Serie A

23ª rodada: Rindo da desgraça alheia

Primeiro Pazzini e depois Kharja. Embalada por reforços, Inter cresce (Getty Images)

No auge do inverno italiano, a 23ª rodada não teve o melhor futebol que a Serie A pode oferecer: com frequência, turnos infrasemanais costumam ter times se poupando e pouco futebol nos gramados da Itália. Desta vez, entre os times que estão no topo da tabela, apenas Inter e Palermo venceram seus jogos e podem comemorar os tropeços dos concorrentes. Os nerazzurri, embalados por mais uma investida positiva no mercado de reparação (ano passado, Pandev caiu no time como uma luva) comemoram a volta à zona Champions e a aproximação cada vez maior ao Milan, em um momento do campeonato em que a briga pelo scudetto parece se acirrar. A equipe rosanero, por sua vez, volta à zona de classificação para a Liga Europa após momentos de instabilidade. Vamos ao resumo da rodada.

Bari 0-3 Inter
Os reforços da Inter continuam decidindo e fazendo a campeã voltar à briga pelo título. Um gol do marroquino Kharja no meio do segundo tempo desbloqueou o muro barês e levou os nerazzurri a serem os únicos entre as cinco primeiras equipes da Serie A a comemorarem uma vitória na rodada. O placar elástico, no entanto, “falseia” o que foi o jogo: Pazzini e Sneijder marcaram apenas no final de uma partida difícil para a Inter, que foi a campo com um tridente formado por Eto’o, Pazzini e Milito, mas pouca criatividade no meio-campo, amplamente dominado por Almirón na primeira etapa. Leonardo corrigiu o erro na escalação inicial e deu mais fluidez ao time ao tirar Milito e promover a volta de Sneijder ao time, depois de um mês e meio lesionado. Se a nota positiva para a Inter foi o reencontro do holandês com os gols (marcou o primeiro na Serie A), caiu mal a agressão de Chivu a Rossi, que lhe custará quatro jogos de suspensão.

Milan 0-0 Lazio
Pareceu muita coisa, menos futebol. A fraca partida disputada no Giuseppe Meazza ficou mais marcada pelas tensões envolvendo o atacante Kozák e os zagueiros do Milan – Bonera e Legrottaglie foram hospitalizados após confrontos em que o jovem atacante foi bastante imprudente. No pouco futebol, a Lazio tentava facilitar as coisas para o Milan, seja quando González errava passes demais em frente à defesa ou quando a zaga batia cabeça (à exceção de Biava, único atento no jogo e capaz de parar Ibrahimovic). O Milan parecia, no entanto, igualmente desligado e, ainda por cima, ressentia-se de desfalques importantes, como Pirlo e Ambrosini. Com o tropeço, a Inter já está virtualmente a quatro pontos (sete e um jogo a menos, contra a Fiorentina) e, para a sorte dos rossoneri, o Napoli também tropeçou. Melhor para a Lazio, que conseguiu um importante resultado fora de casa e tirou um ponto da vantagem napolitana.

Palermo 2-1 Juventus
Em uma partida bastante aberta, a estreia de Matri pela Juventus foi amarga. Além da derrota, o atacante ainda pode se lamentar de ter perdido algumas chances que não costumava perder no Cagliari. Ainda falando de lamentações, a Juventus reclama com razão por um erro do árbitro Emidio Morganti que lhe custará a geladeira por duas ou três rodadas: Bovo interceptou uma bola claramente com a mão, mas o árbitro deixou seguir. Mesmo se marcasse o pênalti, talvez não mudasse a história do jogo: jogando mal, a Juve de Del Neri tem um aproveitamento menor que a de Zaccheroni (que terminou a Serie A na 7ª posição) e já está fora da briga de todos os títulos na temporada. O Palermo, por sua vez, volta a sorrir: reencontrou o Pastore de seus melhores dias e a capacidade de decidir a partida em poucos lances. Contra a Juventus, o time ainda conseguiu gerir bem o resultado, não obstante o 2 a 0 realizado logo no início da partida e, caso Miccoli estivesse em melhor forma, o jogo poderia ter ficado mais calmo.

