Categorias de base

Preview: Copa Viareggio 2011

O juventino Immobile, melhor jogador da última Copa Viareggio, comemora gol na final contra o Empoli. E a Juve vai forte em busca do tri (Virgilio)

A litorânea Viareggio vai concluindo os últimos preparativos para sua tradicional festa de Carnaval, ao passo que receberá a 63ª edição da Copa Viareggio – conhecida informalmente como Coppa Carnevale, pela época de sua realização. Uma das maiores competições sub-21 do mundo, a Copa Viareggio já revelou ao mundo jogadores como Buffon, Maldini, Zambrotta, Schweinsteiger, Prosinecki, Batistuta, Pandev, Cassano e muitos mais.

Esta edição, que tem início hoje (21), com 12 partidas, contará com 48 equipes divididas em duas chaves com seis grupos. Em cada um destes, se classifica o time de melhor campanha, junto dos dois melhores segundos colocados de cada chave. Podem jogar jovens nascidos a partir de 1991, além de dois fuoriquota, nascidos até 1990. Pela primeira vez em sua história, Viareggio receberá também a Copa Viareggio Júnior, torneio realizado para jogadores com menos de 15 anos, que integram a categoria Giovanissimi.

Desta vez, nenhuma equipe brasileira estará presente em Viareggio. Entre os 48 clubes participantes, 31 são italianos e outros 17 representam países dos cinco continentes. Na disputa do torneio, saber quais são os favoritos não é nenhuma surpresa: muito dificilmente o título do torneio deve sair do grupo dos maiores formadores de jovens jogadores no país, que inclui Juventus, Inter, Milan, Roma, Fiorentina, Atalanta e Sampdoria. Lazio, Empoli, Genoa e Varese, com boas campanhas no Campeonato Primavera, podem aprontar e aparecer como surpresas.

Pelo quarto ano consecutivo, vamos acompanhar o torneio, em parceria com o Olheiros, site especializado na cobertura do futebol das categorias de base. Confira aqui um preview do que se pode esperar da competição. Acompanhe os resultados pelo nosso Twitter e volte aqui para ver a repercussão dos jogos da Copa Viareggio. Boa leitura!

CHAVE A (Pedro Spiacci)

Grupo 1
Juventus, Club Brugge (Bélgica), Varese e LIAC New York (Estados Unidos)

A Juventus, bicampeã consecutiva do torneio, vai para Viareggio forte em busca do tri. O técnico Giovanni Bucaro, que assumiu a equipe em julho de 2010 no lugar de Luciano Bruni, que se foi para a base da Sampdoria, terá em mãos uma equipe recheada de bons talentos. No Campeonato Primavera, a equipe é a terceira colocada em seu grupo, quatro pontos a menos que o líder Genoa. A defesa tem Camilleri, com passagens na equipe principal e seleções sub-16 e sub-17 da Itália. O atacante Libertazzi, um dos mais jovens no elenco, também já passou pela base da Squadra Azzurra é certeza de gols, ao lado de Giannetti, que já estreou na Serie A e tem oito gols no Campeonato Primavera. Olho também no meia Giandonato, frequentemente convocado para jogos com o time profissional, que faz boa dupla com o meia austríaco Büchel.

O Varese é líder do grupo A no Campeonato Primavera, pouco à frente da tradicional Inter, e conta com o ambidestro meia-central Alessandro Scialpi, presença certa na sub-19 italiana. No ataque biancorosso, o atacante Giuseppe De Luca, autor de 14 gols no campeonato. Dá, também, para dizer que o Varese é o Brasil em Viareggio – são, ao todo, quatro brasileiros no time: o goleiro Vinícios Belenzier e os meias Thiago, André Bassi, Daniel Ferreira e Renan Wagner – este, ex-Inter. As perspectivas para Viareggio são boas, mas da Bélgica vem uma ameaça aos italianos.

O trabalho de base do Club Brugge é famoso e, no Campeonato Belga sub-19, a equipe lidera e constantemente cede seus atletas para as seleções de base do país. No ataque, Bram Leroy, de apenas 17 anos, é uma das esperanças e o defensor Van Steenkiste, com extensa carreira na seleção sub-17, é um dos líderes da linha defensiva. O combinado de jogadores que jogam no estado de Nova Iorque chega como zebra. Ano passado os nova-iorquinos saíram sem marcar ponto algum. Os grandes nomes são Taras Frankivskyy, defensor ucraniano que tem dois gols e quatro assistências nos oito jogos dessa temporada na NCAA, e Tamás Kemény, goleador húngaro emprestado pelo Honved apenas para a participação no torneio.

