Jogadores

Vincent Candela: um importante coadjuvante para o último scudetto da Roma

Caso raro de um ótimo lateral-esquerdo destro, o francês Vincent Candela fazia parte da equipe da Roma que conquistou o scudetto em 2000-2001. Um tipo de jogador ideal para qualquer clube devido a sua versatilidade, adaptava-se facilmente aos esquemas elaborados pelos treinadores, atuando como lateral, ala, ou até mesmo meia. Não chegava a ser um jogador brilhante, mas destacava-se pela regularidade de boas atuações e visão de jogo.

Nascido em Bédarieux, pequenina cidade no sul da França, Candela não começou cedo no futebol. Apenas aos 18 anos ingressou nas camadas jovens do modesto Toulouse. Seu estilo de jogo curioso chamou a atenção do treinador Serge Delmas, que resolveu incorporá-lo ao elenco principal na temporada seguinte. O jovem mostrou muita desenvoltura em seu primeiro ano e, nas temporadas seguintes, atuou como titular em diversas ocasiões.

Em 1995 transferiu-se para o Guingamp, onde venceu seu primeiro título, a Copa Intertoto de 1996, a qual dava à equipe o direito de disputar a Copa Uefa. Entretanto, o sorteio não foi muito generoso e os rouge et noir, logo na primeira fase, deram de cara com a Inter. O placar agregado foi de 4 a 1 para os italianos, que chegaram até a final do torneio, onde foram derrotados pelo Schalke 04. Apesar de o placar mostrar amplo domínio da Inter, o time francês fez duas boas atuações – em especial Candela, que chamou a atenção da Roma. Também falavam a favor do jogador um bom histórico na seleção sub-21 francesa e uma participação razoável nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 1996. Tudo isso levou a Roma a fazer uma oferta pelo lateral no mercado de inverno.

Em fevereiro de 1997, o atleta assinou com a Roma. Começava então a melhor fase de sua carreira. Em seus primeiros cinco meses no clube giallorosso, anotou dois gols e, embora a campanha da equipe na Serie A não tenha sido boa, com o clube terminando o campeonato na 12ª colocação, ganhou a confiança da torcida e do técnico Zdenek Zeman. Na temporada seguinte, Candela continuou apresentando-se bem e, depois de 11 jogos pela França a partir de 1996, foi chamado para defender os Bleus na Copa do Mundo de 1998, da qual a seleção era anfitriã. Por ser reserva de Bixente Lizarazu, esteve em campo por apenas 90 minutos, na vitória sobre a Dinamarca por 2 a 1, na fase de grupos. Mesmo assim, teve o privilégio de ser campeão do mundo em sua casa.

Na temporada 1999-2000, Candela ficou muito próximo de acertar com a Inter. O acordo entre atleta e clube já havia sido firmado, faltando apenas a assinatura. Mas, no apagar das luzes, o francês mudou de idéia quando a Roma nomeou Fabio Capello como novo comandante e continuou na equipe da capital. Embora o clima com os torcedores tenha ficado tenso durante algum tempo, já que estes sentiam-se traídos, o francês havia tomado uma sábia decisão.

No primeiro ano sob o comando de Capello, a Roma alcançou a 6ª colocação no campeonato nacional. Uma campanha satisfatória, embora tenha sido amargo ver a rival Lazio conquistar o título. Candela ainda não havia recuperado o carinho da torcida, entretanto, nunca se havia visto o francês jogar com tanta determinação e afinco e, logo, algumas torcidas organizadas recuperaram, pelo menos, o respeito pelo bom jogador.

Atravessando ótima fase, o “mosqueteiro”, como era conhecido, foi convocado por Roger Lemerre para a Eurocopa 2000. Apesar de não ter entrado em campo em nenhuma partida, estava no elenco que deu à França o seu segundo título na competição. No ano seguinte, Capello armou a Roma em um 3-5-2 que, salve lesões ou suspensões, ia a campo com Antonioli, Zébina, Samuel, Zago, Cafu, Emerson, Tommasi, Candela, Totti, Delvecchio e Batistuta. Essa escalação garantiu à equipe da capital o seu terceiro e mais recente scudetto.

Se pelo lado direito a equipe tinha um dos melhores jogadores do mundo na posição, o “pendolino” Cafu, Candela mantinha o equilíbrio atuando como esterno do lado esquerdo. Atuou em 33 das 34 partidas disputadas, sendo titular em todas, e fez preciosas assistências ao ataque romano, melhor do campeonato com 68 gols marcados, além de ajudar na recomposição defensiva. Marcou belos gols, como um de fora da área na goleada por 4 a 1 contra o Bari e, na temporada seguinte, outro na conquista da Supercopa da Itália, na vitória sobre a Fiorentina por 3 a 0.

Em três anos o jogador, conquistou quatro títulos de grande dimensão e viveu o auge de sua carreira. Entretanto, a Roma não conseguiu dar continuidade nas vitórias e o camisa 32 não levantou mais nenhum troféu até 2005, quando deixou a equipe, após nove anos. Desde que deixou a Roma, nunca mais foi o mesmo. Primeiro, teve uma curta e mal-sucedida passagem pelo Bolton, da Inglaterra, e voltou à Itália para defender a Udinese. No Friuli, atuou por quase um ano, disputando 26 partidas pela Serie A e mais 8 na Liga dos Campeões. Certa feita, marcou um golaço, de pallonetto, contra a Lazio, levando os torcedores romanistas à loucura. Em 2006, transferiu-se para o Siena, mas durante a temporada foi emprestado ao Messina, último clube profissional de sua carreira, e que acabaria sendo rebaixado à Serie B.

Depois de anunciar que penduraria as chuteiras, em 2007, Candela voltou aos campos no ano seguinte, aos 35 anos, para atuar pela equipe amadora do Albatros, de Roma. Depois da aposentadoria definitiva, continuou a morar na Roma que o acolheu como um filho, embalando-o com o amor da torcida romanista, que esqueceu sua quase transferência para a Inter. O amor por Roma fez o jogador realizar uma partida de despedida no Olímpico em 2009, entre a Roma campeã italiana de 2000-01 e a França campeã do mundo em 1998.

Mais de 40 mil pessoas assistiram à vitória da Roma por 5 a 3, embora o resultado não importasse. Todos foram dar adeus ao “mosqueteiro”, que cobria de elegância a faixa esquerda do meio-campo romanista e havia se arrependido de deixar o clube e a cidade que amava. Hoje, Candela continua atento ao ambiente romanista e, de vez em quando, dá pitacos sobre jogadores e postura do clube. Também tenta formar jogadores em sua escolinha de futebol.

Vincent Candela
Nascimento: 24 de outubro de 1973, em Bédarieux, França
Posição: Lateral/Ala-esquerdo
Clubes como jogador: Toulouse (1992-95), Guingamp (1995-97), Roma (1997-05), Bolton (2005), Udinese (2005-06), Siena (2006-07) e Messina (2007)
Títulos: 1 Copa do Mundo (1998), 1 Eurocopa (2000), 1 Serie A (2000-01), 1 Supercoppa italiana (2000-01), 1 Copa Intertoto (1995)
Seleção francesa: 40 partidas e 2 gols.

4 comentários

Deixe um comentário