Serie A

Parada de inverno: Parma

O segredo do Parma está no banco: elenco extenso e um treinador em grande fase (Getty Images)

Campanha

5ª posição. 17 jogos, 28 pontos. 8 vitórias, 4 empates, 5 derrotas. 22 gols marcados, 22 sofridos.

Maior sequência de vitórias: 2, duas vezes

Maior sequência de derrotas: –

Maior sequência de invencibilidade: 5, da 12ª à 16ª rodada

Maior sequência sem vencer: 2, duas vezes

Artilheiro: Nicola Amoruso, Valeri Bojinov e Alberto Paloschi, 4 gols

Fair play: 41 amarelos, 1 vermelho

Time-base

Mirante; Zaccardo, Paci, Panucci, Lucarelli, Castellini; Dzemaili, Morrone, Galloppa; Amoruso (Paloschi), Biabiany (Lanzafame/Bojinov).

Treinador

Francesco Guidolin. O ex-treinador do Palermo foi contratado em 2008 para tirar o Parma da Serie B, e fez mais que isso: a equipe crociata voltou a ser temida na Itália, deixando para trás os fantasmas que apareceram com a falência da Parmalat e os problemas financeiros do clube. Nesta temporada, Guidolin tem mandado seu time a campo com um compacto 5-3-2, que se reverte facilmente para um 3-5-2 com as subidas de Zaccardo e Castellini (ou Antonelli). Outro ponto importante de seu trabalho é o rodízio no ataque, que dá chances a todos os atacantes do elenco de jogarem alguns minutos, sem perder o entrosamento e a qualidade. Ponto também para Tommaso Ghirardi e Pietro Leonardi, respectivamente presidente e admnistrador-delegado do clube, responsáveis pelas ótimas contratações feitas no mercado de verão.

Destaque

Daniele Galloppa. Simplesmente, a principal cartada do mercado gialloblù – e uma das maiores da Bota. Em Parma, o romano tem bancado boa parte das vitórias de sua equipe – como na grande partida fora de casa contra a Fiorentina. Criativo e bom marcador (às vezes até faltoso demais), o meia concentra quase todas as ações de um meio-campo que costuma agir com velocidade e, aos 24 anos, é um dos nomes praticamente seguros na renovação da Azzurra, com Lippi tendo-o em boa conta. O goleiro Antonio Mirante merece destaque pela segurança e por algumas defesas importantíssimas. Christian Panucci está em excelente fase e Christian Zaccardo recuperou o futebol que o levou a Copa de 2006. Quanto aos atacantes, todos estão fazendo muito bem a sua parte.

Decepção

McDonald Mariga. O queniano decepciona não exatamente por jogar mal, mas por não jogar. Ele começou a temporada como titular e como possível alvo de mercado da Fiorentina, mas uma lesão muscular sofrida em outubro fez com que Dzemaili assumisse de vez a titularidade no meio-campo ducali, mostrando desempenho superior ao do africano. Já Paolo Hernán Dellafiore, contratado junto ao Palermo para oferecer concorrência aos zagueiros titulares, tem se mostrado extremamente inseguro: na vitória apertada contra a Fiorentina, por exemplo, os dois gols de Gilardino aconteceram por seus erros de marcação.

Perspectiva

Vaga na Liga Europa. A consistência demonstrada até agora pela equipe de Guidolin não faz acreditar que o futebol demonstrado irá cair tanto na segunda metade da Serie A. O fato de haver menos pressão interna dentro do clube do que em times como Napoli, Sampdoria e Genoa pode ajudar, afinal, o objetivo primário dos emilianos era apenas a salvezza. Além disso, o futebol demonstrado pelos ducali até agora é mais regular do que o das equipes supracitadas e seu elenco é tão ou mais numeroso do que o de seus concorrentes. Depois de alguns anos de penúria, pode ser a hora de o Parma sair da lama.

Deixe um comentário