Grupo 2
Atalanta, Estrela Vermelha (Sérvia), Cesena e Sambenedettese

Em competições de base, a Atalanta tem grande tradição e já venceu duas vezes a Copa Viareggio, embora a última conquista tenha ocorrido em 1993. O ex-jogador Walter Bonacina, que assumiu o controle dos nerazzurri no ano passado, levou a equipe até a semifinal, quando acabaram eliminados, perdendo para a campeã Juventus. No Campeonato Primavera, a equipe ocupa a quarta colocação em sua chave e, para mais uma vez brigar pelo título, a Atalanta aposta no meia da sub-19 italiana Nadir Minotti, que costuma marcar muitos gols, auxiliado por Baselli e Monacizzo. No ataque, o argentino Pieroni e o italiano Gatto também devem contribuir com gols.

O grupo ainda conta com outro ex-campeão do torneio, o Cesena, vencedor em 1990. No ano passado, os cavalos marinhos caíram nas oitavas de final e, fazendo campanha ruim no Campeonato Primavera, dificilmente deve seguir em frente no torneio. Os destaques do time são os meias Cica e Moscatiello. A Sambenedettese, que passa por grande crise e está na sexta divisão do futebol italiano, virá com a equipe muito jovem e mais uma vez não deve alcançar a segunda fase. O Estrela Vermelha volta à competição, depois de três anos de ausência – na última participação, os sérvios foram eliminados na primeira fase. É outro time a apostar na baixa média de idade e que não deve incomodar os rivais.

Grupo 3
Torino, Anderlecht (Bélgica), Lazio e Grasshopper (Suiça)

Com muita tradição em Viareggio, somando seis títulos, o Torino entra como favorito no grupo. Nas últimas duas disputas, eliminações nas quartas de final e semifinal. A boa campanha no Campeonato Primavera também deixa os granata esperançosos. O meia-ofensivo Umberto Miello, presença certa na sub-19 de Daniele Zoratto, é o homem responsável pela criação de jogadas para a dupla de ataque composta por Comi e Pinelli, que somam 17 gols no campeonato.

De Roma vem a Lazio, eliminada na primeira fase em 2010. Porém, ao contrário do que ocorreu no ano passado, os laziali chegam à competição vindos de boa campanha no Campeonato Primavera. Outra mundança está no banco de reservas: Roberto Sesena deixou o comando da equipe, que agora tem Alberto Bollini como técnico. O destaque da Lazio é o trequartista Ceccarelli, de forte presença ofensiva. Na frente, o atacante Cinque é o artilheiro do time no campeonato nacional, com 8 gols.

Os belgas chegam à Itália buscando passar para a segunda fase, o que não acontece desde 2007. O atacante Nathan Kabasele de apenas 17 anos, já passou pela equipe principal do Anderlecht e é a esperança de gols. Assim como Lukaku – estrela que estaria apta para participar de Viareggio, mas que já integra o time de cima desde a última temporada –, é belga com ascendêcia congolesa. O Grasshopper vem com muitos jogadores do sub-21 da equipe, que está em terceiro lugar na terceira divisão do Campeonato Suiço. O atacante marfinense Ariel Abed Dakouri é o artilheiro da equipe na competição e o goleiro Raphael Spiegel esteve com a Suiça no título mundial sub-17 em 2009. De qualquer forma, os favoritos às vagas são mesmos os italianos, neste que pode ser considerado o grupo da morte do torneio.

Grupo 4
Inter, APIA Leichhardt Tigers (Austrália), Esperia Viareggio e Combinado Serie D

A Inter mais uma vez chega à Viareggio entre as equipes favoritas para a conquista. Fulvio Pea, que já foi campeão com a Sampdoria e ano passado levou os nerazzurri apenas até as oitavas de final, segue no comando. A equipe é recheada por pequenas estrelas dos juvenis, com diversos jogadores que frequentemente são convocados pelas seleções italianas de base, como os defensores Benedetti e Faraoni, além dos laterais Natalino e Biraghi e o volante Crisetig. O trequartista brasileiro Daniel Bessa, que tem sido escalado por Pea como esterno no ataque, em seu 4-3-3, é um dos nomes que podem aparecer.

