Coppa Italia

De volta ao grupo dos campeões

No último jogo da temporada italiana, o Napoli quebrou a invencibilidade da Juve e voltou a erguer uma taça, após 22 anos de jejum (Getty Images)

Enfim o Napoli pode pendurar na parede outro pôster ao lado daqueles de 1987 e 1990, quando Maradona ainda reinava em azul, e comemorar outro título. E, mais uma vez, é um trio ofensivo acima da média que faz história e ajuda o time a sair da fila e dar a seus torcedores o gostinho de gritar de novo “É campeão!” Foram 22 anos de muita espera e desilusões. A queda de um ídolo, passagens pela Serie B e até a falência fizeram parte de um roteiro que só teve um final feliz porque um produtor cinematográfico entrou na jogada. Aurelio De Laurentiis é, certamente, um dos grandes responsáveis e protagonistas desse título, que reafirma o Napoli como uma das maiores equipes da Itália.

Desde que tomou as rédeas do clube, em 2004, o mandatário mostrou muita competência para administrar, ao mesmo tempo que chamava os holofotes para exibir sua criação. Como em sua franquia cinematrográfica de maior sucesso, “Manual de Amor”, o time foi se encorpando até se tornar o dono da festa: teve um início modesto, mas surpreendente, e um final coroado com reconhecimento internacional. No caso da série de filmes, a coroação foi a participação dos hollywoodianos Robert De Niro e Monica Belucci na terceira parte, lançada em 2011.

No final feliz do Napoli, tem uma taça que não vinha há 25 anos e a fama conquistada em campos europeus. Os protagonistas foram Walter Mazzarri, Lavezzi, Hamsík e Cavani. Juntos, eles evidenciaram os partenopei em cenário nacional, disputando as primeiras colocações da Serie A, e também internacional, com jogos marcantes na Liga dos Campeões. Na final contra a Juve, eles foram essenciais (Lavezzi sofreu o pênalti que Cavani converteu, para abrir o placar, e Hamsík matou o jogo, fazendo 2 a 0) e provavelmente fizeram a última partida juntos, uma vez que pelo menos um deve sair no mercado do meio do ano.

Capítulo à parte
Com a vitória, o Napoli evitou o que seria a cereja no bolo de Del Piero, que, após 19 anos vestindo bianconero, fez sua última partida pela Juve. Em quase duas décadas, o camisa 10 fez 705 partidas e marcou 290 gols pela Velha Senhora, conquistando seis campeonatos italianos, uma Liga dos Campeões, um Mundial de Clubes, uma Supercopa da Uefa, uma Coppa Italia, quatro Supercopas Italianas, entre outros títulos. Em seu último jogo, fez apresentação regular e foi substituído por Vucinic aos 23 minutos da segunda etapa, saindo aplaudido por juventinos e napolitanos.

No centro da camisa, a Juve colocou um patch em homenagem à despedida de Del Piero, que conquistou mais de 15 títulos pelo clube em 19 anos de história (GQItalia.com)

Após o jogo, ele convocou uma coletiva para a próxima sexta-feira, quando anunciará seu destino no futebol. Em campeonatos de menor expressão e nível técnico, afinal, il capitano ainda pode fazer bonito e encantar torcedores. A Liga dos Estados Unidos aparece como forte candidata a contar com Del Piero na temporada que vem, mas rumores mais recentes dizem que o técnico italiano Marcello Lippi gostaria de contar com ele no seu novo time, o chinês Guangzhou Evergrande, time de Conca, Muriqui e Barríos.

O jogo
Dentro de campo, o que se viu foi um confronto entre um 3-5-2 mais ofensivo, do Napoli, e um 3-5-2 mais contido, como é o da Juve, que não conta com grandes homens de frente. Melhor para o Napoli, que soube se aproveitar do desfalque de Chiellini para agredir a campeã italiana. Parecendo não ter superado a ressaca das festas pós-título, o time de Conte deu espaço a Lavezz, principalmente, e viu o Napoli melhor na partida durante os 90 minutos. Verdade que no primeiro tempo o embate no meio de campo prevaleceu  e o jogo não fluiu muito. Ainda assim, o Napoli esteve um pouco melhor, principalmente por conta dos dez primeiros minutos, quando pressionou bastante.

No segundo tempo, o jogo continuou muito pegado e com diversas faltas até que o goleiro Storari deu um presente para o Napoli: aos 18 minutos, o goleiro derrubou Lavezzi quase na linha de fundo, ao invés de apenas cercá-lo, e deu um pênalti bobo para Cavani bater. E o uruguaio não erra. Com 1 a 0 no placar, o Napoli encolheu e deu campo para a Juve jogar. Porém, nem a boa partida de Pirlo salvou. Bonucci e Pepe erraram boas oportunidades e viram Pandev puxar contra-ataque mortal aos 38′, que terminou com gol de Hamsík e título garantido para o Napoli.O eslovaco ainda cumpriu promessa: com o título na Coppa, raspou a “crista” e ficou careca como Inler.

Também no domingo…
Domingo também foi de festa na Serie B. Torino e Pescara garantiram seu acesso matemático à primeira divisão após campanhas muito boas. O Toro de Gian Piero Ventura volta para a elite após dois anos de ausência, enquanto os golfinhos, treinados pelo super ofensivo Zdenek Zeman comemoram retorno após 20 anos. Os play-offs que definirão a terceira equipe já tem participantes definidos – a última rodada definirá os confrontos. Por uma vaga na Serie A, jogam Sassuolo, Verona, Varese e Sampdoria. Dá time com “s” ou com “v”?

Deixe um comentário