Chievo 2-0 Napoli
Em partida esquecível, o Napoli de Mazzarri foi engolido pelas opções táticas do clivensi Stefano Pioli. O treinador do Chievo montou um meio-campo muito forte, que frequentemente contava com a ajuda dos laterais (Sardo e Jokic), o que anulou o tridente formado por Cavani, Hamsík e, na ausência de Lavezzi, por Zúñiga. Em uma noite sem brilho no Bentegodi, ficou fácil para o Chievo partir para cima e dominar o jogo, sempre com a presença constante de Gélson Fernandes e de Sardo. Moscardelli abriu o placar e poderia ter marcado pelo menos outros dois gols, aproveitando momentos de desatenção da defesa napolitana. Foi em um desses momentos que Sardo recuperou uma bola e marcou um belo, gol depois de driblar dois adversários e sacaramentou a segunda vitória consecutiva do Chievo, que sabe bem como surpreender e ganhar gordura na luta contra o rebaixamento. Para o Napoli, jogo para se esquecer e tentar começar de novo a partir de domingo, contra o Cesena.

Roma 1-1 Brescia
Assim como não adiantou para a Inter ter vários atacantes em campo, não adiantou à Roma, ao menos no primeiro tempo, quando os giallorossi não passaram pelo muro montado pelo reestreante Iachini. Com a entrada de Ménez, as coisas melhoraram para a Roma, mas não exatamente porque o time ficou criativo, mas porque havia mais gente para aproveitar as bolas que rebatiam na defesa bresciana. Faltou sorte para a Roma, quando Vucinic e Totti acertaram o travessão? Também faltou ao Brescia, quando Lanzafame também chutou uma bola na trave no fim do jogo e poderia ter levado os três pontos para o Rigamonti. No final das contas, a resposta de Éder a Borriello ficou de bom tamanho para o que foi o jogo e deu um pouco de alento ao Brescia, que respondeu bem à troca de comando. Na Roma, que não aproveitou o empate entre Milan e Lazio, Mexés e Totti já são desfalques certos na visita à Inter no domingo. Enquanto isso, a Unicredit trata a venda do clube para o grupo do ítalo-americano Thomas Di Benedetto e a torcida espera por dias mais felizes.

Udinese 1-1 Bologna
Um ótimo Bologna travou a série de cinco vitórias consecutivas da Udinese em casa. Aos donos da casa, fez falta Alexis Sánchez, já que o chileno é a única opção de velocidade no ataque de que dispõem os friulanos. Sem ele, Guidolin teve de apostar no tanque Denis, o que obrigatoriamente deixa Di Natale mais longe do gol, fazendo papel de rifinitore. Na única chance real que teve (por erro de Moras), foi parado por Viviano. No Bologna, obviamente decidiu um belo gol de Di Vaio, cada vez mais decisivo com o passar dos anos. Tivesse Meggiorini metade de seu poder de finalização, o Bologna teria saído do Friuli com três pontos. O ex-atacante do Bari desperdiçou duas chances incríveis e perdeu uma boa oportunidade para se firmar no time titular. Perda também para o Bologna na lateral direita: o austríaco Garics se lesionou em um treinamento e não deve mais jogar nesta temporada.

