Outros torneios

Guia da Serie B 2011-12, parte 2

Sampdoria, favorita ao acesso ao lado de Padova e Torino, espera terminar a temporada chorando, mas de alegria (AP Photo)

Segue a segunda parte do nosso guia da Serie B 2011-12, que começará no próximo sábado, 27. Hoje, falamos sobre os três favoritos ao título, Padova, Sampdoria e Torino. A primeira parte você lê aqui.

Modena

A casa: Estádio Alberto Braglia (Módena, 21151 lugares)

O cara: Giuseppe Greco (atacante)

A promessa: Federico Carraro (meia-atacante)

O técnico: Cristiano Bergodi (07/2010)

Principal reforço: Davide Di Gennaro (m, Milan)

Principal perda: Cristian Pasquato (a, Juventus)

Na temporada passada: 10ª colocação

Objetivo: lutar pelos play-offs

O sonho dos canários é que em abril, quando forem completar seus cem anos de história, a equipe esteja brigando pelo acesso à Serie A. Para isso, o plantel que protagonizou uma última temporada de altos e baixos foi renovado. Saíram jogadores muito experientes, como Tamburini, Colucci, Luisi e Bellucci, além de dois dos artilheiros gialloblù: Pasquato, que retorna à Juventus e Mazzarani, que defenderá o Novara. Para reforçar o setor da equipe que mais sofreu baixas, o Modena manteve Greco, autor de nove gols na última Serie B, e contratou o centroavante grandalhão Bernacci, ex-Bologna. As principais novidades são os trequartistas Di Gennaro e Carraro, ambos com passagens por todas as seleções de base da Itália. O primeiro chega por empréstimo junto ao Milan e tem mais uma chance de encontrar seu espaço, enquanto o segundo, tido como herdeiro de Roberto Baggio, chega emprestado pela Fiorentina para ter sua primeira oportunidade entre os profissionais. Olho também no romeno Petre, com passagens pela seleção de seu país, e nos brasileiros Fabinho e Jefferson, emprestados pela Udinese. (Pedro Spiacci)

Nocerina

A casa: Estádio San Francesco (Nocera Inferiore, 6852 lugares)

O cara: Masimiliano Marsili (meio-campista)

A promessa: Raffaele Alcibiade (zagueiro)

O técnico: Gaetano Auteri (desde 06/2010)

Principal reforço: Gianvito Plasmati (a, Catania)

Principal perda: Pietro Terracciano (g, Catania)

Na temporada passada: campeão do grupo B da Lega Pro Prima Divisione, promovido

Objetivo: evitar o rebaixamento

O trabalho que o presidente Giovanni Citarella e o diretor esportivo Ivano Pastor fazem fora de campo foi essencial para a ascensão à Serie B. O time, que quase disputou o play-out em 2009-10, surpreendeu e foi campeão do seu grupo, 11 pontos à frente do vice Benevento. Para repetir a surpresa, o elenco mais recheado de ilustres desconhecidos da segunda trocaram o 3-4-3 pelo 4-3-3. Gori, goleiro, e De Franco, zagueiro, principais responsáveis pela terceira melhor defesa da Prima Divisione, continuam no time. Raffaele Alcibiade, promessa da Juventus, chega para reforçar o setor. No meio-campo, Marsili, autor de um dos gols na final da Supercoppa da Lega Pro é o destaque, mas joga quase sozinho: o setor ainda é fraco comparado a outros setores do time. Negro foi comprado após copropriedade junto ao Catania e dividirá com Plasmati, Diego Farias e Castaldo a responsabilidade de marcar gols que tentarão ajudar os rossoneri a não caírem. (Murillo Moret)

Padova

A casa: Estádio Euganeo (Pádua, 32420 lugares)

O cara: Omar Milanetto (meio-campista)

A promessa: Dejan Lazarevic (meia)

O técnico: Alessandro Dal Canto (desde 03/2011)

Principal reforço: Omar Milanetto (m, Genoa)

Principal perda: Stephen El Shaarawy (a, Milan)

Na temporada passada: 5º lugar; eliminado na final dos play-offs pelo Novara.

