Liga dos Campeões

Não serviu pra nada

Retornando de contusão, Pato foi o melhor do jogo segundo a Uefa (Reuters)
Já sem o que fazer dentro do grupo H, o Milan viajou até a cidade de Praga para enfrentar o Viktoria Plzen. Em tempo, vale lembrar que o time tcheco não manda suas partidas em seu próprio estádio, em Plzen, porque ele não atende às normas da Uefa. O segundo lugar garantido fez o técnico Allegri dar chances a quem estava meio esquecido, como Pato, que retorna de contusão, Mexès, que estreava na equipe, após quatro meses e a jovens como De Sciglio e Christante, além de poupar os principais jogadores, como Thiago Silva e Ibrahimovic.
Sem os principais jogadores, o Milan demorou a se acertar em campo e viu o Plzen tomar conta das ações ofensivas. Porém, os tchecos pecavam na qualidade técnica e pouco finalizavam. A primeira chance de perigo da equipe rossonera ocorreu apenas aos 37 minutos de jogo em um chute de fora da área disparado por Seedorf. Logo depois, Nocerino se machucou e obrigou Allegri a colocar Thiago Silva na volância.

O segundo tempo veio com uma entrosada e inspirada dupla Robinho-Pato. Apesar de estarem juntos no primeiro tempo, foi só depois do intervalo que eles brilharam. Em menos de três minutos a dupla deixou o Milan com dois gols de vantagem. Logo no primeiro minuto, o atacante recebeu belo passe de peito de Robinho, tirou do zagueiro com uma solada, driblou o goleiro e marcou. Um minuto depois Pato e Robinho tabelaaram, a bola sobrou para o camisa 7, que tirou a marcação, fingiu que chutaria, mas só passou para Robinho completar para o gol vazio.

Porém, a vantagem no marcador fez o Milan relaxar na partida, dando espaços para o time tcheco atacar. Com poucas chances criadas, o Viktoria encontrou um gol a dois minutos do fim do tempo regulamentar, com um gol de Bystron.  Empolgado com o gol, o time foi pra cima e já nos acréscimos, Duris empatou o jogo, contando com alguma colaboração de Mexès, que nem fez menção de marcá-lo. Sem se preocupar com o resultado, o Milan jogou despretensiosamente. O empate pouco significou para os italianos, enquanto para os tchecos significou a vaga na Liga Europa. Agora, só resta ao Milan esperar o sorteio e torcer para que não enfrente um possível candidato ao título, como Chelsea ou Real Madrid.
Serviu para o CSKA
A Inter, por sua vez, não poupou tantos titulares quanto o Milan e decepcionou mais uma vez. Claudio Ranieri preferiu colocar em campo jogadores envelhecidos como Samuel, Chivu e Cambiasso, que deverão jogar novamente no sábado, contra a Fiorentina, ao invés de dar um pouco mais de espaço a jovens. Jovens como Obi, Coutinho e Faraoni, que começaram a partida desde o início – e, entre eles, apenas Faraoni foi realmente bem, mostrando mais uma vez, assim como contra a Udinese, que tem maturidade e qualidade suficientes para jogar mais vezes.

Álvarez e Zárate, que poderiam dar algum fôlego ao time, iniciaram a partida no banco – provavelmente por terem indo a uma boate após a derrota contra a Udinese. O jovem zagueiro Caldirola, titularíssimo da sub-21 italiana, só faria sua estreia no segundo tempo, quando substituiria Chivu e seria utilizado como lateral-esquerdo. Tudo errado no lado nerazzurro de Milão. Tão errado que Milito continuou perdendo muitos gols, seja no primeiro tempo, quando teve um surto de generosidade e passou bolas que deveria ter arrematado, ou no segundo, quando errou alguns lances fáceis e, há menos de 30 centímetros para o gol, cabeceou bola no travessão. No ataque, Nagatomo se juntou ao argentino e perdeu pelo menos duas ótimas chances.

Defensivamente, a Inter também passou longe de ser um primor. No início do segundo tempo, quando o CSKA equilibrou mais o jogo, uma jogada de Vágner Love e Doumbia evidenciou a lentidão da defesa interista. Até mesmo Ranocchia, que é bom em recuperação, não conseguiu correr atrás do atacante marfinense, que abriu o placar. Ranocchia se recuperou no minuto seguinte, cabeceando forte e obrigando Gabulov a espalmar, no reflexo, a bola que permitiu a Cambiasso deixar tudo igual. No finalzinho da peleja, uma falha de Álvarez, que não acompanhou Valeri Berezutski na movimentação na área pós-escanteio, selou a segunda derrota da Inter em casa na LC e a vitória dos russos. E também a vaga nas oitavas, já que um empate sem gols entre Lille e Trabzonspor fez com que ambas as equipes morressem abraçadas. Hoje, a Inter não ajuda a si mesma nem o ranking italiano: só quem joga contra ela. (Nelson Oliveira)

Deixe um comentário