Serie A

Parada de Inverno: Parma

O dono do time. Responsável direto por mais e metade dos gols da equipe, Giovinco é o homem que mantém o Parma longe da zona de rebaixamento (Goal.com)

Campanha
13ª posição. 16 jogos, 19 pontos. 5 vitórias, 4 empates, 7 derrotas. 21 gols marcados, 26 sofridos.
Maior sequência de vitórias: 2, 6ª à 7ª rodada
Maior sequência de derrotas: 2, duas vezes, da 4ª à 5ª rodada e da 8ª à 9ª rodada
Maior sequência de invencibilidade: 4, da 15ª à 1ª rodada
Maior sequência sem vencer: 5, da 13ª à 1ª rodada
Artilheiro: Sebastian Giovinco, 7 gols
Fair play: 31 amarelos, 1 vermelhos

Time-base
Mirante; Zaccardo, Lucarelli, Paletta, Gobbi; Valiani, Morrone, Galloppa, Modesto; Giovinco; Biabiany (Floccari).

Treinador
Franco Colomba. No comando do time desde a parte final do último campeonato, quando salvou a equipe do rebaixamento, Colomba começou a atual temporada com moral e conquistou, junto à diretoria, alguns importantes reforços para esta Serie A. Biabiany, Valdés e Floccari foram os principais, além da permanência de Giovinco. A temporada, que caminhava para ser mais tranquila, contudo, começou com uma derrota devastadora para a Juventus, na estreia (4 a 1), e é marcada pela irrgularidade do time, que ainda não conseguiu engatar uma boa sequência de vitórias. Muito disso por conta da desatenção do time, que explica porque a defesa dos bons Mirante, Lucarelli e Paletta é a terceira pior do campeonato, com 26 gols sofridos. O verdadeiro desafio de Colomba para a segunda metade do campeonato é consertar o ataque, que depende muito dos gols de Giovinco, que, porém, não é um goleador.

Destaque
Sebastian Giovinco. O formiga atômica é o principal responsável pela posição confortável que o Parma ocupa neste momento do campeonato. O ex-juventino tem participação direta em mais de metade dos gols da equipe até aqui, tendo balançado as redes sete vezes e dado quatro passes para gol. Sua boa técnica e velocidade ditam o ritmo do meio-campo gialloblù. Além disso, Giovinco leva perigo ao gol adversário em bolas paradas. Outro que merece destaque é o francês Biabiany, que entrou em campo nas 16 rodadas do campeonato e tem sido a válvula de escape ao Formiga Atômica. Em Parma, reencontrou o bom futebol que o levou à Inter e nem parece o bidone da última temporada. Além deles, só Mirante e Zaccardo também jogaram todos os jogos.

Decepção
Sergio Floccari. O atacante chegou da Lazio para reforçar o ataque que tinha apenas Crespo como ponto de referência, mas não consegue se estabelecer. Com apenas 10 presenças e dois gols marcados até aqui, seu rendimento está bem abaixo do que Colomba previa e por isso o técnico tem apostado em uma linha ofensiva sem centroavante. Fato é que isso está atrapalhando o time. Não adianta ter um bom meio de campo, com alas que chegam bem ao ataque, se não há uma referência no meio da área para colocar a bola para dentro. Giovinco está conseguindo tapar bem o buraco, com gols importantes, mas não pode-se esperar que ele atinja marca de goleador ao fim da competição. Se Floccari reencontrasse seu faro de gol e voltasse a marcar, ajudaria muito. No último domingo, contra o Lecce, deu esperanças à torcida  de que pode melhorar.

Perspectiva
Meio de tabela. O Parma tem elenco razoável e, salvo excepcionalidades, não deve lutar contra o rebaixamento. Sonhar com algo acima da 10ª posição, no entanto, também parece um pouco demais. Assim, o time de Colomba deve mesmo perambular pela zona intermediária da tabela e incomodar, vez ou outra, os times que lutam por algo. Acabar com os apagões do time e encontrar um atacante que faça gols deve ajudar o técnico a ter um futuro mais tranquilo e chegar às férias sem maiores preocupações. No mercado de janeiro, um atacante e um volante são prioridades.

Deixe um comentário