Outros torneios

Serie B: só falta um

Após uma temporada no “purgatório”, Lecce está de volta a elite (uslecce.it)

Neste domingo, a fase regular da Serie B foi concluída com uma tarde de grandes emoções. Porém, no Via del Mare, Lecce e Sassuolo faziam um jogo sem grandes interesses: os salentini precisavam de apenas um empate para conquistar um acesso que parecia certo desde o início de 2010, mas que havia ganhado ares dramáticos nas últimas rodadas, com a perda da vantagem se sete pontos em relação a zona de play-offs. Por sua vez, os neroverdi já estavam garantidos entre os quatro clubes que brigariam por uma das vagas na repescagem para a Serie A e não tinha grandes ambições. Isteo se refletiu em campo, numa partida acabou em um fraco 0 a 0, garantindo o título do Lecce e o retorno imediato para a elite, apenas um ano após a queda. O trabalho de Luigi De Canio, que havia caído com o time no ano passado, foi fundamental para a campanha vitoriosa.

Dessa forma, as atenções estavam voltadas para os jogos disputados em Piacenza e Padova. No Oreste Granilli, o Cesena enfrentava o Piacenza esperando por um tropeço do Brescia frente aos padovanos, que brigavam para escapar do jogo extra que definiria o quarto rebaixado para a Lega Pro Prima Divisione. Os cesenati tinham um bom motivo para crer no acesso, mesmo atuando longe de seus domínios: nos três anos anteriores, os rondinelle haviam chegado perto de retornar à elite, mas tropeçaram em momentos decisivos e ficaram de fora. Desta vez, aconteceu o mesmo: ainda no primeiro tempo, o Padova já havia aberto dois gols de vantagem, jogando toda a pressão para o lado de um adversário abatido e impotente.

O Cesena voltou para o segundo tempo informado do que acontecia em Padova e logo fez o gol da vitória, com Parolo. Não adiantou que Caracciolo marcasse para o Brescia, no fim do jogo: com a derrota dos lombardos, o Cesena está de volta à Serie A após 19 anos. Se à época o treinador dos cavalos marinhos era Marcello Lippi, desta vez quem entra para a história do clube é Pierpaolo Bisoli, ironicamente um ex-jogador do Brescia. Bisoli assumiu o time ainda na Lega Pro Prima Divisione e, em dois anos, levou-o à elite. Porém, não deve permanecer no clube para a próxima temporada – é provável que assuma o Cagliari, clube pelo qual jogou seis temporadas e chegou a atuar pelas semifinais da Copa da Uefa, em 1994. Quem também está de volta a Serie A é o quarentão Francesco Antonioli, ex-goleiro de Bologna, Roma e Sampdoria, que deve encerrar a carreira em grande estilo.

Amargando os play-offs, o Brescia não terá adversários simples. Como terminou em terceiro, seu adversário será o sexto colocado, o pequeno Cittadella, do atacante Matteo Ardemagni – 22 gols na competição – e do técnico Claudio Foscarini. Com apenas quatro participações na Serie B, um orçamento reduzido e jogadores bastante desconhecidos, os granata fazem história: é a melhor temporada do clube desde sua fundação, em 1973. Correm por fora nos play-offs.

O Sassuolo, que concluiu o campeonato na quarta colocação, também faz sua melhor temporada na história. Após a estreia na cadetta na última stagione, o time montou uma boa estrutura, possibilitando que o técnico Stefano Pioli faça bom trabalho e não surpreenderá, caso suba: ao lado do Brescia, foi o time mais regular no torneio, entre os quatro postulantes a uma vaga na elite. Para fechar o duelo entre novidades e times tradicionais, o Torino terá a chance de, assim como o Lecce, retornar a Serie A de imediato. Mais ricos e mais bem estruturados, Torino e Brescia tem melhores elencos e são os favoritos. Pelo lado granata, conta a favor a boa defesa (segunda melhor da competição), encabeçada pelos experientes Matteo Sereni, Claudio Rivalta e Simone Loria, além dos jovens Matteo Rubin e Angelo Ogbonna. No ataque, Rolando Bianchi, 24 gols, segue como grande esperança de decisão das partidas. Porém, a irregularidade demonstrada ao longo de boa parte do campeonato pode atrapalhar, mesmo que o time treinado por Stefano Colantuono passe por fase crescente desde março.

O bloco dos desiludidos

Após concluir o campeonato na sétima posição, é possível vaticinar que o Grosseto pagou pelo erro de seu presidente, que demitiu o treinador Elio Gustinetti no meio de um bom trabalho e viu o desempenho da equipe cair demais. Para completar, é difícil que a boa campanha se repita com um elenco tão barato. Para piorar, Mauricio Pinilla, principal jogador biancorosso e um dos vice-artilheiros da Serie B, deve partir para o Palermo. Quem também deve lamentar a campanha é o Empoli, que formou um time recheado de jogadores com experiência na elite, mas que não conseguiu chegar perto do acesso. Mesmo assim, destaca-se o brasileiro Éder, em sua segunda ótima segundona, após um ano muito bom no Frosinone. Desta vez, o atacante foi o artilheiro do campeonato, com 27 gols, chamando a atenção do Palermo de Delio Rossi, do Catania de Marco Giampaolo e do Zenit de Luciano Spalletti, o que deixa claro que o atleta dificilmente permanecerá na Toscana.

Reggina, Frosinone e Ancona também tem motivos para analisarem melhor a temporada decepcionante. Se os calabreses tinham time para lutar pelo acesso e apenas se salvaram do rebaixamento nas últimas rodadas, os dois últimos citados surpreenderam ao passar boa parte do torneio na zona de classificação para a Serie A, mas não conseguiram manter o ritmo no segundo turno. Tanto os canarini quanto os biancorossi chegaram a flertar muito perigosamente com a zona de rebaixamento e asseguraram a salvezza apenas na última rodada. Falando em permanência, a 42ª rodada reservou uma das cenas mais comoventes do torneio no estádio Alberto Braglia, de Modena. Os gialloblù precisavam da vitória para não jogarem os play-outs, mas perdiam para um rebaixado Gallipolli em casa. Luigi Apolloni, ex-jogador do Parma e técnico do time emiliano, não sabia mais o que fazer. Porém, o esforço dos jogadores em campo foi recompensado com uma vitória sofrida, que levou o comandante às lágrimas antes mesmo do fim da partida.

O play-out que decidirá o último dos rebaixados para a Lega Pro Prima Divisione será disputado por Padova e Triestina. De início, pode-se dizer que o duelo entre as duas equipes alvirrubras que tem história na Serie A não fará bem ao nível da próxima edição da segundona. Ambas as equipes foram penalizadas por crises extracampo e tem bons elencos, com algumas estrelas – pelo menos para o nível de uma segunda divisão. Na última rodada, foi definido também o rebaixamento do Mantova. O clube lombardo, que ficou perto de retornar a elite recentemente, terá o mesmo destino que outro time que chegou próximo ao feito mas que não está mais na Serie B, o Rimini. Gallipolli e Salernitana, que já haviam sucumbido anteriormente, completam a lista de rebaixados da competição.

Datas dos jogos decisivos da Serie B


Play-offs

2 de junho: Cittadella x Brescia e Torino x Sassuolo

6 de junho: Brescia x Cittadella e Sassuolo x Torino

9 de junho: Partida de ida das finais

12 de junho: Partia de volta das finais

Play-out

4 de junho: Padova x Triestina

12 de junho: Triestina x Padova

Confira aqui estatísticas e a classificação final da Serie B.

Deixe um comentário