganhou o duelo. Ainda no primeiro tempo, Júlio Sérgio chegou a ser decisivo, em uma defesa cara a cara com Milito. De Rossi foi substituído após chocar-se com Vieira e será operado, desfalcando a seleção italiana nos amistosos da semana. No segundo tempo, após as entradas de Sneijder e Balotelli, a Inter foi ainda mais para cima e não demorou para empatar. Eto’o marcou, após um belo giro de dentro da área. Daí para frente, mesmo que a Inter continuasse pressionando, o jogo caiu de ritmo e o empate persistiu.

Logo atrás de Inter e Juventus, o Milan aparece na terceira colocação, após vencer a Lazio na capital. Após toda a contestação a Leonardo e ao elenco, os rossoneri vão surpreendendo e já estão a sete jogos sem perder (nove, contando com os duelos contra o Real Madrid pela Liga dos Campeões). Enquanto Ballardini sofreu com um ineficiente Matuzalém como trequartista de seu 4-3-1-2, o tridente ofensivo montado por Leonardo deu certo mais uma vez. Pato marcou seu quinto gol na Serie A, o quarto com passe de Ronaldinho. Antes, Pirlo, em boa tarde, havia cruzado para Thiago Silva marcar o primeiro rossonero. A Lazio, muito dependente de um esforçado Zárate, pouco ameaçava e só conseguiu reduzir a distância no marcador graças a um estranho gol contra de Thiago Silva. A partir de então, com Cruz e Meghni ajudando Rocchi e Zárate, os laziale ameaçaram, mas a defesa milanista estava segura. Mesmo se defendendo muito, o Milan se aproveitou da fragilidade do adversário para atacar e forçou Muslera a fazer ótimas defesas. A crise biancoceleste é muito real e Ballardini está por um fio. Desta vez Claudio Lotito lhe deu confiança, mas quando ela acabará?

Incrível neste campeonato, até agora, são as posições de Parma e Bari, acompanhando de pertinho os postulantes às vagas europeias. Nesta rodada, as duas equipes subidas da Serie B derrotaram Chievo e Livorno, dois concorrentes diretos na luta pela salvezza, que parece cada vez mais próxima de ser garantida. No Tardini, o Parma segue com desempenho fantástico: contra o Chievo, o time de Guidolin chegou à quinta vitória em seis partidas, o que significa que 15 dos 20 pontos dos gialloblù foram conquistados em casa. Além disso, os crociati não sofrem gols em seu estádio há 302 minutos. Na partida de hoje, apesar da lesão que Paloschi sofreu na coxa, não foi difícil passar pelos veroneses. Bojinov levava perigo ao gol de Sorrentino, mas quem marcou o primeiro foi Zaccardo, com um belo toque de canhota. No segundo tempo, o Parma fez o segundo depois que Abbruscato quase empatou para o Chievo ao cabecear uma bola na trave. No mesmo lance, a bola sobrou para Dzemaili, que correu mais de setenta metros em um contra-ataque fulminante e deixou Lanzafame livre para marcar seu primeiro gol na Serie A.

O Bari, por sua vez, não teve dificuldades para vencer o Livorno, no San Nicola. Logo no início, Allegretti fez o gol solitário do jogo, que mantém o Livorno na zona de rebaixamento. Apesar da má colocação na tabela, o Livorno teve um jogador convocado para a seleção italiana. Para os amistosos desta semana, contra Holanda e Suécia, Lippi convocou Candreva, que tem feito por merecer uma chance na Azzurra. Candreva, meia habilidoso e de visão de jogo, tem jogado quase sozinho na equipe amaranta. Prova disso é que o Livorno fez apenas quatro gols em doze rodadas.

Em Údine, Udinese e Fiorentina foram a campo sem vários jogadores importantes. Os donos da casa não teriam Floro Flores e Sanchez, enquanto os viola teriam de jogar sem Zanetti, Mutu e Jovetic. Para piorar, ao longo da partida as lesões continuaram. Marino teve de mexer para compensar as saídas de Pepe e D’Agostino, enquanto Prandelli teve de substituir Santana e De Silvestri. Em um jogo atípico e sem emoções, o gol só poderia sair sem querer. Nos minutos finais, Vargas bateu falta colocando a bola na área, mas ela foi direto pras redes, após desviar levemente em Pasquale. Di Natale ainda tentou empatar, mas Frey garantiu a vitória que levou a Fiorentina à quarta posição, com 21 pontos, mesmo número da Sampdoria, que só somou um ponto em três rodadas.

