Serie A

19ª rodada: A todo vapor

Cavani, cada vez mais maduro e matador como nunca, vai conduzindo o Napoli a um Paraíso chamado Europa (Reuters)

2011 não tem se furtado em diversão e bom futebol na Serie A. Na Itália, historicamente, o nível técnico das partidas e as emoções costumam cair proporcionalmente à temperatura que se abate no país. Contrariando as expectativas, janeiro começou com tudo no futebol italiano, embalado principalmente pelo futebol rápido do Napoli, pela vontade da Inter em voltar a brigar pelo título e, não podemos esquecer, pelas equipes que buscam resultados positivos até o fim, como nos mostraram neste domingo a Fiorentina de Mihajlovic, o Milan de Cassano e a Udinese de Sánchez. Sem mais delongas, confira o resumo da rodada.

Napoli 3-0 Juventus

Na quinta-feira, o Napoli perdeu para a Inter, mas foi aprovado pela postura. Neste domingo, os azzurri entraram em campo e mostraram à Juventus todas as armas que tem a disposição. Com uma pressão sufocante, o Napoli engoliu os bianconeri desde o primeiro tempo, quando abriram vantagem de 2 a 0, após dois gols de cabeça de Cavani, muito mal marcado pela defesa juventina – não eram Bonucci ou Chiellini a marcá-lo nas duas bolas alçadas por Maggio e Dossena, mas Grygera e Traoré. Cavani deu um show a parte: além dos dois gols de cabeça na primeira etapa, marcou o terceiro logo após o intervalo, também num cruzamento, desta vez de Hamsík. O uruguaio é, de longe, a grande contratação do futebol italiano e já soma 20 gols na temporada, 13 na Serie A (mesmo número que atingiu na última temporada e nenhum de pênalti), alcançando a liderança da artilharia. “Beatificado” pela torcida partenopea, Cavani é o jogador mais idolatrado no Napoli desde Maradona.

A Juventus, por sua vez, atravessa mais uma má fase: o time conquistou apenas um ponto em três partidas e sofreu oito gols nos últimos três jogos. O grupo de Del Neri vive fase ainda pior que o de Ferrara, que, a este ponto da última Serie A, tinha dois pontos a mais. O treinador friulano não consegue acertar setores vitais do time, como as laterais, tão importantes no seu 4-4-2. Além disso, Krasic não realiza uma boa partida há tempos e vive de lampejos, como um vagalume. Aquilani, que começou a temporada prometendo recuperar seu futebol, também atravessa fase nefasta. Para completar, o time pode passar o restante do campeonato sem uma opção razoável no ataque: Amauri não marca há quase um ano na Serie A, Iaquinta vem mal fisicamente, Del Piero tem se convertido em opção para o segundo tempo e Toni (que, a bem da verdade, estreou bem pelo clube), fez apenas oito gols entre suas passagens por Roma e Genoa. E, segundo o Tuttomercatoweb, o diretor esportivo já gastou toda a verba de transferências disponível para esta temporada. Futuro nebuloso para a Velha Senhora, que passa por um momento delicado, quase de redimensionamento.

Milan 4-4 Udinese

Desde que chegou ao Milan a função de Cassano é, quem diria, livrar o Milan de maiores apertos. Em apenas 37 minutos de futebol disputados pelo clube rossonero, Fantantonio já garantiu três assistências e 4 pontos a mais para o líder, fundamentais em um momento em que a Inter cresce de produção. Gattuso já deu a tônica da mentalidade que corre dentro do elenco milanista: “Ou ganhamos o scudetto agora ou nunca mais”. A frase é sintomática para o momento que vive o clube, aparentemente de sensível queda de desempenho, muito condicionado também pelas lesões de Pirlo e Boateng. Sem os dois meias – e com um atacante a mais no time titular – o Milan tem sofrido muito mais defensivamente. No domingo, Sánchez, Isla e Di Natale venceram praticamente todos os confrontos contra uma defesa sem Nesta e que contava com atuações escabrosas de Bonera e Antonini. Fosse mais atenta defensivamente, a Udinese teria merecido levar três pontos para o Friuli.

