Serie A

4ª rodada: San Zero

Allegri e Stramaccioni, técnicos de Milan e Inter, amargam maus resultados em casa. Mais ameaças de demissão para o milanista que para o nerazzurro (Telenova.it)

Oito jogos em casa e nenhuma vitória para as equipes de Milão no novo gramado de San Siro. Ou San Zero, como já se aprontam a ladrar os piadistas? Fato é que, jogando em casa, tanto Inter quanto Milan tem decepcionado seus torcedores com uma falta de consistência absurda. No caso do Milan, o problema não é só San Siro. Fora de casa, a equipe não tem jogado bem. Neste domingo, teve 10 minutos de bom futebol contra a Udinese, mas uma mudança tática de Francesco Guidolin transformou o rumo do jogo. Ivan Zazzaroni, comentarista da Rai e do GQ Italia, levantou uma boa questão: a dupla de Milão parece incapaz de conquistar títulos sem gastar muito na montagem de super esquadrões ou no pagamento de salários polpudos a estrelas do futebol mundial. Ou seja, Inter e Milan não estão acostumados aos tempos de vacas magras e precisam se reinventar.

Quem agradece é a Juventus, cada vez mais regular. Sem forçar a barra, a equipe venceu o Chievo e ainda viu Lazio, Napoli e Sampdoria, que também tinham 100% de aproveitamento, tropeçarem e a deixarem isolada na liderança. As equipes que se deram mal, a propósito, terão pouco tempo para se recuperarem: tem rodada no meio da semana, já a partir da terça, quando Fiorentina e Juve abrem a 5ª jornada. Antes, acompanhe as análises da rodada.

Udinese 2-1 Milan

10 minutos de bom futebol e um golaço de El Shaarawy não foram suficientes para que o Milan batesse a Udinese. Allegri escalou seu time em um 4-3-3 atraente, visando surpreender o 3-5-1-1 de Guidolin e ia conseguindo, até que o treinador da equipe friulana, ciente dos riscos, mudou seu esquema tático para um 4-3-1-2. A partir de então, a Udinese passou a mandar no jogo, ganhou o combate no meio-campo e, ainda no primeiro tempo, chegou ao gol, com Ranégie. Muito bem em campo, o sueco de 28 anos ainda sofreu pênalti na segunda etapa, logo após o gol de empate de El Shaarawy, com uma bomba de fora da área. Na cobrança, Di Natale deu números finais ao jogo.

Surpreendeu, na partida do Friuli, a tensão do Milan em campo. Zapata acabou expulso depois que cometeu o pênalti e, nervoso, Boateng também acabou indo para o chuveiro mais cedo, deixando os rossoneri com 9 em campo. O destempero, claramente, vem do fato de Allegri estar ameaçadíssimo. Muitos dizem que o técnico não tem o comando do vestiário e que, na verdade, nunca o teve, nem mesmo quando foi campeão italiano, dois anos atrás. Sempre teve conflitos com os senadores do elenco e, agora que Thiago Silva e Ibrahimovic, além de Seedorf, van Bommel e Gattuso deixaram o time, perdeu de vez o controle. Melhor para a Udinese, que venceu pela primeira vez na temporada e, na quarta, poderá fazer o bis contra o Torino, no Piemonte. Já o Milan, que decidiu manter o treinador, recebe o Cagliari, justamente a equipe que projetou Allegri.

Inter 0-2 Siena
A crise de San Siro é tão grande que dá margem até a precedentes históricos. Foi a primeira vez que o Siena venceu a Inter em toda a história do confronto. No jogo deste domingo, a Inter poderia ter construído uma boa vantagem ainda no primeiro tempo, em boas jogadas de Cassano e Sneijder, além de outras chances com Cambiasso e ranocchia, defendidas por Pegolo. O primeiro gol do Siena surgiu em um contra-ataque, em uma das poucas chances que os bianconeri tiveram no jogo. Rosina fez boa jogada e, na triangulação, Juan Jesus marcou apenas a bola, deixando Vergassola livre para entrar na área e fazer. No segundo, novo erro do brasileiro, e também de Nagatomo, que não marcou Valiani. 