Desta vez, os doriani perderam para um bravo Cagliari, na Sardenha. A quarta vitória consecutiva de Allegri e companhia não foi fácil. Cassano começou jogando bem e deixou Mannini livre, mas Marchetti se antecipou bem ao meia adversário. Fantantonio ainda sofreu pênalti de Jeda, mas o árbitro Gervasoni não marcou. A primeira chance rossoblù surgiu com Biondini, convocado pela primeira vez para a Azzurra. O ruivo chutou de longe e acertou a trave de Castellazzi, que deu mais sorte quando Dessena, ex-Samp, desperdiçou o rebote. As coisas começaram a complicar para a Sampdoria logo depois, quando Stankevicius, último homem, fez falta em Jeda e foi expulso. No entanto, a formação blucerchiata defendia bem e Castellazzi ia garantindo o resultado, ao defender dois chutes perigosos de Conti. No entanto, o mesmo Conti foi decisivo no final da partida, ao cabecear sozinho e enfim vencer o goleiro doriano. O ex-romanista ainda deu um passe de cabeça para Matri dar números finais a partida e fazer o Cagliari, 19 pontos, sonhar mais uma vez com a Europa.

Um ponto atrás se encontra o Genoa. Os rossoblù tiveram uma boa semana, embalada pela vitória na Liga Europa contra o Lille, conseguida no último minuto, e coroada com a vitória contra o Siena, por quatro a dois. Se o ataque funciona muito bem e é o terceiro melhor da competição, com 22 gols, a defesa é a pior da Itália, com 22 gols sofridos. Não importa quem jogue, o tridente rossoblù é fulminante. Desta vez, começaram jogando Crespo e Palacio, que foram fundamentais para a vitória. O centroavante fez dois gols em menos de 20 minutos e o ex-xeneize participou de três gols. Curci falhou no segundo gol de Crespo, ao largar o chute rasteiro de Palacio, e mostrou ser mesmo um goleiro de altos e baixos ao se redimir e fazer uma defesa difícil cara a cara com Palladino, convocado para a Azzurra. Porém, o ex-juventino marcaria logo depois, concluindo para as redes mais uma jogada feita por Palacio. Quem esperava por uma partida já decidida, se surpreendeu com a postura do Siena na segunda etapa. Baroni colocou o time para frente e por pouco não conseguiu o empate. A dez minutos do fim do jogo, Paolucci e Maccarone recolocaram os bianconeri no jogo, com dois gols surpresa. Rosi quase empatou, mas Floccari, já nos acréscimos, jogou um balde de água fria nos visitantes. Se serve de alento para o Siena, Paolucci foi mais ativo hoje que Calaiò em todo o campeonato e pode ser útil para as próximas partidas.

No Renato Dall’Ara, o Bologna sorriu duplamente após sua vitória contra o Palermo, por três a um: a vitória vale o dobro quando seus adversários diretos são derrotados. A vitória felsinei foi construída com dois gols de Zalayeta e um de Di Vaio, todos com falhas do ótimo zagueiro Kjaer, mas que estava em dia deplorável. O dinamarquês chegou a buscar a redenção, quando marcou o gol do momentâneo empate, mas marcar um gol não é suficiente quando você é o bidone da rodada. Fora de casa, os rosaneri continuam sem vencer enquanto, em casa, os bolonheses vão bem, com três vitórias. Será que o mando de campo contará para a próxima partida, contra a Inter?

Para resultados, escalações, classificação e estatísticas da 12ª rodada, clique aqui.

Seleção da 12ª rodada
Júlio Sérgio (Roma); Zaccardo (Parma), Chiellini (Juventus), Riise (Roma); Camoranesi (Juventus), Pirlo (Milan), Conti (Cagliari), Dzemaili (Parma); Palacio (Genoa), Crespo (Genoa), Zalayeta (Bologna).

Deixe um comentário