Serie A

Parada de inverno: Cesena

A cara de Mutu é um reflexo do Cesena: misto de fúria com desespero (Goal.com)

Campanha
19ª posição, 16 jogos, 12 pontos, 3 vitórias, 3 empates e 10 derrotas. 8 gols marcados e 20 sofridos.
Maior sequência de vitórias: 2, da 12ª à 13ª rodada
Maior sequência de derrotas: 4, da 2ª à 5ª rodada
Maior sequência de invencibilidade: 2, da 6ª à 7ª e da 12ª à 13ª rodadas
Maior sequência sem vencer: 4, da 2ª à 5ª rodada
Artilheiro: Adrian Mutu, 4 gols
Fair play: 39 amarelos, 4 vermelhos
Time base
Antonioli; Cecarelli, Rodríguez, Von Bergen, Lauro; Guana, Parolo; Éder, Mutu, Candreva; Bogdani.
Treinador
Marco Giampaolo, da 2ª à 10ª rodada; Daniele Arrigoni, a partir da 10ª. A contratação de Giampaolo para o lugar de Massimo Ficcadenti foi muito elogiada no início da temporada, mas o treinador não obteve sucesso e deixou o cargo sem conseguir vencer uma partida sequer. Todas as três vitórias do time no campeonato aconteceram depois da 12ª rodada, após a chegada de Arrigoni. Agora, o time começa a se ajeitar. Armando a equipe em um 4-2-3-1, o treinador parece ter achado o ponto de equilíbrio para não sofrer tantos gols, resguardando a defesa com Guana e Parolo. A retaguarda foi vazada apenas 20 vezes, um número inferior até mesmo ao do Catania, time que ocupa a oitava colocação na tabela. Diferente de Giampaolo, que chegou a deixar Mutu na reserva, Arrigoni não costuma fazer muitas invenções na formação e procura manter os destaques do elenco entre os onze iniciais, salvo em casos de lesão, como a que acometeu Martínez nas últimas partidas.

Destaque
Adrian Mutu. O romeno continua com imagem de bad boy pelos lados italianos e, após ser dispensado da Fiorentina, desembarcou no Dino Manuzzi com aquele discurso de “recuperar a alegria de jogar futebol”. Com a camisa dos cavalos marinhos ainda não encontrou sua melhor forma, com constantes “desaparecimentos” em campo e alguma irregularidade, mas ainda assim é o destaque do time, tendo marcado quatro dos oito gols feito pela equipe até aqui. Talento para gastar nos gramados ele ainda tem, como ficou claro em algumas partidas. Se estiver comprometido com o futuro do time, pode ajudar o Cesena a escapar do fantasma do descenso, que é um perigo real. Destaque também para o meio-campista Guana, que encaixou bem na equipe, mostrando regularidade e ótimo preparo físico sempre.

Decepção
Éder. Marcado por seu posicionamento e faro de gols, o catarinense ainda não desencantou nesta temporada e já preocupa a torcida e a diretoria, que apostou no seu potencial. Com aproximação de Colucci e do próprio Mutu, o centroavante brasileiro parece inseguro e já desperdiçou chances incríveis nos 980 minutos que esteve em campo. Já cotado para esquentar o banco de reservas na volta do campeonato, Éder sonha com um gol de canela ou de baço para salvar sua cabeça. Marco Parolo e Candreva também aparecem como decepções. O primeiro foi o melhor jogador do Cesena na última termporada e sua permanência no time foi comemorada com fogos. Dentro de campo, porém, não vem correspondendo e ainda procura o bom futebol jogado no ano passado. Mesmo caso de Candreva, que apareceu como promessa há alguns anos, mas ainda não conseguiu se firmar e fazer uma temporada regular na Serie A.

Perspectiva
Lutar contra o rebaixamento. A tarefa não será fácil, mas ainda é possível a salvação. Apesar da grande irregularidade (o time tem dificuldade até para passar duas rodadas sem perder), a equipe melhorou no último mês e pode estar começando uma reação. O plantel dos cavalos marinhos não é tão limitado e se os jogadores certos reencontrarem as boas atuações, o time pode se livrar da Serie B de novo. Como concorrentes do Cesena ao posto nada desejado na zona do rebaixamento, aparecem Siena, Lecce, Bologna e Novara, que atravessam fases até piores que a dos bianconeri. Por fim, tudo indica que a luta pela salvezza vai mesmo até o fim do campeonato. Com a contratação de um meio-campista e um goleador no mercado de janeiro, talvez as coisas melhorem.

Deixe um comentário