O meio-campo também tem outros talentos, como o italiano Romanò, em boa fase, o tcheco Jirásek, um dos principais nomes de sua geração no país de Nedved, e o promissor austríaco Knasmüllner, contratado ao Bayern Munique em janeiro. No ataque, mais um selecionável: Dell’Agnello é artilheiro do grupo B do campeonato Primavera, com 11 gols e tem treinado com o elenco profissional. A provável ausência de Alibec, que foi agregado ao time principal depois da lesão de Milito, pode ser sentida: o atacante romeno já marcou 10 gols no campeonato e certamente faria uma boa dupla ao lado do italiano.

Os donos da casa também fazem parte da quarta chave. O clube passou por duas falências nos últimos 20 anos e foi refundado em 2003. Porém não deve ser ameaça ao time de Milão, pois vem de péssima campanha no ano passado, quando perderam todos os jogos, marcaram apenas um gol e sofreram 11. Se o time de cime ainveste em jovens que se destacaram na competição, como o goleiro Pinsoglio, que jogou bem na Juventus no torneio do último ano, a equipe Primavera aposta no zagueiro Gigli, ex-Parma.

Os australianos do Apia Leichhardt vem para a sua nona participação consecutiva no torneio, mas novamente não devem ameaçar os rivais italianos. Na disputa de 2010, a grande surpresa foi o Combinado da Serie D italiana, que chegou até a semifinal, quando foram eliminados nos pênaltis pelo Empoli. O Asti, terceiro colocado em seu grupo na Serie D, é o único clube a ceder dois atletas. São eles: o atacante Amedeo Celeste e o defensor Vasile Mogos. O combinado tem boas chances de chegar mais uma vez à segunda fase, como conseguiram nos últimos três anos.

Grupo 5
Empoli, Spartak Moscou (Rússia), Reggina e Poggibonsi

Vice-campeão na última edição e vice-líder de seu grupo no Campeonato Primavera, o Empoli é mais uma equipe que chega forte na Copa Viareggio e não deve ter dificuldades para vencer o grupo. O treinador segue sendo Ettore Donati e no ataque, Manuel Pucciarelli, vice-artilheiro dos azzurri no ano passado, também segue fazendo parte do plantel primavera. Além disso, foi contratado para a disputa do torneio o argentino Laurito, da Udinese, uma das boas promessas da base do clube friulano há anos, que tem 11 gols no campeonato da categoria. O uruguaio Gastón Brugman, é outra peça importante para a construção de gols.

Mesmo vinda de uma ótima primeira fase em 2010, a Reggina não deve ser uma ameaça aos atuais vice-campeões. Muitos jovens revelados no bom vivaio do clube subiram para o time principal para esta temporada e o elenco de juvenis atual não vem bem: ocupa apenas a sétima colocação em seu grupo no Campeonato Primavera.

De Moscou vem o Spartak, que vai para a sua quinta participação consecutiva na competição. A equipe chega credeciada pelo título do Campeonato Russo de Juniores em 2010. Aleksandr Kozlov de 17 anos, foi o artilheiro dos moscovitas com 12 gols e já passou pelo plantel principal. Além disso, o pequeno (1,70m) atacante conta com várias passagens pelas seleções de base russas. O Poggibonsi deve apenas fazer figuração.

Grupo 6
Sampdoria, Vicenza, Virtus Entella e Dukla Praga (República Tcheca)

Campeã em quatro oportunidades e dona de uma das melhores categorias de base do país, a Sampdoria não tem feito jus aos títulos conquistados em suas últimas participações em Viareggio. O vexame de 2010, quando foi lanterna de seu grupo com apenas um ponto conquistado em três jogos, faz com que a equipe atue neste ano na tentativa de evitar que o pior aconteça novamente. Levando em conta a campanha no campeonato Primavera, na qual figura na sexta colocação em seu grupo, com 27 pontos em 17 jogos feitos, a chance de não repetir o fiasco do ano passado é considerável.

Para isso, o técnico Luciano Bruni deve apostar em um meio-campo forte, que conta com nomes como Rizzo, Muratore, Krsticic e Obiang, de 18 anos, nascido na Guiné Equatorial, mas com nacionalidade espanhola – seleção pela qual já brilha nas categorias de base. O ataque, que não tem funcionado tão bem no campeonato nacional (o artilheiro é o meia Krsticic), pode ter Zaza, membro do time principal que daria o ar da graça novamente, após defender a Atalanta no ano passado. Além dele, outra esperança de gols é o centroavante argentino Icardi, contratado junto ao Barcelona no último dia da janela de transferências.

