Serie A

7ª rodada: Quantos zeros

Aleluia, Profeta! Depois de decepcionar nos três dérbis de Roma da última temporada, Hernanes foi o grande nome da Lazio na vitória sobre a rival, no domingo (Getty Images)

É no mínimo curioso que justamente na rodada mais pobre em gols deste campeonato, uma das partidas mais emocionantes do início de temporada tenha acontecido. O dérbi de Roma, sempre marcado por grandes polêmicas e confusões dentro de campo foi o mais calmo dos últimos anos – até pela grande quantidade de estreantes; oito pela Roma e cinco pela Lazio. Antes do dérbi, no sábado, chamou atenção mais um tropeço da Inter, além da improvável derrota do Napoli em casa para um enfraquecido Parma. O Milan, por sua vez, ganhou terreno com uma ótima vitória. O domingo, à exceção do dérbi e do Bologna, foi marcado por cinco empates em 0 a 0, fato que não acontecia em uma rodada desde 1994. A média de gols, que era de 2,5 por rodada, sofrerá um descréscimo após a da sétima rodada, de apenas 1,4 por jogo. Veja o resumo da rodada.

Lazio 2-1 Roma

A escassez de gols da rodada pode ter sido conspirada pelo destino para que o dérbi de Roma, que fecharia a rodada, ganhasse ainda mais expectativas, como uma espécie de jogo redentor do fim de semana. E, muito graças ao Profeta Hernanes, isso aconteceu. A Roma, que tinha oito jogadores que nunca haviam jogado um dérbi antes, começou melhor e logo marcou com o goleador Osvaldo, que deixou seu quarto gol em quatro jogos. Por boa parte do primeiro tempo, a Roma mandou no jogo, até que Hernanes e Brocchi começaram a aparecer e a Lazio equilibrou as ações, no fim da primeira etapa.

Após o intervalo, a entrada de Lulic fez com que a equipe biancoceleste fosse ainda mais para frente. O pênalti e a expulsão de Kjaer, aos cinco minutos, mudaram a história da partida, já que a equipe de Luis Enrique não pode mais colocar em prática seu jogo à Barcelona e perdeu a posse de bola. Após a cobrança de Hernanes, só deu Lazio, mas sem Cissé e Klose nos melhores dias, até o azar atrapalhava – foram duas bolas na trave. Porém, o alemão foi contratado para ser o jogador que decidia partidas e, em seu primeiro dérbi, esperou até o último lance para colocar a bola nas redes e fazer a Lazio sorrir novamente ante sua rival. O técnico Edoardo Reja, que nunca havia vencido a Roma em toda sua carreira, comemrou muito a vitória – não apenas por ter calado Totti, que o provocara, mas por dar uma resposta a seus críticos. Muito criticado pela torcida após perder cinco dérbis nos últimos dois anos e não levar o time à Liga dos Campeões, ele chegou a pedir demissão na quarta rodada, mas permaneceu. E, no melhor momento da Lazio desde 2004, pode dar a volta por cima.

Catania 2-1 Inter

A Inter fez péssima apresentação no Angelo Massimino e continua com apenas quatro pontos ganhos nesta Serie A, mesmo número de Lecce e Bologna, que ocupam a zona de rebaixamento. Contra o Catania, os nerazzurri abriram o placar logo aos seis minutos de jogo, com Cambiasso, e recuaram demais: passaram a se defender (bem, diga-se de passagem) e não deram mais nenhum chute a gol no primeiro tempo. O bom momento da defesa, no entanto, não resistiu à pressão dos donos da casa no início do segundo tempo e, em dois erros de posicionamento em menos de cinco minutos, a Inter sofreu a virada. Gols de Almirón e Lodi. O maior problema do time de Ranieri está no meio-campo, que teve média de idade acima dos 32 anos neste jogo, com a formação Zanetti-Cambiasso-Muntari-Stankovic. Sem Sneijder, o time não consegue criar e sofre para manter a posse da bola. O Catania de Montella, por outro lado, fez boa partida e já acumula nove pontos. (Rodrigo Antonelli)

