Serie A

Parada de Inverno: Bari

Gillet conversa com Ventura: líder do time, goleiro tem tentado evitar o pior (Getty Images)

Campanha

20ª posição. 17 jogos, 11 pontos. 2 vitórias, 5 empates, 10 derrotas. 11 gols marcados, 26 sofridos.
Maior sequência de vitórias: –
Maior sequência de derrotas: 5, da 6ª à 10ª rodada
Maior sequência de invencibilidade: 3, da 1ª à 3ª rodada
Maior sequência sem vencer: 12, da 6ª à 17ª rodada
Artilheiro: Barreto, 4 gols
Fair play: 30 cartões amarelos e 4 vermelhos.

Time-base
Gillet; Belmonte, A. Masiello, Rossi, Parisi; Alvarez, Donati, Almirón, Ghezzal (Gazzi); Kutuzov (Caputo), Barreto.

Treinador

Gian Piero Ventura. Com a experiência de ser um dos treinadores mais velhos de toda a Serie A e de ser o segundo a mais tempo no cargo, Ventura não corre risco de ser demitido pela diretoria do clube. Tanta moral se deve ao desempenho improvável (e excelente) da última temporada, mas também ao fato de que o treinador genovês conseguiu achar um módulo eficaz para fazer o time jogar, o 4-4-2. A série de lesões de jogadores importantes desde a metade do primeiro turno foi um duro golpe nas pretensões do treinador, que se viu sem opções de porte para tentar mudar a situação. Ventura tem parte da culpa pela situação que o time atravessa: talvez devesse ter se imposto mais quando o diretor esportivo Guido Angelozzi, seguindo ordens do presidente Antonio Matarrese, resolveu gastar pouco no mercado de verão e desse prioridade a uma categoria de base que não tem se destacado em campeonatos nacionais.

Destaque

Jean-François Gillet. Apesar dos 26 gols que fazem a instável defesa biancorossa ser a segunda pior do campeonato, Gillet certamente não tem culpa. O capitão do time ainda tem se destacado, como na partida contra a Roma, na qual defendeu tudo o que pode e, se não fosse gol de Juan em impedimento, teria garantido um ponto precioso para sua equipe. Outro destaque vai para o meio-campo da equipe, que tem Donati e Almirón jogando um pouco abaixo do ano passado, mas que não tem decepcionado. A pequena queda de rendimento do argentino está ligada ao mau relacionamento com a torcida, que tem pegado em seu pé pelo fato de ele ter sido envolvido em especulações que o ligam a outros clubes italianos.

Decepção
Barreto. O atacante brasileiro não é nem sombra daquele na temporada passada, que marcou 14 gols na última Serie A. Jogando mal, perdendo gols fáceis e errando até mesmo muitos pênaltis, o brasileiro repete o péssimo desempenho no primeiro turno, assim como em 2009-10. Ele irá se recuperar? Certamente, o Bari irá precisar: o ataque é, ao lado do ataque do Cesena, o pior do campeonato, com apenas 11 gols realizados. As opções no banco são poucas e nada confiáveis e, em meio às lesões que assolaram o San Nicola, até mesmo o hondurenho Alvarez teve de jogar na posição. Desempenho apagado também do argentino Rivas, que tem inegável qualidade técnica, mas que convive com lesões frequentes.

Perspectiva
Permanência na Serie A. O fato de haver muito pouco a elogiar neste Bari, passa pela estratégia de mercado adotada nesta temporada, que não reforçou o time como deveria em todos os setores. O enfraquecimento mais sentido foi na defesa: o clube perdeu Ranocchia e Bonucci, dois zagueiros de seleção, e acabou contratando apenas o atabalhoado Rossi e manteve Belmonte, além de Andrea Masiello, ídolo da torcida – único que mantém a qualidade. Para corrigir, a diretoria já busca reforços (Glik, do Palermo, está praticamente confirmado), mas ainda parece pouco. O ataque também precisa ser reforçado e um atacante goleador deve fazer comapnhia a Barreto (Rafael Moura foi sondado, mas o caso esfriou). Além dos reforços, o físico dos jogadores precisa ajudar: caso os problemas por lesão diminuam no elenco e Ventura possa trabalhar com mais tranquilidade, o time pode superar o drama e obter a segunda salvezza consecutiva.

Deixe um comentário