Serie A

Review da temporada: Napoli

Cavani e Lavezzi, desta vez com um Hamsík mais coadjuvante, foram os grandes destaques da temporada napolitana. Ao menos um deles, provavelmente o argentino, não segue no clube (Reuters)

 A campanha: 5ª colocação, 61 pontos. 16 vitórias, 13 empates e 9 derrotas. Classificada para a Liga Europa

Ao final de 2011: 7ª colocação
Fora da Serie A: campeã da Coppa Italia, eliminada nas oitavas de final da Liga dos Campeões pelo Chelsea
O ataque: 66 gols, o terceiro melhor
A defesa: 46 gols
Time-base: De Sanctis; Campagnaro, Cannavaro, Aronica; Maggio, Gargano (Dzemaili), Inler, Zúñiga; Hamsík, Lavezzi; Cavani.
Os artilheiros: Edinson Cavani (23 gols), e Ezequiel Lavezzi e Marek Hamsík (9)
Os onipresentes: Morgan De Sanctis (37 jogos), Gökhan Inler e Marek Hamsík (36)
O técnico: Walter Mazzarri
O decisivo: Edinson Cavani
A decepção: Eduardo Vargas
A revelação: ninguém
O sumido: Marco Donadel
Melhor contratação: Gökhan Inler
Pior contratação: Eduardo Vargas
Nota da temporada: 8
Mantendo a base da última temporada, Walter Mazzarri conseguiu fazer o que parecia muito difícil: manter e até mesmo elevar o nível da equipe. Na Serie A, a equipe foi um pouco mais inconstante que na última temporada, mas o título da Coppa Italia sobre a até então invicta Juventus e as partidas históricas pela Liga dos Campeões que deram nova vida ao San Paolo vão ficar na memória dos torcedores por muitos anos. Apesar de o time não ter se classificado novamente à maior competição europeia e ter sido eliminado após ter feito 3 a 1 sobre o Chelsea, na partida de ida, os torcedores consideram a temporada mais que satisfatória. Pudera, a equipe conquistou seu primeiro título após o fim da Era Maradona, que acabou no início dos anos 90.

Não ter chegado à LC compromete um pouco o orçamento para a próxima temporada, mesmo que o presidente Aurelio De Laurentiis esteja disposto a continuar investindo muito no time. Ezequiel Lavezzi, um dos três tenores, que fez ótima temporada, deve enfim deixar Nápoles, rumo a Paris Saint-Germain ou Inter. Caso saia, o clube já teria seu substituto: Eduardo Vargas, contratado junto à Universidade de Chile. Porém, o chileno foi muito mal nas oportunidades que recebeu e já se considera emprestá-lo. Ao contrário, Pandev, emprestado pela Inter, agradou ao clube e deve permanecer, ao menos como opção para o segundo tempo. No quesito contratações, outra que deu muito certo foi Inler, que se tornou peça-chave ao time, dando um equilíbrio grande ao meio-campo e contribuindo ofensivamente. O suíço fez primeira metade de temporada impressionante, mas caiu um pouco de rendimento com o cansaço.

Na temporada napolitana, se Cavani continuou fazendo gols à rodo, auxiliado por Lavezzi e Hamsík, sempre muito participativos, a defesa foi o grande ponto fraco de um time com vocação ofensiva. Numericamente, 46 gols não são tantos – sobretudo se o ataque, com 66, rendeu bastante -, mas muitos deles aconteceram em momentos cruciais . Que o digam Chelsea ou Bologna, que tiraram sonhos do Napoli quando eles pareciam próximos de se concretizar. A derrota para a equipe emiliana, na reta final da Serie A, praticamente tirou o Napoli da briga pela última vaga na LC. Por isso, um dos grandes objetivos no mercado é a contratação de novos zagueiros.

Deixe um comentário