Coppa Italia

San Paolo + Lavezzi = classificação

Essencial para a vitoria do Napoli, Lavezzi mostrou suas várias tatuagens ao fazer seu gol – o juiz não apreciou a arte de corpo do argentino e o presenteou com um cartão amarelo (La Repubblica)

Com reservas recheando as formações alinhadas no San Paolo, Napoli e Bologna fizeram um duelo de suposto desinteresse pelas oitavas de final da Coppa Italia. Com os olhos voltados para seus objetivos na Serie A – bem distintos, diga-se de passagem -, as equipes utilizaram formação mista na luta pela classificação. E o panorama era totalmente contrário à felicidade dos bolonheses. Enfrentando um adversário embalado pela ótima terceira colocação atual no Italiano, os rossoblù ainda teriam que enfrentar um retrospecto mais do que positivo dos azzurri, que vinham de nada menos do que sete jogos invictos – seis vitórias – atuando em seus domínios.

Se do lado dos donos da casa o uruguaio Cavani era a principal ausência, os visitantes chegaram ao San Paolo sem seu artilheiro Marco Di Vaio. E no duelo jogador a jogador, clara vantagem para o Napoli, que mesmo sem seus onze titulares aparecia com a dupla formada por Hamsík e Lavezzi. A superioridade evidente do time misto azzurro se fez valer pelos pés daquele que vem sendo decisivo para a equipe nos duelos da Serie A.

Logo nos primeiros minutos da partida Hamsík tomou conta das ações no meio-campo, encurralando a defesa adversária e conduzindo a bola até Lavezzi – que por sua vez atuava como único atacante da equipe de Nápoles. Aos nove minutos, El Pocho se deslocou para a direita e cruzou na área do Bologna. Sem reação, a defesa nada vez para tirar a bola, que apareceu limpa para Hassan Yebda cabecear e abrir o marcador do San Paolo.

Com Casarini isolado na armação rossablù, o esquema azzurro com três zagueiros controlava bem as ações após a abertura do placar, sem maiores problemas para mandar o domínio sobre o adversário. A situação napolitana melhorou aos 23 minutos, quando Lavezzi fuzilou o goleiro Lupatelli após receber ótimo passe de Zúñiga – o argentino ainda foi punido com cartão amarelo depois de comemorar seu gol.

A tranquilidade do primeiro tempo, porém, pareceu não ser benéfica para o Napoli. Relaxada em campo, a equipe azzurra tomou um belo susto quando Meggiorini descontou para o Bologna, dando sobrevida aos visitantes. O gol colocou fogo na partida, que teve seu panorama completamente alterado: uma correria de ambos os lados substituiu o domínio dos napolitanos, que passaram a utilizar seu esquema com três zagueiros para armar contra-ataques, atraindo, de certo modo, o Bologna para seu campo de defesa. As mudanças no ritmo da partida e as chances que passaram a ser criadas pelo Bologna fizeram o Napoli se mexer. Mostrando que a Coppa tem sim sua importância (pode ser a chance de o time garantir um título na temporada), os napolitanos sacaram Sosa e colocaram Cavani em campo para auxiliar na manutenção do resultado.

A entrada do uruguaio fez com que o domínio voltasse para o lado dos donos da casa. O retorno da posse de bola, porém, não foi suficiente para que os azzurri criassem muitas jogadas ofensivas organizadas, o que rendeu à partida um clima lento, com os napolitanos cadenciando a posse de bola diante de um combalido – e rendido – Bologna. Maggio ainda entrou em campo no lugar de um ovacionado Lavezzi, para ajudar a garantir a equipe nas quartas de final do torneio.

No retrovisor da Serie A e próximo adversário na copa nacional, a Internazionale deverá ser a principal figura nos próximos sonhos napolitanos: o de voltar à Liga dos Campeões e o de conquistar um título após um jejum de títulos que vem desde 1990. A torcida espera, apenas, não acordar em meio a um pesadelo nerazzurro.

Deixe um comentário