Serie A

Parada de inverno: Palermo

Como na temporada passada, Miccoli continua voando baixo e decidindo para o Palermo (Getty Images)

Campanha 7ª posição. 17 jogos, 26 pontos. 7 vitórias, 5 empates, 5 derrotas. 22 gols marcados, 20 sofridos.
Maior sequência de vitórias: 3, três vezes
Maior sequência de derrotas: –
Maior sequência de invencibilidade: 5, da 5ª à 9ª rodada
Maior sequência sem vencer: 5, cinco vezes
Artilheiro: Fabrizio Miccoli, 6 gols
Fair play: 48 amarelos, 1 vermelho

Time-base
Sirigu; Cassani, Kjaer, Bovo, Balzaretti; Simplício (Migliaccio), Nocerino, Bresciano; Pastore; Cavani (Budan) e Miccoli

Treinador
Walter Zenga, até a 13ª rodada; Delio Rossi, a partir da 14ª. Zenga chegou na Sicília com toda a pompa, dizendo que o objetivo era o scudetto, animando torcedores e presidente, famoso por demitir treinadores a seu bel prazer. Porém, a história não foi bem assim, o Palermo fazia péssima campanha fora de casa, ficava longe das primeiras colocações e após a derrota no dérbi contra o Catania, sobrou, é claro, para o técnico. Injustamente demitido, Zenga deu lugar a Delio Rossi, que continuou o trabalho do seu antecessor e vem de três vitórias seguidas.

Destaque
Fabrizio Miccoli. Os poucos centímetros do atacante continuam sendo fundamentais para o time de Palermo. Miccoli é o motorzinho da equipe. Sua presença ou não em campo dita o ritmo de jogo palermitano. Com ele, o time fica mais veloz, podendo explorar muito bem os contra-ataques. Sem ele, a mobilidade do time cai bastante. Além disso, o atacante é o artilheiro da equipe, com seis gols. Destaque também para os jovens Sirigu e Cavani, além dos laterais Cassani e Balzaretti, que podem cavar uma vaguinha na Azzurra.

Decepção
Nicolás Bertolo. O argentino chegou no início da temporada para ser titular, no lugar de Simplício, provavelmente, mas até agora não agradou e disputou somente seis partidas. Simplício continua com seu lugar na equipe e quando precisa ser substituído, Migliaccio é o escolhido, deixando Bertolo como terceira opção. Outra grande decepção é o brasileiro Rubinho, que foi contratado para substituir Amelia, mas que com atuações muito inseguras, acabou cedendo lugar para o jovem Sirigu. A propósito, o irmão de Zé Elias já deve deixar o clube em janeiro.

Perspectiva
Vaga na Liga Europa. É a partir de agora que o banco de reservas começa a ser importante para as equipes. Quem não tem boas peças de reposição, fatalmente, vai ficando para trás. E apesar do bom time titular, o Palermo não conta com muitas opções no banco. Outro problema dos rosaneri é a pífia campanha fora de casa. Até agora, foram só duas vitórias e um empate conquistados longe de casa, prejudicando a chance de aspirar posições mais altas na tabela.

Deixe um comentário