Jogadores

A rispidez e a segurança de Jaap Stam conquistaram as torcidas de Lazio e Milan

Jakob Stam nunca foi um zagueiro que exalava técnica, muito menos faro de gol. Em toda sua carreira, foram pouquíssimos. O careca com estilão escandinavo e cara de mau, entretanto, fez sucesso na Europa ao atuar pelo Manchester United na época do treble (três títulos em uma temporada), e também teve passagem positiva por Lazio e Milan. Ele chegou a ser eleito um dos melhores defensores da Europa e, para muitos, foi um dos mais sólidos da última década.

Stam nasceu em Kampen, leste da Holanda. Uma cidade com pouco mais de 50 mil habitantes. Ele gostava de futebol desde criança, mas nunca havia sonhado em se tornar profissional. Nem mesmo quando ingressou nas categorias de base do DOS Kampen, time local. Jakob era o menor da equipe, mas com 16 anos começou a crescer desenfreadamente como em um filme de ficção-científica. O técnico Theo De Jong pediu para que o jogador fizesse um teste no Zwolle. Aprovado com louvor, Jakob – ou Jaap – Stam fez seu debute como profissional em agosto de 1992. Até chegar ao PSV, em 1995, ele ainda passou pelo Cambuur e Willem II. Os títulos da Copa e Liga da Holanda o fizeram ingressar na seleção holandesa, onde ficou até 2004.

O sonho de jogar pelo Manchester United se concretizou em 1998. O clube inglês pagou 10,6 milhões de libras, valor recorde para a época, para tirar o zagueiro da Holanda. Alex Ferguson dizia que a defesa era “Stam mais algum outro”. Os três títulos na temporada 1998-99 (além do Mundial de Clubes sobre o Palmeiras) deram status de grande para o já gigante Jaap Stam. Ele foi eleito duas vezes o melhor zagueiro da Liga dos Campeões e um dos melhores da década no Campeonato Inglês. O holandês desarmava o contra-ataque rival que estava para nascer como poucos faziam e era impecável na marcação um-contra-um. Não à toa, Johan Cruijff descreveu Stam como “a zaga de um homem só”.

Dentro de campo, ele ganhou muitos apelidos. O Destróier Holandês, A Besta e O Paredão de Kampen foram os mais comuns. Muitos deles por seu biótipo. Porém, fora dos gramados, Jaap Stam era dócil: muito ligado à família, procurava não se envolver em polêmicas e nem gostava da fama. Em 2002, o Manchester United o colocou à venda. Três hipóteses foram levantadas: em primeiro lugar, o diário Daily Mirror fez uma crítica sensacionalista de “Head to Head”, a auto-biografia de Stam. Nela, afirmaram que o zagueiro criticava David Beckham, Edgar Davids e Filippo Inzaghi. O holandês também teria escrito que Ferguson iniciou as negociações para contratá-lo junto ao PSV sem a permissão do clube holandês.

Ferguson, por outro lado, deu versão diferente: Stam tinha um problema crônico no tendão de Aquiles e precisou operar em 2000-01. Como o retorno foi abaixo do esperado, o clube aproveitou a boa relação com a Lazio, que havia acabado de lhe vender Verón e havia feito uma proposta de 16,5 milhões de libras pelo zagueiro de 29 anos. Mais recentemente, o jornalista Simon Kuper escreveu no livro “Uma Revolução no Futebol” que no início da década de 2000 os europeus começaram a investir dinheiro e pessoas na análise de dados. Ou seja, estudavam quantos quilômetros tal jogador corre durante uma partida ou quantos desarmes faz, por exemplo. Segundo o britânico, Stam foi negociado por causa das estatísticas: ele estava roubando uma quantidade menor de bolas e, assim sendo, sua carreira estava em declínio.