Além de Cassano, outro que merece créditos pelo Milan é Pato, que tem uma excelente média de gols na Serie A: mesmo lesionado por algum tempo, marcou oito gols e tem média de 0,8 por partida. Ibrahimovic, mesmo em dia um pouco mais discreto, fez um e participou de outro gol do clube. Enquanto isso, Robinho vai sumindo e vê Cassano e Pato prontos para assumirem sua posição. Cassano não aceitará ser opção para o final das partidas ou para quando o Milan estiver no aperto. No entanto, até que ponto Allegri vai querer abrir mão de um esquema mais sólido para acomodar o quarteto?

Catania 1-2 Inter

A confiança dos nerazzurri está de volta e a caça ao Milan está aberta. Contra o Catania, o time voltou a vencer até quando joga mal, aproveitando uma das marcas deixada por Mourinho no passado no clube. Após um primeiro tempo sofrível, em que a marcação etnea se sobressaiu, os donos da casa avançaram no terreno e cresceram no jogo, após a entrada de Raphael Martinho. Com o brasileiro em campo, o Catania criou muito, obrigou Castellazzi a fazer defesas importantes e chegou naturalmente ao gol de Gómez. Só a partir daí, a Inter acordou e, oito minutos depois, já havia virado com dois gols de Cambiasso.

Leonardo, mais uma vez, foi decisivo na vitória da Beneamata. Consciente das características dos jogadores que tem em mãos e atento a versatilidade de suas peças, recuou Stankovic e posicionou Cambiasso como trequartista, posição em que iniciou a carreira. Alterações de posicionamento durante as partidas e sacrifício tático devem ser, inclusive, a tônica da Inter no restante da temporada, já que desperdiçar pontos não está em questão, com o time à caça aos rossoneri. No duelo tático deste domingo, palmas também para Giampaolo, que teve seu sucesso frustrado por pouco. O suíço tem grandes conhecimentos táticos e, responsável direto pela boa campanha do Catania, vai se afirmando como um dos bons técnicos em atividade no país.

Sampdoria 2-1 Roma

Havia uma partida acontecendo, mas boa parte das atenções estava voltada para os bancos de reserva. No lado doriano, Pazzini tinha febre e não começou em campo, enquanto Macheda, emprestado pelo Manchester United e torcedor da Lazio, aguardava a estreia contra a Roma. Além disso, Domenico Di Carlo enfim fez Tissone sentar no banco de reservas, em favor da titularidade de Poli (e não se arrependeu: o meia deu muita vivacidade ao jogo). Os romanistas, por sua vez, ficavam perplexos ao olharem para o banco de reservas da equipe ao verem cena inédita: Totti e De Rossi (gripado) dividiam o banco pela primeira vez na história. E mal imaginariam que Juan entraria no posto de Mexes na segunda etapa e decidiria o jogo em favor dos blucerchiati, numa virada tão amarga quanto a da última Serie A, quando a Sampdoria tirou o scudetto da Roma e entregou para a Inter.

Em campo, a Roma começou melhor e logo contou com uma colaboração de Curci, formado no clube, para abrir o placar com Vucinic. A partida se desenvolvia de maneira intensa, mas a Roma perderia Mexés por lesão, fato que determinaria o jogo. Em sua pior partida pelo clube, Juan entrou desatento e atrasou mal uma bola para Julio Sergio, que teve de cometer pênalti sobre Palombo e foi expulso. Com a vantagem numérica, a Sampdoria inseriu Pazzini, Macheda e Mannini, mas quem virou o jogo foi Guberti (após outro erro incrível do zagueiro brasileiro), satisfeito por marcar na equipe que não o aproveitou na última temporada. Totti entrou apenas nos acréscimos (a última vez que isso havia acontecido foi em 1995, quando tinha apenas 19 anos) e disparou mais uma vez contra Ranieri no final da partida. Uma reunião com Rosella Sensi já foi realizada para solucionar o problema e teve Totti sorrindo após o término. Sinal de que o capitão deve voltar ao time titular e dificilmente Ranieri permanece no clube ao final da temporada.

