Serie A

900 minutos em 9: 14ª rodada

Com o placar inesperado no dérbi a Serie A tem novamente um super Genoa?

A 14ª rodada foi bastante positiva para as equipes de Milão. A Inter segue líder da Serie A após uma vitória tão sofrida quanto merecida, sete pontos a frente não da Juventus, que foi derrotada pelo Cagliari, mas pelo Milan, que venceu o Catania. Além disso, ambas as equipes puderam assistir a atuações expressivas de seus “patinhos feios”, Quaresma e Huntelaar. No Giuseppe Meazza, a Inter disputou uma partida intensa, com jogadas de velocidade, criou quatro ou cinco chances claras de gol e mereceu vencer até por mais de um a zero. Porém, os nerazzurri desperdiçaram muitas oportunidades: para ficar apenas nos exemplos mais claros, Milito e Eto’o perderam uma chance cada frente a frente ao goleiro Frey. O placar teria sido ainda mais “mentiroso” se, cerca de um minuto antes do gol solitário, de pênalti, marcado por Milito aos quarenta do segundo tempo, Gilardino não tivesse acertado a trave após encobrir Lúcio e Samuel, na única jogada de perigo da viola. Ajudado por uma boa atuação do trio de meio-campistas da Inter, Quaresma foi o melhor em campo até sair no meio do segundo tempo por causa de um estiramento que o manterá de fora dos gramados por um mês.

Em Catania, os rossoneri de Milão foram salvos por Huntelaar. Em campo, Pirlo, suspenso, fez imensa falta para os visitantes, que não criavam muito perante um Catania igualmente improdutivo. Porém, nos acréscimos, o holandês, que foi contratado para fortalecer a linha de frente do Milan mas vem atuando muito abaixo das expectativas, enfim desencantou. E em grande estilo. Ele entrou apenas a seis minutos do fim do tempo regulamentar e marcou os dois gols da vitória rossonera: Andújar, inseguro, colaborou no primeiro gol e foi encoberto pelo lindo palonetto do atacante no segundo. O mesmo discurso vale para Huntelaar e Quaresma: é cedo para falar em recuperação.

No Marassi, super Genoa! Em um dérbi nervoso, com três expulsos, os rossoblù engoliram a Sampdoria. Os blucerchiati não conseguiram nem mesmo levar perigo a Amelia em um lance sequer, nem com a superioridade numérica adquirida no final do primeiro tempo, com a infantil expulsão de Biava. A Samp não viu a cor da bola: Milanetto comandou um meio-campo aguerrido, marcou um gol, deu uma assistência e foi o melhor em campo. No ataque, Sculli, Palladino e, sobretudo Palacio (que saiu lesionado no fim do primeiro tempo), desnorteavam a defesa adversária. Ziegler teve a proeza de cometer dois pênaltis e quase marcar um incrível gol contra, evitado pela trave. Rossi e Cacciatore foram expulsos na segunda etapa, devolvendo a superioridade numérica para o lado rossoblù de Genoa, que na verdade, já a tinha: a torcida do Ferraris jogou com seu time, que voltou a sonhar com a Liga dos Campeões.

Na Sardenha, o Cagliari teve mais uma grande atuação contra a Juventus. Se na última temporada a equipe de Allegri venceu a Velha Senhora de virada no Olímpico de Turim, em casa os rossoblù não estiveram nem perto da derrota. Enquanto Diego e Marchisio decepcionavam os bianconeri, Amauri pouco poderia fazer isolado no ataque. Nem mesmo a entrada de Del Piero, jogando sua primeira partida nesta Serie A, foi suficiente. Por outro lado, Allegri escalou um time bastante ofensivo, com Lazzari e Cossu prontos a servir Jeda e Nenê. O brasileiro, contratado ao Nacional da Madeira, junto com Matri, tem feito o time não sentir falta de Acquafresca. Através de atuações consistentes, cada um marcou seis gols na temporada e a Juventus não escapou da artilharia dos dois. O brasileiro, aliás, marcou um golaço numa bomba de fora da área e o italiano não teve dificuldades de driblar Cannavaro (em mais uma péssima partida) para marcar o segundo. É um grande Cagliari, que vem de cinco vitórias em seis partidas e está na zona Liga Europa. Pequenos mesmo são os ultràs do time, que insultaram Sissoko com cânticos racistas.