O resultado é preocupante, primeiro por ter acontecido ante ao fraco Siena, e, depois pelas dificuldades defensivas do time, originadas não só da vocação ofensiva dos laterais, mas de erros da zaga. Stramaccioni parece ainda estar acostumado com a Primavera: experimenta demais nas escalações ao invés de achar um time-base, o que, quando se está falando de formação de jogadores, é perfeitamente plausível. Em nível proifssional, porém, mais vale amadurecer uma filosofia de jogo e montar uma equipe fixa, com boas alternativas no banco. Neste domingo, por exemplo, Stramaccioni experimentou deixar Zanetti no banco, escalando os ultra-ofensivos Nagatomo e Álvaro Pereira nas laterais, com Juan Jesus na zaga, ao lado de Ranocchia. O resultado se viu em campo. O Siena aproveitou e está, enfim, próximo de zerar sua punição de 6 pontos. Agora, a Robur tem -1 ponto, enquanto a Inter fica estacionada com 6. Na próxima rodada, a Inter busca recuperação em Verona, contra o Chievo, enquanto o Siena recebe o Bologna.

Juventus 2-0 Chievo
Com a vitória sobre o Chievo, a Juventus é a única que mantém os 100% de aproveitamento no campeonato. São 12 pontos em quatro jogos e a liderança isolada da competição. E isso tudo só é possível graças a (quem diria) Fabio Quagliarella. O atacante foi decisivo pela segunda vez na semana, após importante gol contra o Chelsea, na estreia da Juve na Liga dos Campeões, e marcou os dois gols do triunfo sobre o Chievo, no sábado. Giovinco tem que abrir o olho, pois sua titularidade está cada vez mais ameaçada.

Por conta da rodada no meio de semana, que reserva um duelo muito esperado contra a Fiorentina, Conte preferiu poupar alguns jogadores no sábado, mas não teve problemas. O time da casa dominou o Chievo durante toda a partida e só não teve vitória mais tranquila porque o goleiro Sorrentino fez um primeiro tempo impecável. Os gols saíram na segunda etapa, em dois bonitos lances de Quagliarella: primeiro, acertou ótimo vôleio após cobrança de escanteio; depois, conseguiu bonito drible sobre o zagueiro e mandou no canto do goleiro. O Chievo permanece com três pontos e ocupa a 16ª colocação. (Rodrigo Antonelli)

Lazio 0-1 Genoa

Entrando em campo na partida que fechava a rodada, a Lazio tinha a oportunidade de vencer e se igualar à Juventus como únicas equipes a manter os 100% de aproveitamento, na liderença do cameonato. Porém, a equipe biancoceleste desperdiçou muitas oportunidades e, frente a um Genoa cínico, caiu de joelhos. As duas equipes já pensavam nos jogos de quarta e foram a campo com muitos reservas, o que, de forma alguma prejudicou a qualidade do jogo. Melhor em campo, a Lazio criava com Candreva e Hernanes, e teve chances tanto com o brasileiro quanto com o tanque Kozák. Frey, porém, estava seguro, e contava com uma dose de falta de pontaria dos laziali.

No segundo tempo a Lazio cresceu e quase chegou ao gol em três oportunidades. Primeiro, Hernanes acertou o travessão, depois Candreva tirou tinta da trave e, por último, Klose, que havia acabado de entrar no lugar do próprio Candreva, driblou dois defensores rossoblù mas, na hora de concluir, chutou para fora. O castigo veio em seguida, quando uma bola lançada por Frey acabou nos pés de Borriello. Sozinho, frente a Marchetti, o atacante não titubeou e decidiu a partida. Na quarta, a Lazio enfrenta o Napoli, no San Paolo, enquanto o surpreendente Genoa de Luigi De Canio, que quase havia vencido a Juventus, recebe o Parma.

