Coppa Italia

O dia dos favoritos

Um, dois, Eto’o: o camaronês teve atuação de gala e colocou a Inter nas quartas (Getty Images)

No confronto das oitavas que repetiu a última temporada, a Inter recebeu o Genoa no Giuseppe Meazza e dominou praticamente a partida inteira. Parecia que a Beneamata passaria fácil para a próxima fase, porém os nerazzurri tiraram o pé no final e se Castellazzi não estivesse em ótima noite, a vitória poderia não ter acontecido.
Com times mistos, Eto’o mais uma vez fez a diferença e anotou uma doppietta logo no primeiro tempo. O primeiro gol veio após cruzamento de Muntari pela esquerda, que o Melhor Jogador Africano de 2010 dominou e, livrando-se de Criscito e Moretti, apenas empurrou para as redes. O segundo, um golaço, também se originou de cruzamento: Maicon cruzou rasteiro da direita, Eto’o dominou girando e finalizou com um belo sem pulo. A Inter, que jogava tranquila até ali, passou alguns riscos na segunda etapa. Logo após o intervalo, Ranocchia que estreava como titular hoje e fazia uma boa partida, cometeu pênalti em Rudolf, convertido por Kharja. A Inter ampliou logo depois, com mais um cruzamento perfeito de Maicon, que Mariga escorou para as redes com cabeçada indefensável para Scarpi.

Os nerazzurri consideraram o jogo resolvido e reduziram seu ritmo. O Genoa, já contando com Mesto e Sculli em campo, tinha a posse da bola, mas ora parava nas mãos de Castellazzi ora no restante do sistema defensivo, que tinha em Ranocchia uma garantia e em Materazzi um ponto de desequilírio. Perto do fim, os grifoni ainda conseguiram o segundo gol com Sculli, aproveitando cochilo do camisa 23. A comemoração entusiasmada dos jogadores com o treinador Leonardo numa partida da Coppa, após a terceira vitória em três jogos sob o comando do brasileiro, mostra que o clima na Inter já é outro e que a promessa feita dias do jogo fora cumprida: a Inter encararia a partida como se fosse um jogo da Serie A.

Palermo 1×0 Chievo
No outro jogo do dia, Palermo e Chievo repetiram confronto do último final de semana da Serie A, desta vez no estádio Renzo Barbera. Os dois times entraram em campo quase completos, mostrando grande interesse em avançar à próxima fase – no ambiente palermitano, o discurso é de buscar o título do torneio.

Ao contrário do último jogo que envolveu sicilianos e vênetos, a partida de hoje foi pouco movimentada. Chievo e Palermo erravam muito e as raras chances surgiram em cobranças de escanteio, porém Micolli, muito participativo, já mostrava que poderia ser decisivo em favor do clube rosanero. E foi o “Romário do Salento” o autor do tento único da partida, em cobrança de pênalti que ele mesmo sofreu. Com o resultado, os clivensi já contabilizam sete jogos sem vitória, enquanto o sonho do Palermo de conquistar pela primeira vez a Coppa Italia, depois de dois vice-campeonatos na década de 70, segue vivo.

Juventus 2×0 Catania (Rodrigo Antonelli)
Na partida de quinta-feira, a Juventus esqueceu um pouco o mau momento vivido na Serie A e alcançou sua primeira vitória em 2011. Sem Amauri, se recuperando de machucado no nariz, Del Piero voltou ao time titular e decidiu. Além de ter participado das jogadas dos dois gols, ainda deu grandes passes para Marchisio e Pepe quase ampliarem. A noite do capitão só não foi mais completa porque o bandeirinha anulou (de forma duvidosa) um gol que ele fez aos 58′. Quem também voltou foi Gianluigi Buffon. O goleiro não entrava em campo desde o fatídico empate contra o Paraguai, na Copa do Mundo, e sua última partida pela Juve havia sido dia 15 de maio do ano passado. Reinício tranquilo para o selecionável, que não passou por muitas dificuldades durante a partida.

No início, o Catania até perturbou um pouco e preocupou os desconfiados torcedores bianconeri. Mas não demorou muito e a Velha Senhora já estava com as rédeas do jogo. Nesse meio tempo, Toni se machucou (torção no joelho. Deve ficar fora algumas semanas) e deu lugar a Aquilani. Com a entrada do ex-romanista, Pepe voltou às origens e fez dupla de ataque com Del Piero. Marchisio foi para a ala esquerda. As alterações fizeram bem ao time, que, com mais dinamismo, dominou fácil o misto do Catania. Krasic abriu o placar, após boa jogada de Del Piero pela esquerda, e Pepe concluiu, em cruzamento de escanteio, no segundo tempo.

Agora, Del Neri terá de pensar duas vezes antes de deixar Del Piero novamente no banco. Apesar da fragilidade do adversário, ficou claro o melhor rendimento do ataque sem dois atacantes postados na área, como aconteceu nas duas últimas partidas da Serie A. Para o jogo de domingo, contra o Bari, il capitano deve ser titular de novo, ao lado de Amauri desta vez. Mas e depois que Toni voltar? A decisão é de Del Neri. Pela Copa, a Juve aguarda o vencedor de Roma-Lazio para saber quem enfrentará nas quartas-de-final.

5 comentários

Deixe um comentário