E apesar da péssima campanha blucerchiatti em 2010, a esperança italiana no grupo parece estar mesmo nas mãos do time de Gênova. Isso porque os outros dois representantes da Itália não são dos mais efetivos. O Vicenza pena na Primavera, com míseras três vitórias conquistadas em 15 partidas disputadas, enquanto o modesto Virtus Entella, equipe de tradição quase nula, deve figurar como coadjuvante na competição. O cenário, então, é ideal para os tchecos do Dukla Praga, time estrangeiro com mais títulos no torneio: seis. Assim, os tchecos poderão aproveitar o mau momento das outras equipes do grupo para, quem sabe, fisgar uma vaga nas oitavas de final. (Leonardo Sacco)

CHAVE B (por Leonardo Sacco)

Grupo 7
Roma, Jedinstvo (Sérvia), Taranto e Midtjylland (Dinamarca)

Tricampeã em Viareggio, a Roma não consegue desde 1991 estar no lugar mais alto do pódio. As campanhas recentes das equipes de base giallorossi, no entanto, têm animado bastante os fãs do time, que se deu bem com o sorteio das chaves. Liderando seu grupo no Campeonato Primavera, com 43 pontos ganhos em 18 partidas disputadas, o time da capital vai para Viareggio com moral extra: derrotou, neste sábado, a rival Lazio por 7 a 1. A equipe tem em seu meio-campo criativo uma grande arma para vencer jogos.

As apostas para avançar na competição estão na sólida defesa – que contará mais uma vez com o consistente Frascatore, um dos destaques romanistas em 2010 – e nos meio-campistas Montini e Ciciretti – este, camisa 10 do time e comparado a Daniele De Rossi – que funcionam como elementos surpresa nos avanços ao ataque, setor dominado por Florenzi, autor de 9 gols no Campeonato Primavera. Na defesa, lamenta-se a perda do romeno Mladen, que era um dos destaques do time e foi negociado com o Rapid Bucareste para estrear entre os profissionais.

Sem muitas tradições no futebol de base italiano, o Taranto é o outro representante do país-sede no grupo 8. A falta de talentos significativos no time – que sequer está disputando o Campionato Primavera – faz com que as apostas envolvendo a equipe não estejam entre as mais animadoras. Panorama bom para a Roma, que ainda terá pela frente os sérvios do Jedinstvo, que na última edição do torneio voltaram para casa com três derrotas em três partidas e nada menos do que 12 gols sofridos, participação que credencia a equipe a ser o provável saco de pancadas do grupo. O dinamarquês Midtjylland, que já revelou nomes aproveitados na Itália, como Magnus Troest e Simon Kjaer, completa o grupo, com boas chances de classificação para a próxima fase.

Grupo 8
Fiorentina, Lecce, Club Nacional (Paraguai) e Newcastle (Inglaterra)

Maior campeã em Viareggio ao lado do Milan, com oito títulos conquistados, a Fiorentina vem forte para acabar com um jejum que já dura 18 anos – na conquista do último título, em 1992, parte do elenco atual sequer havia nascido. Entre as apostas viola, que figura na quinta colocação de seu grupo no Campeonato Primavera, com 32 pontos em 17 jogos, está o atacante Carraro, que mesmo jogando pelos lados do ataque, soma 12 gols na Primavera e vem sendo, aos 18 anos, um dos grandes nomes das categorias de base da equipe.

Olho também no goleiro Seculin e no meia Taddei, ambos da seleção sub-21 italiana, e nos atacantes ganeses Salifu e Acosty, além de Seferovic, campeão mundial sub-17 com a Suíça em 2009 e pérola do time. O ótimo defensor Camporese, que já atuou em todas as seleções de base italianas, não deverá atuar. Já conquistou um lugar no time principal da Fiorentina e dificilmente volta a vestir a camisa da Primavera.

O caminho para a classificação, porém, não estará nada fácil. Destaque para o Club Nacional, do Paraguai, que reeditará na fase de grupos o duelo com a Fiorentina, que valeu, em 2010, a classificação dos italianos para as quartas de final do torneio. O grupo ainda contará com o Lecce, que não participou da edição passada e não vai tão bem assim no campeonato nacional, no qual figura apenas na oitava colocação em seu grupo, com sete derrotas em 17 disputas. Fique de olho nos atacantes Falcone e Caio, de 18 anos, destaques deste time ao lado do goleiro Bibba, já convocado para a seleção sub-18 da Itália.