Objetivo: título

O Padova é uma das equipes mais tradicionais desta Serie B e aposta alto para voltar à elite após 16 anos. O mercado, fomentado pelo rico empresário Marcello Cestaro e conduzido pelo diretor esportivo Rino Foschi, que fez ótimo trabalho no Verona e no Palermo, é ambicioso e Alessandro Dal Canto, não deve ter problemas para continuar seu bom trabalho nem para encaixar seu 4-3-3 – mesmo com as saídas de El Shaarawy, Succi, De Paula e Crespo. Os biancoscudati realizaram 11 contratações, dentre as quais algumas de jogadores de nível de Serie A, como a dos meias Milanetto e Marcolini, que eram titulares de Genoa e Chievo, e devem fazer um setor forte e experiente ao lado do capitão Italiano. Bons reforços também para a meta: chegaram Pelizzoli, ex-Cagliari, e, para fazer-lhe sombra, o promissor Perin, titular da sub-21 italiana emprestado pelo Genoa. A colaboração com o Genoa ainda rendeu ao clube três reforços promissores como Lazarevic, Jelenic e Hallenius (conhecido por esse golaço). Ruopolo, Osuji e Cutolo, destaques da última B, e Donati (ex-Inter e Lecce), completam a lista de jogadores que devem fazer o Padova sonhar. E pensar que os biancorossi quase caíram na temporada 2010-11, sobrevivendo apenas no play-out… (Nelson Oliveira)

Pescara

A casa: Estádio Adriatico (Pescara, 24500 lugares)

O cara: Marco Sansovini (atacante)

A promessa: Lorenzo Insigne (atacante)

O técnico: Zdenek Zeman (desde 06/2011)

Principal reforço: Lorenzo Insigne (a, Napoli)

Principal perda: Mario Artistico (a, Frosinone)

Na temporada passada: 13º lugar

Objetivo: lutar pelos play-offs

Depois de quase levar o Foggia aos play-offs da Prima Divisione em 2010-11, Zdenek Zeman foi contratado para um renovado Pescara, que sonha alto e quer incomodar os favoritos nesta temporada. Zeman costuma colocar seus times para jogarem de forma bastante ofensiva e, para isso, os biancoazzurri trouxeram Lorenzo Insigne, artilheiro do Foggia com 19 gols, e o bom goleiro Carlo Pinsoglio, da Juventus – ambos foram titulares na primeira partida oficial da temporada. Da Juve, chega também o atacante Ciro Immobile, que deve fazer sombra a Insigne e Marco Sansovini, capitão e artilheiro do time na Serie B 2010-11. A equipe não estaria fechada se não houvesse renovações: além dos zagueiros Filippo Petterini e Damiano Zanon, que pouco atuaram na última época, o Pescara deu novo contrato ao bom meia /88 Gianlucca Nicco e aos atacantes Riccardo Maniero e Sansovini. A temporada, no entanto, começou dando um susto nos ambiciosos da região de Abruzzo: o Pescara foi surpreendentemente eliminado pela Triestina no primeiro turno da Coppa Italia. (MM)

Reggina

A casa: Estádio Oreste Granillo (Reggio Calabria, 27763 lugares)

O cara: Emiliano Bonazzoli (atacante)

A promessa: Alessio Viola (atacante)

O técnico: Roberto Breda (desde 06/2011)

Principal reforço: Fabio Ceravolo (a, Atalanta)

Principal perda: Andrea Costa (d, Sampdoria)

Na temporada passada: 6ª colocação; eliminada nos play-offs pelo Novara

Objetivo: vaga na Serie A

No ano passado, a Reggina foi eliminada na primeira rodada do play-offs pelo promovido Novara, em confronto equilibrado. A torcida ficou com a impressão que os amaranto podiam mais. Apostando no bom trabalho, a equipe de Reggio Calabria manteve a base e visa voltar à Serie A, após quatro anos afastado. O elenco, considerado forte pelo presidente Pasquale Foti, recebeu reforços, como Ceravolo, Ragusa, Campagnacci e o brasileiro Émerson, e jogadores emprestados, como Missiroli, retornaram. Quem não continua é o treinador Gianluca Atzori, que foi para a Sampdoria, assim como Costa, uma das estrelas do time. Para o lugar do técnico, a diretoria aposta em um velho conhecido: Roberto Breda, que retorna à Reggina, onde começou a carreira de treinador em 2007, nas categorias de base. A permanência do artilheiro Bonazzoli, que marcou 17 vezes na Serie B 2010-11, é a mais comemorada. O elenco extenso, fundamental para uma competição longa, e a inspiração do atacante são as grandes esperanças para o time calabrês brigar pelo acesso. (PS)

Sampdoria

A casa: Estádio Luigi Ferraris (Gênova, 36703 lugares)

O cara: Andrea Poli (meio-campista)

A promessa: Roberto Soriano (meio-campista)