Sampdoria 0-1 Cagliari
Se a Sampdoria perdeu Pazzini no mercado de inverno, o Cagliari também perdeu Matri. Em campo, no entanto, os sardos parecem sofrer menos, inclusive porque o meio-campo é mais reativo que o doriano e participa muito do jogo. Como imaginar o time rossoblù sem Biondini, Conti e Cossu? Inteligente, Donadoni mexeu bem na equipe e parece encontrar um bom caminho após a saída de Matri: o treinador propôs a entrada do habilidoso e azzurro Lazzari (antes um 12º titular) ao lado de Cossu e logo atrás de Acquafresca, único atacante. A mudança caiu bem no time, mas quem realmente se destacou foi o belga Nainggolan, que faz ótima temporada e decidiu o jogo com um golaço de fora da área. Na Sampdoria, em queda livre, os riscos de rebaixamento são reais. O técnico Domenico Di Carlo estaria insatisfeito com as decisões da diretoria no mercado e pode abandonar o barco a qualquer momento. Ilustra bem o mau momento do time o fato de que o estreante Biabiany, que vinha muito mal na Inter, foi o melhor em campo.

Fiorentina 1-0 Genoa
Virou rotina: mais uma vez, Eduardo falhou e o Genoa viu escapar um ponto precioso na visita ao Artemio Franchi. A bem da verdade, a Fiorentina foi melhor em campo durante a maior parte do jogo, apostando na velocidade de Marchionni e Santana, nas pontas do 4-3-3 montado por Mihajlovic. Foi a partir de uma jogada do argentino, melhor em campo, que surgiu o gol viola: após trocar passes com Pasqual, Santana aproveitou falha de Eduardo para chutar forte e definir o placar final, ainda no primeiro tempo. A enésima falha na temporada impediu que o português se consagrasse, já que havia defendido chute à queima-roupa de Comotto minutos antes. Com o resultado, a Fiorentina se mantém invicta em casa há sete partidas e vai subindo na tabela, enquanto o Genoa amarga apenas a 13ª posição, juntamente à rival Sampdoria.

Parma 0-1 Lecce
Na estreia de Amauri com a camisa crociata (no lugar de Crespo, lesionado), o Parma sucumbiu ao Lecce apenas no último minuto, numa jogada uruguaia: Olivera lançou e Chevantón (em campo há 15 minutos), cabeceou, aproveitando desatenção de Paci. Antes, o bom goleiro Rosati ia garantindo o resultado, com defesas importantes para manter o Lecce vivo no campeonato, com 24 pontos e, quatro acima da zona de rebaixamento. O Parma, por sua vez, vem de fase ruim: apenas dez pontos conquistados nos últimos dez jogos transformaram a partida contra o Lecce num duelo pela salvezza, que, para piorar, foi perdido. A corda começa a apertar o pescoço do técnico Pasquale Marino, que não consegue dar regularidade a um time que, no papel, pode muito mais. No domingo, o time recebe a Fiorentina e um tropeço pode significar a demissão do treinador: Walter Zenga está cotado para assumir.

Cesena 1-1 Catania
No outro confronto direto pela salvezza na rodada, se deu melhor o Catania, que poderia ter sido ultrapassado pelo Cesena em caso de derrota, mas conseguiu segurar o empate e somar o primeiro ponto, desde a chegada de Simeone. Se o primeiro tempo começou com gols (primeiro Maxi López, contando com falha de Antonioli, e depois Jiménez, após tabela com Bogdani), a segunda etapa viu duas equipes muito preocupadas sem segurar o resultado, no frio do estádio Dino Manuzzi. A se destacar as estreias positivas de Lodi, pelo Catania, e de Santon, pelo Cesena. Os romanholos, inclusive, devem crescer ao longo do segundo turno, depois das boas contratações feitas no mercado de reparação. Resta saber se Ficcadenti saberá tirar o máximo dos novos reforços.

Para resultados, escalações, classificação e estatísticas da 23ª rodada, clique aqui.
Para relembrar a 22ª rodada, clique aqui.

Seleção da 23ª rodada
Rosati (Lecce); Sardo (Chievo), Biava (Lazio), Ranocchia (Inter), Ariaudo (Cagliari); Nainggolan (Cagliari), Migliaccio (Palermo), Kharja (Inter); Santana (Fiorentina), Pastore (Palermo); Di Vaio (Bologna). Técnico: Roberto Donadoni (Cagliari).

Deixe um comentário