Serie A

Parada de inverno: Lazio

Líder do pior ataque da Serie A, Zárate vive entre o céu e, principalmente, o inferno (Reuters)

Campanha
16ª posição. 17 jogos, 16 pontos. 3 vitórias, 7 empates, 7 derrotas. 10 gols marcados, 16 sofridos.
Maior sequência de vitórias: 2, da 1ª à 2ª rodada
Maior sequência de derrotas: 2, da 9ª à 10ª rodada
Maior sequência de invencibilidade: 3, da 6ª à 8ª rodada
Maior sequência sem vencer: 13, da 3ª à 15ª rodada
Artilheiro: Julio Cruz, 3 gols
Fair play: 44 amarelos, 4 vermelhos

Time-base
Muslera; Siviglia, Diakité (Stendardo), Radu; Lichtsteiner, Brocchi (Dabo), Baronio, Kolarov; Mauri (Matuzalém); Rocchi, Zárate

Treinador
Davide Ballardini. Mas se ele ainda está em Formello, deve muito ao presidente Claudio Lotito. Pode-se criticar Lotito por um punhado de coisas, mas é fato que ele costuma dar suporte a seus comandantes e não mandá-los embora na primeira oportunidade, Delio Rossi que o diga. A temporada começou bem com a conquista da Supercoppa em Pequim e seis pontos nas duas primeiras rodadas. Depois disso, o time desandou, passou 13 jogos sem vencer, perdeu o dérbi… Muito disso é reflexo do curto trabalho de pré-temporada, que priorizou a disputa em Pequim e não deu condições físicas e fisiológicas para o time se acertar em médio prazo e nem confiança para o técnico apostar num módulo de jogo decente. Ballardini topou começar seus trabalhos com 32 jogadores no elenco e o número só cresceu com as contratações e a promoção de alguns jovens. Provando que essa é uma receita que, invariavelmente, dá errado.

Destaque
Roberto Baronio. No fim dos anos 90, a dupla Baronio-Pirlo era uma das mais promissoras do futebol italiano. O segundo sagrou-se campeão mundial e o primeiro só agora, aos 32 anos, recuperou o motivo de ser tão considerado. Baronio se mandou para a Lazio em 1996 e só conseguiu completar seu 100º jogo no time no decorrer da atual temporada. Entre seis empréstimos e uma co-propriedade, só com Ballardini é que o regista de Verolanuova encontrou seu espaço. Com o afastamento de Ledesma, o técnico garantiu que Baronio lhe seria útil e entregou a ele as chaves do meio-campo laziale, inclusive com a faixa de capitão no início da temporada, enquanto Rocchi estava lesionado. Valeu a pena e Baronio é a única cabeça pensante desse meio-campo. Destaque também para o ressurgimento de Mauri após a saída de Delio Rossi, assim como o crescimento de Kolarov, que melhorou bastante seus dotes defensivos e entrou na mira de gigantes europeus.

Decepção
Mauro Zárate. Depois da uma ótima temporada de estreia, com 13 gols em 36 partidas da Serie A e participação fundamental na final da Coppa Italia contra a Sampdoria, Lotito não teve opção para renegociar e pagou os 20 milhões de dólares que o Al-Sadd exigia para liberá-lo em definitivo. Não fosse o preço, que lhe tirou dos bolsos um dinheiro que jamais havia dispendido desde que se tornara presidente laziale, Zárate nem seria a grande decepção do time nesses últimos meses. Mas o afastamento de Pandev e o mau condicionamento físico de Rocchi fizeram com que a Lazio dependesse demais do argentino, que não chega a jogar mal, mas caiu bastante de rendimento agora que é dono do time – o que já tinha acontecido no ano passado. Não à toa, a Lazio tem o pior ataque da competição. Lá atrás, Diakité começou mal, principalmente nas bolas altas, e perdeu a posição para o reintegrado Stendardo. Muslera também está longe de ser unanimidade.

Perspectiva
Ficar no meio da tabela. Com o fracasso na Liga Europa, onde viu o Red Bull Salzburg passear fácil em seu grupo, a Lazio pode concentrar suas forças na Serie A. Ao contrário do que houve da última vez em que disputou uma copa europeia, na Liga dos Campeões 2007-08, pelo menos dessa vez o trauma deve ser menor. A campanha nacional dos biancocelesti é terrível e depois da queda no dérbi até se pensou numa luta contra o rebaixamento, mas a Lazio continua um degrau acima daqueles que vão lutar pela salvezza – mas segue vários abaixo daqueles que tentarão vagas continentais. Muito do gap seria preenchido com o retorno de Pandev, que rescindiu seu contrato com o clube hoje, e Ledesma, mas o fato é que os jogadores não aceitariam mais voltar a vestir a camisa da Lazio. E já surgem especulações de que Julio Cruz também pediu para ser negociado. Enquanto isso, nada dá certo no mercado de janeiro, com uma Lazio sem dinheiro apontando alto demais em gente como Réver, Bolatti e Maxi López.

2 comentários

  • Opa, valeu! Acho que por aqui dá pra ser isento e até mesmo falar da Lazio. 😛
    Quanto ao Cruz, acho que ele nem jogou o suficiente pra ser decepção… Mas estava entre os meus "favoritos" pra função, de qualquer modo.
    Abraço

Deixe um comentário