Fiorentina 3-2 Brescia

Uma das poucas certezas que é possível se ter sobre a Fiorentina é que os jogadores estão com o técnico Mihajlovic. A viola jogava mal e perdia para o Brescia, que já no primeiro tempo havia aberto 2 a 0, com um lindo gol do florentino Diamanti e outro de Córdova, após cobrança de falta. O clima, que já era quente após a exclusão de Mutu do elenco, piorava a cada minuto: os jogadores eram vaiados pela torcida e havia muita contestação ao presidente Andrea Della Valle.

Porém, o que poderia diminuir ainda mais as chances de o time se acertar, teve efeito inverso: o time de Mihajlovic cresceu no jogo e, em apenas 18 minutos, tornou-se a primeira equipe desta Serie A a reverter uma desvantagem de dois gols. Para isso, os viola devem muito a Gilardino, muito ativo no jogo e finalmente voltando às redes, depois de dois meses. Duas mudanças táticas do treinador sérvio também foram fundamentais para o resultado: Mihajlovic trocou o opaco Marchionni por Santana e adiantou o time, tirando Donadel e colocando Ljajic. Santana, que retornou de lesão na última partida e tem jogado bem, marcou o primeiro gol e Ljajic, um minuto depois, virou a partida com um golaço. Ambos tiveram participação de Gilardino e foram muito comemorados com o banco de reservas. Mihajlovic parece ter contaminado os seus com a raça e o espírito de recuperação. Resta saber se isso será suficiente daqui para frente.

Lazio 1-2 Lecce

No dia do aniversário de 111 anos, a Lazio não teve motivos para comemorar: caiu para o Lecce e viu o Napoli assumir a vice-liderança da Serie A. Preguiçosa em campo, a Lazio viu Hernanes fazer sua pior partida pelo clube e também teve Mauri e Zárate em mau dia. A derrota em casa, para uma equipe que havia conquistado apenas um ponto longe do Via del Mare e está na zona de rebaixamento, evidencia problemas recorrentes dos aquilotti. Quando um dos zagueiros titulares não joga (desta vez, André Dias), o rendimento do time cai bruscamente: sem a defesa completa, a Lazio jogou 7 partidas e somou apenas quatro pontos. Para competir verdadeiramente por uma vaga em competições europeias, é necessário ter um banco de reservas mais confiável e a Lazio tem apenas 20 dias para resolver este problema. O Lecce, por outro lado, poderia ter vencido com mais conforto, mas já respira um pouco mais na briga pela salvezza e encosta no Cesena, primeiro time fora da zona de rebaixamento. Por enquanto, o emprego de De Canio está salvo.

Chievo 0-0 Palermo

A névoa que cobriu o Bentegodi quase impediu a visibilidade de uma partida bastante intensa. O Chievo vinha de uma série de cinco partidas sem vitória (a última foi sobre a Inter, dia 21 de novembro) e foi para cima de um Palermo muito disperso para um time que briga pela Liga dos Campeões. Os clivensi foram bastante incisivos e só não marcaram gols por causa de uma boa atuação da defesa siciliana, sobretudo de Múñoz e do goleiro Sirigu. Ilicic e Pastore, em atuação discreta, poderiam ter decidido o jogo em favor do Palermo, caso o árbitro Peruzzo houvesse marcado pênalti em El Flaco, após passe fabuloso do esloveno. De qualquer forma, o empate foi justo e o prejuízo poderia ter sido maior para a equipe de Delio Rossi: o Palermo se lamenta apenas por não ter aproveitado os tropeços de outras equipes e não pelos adversários terem disparado na tabela.