O técnico: Gianluca Atzori (desde 06/2011)

Principal reforço: Federico Piovaccari (a, Cittadella)

Principal perda: Reto Ziegler (d, Juventus)

Na temporada passada: 18º lugar na Serie A, rebaixado

Objetivo: título

Depois de ir do céu ao inferno em apenas uma temporada, a Sampdoria começa a juntar seus cacos para, quem sabe, voltar à Serie A, principal objetivo da temporada. O rebaixamento inesperado na última temporada fez com que alguns destaques do elenco que conseguiu levar os genoveses à Liga dos Campeões não esteja mais presente no Luigi Ferraris, mas não afeta em muito a equipe, que ainda tem elenco de nível suficiente para disputar a elite. Das saídas no último mercado, a mais sentida será a do lateral Reto Ziegler, que agora será titular na Juventus – Curci deve ser substituído por Romero, da seleção argentina. As saídas de Mannini, Guberti e Biabiany não implicaram em reforços no mesmo setor, indicando que o novo técnico, Gianluca Atzori, deve abolir o jogo pelos lados em prol de mais profundidade, com os atacantes Piovaccari e Bertani, que se juntam a Pozzi e Maccarone. A defesa, que já era boa, com Gastaldello e Volta, ganhou incrementos com a contratação de Costa. É no meio-campo que a Samp é mais forte, já que além das muitas opções, Palombo e Poli são dois jogadores de nível de seleção italiana e preferiram ficar para fazer o clube voltar à elite. Entre os reforços, olho nos meio-campistas Signori e Soriano, que voltam ao clube após boa temporada por Modena e Empoli, respectivamente. (Leonardo Sacco)

Sassuolo

A casa: Estádio Alberto Braglia (Módena, 21151 lugares)

O cara: Alessandro Noselli (atacante)

A promessa: Richmond Boakye (atacante)

O técnico: Fulvio Pea (desde 06/2011)

Principal reforço: Davide Bassi (g, Empoli)

Principal perda: Andrea De Falco (m, Chievo)

Na temporada passada: 16º lugar

Objetivo: Meio da tabela

O Sassuolo chega à Serie B 2011-12 com um elenco semelhante ao que se livrou do rebaixamento na última rodada do último campeonato. Porém, os neroverdi não terão o meia Andrea De Falco e o atacante Andrea Catellani, titulares da equipe que retornam a Chievo e Catania. O ataque, um dos piores da Serie B 2010-11, manteve Bruno (seis gols) e Martinetti (sete) e, além da dupla, trouxe Masucci, que estava emprestado ao Frosinone, onde teve espaço e marcou gols. Noselli, que se lesionou e ficou boa parte da última temporada, já está recuperado e pode fazer a diferença. A novidade é que Fulvio Pea, que fez ótimo trabalho como técnico da Primavera de Sampdoria e Inter, sagrando-se campeão Copa Viareggio pelas duas equipes, estreará como treinador de um time principal. A experiência com o trabalho de base será fundamental para ele, já que encontrará diversos talentos jovens, como os meias Laribi e Cofie, além do atacante Boakye – este último, de apenas 18 anos, foi destaque da pré-temporada, marcando muitas vezes. Todos tem chances de aparecerem com frequência no time titular. (PS)

Torino

A casa: Estádio Olímpico (Turim, 27994 lugares)

O cara: Angelo Ogbonna (zagueiro)

A promessa: Sergiu Suciu (meio-campista)

O técnico: Gian Piero Ventura (desde 06/2011)

Principal reforço: Stefano Guberti (m, Roma)

Principal perda: Giuseppe De Feudis (m, Cesena)

Na temporada passada: 8º lugar

Objetivo: título

Depois de duas temporadas em que fracassou na tentativa de retornar à Serie A, o Torino parece querer dar um basta nas desilusões. A começar pela contratação de Gian Piero Ventura, técnico experiente e que fez bom trabalho no Bari, o Torino sai ao menos em pé de igualdade com Padova e Sampdoria. As únicas saídas importantes foram as dos volantes De Vezze e De Feudis, bem substituídos por Basha e Vives. Para o provável 4-4-2 de Ventura, o Torino fez a maior contratação da Serie B, ao fechar com Guberti, que se encaixa perfeitamente ao esquema e deve ajudar Ebagua, Antenucci e Bianchi (se permanecer) a fazerem mais gols que na última temporada. A zaga, que tem Ogbonna (convocado por Prandelli para a seleção italiana), ganhou o reforço de Glik, Darmian e Parisi e tem potencial para ser uma das melhores da competição. No papel, um timaço, para o nível do torneio. Em campo, será possível que os granata fracassem novamente? (NO)