Fechando a chave, o Newcastle, da Inglaterra, não conta com muita tradição em torneios das categorias de base, mas promete não decepcionar em solo italiano. Aos ingleses deve restar uma eventual disputa de segunda vaga com o Nacional, deixando a liderança para a Fiorentina e a lanterna do grupo para o Lecce.

Grupo 9
Milan, Nagoya Grampus (Japão), Stabaek (Noruega) e Sassuolo

Oito vezes campeão e um dos times mais fortes e tradicionais das categorias de base na Itália – e também no mundo. Esse é o panorama inicial do Milan, que entretanto não vive um bom momento com sua equipe de jovens. Destaques de 2010, quando o time caiu logo nas oitavas, como Strasser e Merkel, hoje começam a brilhar na equipe principal.

A quinta colocação em seu grupo no Campeonato Primavera, com apenas 29 pontos nos 17 jogos feitos, é reflexo de que as coisas não vão tão bem assim em San Siro. Em um grupo fácil, porém, os rossoneri não deverão encontrar dificuldades, principalmente se o meio-campista Marco Fossati, principal nome do time aos 18 anos, seguir atuando como tem feito em suas aparições mais recentes, quando costuma aliar belas jogadas de armação com gols decisivos. No ataque, Simone Andrea Ganz, filho do ex-atacante Maurizio Ganz, é a esperança de gols: é o artilheiro do time, com 8 gols. Para a competição, foi contratado em janeiro o atacante Valotti, do AlbinoLeffe, que também tem 8 gols no Campeonato Primavera. Olho também no lateral direito Albertazzi, nos meias Hottor e Santonocito e no atacante Beretta.

Os comandados de Giovanni Stroppa, porém, não deverão enfrentar muitos problemas em seu grupo, formado apenas por equipes sem muitas tradições. Do Japão, o Nagoya Grampus, adversário do Milan na estreia, traz ao torneio mais apelo de mídia no Oriente do que uma equipe que realmente possa causar problemas em termos técnicos.

Não tão mais forte é o Sassuolo, que em 2010 surpreendeu e caiu nas quartas de final diante da poderosa Juventus. Se não vai bem no Campeonato Primavera, na qual já foi derrotado em oito dos 17 jogos que fez até aqui, o time da província de Modena contará com os gols do bom atacante Vignali, de 19 anos, e com a fragilidade dos adversários para tentar cavar novamente seu lugar entre os oito melhores de Viareggio. Por fim, os noruegueses do Stabaek possivelmente disputarão apenas quem será o menos pior contra o Nagoya, não oferecendo maiores problemas para os italianos da chave.

Grupo 10
Genoa, Parma, Città Marino Calcio e Nordsjaelland (Dinamarca)

Com um histórico recente animador, que envolve um título conquistado em 2007, o Genoa chega à Viareggio tentando apagar a campanha ruim que fez em 2010, quando caiu logo nas oitavas de final diante do Combinado Serie D, equipe bastante inferior. E para tentar o tricampeonato, o time rossoblù contará com um elenco que vem se destacando no Campeonato Primavera, liderando seu grupo com 38 pontos em 17 partidas, tendo sido derrotado apenas em três oportunidades.

A venda do letal atacante Zigoni, que aos 19 anos já acumula passagens por Milan e seleções de base da Itália para o Frosinone, clube no qual atua pela equipe profissional, dá mais espaço para que o ganês Boakye possa aparecer, mas possivelmente diminui o poder de fogo do time. A defesa também está bem servida com o bom goleiro Perin, presença constante nas convocações de base da Itália, e do habilidoso e seguro zagueiro uruguaio Polenta, um dos destaques da Celeste Olímpica no último Sul-americano sub-20.

Outra força do grupo é o Parma, que apesar de nunca ter conseguido um título em Viareggio, costuma aparecer com força no torneio. Em 2011 um dos destaques dos parmiggiani é brasileiro. Convocado por Ney Franco para o Sul-americano sub-20, no qual o Brasil foi campeão, o meio-campista Zé Eduardo, revelado pelo Cruzeiro, carrega aos 19 anos a missão de comandar o meio-campo gialloblù na tentativa de brigar com o Genoa pela primeira vaga do grupo. Outros nomes importantes do time são os meias De Vitis e Ristovski, além do atacante Bernasconi. Feltscher e Nwankwo também podem ser “emprestados” pela equipe principal para a disputa do torneio, sobretudo em caso de classificação para os mata-matas.

