Serie A

Parada de Inverno: Lecce

Lecce sofre mais um gol: cena já se repetiu 32 vezes nesta temporada e time tem a pior defesa da competição. Rebaixamento à vista (Foto: La Presse)

Campanha
20ª posição. 16 jogos, 10 pontos. 2 vitórias, 4 empates, 10 derrotas. 17 gols marcados, 32 sofridos.
Maior sequência de vitórias: –
Maior sequência de derrotas: 3. da 4ª à 6ª rodada
Maior sequência de invencibilidade: 2, 10ª à 11ª rodada
Maior sequência sem vencer: 7, da 4ª à 10ª rodada
Artilheiro: David Di Michele, 3 gols
Fair play: 46 amarelos, 3 vermelhos

Time-base
Benassi (Júlio Sérgio); Oddo, Esposito, Carrozzieri (Ferrario), Tomovic; Cuadrado, Giacomazzi, Olivera (Bertolacci), Strasser; Di Michele e Muriel (Corvia).

Treinador
Eusebio Di Francesco, até 14ª rodada; Serse Cosmi, a partir da 15ª. Em junho, o então técnico Luigi De Canio, um dos principais responsáveis pelo não-rebaixamento do Lecce na última temporada, anunciou sua saída do clube porque percebeu que a diretoria não lhe daria reforços para passar um campeonato mais tranquilo. Eusebio Di Francesco, então, aceitou o desafio de treinar um time fadado ao fracasso, após bom trabalho na Serie B 2010-11, com o Pescara. O ex-jogador, no entanto, não conseguiu ajeitar o time e acumulou apenas nove pontos em 13 partidas, o que resultou em sua demissão, no início do mês de dezembro. O fraco Serse Cosmi está no comando agora e aposta em suas habilidades motivacionais para tentar reerguer o time, que, porém, parece não ter salvação. Faltam peças que, como o time não tem dinheiro (todos os contratados chegaram a custo zero, por empréstimo ou fim de contrato), não chegarão.

Destaque
Luis Muriel. O jovem colombiano (20 anos) é um dos poucos jogadores que se salvam no elenco do Lecce. Com categoria e muita velocidade, ele é um dos principais responsáveis pelas investidas ofensivas da equipe, que, porém, tem dificuldades para marcar gols. Foram apenas 17 até aqui e as inúmeras chances perdidas por Daniele Corvia não ajudam. David di Michele é o artilheiro do time, com três gols, e merece menção honrosa. Destaque também para o outro colombiano do time, Juan Cuadrado, que vem fazendo boas apresentações na faixa direita do campo. No gol, Massimiliano Benassi demonstra segurança e já acumula mais partidas que Júlio Sérgio, goleiro que chegou da Roma para ser titular, mas sofreu com lesão.

Decepção
Massimo Oddo. O ex-milanista chegou para dar mais experiência e segurança àquela que foi a pior defesa do último campeonato, mas até agora só decepcionou. O time do Lecce continua tendo a pior retaguarda da Serie A, com 32 gols sofridos, e Oddo não oferece resistência nenhuma aos adversários no lado direito da defesa. Seus companheiros de zaga, Esposito, Tomovic e Ferrario também vêm fazendo péssimo campeonato e o saldo de gols do time só não é pior porque o goleiro Benassi salva. No meio de campo, o camisa 10 Rubén Ariel Olivera joga bem abaixo das expectativas e a responsabilidade acaba ficando nas costas de jogadores mais jovens, como Bertolacci e Strasser.

Perspectiva
Rebaixamento. Neste momento, é difícil imaginar outro futuro para os giallorossi. A equipe não tem padrão de jogo, conta com uma defesa muito frágil e um ataque que não funciona. Olhando para o banco de reservas, Cosmi também não vê soluções. Para manter a esperança e tentar algo mais neste campeonato, a diretoria teria que contratar pelo menos dois bons jogadores no mercado de janeiro: um zagueiro central que possa apoiar Carrozzieri (único defensor de bom rendimento do time) e um centro-avante para o lugar de Corvia, que não se cansa de perder gols. Após o recesso, os dos primeiros desafios do time não são nada fáceis: Juventus, em casa, e Fiorentina, fora.

Deixe um comentário