Na estreia de Delio Rossi no comando do Palermo, em visita ao Chievo, nenhuma mudança: os rosaneri perderam novamente, e já estão a apenas duas posições acima da zona de rebaixamento, com 17 pontos. O próprio Chievo ultrapassou os sicilianos e alcançaram os 18 pontos com a vitória. A equipe gialloblù deve agradecer às boas atuações de Bentivoglio e Abbruscato (autor do gol) e, como sempre a Sorrentino. Liverani, queiridinho de Rossi, voltou a jogar após oito meses de ausência e, sem ritmo, jogou mal e acabou expulso. No sábado, a Udinese voltou a vencer após duas derrotas consecutivas e também chegou aos dezoito. Outra volta comemorada pelos friulani foi a de Di Natale, que não marcava desde 3 de outubro e, com um lindo gol de falta, reassumiu a artilharia isolada do campeonato com 10 gols. A equipe bianconera não encontrou dificuldades para bater o Livorno e definiu o jogo logo no primeiro tempo, abrindo dois a zero. Floro Flores marcou o gol que decidiu a partida, embora Lucarelli, com duas chances incríveis, quase a tenha reaberto no segundo tempo.

A Roma visitou a Atalanta e saiu de Bérgamo com três pontos preciosos. Embora tenha saído atrás no placar, gol de Ceravolo, os giallorossi não perderam o foco da partida e não tardaram a conseguir a virada, graças a Vucinic. O montenegrino empatou, de cabeça, e foi o autor do cruzamento que Perrotta completou, também de testa. Porém, logo após a virada, a Roma permitiu que os donos da casa voltassem a pressionar. Júlio Sérgio, preferido a Doni por estar em grande fase, foi novamente fundamental e fez três defesas importantes. No entanto, os nerazzurri têm motivo para reclamar. Juan cometeu pênalti em Tiribocchi, que se encontrava cara a cara com o goleiro brasileiro, mas Tagliavento não assinalou. Assim como a Roma, o Bari também chegou a 21 pontos.

No San Nicola, os biancorossi conseguiram uma vitória emocionante contra o Siena, apenas nos acréscimos. A defesa da equipe, consistente até então, já havia cedido frente a Totti na semana passada e falhou de novo contra os bianconeri. Parisi e Bonucci cochilaram, permitindo que Vergassola concluísse paras as redes de um Gillet que também falhou. O Siena de Malesani foi a campo com uma formação mais compacta, suficiente para dominar o meio-campo adversário. No entanto, a entrada de Kamata no segundo tempo foi a chave para a vitória, pois o meia angolano desconcertou a marcação Robur. O gol da virada, nos acréscimos, foi de Gaetano Greco, aposta pessoal de Ventura, que o treinara no falido Pisa. Semana amarga para Alberto Malesani, que estreou como técnico da equipe toscana sendo eliminado da Copa da Itália pelo pequeno Novara e, de quebra, perdeu nos acréscimos um pontinho importante para a salvezza.

No Olímpico de Roma, um zero a zero entre Lazio e Bologna não poderia ser mais melancólico. As duas equipes não conseguiram se distanciar um pouco da zona de rebaixamento e ficaram estacionadas com 13 pontos. Menos mal para o Bologna, que jogou fora de casa e poderia ter perdido, não fosse Viviano com duas defesas frente a Zárate, oásis técnico na má fase biancoceleste. A Lazio, por sua vez, tem uma sequência que pode enterrar ou redimensionar a temporada: dérbi contra a Roma e depois Inter e Genoa.

Já em Parma, um empate que não desagradou. Os donos da casa chegaram ao quarto posto após empatarem com o Napoli, em um jogo que parecia perdido. Desfalques importantes acabaram prejudicando um pouco a qualidade do espetáculo. Pelos crociati, Paloschi, Bojinov e Mariga estavam machucados, e Galloppa, suspenso, não foi substituído com a mesma qualidade por Lunardini. Do lado azzurro, Lavezzi não pode jogar e Denis ganhou espaço no 3-4-1-2 de Walter Mazzarri. Denis, servido mais uma vez por Maggio, castigou o Parma logo no primeiro tempo. É verdade que Mirante até colaborou, mas a equipe napolitana foi a primeira a marcar um gol no Tardini em dois meses. O ritmo do jogo caiu muito no segundo tempo, com o domínio do Napoli. Mas, quando o jogo parecia se encaminhar para uma vitória dos visitantes, Aronica cometeu pênalti em Lanzafame, permitindo que Amoruso, ex-Napoli, empatasse o jogo e colocasse o Parma na zona Champions.

Para resultados, escalações, classificação e estatísticas da 13ª rodada, clique aqui.

Seleção da 14ª rodada
Júlio Sérgio (Roma); Zanetti (Inter), Mantovani (Chievo), Criscito (Genoa), Lukovic (Udinese); Kamata (Bari), Rossi (Genoa), Milanetto (Genoa), Quaresma (Inter); Huntelaar (Milan), Nenê (Cagliari).

Deixe um comentário