Seleção italiana

Abatida Itália

Reação de Balotelli diz tudo: Itália foi devorada pela Espanha e ficou com o vice na Euro (Getty Images)

Já falamos antes que a Itália chegou a um patamar que não era esperado no início da Euro 2012. A equipe de Cesare Prandelli foi longe demais e nem o avassalador 4 a 0 sofrido ante a Espanha, na final, deve apagar seu trabalho. Seu único erro grave, em todo o torneio, foi não ter colocado Diamanti no lugar de um meio-campista, como Marchisio, que esteve apagado durante todo o torneio. No entanto, com a entrada de jogadores mais jovens, como Giovinco, que jogou pouco na Euro, e Destro, que deve ter maior presença nas convocações, o trabalho de Cesare Prandelli só tende a evoluir.

Contra a Espanha, a Itália foi abatida em golpes. Golpes de uma Fúria vertical, que ainda não havia aparecido nesta Euro – antes, o melhor jogo da roja havia sido justamente na estreia, contra a Nazionale. Aos 14 minutos, Chiellini estava mal posicionado e não conseguiu conter Fàbregas, depois de um incrível passe de Iniesta. No cruzamento, o baixinho Silva ganhou de Barzagli e fez, de cabeça. Depois, Barzagli errou novamente, e nem viu Jordi Alba avançar em velocidade, para receber outro passe incrível, desta vez de Xavi, e bater na saída de Buffon. 

Com 2 a 0 no primeiro tempo, ficou difícil para a Itália, que até tentou reagir no segundo tempo, com Di Natale. Ele havia entrado no lugar de Cassano, mas perdeu uma chance cara a cara com Casillas, que fez grande defesa. Depois, Thiago Motta substituiu Montolivo e se lesionou após três minutos em campo. Com um a menos, a Itália se dava como perdida e ainda sofreu dois gols nos minutos finais, de Torres e Mata. Foi o placar mais elástico em uma final de Euro desde 1960. Havia, também, 33 anos que a Squadra Azzurra não sofria quatro gols em uma partida.

Com uma Espanha em nível altíssimo, como ainda não se havia visto nesta Euro, faltam palavras para descrever a atuação italiana. A equipe teve maior posse de bola durante quase todo o jogo, e dominou parte do primeiro tempo, mas sentiu o golpe ainda no primeiro tempo. E, principalmente, de acordo com Cesare Prandelli, sentiu problemas físicos, por falta de descanso – vide Chiellini, que chegou lesionado à Euro e se machucou outras duas vezes durante o torneio.

O choro de muitos jogadores no final representa a decepção pelo resultado, mostra que eles acreditavam que uma vitória ante a Fúria era possível. Mas, atualmente, quando a Espanha atua nesse nível, a Itália (e talvez ninguém) pode vencer. Fica, ao menos, o alento: o grupo italiano é forte, está amadurecendo e tem tudo para chegar à Copa de 2014 ainda mais forte. Com ou sem Pirlo, que terá 35 anos, mas com a mesma filosofia de jogo.

Desta vez, não iremos colocar notas dos jogadores, como fizemos nas outras partidas da Euro, já que nenhum jogador italiano teve uma atuação satisfatória, muito por causa da excelente atuação espanhola.

Ficha técnica: Espanha 4-0 Itália
Local: Estádio Olímpico de Kiev, Ucrânia
Árbitro: Pedro Proença, de Portugal
Gols: David Silva 14’ 1T, Jordi Alba 41’ 1T, Torres 39’2T e Mata 43’2T (Espanha)
Cartões Amarelos: Piqué (Espanha) e Barzagli (Itália)

Espanha: Casillas; Arbeloa, Sergio Ramos, Piqué, Jordi Alba; Busquets, Xabi Alonso, Xavi; David Silva (Pedro 13’2T), Iniesta (Mata 41’2T), Fàbregas (Torres 29′ 2T). Técnico: Vicente Del Bosque
Itália: Buffon; Abate, Barzagli, Bonucci, Chiellini (Balzaretti 20’2T); Marchisio, Pirlo, De Rossi; Montolivo (Thiago Motta 11’2T); Cassano (Di Natale 1′ 2T), Balotelli. Técnico: Cesare Prandelli

Deixe um comentário