Serie A

O apelão

Ibrahimovic corre: quem é que alcança? (Getty Images)

Zlatan Ibrahimovic faz gols de direita, de esquerda e de cabeça. Dribla, protege e passa. Chuta forte, com técnica e precisão. Além de artilheiro, também distribui assistências. Pode ser mala, mas também é brigador. Ganhou todas as cinco temporadas que disputou na Serie A, com Inter e Juventus – os dois em bianconero foram revogados. Por onde passou, o sueco fez diferença, mesmo em 2006, no que foi provavelmente seu pior momento na Itália, quando deixou a desejar em Turim. Já foi artilheiro (2009) e eleito não só melhor estrangeiro como melhor jogador da competição. Cansou de ser considerado o maior jogador de seu país e fez parte do time do ano da Uefa em duas oportunidades.

Seu currículo individual fica ainda mais impressionante se levarmos em conta toda a sua carreira. No Ajax por três temporadas, ganhou duas vezes (2002 e 2004), sendo vice-campeão em 2002 por um ponto de diferença. Em Barcelona, onde ficou por apenas uma temporada e de onde partiu disparando críticas a Guardiola, outro campeonato nacional. Mesmo no Malmö FF, há dez anos, na única temporada em que disputou por inteiro (sem subir da base, como em 1999, ou ser transferido, como em 2001), ficou com o vice. Contabilizando os scudetti com a Juventus, Ibrahimovic não sabe o que é terminar uma temporada sem ser campeão desde 2003.

Pensar por que o sueco é tão implacável leva a uma resposta simplória: basicamente, ele joga muito. Ainda assim, é difícil levantar nomes que mantenham um nível tão alto com regularidade tão assombrosa em campeonatos nacionais. Na Serie A, por exemplo, nem Totti e Del Piero, maiores símbolos da Itália na história recente de seu futebol, emplacaram alguma sequência de tamanha irredutibilidade – principalmente por motivos físicos. Shevchenko, por sua vez, foi letal por muito tempo; decisivo em quase todo fim-de-semana, mas ganhou um só scudetto. Talvez Nedved, incrível na Lazio e na Juventus, possa ser levando em conta, e, indo mais longe, Robby Baggio, que voava em campo aos 35 anos.

Todavia, pensar em alguém mais decisivo que Ibrahimovic leva tempo. Talvez Cristiano Ronaldo, um dos jogadores mais completos que o planeta já viu – que chorem os saudosistas -, e Messi, praticamente um sobre-humano. Esses sim, dois atletas capazes de, em lampejos, ganhar vários jogos por conta própria (claro, sem desmerecer as fortes equipes que defendem). É assim com Ibra: nessa temporada, seus gols foram essenciais nas vitórias contra Genoa, Napoli e Inter, bem como nos empates contra Udinese e Lecce. São oito pontos na conta do sueco, que ainda abriu o placar contra o Cesena, na rodada passada.

Sem esses oito pontos (em apenas meia época), o Milan estaria brigando por vaga na Liga dos Campeões, talvez aspirando ao título numa condição de sorte. Embora seja possível relativizar o que esses tentos representam – afinal o insucesso das partidas é meramente hipotético – uma coisa é certa: não se pode relativizar Ibrahimovic. O sueco venceu com a Juventus, convenceu com a Inter e mudou a cara desse Milan, clube que não vê o troféu da Serie A desde 2004. Era ele quem faltava – e é bom não duvidar.

3 comentários

  • sou suspeito para falar do Ibracadabra, simplismente fantastico. para mim hoje em dia só Lionel Messi supera ele.
    agora jogar ao lado de Nedved, Trezequet, Buffon Thuram, Cannavaro, Camoranesi e Emerson, ajuda e muito ainda mais quando esses estavam e grande fase!

    na Internazionale ele foi sim o mais importante nas conquistas dos scudettos, se não fosse ele a Roma teria ao menos conquistado o titulo da temporada 2007/08!

    Francesco Totti e Alessandro Del piero tem no curriculo um titulo que muitos não tem e isso ninguém pode negar!
    Azzurra CAMPEÃ MUNDIAL 2006!

    agora falemos sobre Francesco Totti um cara que joga por amor(coisa que Ibra não fez muito) NINGUÉM NO MUNDO É MAIS RECONHECIDO COM UM CLUBE MAIS QUE FRANCESCO TOTTI!

Deixe um comentário