Entretanto, não era bem assim: o menor número de desarmes era fruto de um bom posicionamento. Paolo Maldini fazia um desarme a cada dois jogos, de acordo com o estudo. Para o lugar de Stam no Manchester, Fabio Cannavaro foi cogitado, mas Ferguson quis investir em Laurent Blanc, de 35 anos, que estava na Inter. O zagueiro holandês não queria ter saído da Inglaterra.

O sonho dele era permanecer por mais quatro anos e atuar nos Estados Unidos ou voltar ao seu país. Mas como a Itália era sua única opção, assinou vínculo por quatro temporadas na equipe galática do presidente Sergio Cragnotti. O salário era de 2,25 milhões de libras por ano. Com Zaccheroni, Stam jogou pouco, pois foi pego no doping por uso de nandrolona em outubro de 2001 após a partida entre Atalanta e Lazio. Ele foi o segundo jogador laziale a ser suspenso por estes motivos em menos de um ano – o outro foi Fernando Couto.

Na temporada seguinte, sob o comando de Roberto Mancini, melhorou bastante. Ele fez 28 jogos, sendo alguns deles na lateral-direita. A preferência do treinador era atuar com Stam ao lado de Couto, mas outra lesão motivou a entrada de Mihajlovic no time titular. Com a camisa da Lazio, o zagueiro conquistou apenas um título: a Coppa Italia em 2003-04. O 4 a 2 sobre a Juventus encerrou a passagem do Destróier pela Lazio. Ele estava a caminho de Milão.

Na reta final da carreira, Stam disputou o dérbi de Milão (AP)

Após a disputa da Eurocopa de 2004 e o anúncio de que se aposentava da seleção, Stam assinou com o Milan. Ele voltou a jogar preferencialmente no miolo da zaga, ao lado de Alessandro Nesta. Cafu corria pela direita, enquanto Maldini capitaneava o time na lateral-esquerda. Aliás, esta foi a defesa da final da Liga dos Campeões 2004-05, quando o Milan ficou com o vice após levar empate do Liverpool em minutos e ser derrotado nos pênaltis, na histórica final de Istanbul.

O zagueirão holandês ainda ficou um ano no Milan, jogando quase sempre como titular. No final da temporada 2005-06, ele preferiu retornar para a Holanda por motivos familiares, e acabou negociado com o Ajax por 2,5 milhões de euros. Jogou uma temporada no Ajax antes de anunciar a aposentadoria em outubro de 2007. Stam passou pela Inglaterra e aceitou a proposta de ser olheiro do Manchester United na América do Sul. Exerceu a função pouco menos de um ano. O holandês foi técnico interino do Zwolle em 2009-10 e, desde então, é o treinador assistente da equipe.

Jakob Stam
Nascimento: 17 de julho de 1972, em Kampen (Holanda)
Posição: zagueiro/lateral-direito
Seleção holandesa: 67 jogos e 3 gols
Clubes como jogador: Zwolle (1992-93), Cambuur Leeuwarden (1993-95), Willem II (1995), PSV Eindhoven (1996-98), Manchester United (1998-2001), Lazio (2001-04), Milan (2004-06), Ajax (2006-07)
Clubes como treinador: Zwolle (2009-10 – interino)
Títulos: Copa da Holanda (1995-96 e 2006-07), Supercopa da Holanda (1996, 97, 98, 2006 e 07), Liga Holandesa (1996-97), 3 Campeonato Inglês (1998-99, 1999-00 e 2000-01), Copa da Inglaterra (1998-99), Liga dos Campeões (1998-99), Mundial de Clubes (1999), Coppa Italia (2003-04), Supercoppa Italia (2004)

1 comentário

  • No Milan, Stam também chegou a atuar pela lateral direita durante quase toda a temporada 2005/6. Inclusive, tornou-se célebre o embate com Ronaldinho, então no Barça, que sempre caia por aquela faixa do gramado. Particularmente, acho que o holandês venceu aquele duelo.

    Abraço.

Deixe um comentário