Milan 3-0 Palermo

Enquanto isso, a outra metade de Milão comemora. O Milan fez sua melhor partida do campeonato até aqui e, jogando bom futebol, venceu o Palermo, que vinha em bom momento. O entusiasmo e o espírito coletivo, ausente nas últimas rodadas, reapareceram e o time de Allegri não deu chances para os sicilianos, que só assistiram Nocerino, Robinho e Cassano marcarem os gols. Com o brasileiro no time titular, o trio ofensivo funcionou muito bem e deu trabalho à zaga adversária todo o jogo. Ibrahimovic não deixou o seu, mas foi um dos melhores da partida, com movimentação e bons passes. No Palermo, fica claro que Mangia ainda não conseguiu arrumar a retaguarda do time, que já levou nove gols neste campeonato. O fantasma de Zamparini já aparece por trás da figura do treinador. (Rodrigo Antonelli)

Napoli 1-2 Parma

No San Paolo, o Napoli tropeçou diante de um Parma ainda em formação e perdeu a chance de assumir a ponta da tabela. Mesmo com todos os titulares em campo, o time de Mazzarri fez um primeiro tempo de se esquecer e viu o Parma jogar com organização. Os visitantes abriram o placar no início da partida, com Gobbi, e conseguiram administrar bem o jogo. Percebendo o mau momento, Mazzarri tirou Aronica e colocou Mascara, para tentar dar mais ímpeto ao time. E funcionou. O próprio Mascara empatou o jogo antes do intervalo. No segundo tempo, os azzurri melhoraram na partida e, com o apoio da torcida, tiveram chances de vencer. Mas um erro defensivo definiu o jogo para o Parma: Giovinco cruzou e Modesto deu números finais à partida. Cavani ainda acertou a trave no final, mas não foi suficiente. (Rodrigo Antonelli)

Novara 0-2 Bologna
Há alguns dias, falamos aqui que um dos desafios de Pioli para tirar o Bologna da lama seria recuperar o futebol de Marco Di Vaio e de Robert Acquafresca. De certo modo, ele conseguiu isso logo em sua estreia com os rossoblù. O capitão continua sem marcar (desde o dia 2 de abril), mas teve sua importância nesta vitória: participou diretamente do gol de Ramírez, que abriu o placar, deu trabalho ao goleiro adversário e soube fazer o tempo passar, quando necessário. Acquafresca também melhorou e marcou seu primeiro no campeonato. Apesar disso, o Bologna ainda tem muito a melhorar. Falta organização ao time e a vitória veio mais por causa do nervosismo que tomou conta do Novara após o primeiro gol do que por méritos próprios. O Novara foi muito mais organizado a partida inteira e merecia sorte melhor. Para piorar, o time ficará sem o goleiro Ujkani, um dos seus destaques, por pelo menos dois meses. Ele teve que fazer cirurgia no rosto após fraturar a mandíbula e o maxilar, além de perder quatro dentes, depois de choque com o companheiro Morganella. (Rodrigo Antonelli)

Chievo 0-0 Juventus

Quem também perdeu a oportunidade de assumir a liderança isolada foi a Juventus. Com o empate contra o Chievo, a equipe de Antonio Conte continua dividindo a primeira colocação com a Udinese, com 12 pontos. Em Verona, o jogo foi de muita intensidade e força física, mas sem muitas chances de gol. O primeiro tempo, sonolento, só teve um lance que merece ser lembrado: Théréau roubou bola de Pirlo e marcou um gol, mal anulado pelo juiz, que viu falta do jogador gialloblù. Serviu também para comprovar a má fase de Milos Krasic, que não conseguiu acertar um cruzamento sequer. No segundo tempo, coincidentemente ou não, ele deu lugar à Giacherrini e o jogo melhorou um pouco. A entrada de Del Piero, aos 25 minutos da segunda etapa, é que colocou ânimo no jogo. Atuando com dois atacantes, as chances de gol começaram a aparecer e Sorrentino comprovou sua boa fase. O capitão ainda acertou uma bola na trave e salvou um gol de Pellissier em cima da linha, se tornando o principal jogador da partida, mesmo tendo jogado só vinte minutos. (Rodrigo Antonelli)

