Coppa Italia

Para sair da fila

Del Piero abriu a contagem em Turim e vai à quarta decisão de Coppa Italia na carreira, desta vez contra o Napoli de Cavani (Reuters)

A Coppa Italia terá um campeão que há tempos nãolevanta uma taça. Nas semifinais da competição, Juventus e Napoli levaram a melhor sobre Milan e Siena, respectivamente, e farão uma final inédita na história do torneio. Além disso, bianconeri e azzurri poderão voltar a conquistar títulos depois de um incômodo jejum. A Juve não vence desde 2007, quando foi campeã da Serie B e, pior, não conquista a Coppa desde 1995. Já o Napoli comemorou um título pela última vez – descartando o 1º lugar na Serie C de 2006, que não é considerado título na Itália – em 1991, quando venceu a Supercoppa italiana. 

Para a Juventus, comemorar um título novamente, somado à boa campanha na Serie A, daria um outro significado à revolução de Antonio Conte, que está recolocando o clube entre os grandes novamente. Para o Napoli, por sua vez, seria o primeiro título da gestão do presidente Aurelio De Laurentiis, que também tem colocado o clube no rol dos times que brigam por algo na Itália e até em nível continental. Se na última temporada a Coppa até foi valorizada, porque poderia marcar um recomeço para a Inter, desta vez ela terá uma final de gala, com grande desejo de vitória das duas agremiações.

Os jogos
Na temporada 1994-95, a vitória contra a Lazio nos acréscimos definiu a classificação à final da Coppa Italia. A partida, complicada, foi decidida por Roberto Baggio, de pênalti. Aquele foi o último ano em que a Juventus conquistou o título da competição. O jogo contra o Milan, nesta terça-feira, foi tão difícil quanto aquele embate em Turim.

A partida de ida, no San Siro, acabou em 2 a 1. A Juventus tinha praticamente garantido seu espaço na final. Tinha? Pois com gol de Del Piero, que voltou a ser titular da equipe, parecia quase certo. Comemorava, o torcedor bianconero em êxtase nas arquibancadas da Arena Juventus. Antonio Conte, além de promover o retorno do capitão, mandou a campo Chiellini, Giaccherini e Storari, dando descanso a Buffon e Marchisio.

O Milan, quase com força máxima (Nocerino começou no banco), não entrou na roda e se impôs na casa do rival. Ibrahimovic, gripado, foi a campo no sacrifício, dando uma grande amostra de que o time queria vencer todos os títulos que disputa na temporada. El Shaarawy incomodava De Ceglie e Emanuelson atuava com espaços entre volantes e zaga. No entanto, os rossoneri pouco atazanaram Storari durante a primeira etapa. Ibrahimovic, gripado, nem voltou do intervalo e deu lugar a Maxi López.

Conte retrancou a Juventus no segundo tempo. Ele também viu Pepe falhar na marcação e deixar Mesbah livre para empatar. O gol fez com que o Milan pressionasse a saída de bola – Pirlo não conseguia distribuir o jogo – e Bonucci voltasse a prejudicar seu time. Após passar em branco contra a Fiorentina, pois fez um jogo sem erros e com pouca pressão do ataque adversário, o zagueiro cabeceou mal uma bola, deixou-a no pé dos rossoneri e acabou driblado por Maxi López, que fuzilou Storari para lavar 30 minutos de prorrogação ao jogo de Turim.

Então Mirko Vucinic decidiu mostrar a razão pela qual começa a não ser tão contestado. O atacante adquirido junto à Roma, que não apresentava o mesmo futebol da época em giallorosso, fez sua segunda ótima partida consecutiva e marcou um golaço, chutando no ângulo, para decretar a classificação à final. Neste mês, já é a terceira atuação acima da média do montenegrino: também jogou bem contra Bologna e Fiorentina.

Agora, a Vecchia Signora espera o Napoli, que bateu o Siena por 2 a 0. Jogando em casa, o time partenopeo não teve muito trabalho para reverter a derrota no jogo de ida, na Toscana. Logo no início da partida, Vergassola tentou cortar cruzamento e desviou a bola para o fundo das redes. O resultado já classificava o Napoli para a final, mas a equipe da casa aproveitou um belo contra-ataque, puxado e concluído por Cavani, e que também teve a participação de Hamsík e Lavezzi, os outros tenores do elenco, para tranquilizar. 

A partir de então, o jogo caiu muito. Com força reduzida na Coppa Italia porque está correndo risco de rebaixamento, o Siena não tinha Destro e Calaiò, seus principais jogadores, e não oferecia risco a De Sanctis. Apenas Brienza tentava algo, mas Larrondo foi lento como sempre e Bogdani, que jogou parte da segunda etapa, não recebeu boas bolas para marcar de cabeça. Pouco para seguir em frente, mas é mais negócio para a equipe bianconera concentrar-se na briga pela permanência, já que bobeou demais nas últimas rodadas e tem elenco capaz para se safar. Para o Napoli, após a decepção na Liga dos Campeões, é festa de novo.

Colaborou Nelson Oliveira

Deixe um comentário