Varese

A casa: Estádio Franco Ossola (Varese, 9926 lugares)

O cara: Alessandro Camisa (zagueiro)

A promessa: Giuseppe De Luca (atacante)

O técnico: Benito Carbone (desde 06/2011)

Principal reforço: Jasmin Kurtic (m, Palermo)

Principal perda: Osarimen Ebagua (a, Torino)

Na temporada passada: 4º lugar; eliminado nas semifinais dos play-offs pelo Padova

Objetivo: evitar o rebaixamento

A grande surpresa da última temporada deve se contentar com menos nesta edição da Serie B. O Varese e sua legião de brasileiros desconhecidos – eram cinco na última temporada – se desfez: hoje, o time lutará apenas para permanecer na segundona. O técnico, Giuseppe Sannino, foi para o Siena e acabou substituído por Benito Carbone, ex-jogador de Parma e Inter, que só trabalhou no pequeno Pavia e nem teve grande sucesso. O time também perdeu os principais jogadores – o artilheiro Ebagua foi para o Torino e o polivalente Pisano para o Palermo. Hoje, falta uma grande referência pra decidir, a menos que o promissor atacante De Luca (um dos artilheiros da Copa Viareggio e do último campeonato Primavera), deslanche de vez. A esperança é que, no mínimo, a defesa, a menos vazada última Serie B, continue funcionando, com a dupla formada por Camisa e Terlizzi. Seu sucesso será essencial para que os varesinos façam uma temporada tranquila. (NO)

Verona

A casa: Marcantonio Bentegodi (Verona, 42160 lugares)

O cara: Rafael (goleiro)

A promessa: Marco D’Alessandro (meio-campista)

O técnico: Andrea Mandorlini (desde 11/2010)

Principal reforço: Marco D’Alessandro (M, Roma)

Principal perda: Marco Rini (m, Brescia)

Na temporada passada: 5º lugar no grupo A da Prima Divisione; promovido após play-offs

Objetivo: evitar o rebaixamento

A volta à Serie B depois de cinco anos de sofrimento e muita crise já foi motivo de bastante comemoração para para o clube vêneto. Após conseguir o sonhado acesso, que bateu na porta por dois anos, o clube scaligero agora tem a dificil missão de se manter na segunda divisão, sem almejar, pelo menos por enquanto, algo maior do que a manutenção. Para isso, o Verona deve continuar contando com o goleiro Rafael (ex-Santos), que há quatro anos é ídolo, com ótimas defesas. O retorno de Gómez (ex-Gubbio), que fez 18 gols na última Prima Divisione, melhora o ataque, que terá Ferrari como referência mais uma vez. O técnico Mandorlini terá alguns bons jovens para utilizar ao longo do campeonato, como o meia grego Tachtsidis (Genoa) e o lateral Natalino (Inter). Entre eles, o destaque vai para o meio-campista Marco D’Alessandro, emprestado pela Roma, que deverá ser um dos principais atletas na campanha na Serie B. (LS)

Vicenza

A casa: Estádio Romeo Menti (Vicenza, 17163 lugares)

O cara: Elvis Abrruscato (atacante)

A promessa: Nicola Rigoni (meio-campista)

O técnico: Silvio Baldini (desde 06/2011)

Principal reforço: Matteo Paro (m, Genoa)

Principal perda: Raffaele Schiavi (z, Parma)

Na temporada passada: 12º lugar

Objetivo: ficar no meio da tabela

O técnico Silvio Baldini entrou em junho deste ano no Vicenza, mas vai trabalhar com os jogadores que fizeram um bom segundo turno na temporada passada. O Vicenza se reforçou pouco e preferiu manter os nomes de seu plantel para ficar entre os dez primeiros colocados da tabela. O bomber Elvis Abbruscato, que marcou 19 gols na última temporada, é peça fundamental no 4-2-3-1 de Baldini. Matteo Paro, armador, foi contratado em definitivo após empréstimo. A sua experiência pode ser usada por Baldini nos três homens atrás de Abbruscato, bem cobertos pelo promissor volante Rigoni. O zagueiro Bastrini fez ótimas partidas e teve o contrato de empréstimo prolongado. Chega também ao Vicenza o lateral-esquerdo Marco Pisano, que há muito não faz uma longa série de jogos. (MM)

Deixe um comentário