Atalanta 0-0 Udinese
Na partida entre duas das equipes que jogavam o melhor futebol desta Serie A, as credenciais ficaram fora do campo. Atalanta e Udinese não fizeram jus aos elogios e fizeram partida abaixo da crítica. A decepção maior ficou por conta da equipe de Údinese, que não viu Di Natale fazer boa partida e, após a expulsão de Pinzi, no segundo tempo, contentou-se em defender. Jogando em casa, só após a vantagem numérica é que a Atalanta partiu para cima e, nem mesmo com três atacantes depois da entrada do veterano Tiribocchi, que deu gás ao time, conseguiu tirar o zero do placar. Méritos do zagueiro Benatia e, principalmente, do ótimo goleiro Handanovic, que garantiu o ponto para a Udinese com duas defesaças e, com isso, se coloca cada vez mais no rol dos grandes goleiros da Itália. Com os resultados, a Udinese continua na liderança, ao lado da Juventus.

Cesena 0-0 Fiorentina
Entre as partidas que terminaram zom zero no placar, a que aconteceu no estádio Dino Manuzzi foi a que menos mereceu ficar sem gols. O Cesena, mesmo bastante desfalcado (ironicamente, contava com a volta do goleiro Antonioli,) jogou bem e produziu muitas ocasiões de gols, suficientes inclusive para estabelecer uma vantagem um tanto elástica contra a equipe florentina, completamente sem vontade. Porém, quando a fase não é boa – os cesenáticos somam apenas dois pontos na tabela -, o destino parece conspirar contra. Azarada, a equipe de Marco Giampaolo acertou duas bolas no travessão, com Guana e Candreva, mas ao menos mostrou sinais de evolução. Jogando em um 4-3-1-2, com Ghezzal às costas de Éder e Mutu, jogou melhor. Na lateral direita, Ceccarelli jogou bem defensivamente, anulando Jovetic, e também ofensivamente. Giampaolo parecia ter achado o time ideal, mas Mutu fez questão de estragar tudo aos 30 minutos do segundo tempo, quando acertou uma cotovelada em Cassani e foi expulso. O romeno pegou ganho de três partidas e deve dar espaço a Bogdani, um jogador com características muito diversas.

Cagliari 0-0 Siena
Se o resultado deste jogo fosse aquele que a maioria imaginava (vitória dos donos da casa), o Cagliari seria líder do campeonato neste momento. Mas a equipe de Ficcadenti não jogou bem como em outros momentos nesta Serie A, se acomodou na partida e viu o Siena sair da Sardenha com um importante (e merecido) ponto. O time bianconero veio com uma proposta bem definida (se defender) e a executou sem muitos problemas, uma vez que o Cagliari não se impôs e decepcionou os pouco mais de 10 mil torcedores presentes no Sant’Elia. Com 11 pontos, os cagliaritanos ocupam a terceira colocação na tabela, ao lado da Lazio, e começam a se preparar para receber o Napoli, no próximo domingo. (Rodrigo Antonelli)

Genoa 0-0 Lecce
O jogo era entre duas equipes em baixa. O Genoa vinha de duas derrotas seguidas, enquanto o Lecce tinha perdido as três últimas. O 0 a 0, portanto, não serviu para ninguém. O Genoa continua na parte do meio da tabela e o Lecce não conseguiu se livrar da zona de rebaixamento. Ainda assim, há o que destacar: o time de Malesani mostrou alguma evolução no setor ofensivo e conseguiu prender a bola no ataque, apesar de ainda ter dificuldades na hora de finalizar a jogada. O Lecce, ao contrário, continua com poder de fogo muito fraco, mas já melhorou na linha defensiva. O lance mais importante do jogo foi uma bola na trave de Jorquera, pelo Genoa. Uma coisa é certa: o empate sem gols não tira o emprego de nenhum dos treinadores, pelo menos por enquanto. (Rodrigo Antonelli)

Veja todos os gols da rodada aqui.
Para resultados, escalações e estatísticas da 7ª rodada, clique aqui.
Para relembrar a 6ª rodada, clique aqui.

Seleção da 7ª rodada

Handanovic (Udinese); Abate (Milan), Benatia (Udinese), Spolli (Catania), Lulic (Lazio); Almirón (Catania), Nocerino (Milan), Modesto (Parma); Hernanes (Lazio); Ibrahimovic (Milan), Klose (Lazio). Técnico: Edoardo Reja (Lazio).

Deixe um comentário