A chave ainda terá o italiano Città Marino Calcio, equipe sem tradição na Itália, e o dinamarquês Nordsjaelland, que irá ao torneio com uma equipe mista, formada pelos jogadores mais novos do seu time sub-21 e por jogadores do sub-19 e aparece como azarão na briga por uma vaga. Olho no defensor Gundelach, que faz parte da seleção sub-19 dinamarquesa, e no atacante Gytkjaer.

Grupo 11
Palermo, Émergence Brera (Gabão), Lumezzane, Prato

Se não conta com muita tradição nas competições de categorias de base, o Palermo deverá aproveitar a fragilidade dos adversários de seu grupo para, quem sabe, chegar mais longe do que na boa e surpreendente campanha de 2010, quando os rosanero chegaram às quartas de final, caindo para a Atalanta. A campanha recente, no entanto, não reflete as atuações em Viareggio no ano passado: com sete derrotas nos 17 jogos que já fez no Campeonato Primavera, o time é apenas o sexto colocado em seu grupo na competição.

Entre os destaques da equipe, estava o brasileiro João Pedro, ex-Atlético Mineiro, que foi emprestado para o Vitória de Guimarães. O posto de destaque fica, então, com o atacante paraguaio Celso Daniel Jara Martinez, que é visto como uma das grandes joias da equipe pelos diretores mais importantes do clube e ajudou o time principal a chegar às semifinais da Coppa Italia. Outro jogador importante é o volante ganês Acquah, que tem sido convocado para partidas pelo time principal.

Para fazer frente ao favorito do grupo, logo de cara, estará o Émergence Brera, time do Gabão sobre o qual não foi possível encontrar qualquer informação. No entanto, se o adversário do Palermo na estreia em Viareggio seguir a tradição da escola africana de revelar bons atletas, fica ligado o sinal de alerta para os rosanero, mesmo que o Gabão não seja o maior pólo formador de atletas da África. O Lumezzane, outro italiano no grupo, apesar de não disputar muitas competições relevantes nas categorias de base, chega para tentar cavar uma vaga como segundo colocado, enquanto o Prato, também da Itália, entra na competição como uma das equipes mais frágeis do torneio.

Grupo 12
Napoli, Siena, Kallon (Serra Leoa), Spezia

Após muitas campanhas frustrantes em Viareggio – dentre as quais, o costume era ficar sempre com a última colocação de seu grupo –, o Napoli chega ao torneio tentando ao menos repetir a campanha de 2010, quando caiu nas oitavas de final – a queda para o Sassuolo não foi bem digerida, mas já foi um avanço em relação às edições anteriores. O time partenopeu, porém, ainda patina na sua falta de tradição nas categorias de base, fato que pode atrapalhar o rendimento ao longo da competição.

Ocupando a quarta posição em seu grupo na Primavera, os azzurri têm como sua principal arma os gols do atacante Alessandro De Vena, um dos responsáveis por manter o time no topo, com 10 gols na temporada. Um outro jogador importante, que tem experiência no time principal napolitano, é o do meia Raffaele Maiello, titularíssimo no setor. Existe ainda a possibilidade de que Dumitru, sensação da seleção sub-21 italiana e reserva de Cavani, participe do torneio nas fases finais, em caso de classificação. O objetivo em Nápoles é claro: preparar os jovens para brilhar na equipe de cima – e para isso, uma boa colocação em Viareggio é essencial.

Outra força do grupo é o Siena, equipe que figura com os mesmos 30 pontos que o Napoli na chave em que ambos figuram na Primavera. As semelhanças não param por aí, com os bianconeri também sofrendo com a falta de tradição nas categorias de base. A missão é evitar o vexame do ano passado, quando não passou nem para a segunda fase da competição – perdeu a vaga para o Club Nacional, o do Paraguai, em um grupo que também contava com o Grêmio. O destaque do time é o zagueiro artilheiro Checchi, de 20 anos, que marcou seis gols no campeonato nacional da categoria.

Novamente no caminho do Napoli estará o Kallon, de Serra Leoa, equipe que se destacou em 2010 pela péssima campanha, sem vitórias e com 10 gols sofridos em três jogos, e pelo fato de ser propriedade de Mohammed Kallon, ex-atacante da Inter, que batizou o clube com seu nome. Fechando a chave está o Spezia, que dificilmente terá forças para buscar a classificação.

Deixe um comentário