Parma 1-2 Cagliari

Após a surpreendente goleada sobre a Juventus, não bastou ao Parma outra grande partida de Giovinco para bater o Cagliari de Donadoni. A Formiga Atômica começou o jogo dando trabalho ao lado direito da defesa sarda, mas o Cagliari aproveitou as primeiras chances que teve e saiu na frente, com dois belos gols de Acquafresca. O atacante substituía o artilheiro Matri e renasceu, voltando a marcar pela primeira vez desde setembro, quando foi contratado para ser titular. Agora, aproveitando a fase ruim de Nenê, Acquafresca deve ganhar uma vaga no time de Donadoni, que não sabe o que é empatar desde que assumiu os rossoblù: em sete partidas, são quatro vitórias e três empates. Por sua vez, o Parma realizou uma partida para se esquecer, na qual, além de Giovinco, apenas Mirante, com defesas fundamentais para evitar um vexame, foram bem. A derrota, aliada a vitória do Lecce, coloca os gialloblù a quatro pontos acima da zona de rebaixamento.

Bari 0-2 Bologna

O futebol uruguaio está em alta na Itália e não é só por causa de Cavani. No Bologna, o zagueiro Britos tem se valorizado muito nesta temporada, mas na partida deste domingo foram dois outros orientais que ajudaram a decidir a partida. No primeiro tempo, Ramírez iniciou sua boa partida ao dar bom passe para Ekdal, inserindo-se à surpresa entre a defesa biancorossa, abrir o placar. Na segunda etapa, também dominada pelo Bologna, foi a vez de Pérez achar Di Vaio com um bom passe, permitindo-lhe chegar aos 124 gols na Serie A e atingir a sexta colocação entre os jogadores em atividade, atrás de Totti (194), Del Piero (180), Inzaghi (155), Crespo (152) e Gilardino (134). O jogo poderia ter sido diferente se Okaka tivesse tido sorte e sua boa cabeçada no início da partida tivesse vencido Viviano e os pugliesi se impusessem a partir da vantagem no placar. No entanto, a reação iniciada após o dérbi foi freada e pode ser o fim da linha para Gian Piero Ventura. Franco Colomba, que salvou o Bologna na última temporada, está cotado para assumir o cargo.

Cesena 0-0 Genoa

Cesena e Genoa tem problemas parecidos, mas vem em momentos absolutamente distintos no campeonato. Ambos tem problemas com o ataque, mas, enquanto a equipe bianconera fez 7 pontos em três jogos, os rossoblù não vencem há mais de um mês e passaram em branco nos últimos 3 jogos. Em outra partida atrapalhada pela névoa, as emoções que tomaram o restante da Serie A não deram as caras no Dino Manuzzi por ao menos um minuto. Nenhum chute ao gol em 90 minutos explica porque o ataque dos dois times funciona tão mal.

Para resultados, escalações, classificação e estatísticas da 19ª rodada, clique aqui.
Para relembrar a 18ª rodada, clique aqui.

Seleção da 19ª rodada

Castellazzi (Inter); Maggio (Napoli), Múñoz (Palermo), Britos (Bologna), Dossena (Napoli); Hamsík (Napoli), Cambiasso (Inter); Sánchez (Udinese), Di Natale (Udinese), Cavani (Napoli); Gilardino (Fiorentina). Técnico: Sinisa Mihajlovic (Fiorentina).

2 comentários

  • A Juve ta mal mesmo,acho que tem que mandar essa cambada embora, Amauri, Grygera, Salihamidzic, Martinez e ate Iaquinta.
    Milan tem que se esforçar mas se realmente quiser ganhar o titulo, meio campo nao é dos melhores sem seus titulares, Seedorf nao é mas o mesmo.
    Roma ta dureza, pobre Juan.
    Palermo se continuar assim so pega Liga Europa, Miccoli estava em campo ???
    Viola: Torço muito por uma reaçao sobre o comando de Sinisa.
    Inter vai crescendo, na hora que porem pressao no Milan, será que os rossoneros vao suportar.
    Genoa pra mim é a maior decepçao da temporada ate aqui, investiu muito mas faz pessima temporada, por sinal pior desde seu retorno a elite (estou certo ?)

    Abs, valeu.

    Tomara que o camp. italiano continue neste embalo, precisa.

Deixe um comentário