Serie A

Parada de inverno: Lazio

Duas principais contrataçãos da temporada vivem momentos opostos: Klose é eficiente e decisivo, enquanto Cissé decepciona (Getty Images)



Campanha

4ª posição. 16 jogos, 30 pontos. 8 vitórias, 6 empates, 2 derrotas. 24 gols marcados, 13 sofridos.

Maior sequência de vitórias: 3,  da 6ª à 8ª rodada

Maior sequência de derrotas: –

Maior sequência de invencibilidade: 9, da 4ª à 12ª rodada

Maior sequência sem vencer: 3, 15ª, 16ª e 1ª rodada

Artilheiro: Miroslav Klose, 8 gols

Fair play: 25 amarelos, nenhum vermelho

Time-base

Marchetti; Konko, Biava, André Dias, Radu; Ledesma, Brocchi, Lulic; Hernanes; Cissé, Klose.

Treinador

Edoardo Reja. O técnico goriziano começou a temporada pressionado e chegou até a pedir demissão, que o presidente Claudio Lotito negou. Depois, fez as pazes com a torcida, mas continuou sendo contestado, muito pelas substituições equivocadas que fazia na equipe. Reja só ganhou totalmente a confiança do torcedor laziale quando venceu o dérbi contra a Roma. O treinador sofreu com as lesões de jogadores importantes: Mauri, Brocchi, Matuzalém e, mais recentemente, Konko e Marchetti, são exemplos. Ele alternou a equipe entre o 4-2-3-1 e o 4-3-1-2, mas chegou a usar o 3-5-2 em determinado momento. Reja viu sua equipe conseguir ótimos resultados fora de casa, mas tendo muitas dificuldades quando jogava no Olimpico de Roma.

Destaque

Miroslav Klose. Sem espaço no Bayern, o alemão optou pela Lazio, porque sabia que ali tinha espaço no time titular. E estava certo: chegou e mostrou ser a grande contratação da temporada. Foi dele o primeiro gol da Serie A 2011-12, contra o Milan. Marcou também, no último minuto, o gol da vitória contra a Roma, e mostrou que ainda tem lenha para queimar. Até aqui, foram oito tentos e três assistências no campeonato, a maioria decisivos. O alemão é, sem dúvida, o destaque e a esperança de gols da Lazio na temporada. Outro destaque foi Lulic, que, com a lesão de Mauri, entrou no time titular e não saiu mais. O bósnio fez boas partidas e ganhou a confiança de Reja, que o escalou não só no meio-campo, como também nas laterais; Lulic ainda marcou três gols. O zagueiro Diakité também evoluiu bastante e segurou as pontas enquanto André Dias ou Biava estavam lesionados, mostrando a segurança que não passava na temporada anterior.

Decepção

Djibril Cissé. O francês chegou à Lazio para formar, junto com Klose, o poderoso ataque da Lazio. Começou bem, marcando gol no empate contra o Milan. Mas este foi o único gol do Leão Negro na Serie A. Depois, Cissé entrou em uma má fase que dura até hoje: não conseguia fazer boas partidas, e, quando as fazia, a sorte não o ajudava. O atacante ainda ficou nervoso com alguns torcedores (chegando até a xingá-los no seu Twitter), se desentendeu com o técnico Reja e ficou no banco de reservam em algumas partidas. O que “salvou” sua campanha na equipe biancoceleste foram as cinco assistências na Serie A. Agora, com a parada de inverno, especula-se que ele possa sair da Lazio; o Auxerre, time que o revelou, demonstrou interesse, mas Cissé declarou que deseja permanecer em Roma, reencontrar o bom futebol e ser titular da equipe.

Perspectiva
Vaga em competição europeia. Após ficar de fora da Liga dos Campeões desta temporada, por causa dos gols marcados fora de casa no confronto direto com a Udinese, a Lazio briga novamente para enfim voltar a maior competição de clubes do mundo. E, muito provavelmente, os biancocelesti disputarão a vaga com a Udinese, de novo, uma vez que a equipe está dois pontos à frente, na terceira posição, e também deve lutar para ficar por ali. Só que desta vez a Itália tem uma vaga a menos na Liga, o que torna a vida da Lazio mais difícil. Caso a vaga na Liga dos Campeões não venha, a Lazio se contentará com a Liga Europa, que já disputa nesta temporada, e se classificou, sofridamente, para a fase de dezesseis avos de final, onde enfrenta o Atlético de Madrid.

1 comentário

Deixe um comentário