Catania 0-0 Napoli 

O tempo passa e o Napoli continua sem conseguir vencer o Catania na Sicília. Neste domingo, mesmo com um a mais desde 1 minuto e meio (sim!) de jogo, pela expulsão de Álvarez, a equipe azzurra não conseguiu bater os etnei fora de casa, pela primeira vez na história. Com dez titulares descansados, por não haverem entrado em campo na quinta, contra o AIK, pela Liga Europa, o Napoli tinha obrigação de buscar o jogo, mas o fez de maneira muito lenta e previsível, como se achasse que o fato de ter superioridade numérica fosse suficiente para vencer o jogo. Nem mesmo o fato de a melhor chance do primeiro tempo ter sido do Catania fez com que os partenopei acordassem.

No segundo tempo, o Napoli até melhorou um pouco, nos minutos iniciais, mas logo diminuiu o ritmo, novamente, muito por conta do forte calor e da boa marcação do Catania. No fim do jogo, as melhores chances foram do Catania: Gómez obrigou De Sanctis e fazer ótima defesa e, depois, acertou a trave, quase dando uma heroica vitória aos donos da casa. No jogo de número 100 de Cavani com a camisa azzurra, nada a comemorar: o Napoli perdeu os 100% de aproveitamento e, apesar da invencibilidade, desperdiçou uma chance de seguir empatada com a regular Juventus, sobretudo porque, na quarta, a equipe tem jogo difícil contra a Lazio, que estava invicta, no San Paolo. O Catania, com 5 pontos, enfrenta a Atalanta.

Parma 1-1 Fiorentina
Em um dos jogos mais emocionantes da rodada, teve de tudo: bola na trave, expulsão,  pênaltis e gol nos acréscimos. No fim, o primeiro empate da temporada para ambas as equipes. A Fiorentina de Montella não se intimidou por estar jogando fora de casa e fez ótimo primeiro tempo, pressionando o Parma e mostrando forte jogo de equipe, como poucas equipes no campeonato. O gol saiu em chute de fora da área de Roncaglia, aos 20 minutos de jogo.

Atrás no placar, o Parma partiu para cima e, aos 10 da segunda etapa, teve pênalti a seu favor. Valdés cobrou, mas Viviano salvou. Aos 42, foi a vez de Rosi fazer pênalti e ser expulso. Porém, Jovetic, muito discplicente (e, além disso, muito egoísta no jogo todo), também desperdiçou sua cobrança e perdeu a chance de garantir a vitória viola. Já nos acréscimos, então, Toni colocou a mão na bola de forma estranha e deu a última chance ao Parma. Dessa vez, Valdés não errou e o Parma conquistou um dos pontos mais custosos da campanha. A Fiorentina ocupa a 5ª colocação (7 pontos) e o Parma a 12ª (4 pontos). (RA)

Sampdoria 1-1 Torino

Um dos confrontos mais aguardados em Sampdoria-Torino era o do meia Maresca com o Toro. Em 2002, o jogador formado na Juventus, marcou o gol do empate em 2 a 2 em um dérbi de Turim, aos 43 do segundo tempo, e comemorou imitando um touro, ironizando os jogadores e torcedores do Torino. Teve de sair escoltado, corrido dos vestiários. No domingo, na partida do Marassi, Maresca quase voltou a marcar contra os granata, em uma cobrança de falta quase perfeita, que explodiu no traessão. Foi a melhor de uma série de boas chances que uma Sampdoria de futebol bem jogado teve no primeiro tempo. Gillet, muito bem em campo, foi o destaque, com ótimas defesas.

Após o intervalo, porém, o ritmo caiu e, em uma jogada de Cerci, Rossini fez pênalti. Na cobrança, Bianchi abriu o placar para o Toro. Buscando manter a invencibilidade, a Samp partiu para cima e, com as entradas de Pozzi e Éder, cresceu muito. O brasileiro, inclusive, sofreu pênalti claro de Glik, que Pozzi foi responsável por converter, não obstante Gillet tenha ido muito bem ba bola. Gillet ainda fez uma ótima defesa no final, em chute de Éder, para garantir o quarto ponto do Torino no campeonato e o nono da Sampdoria. Na próxima rodada, a Samp visita a Roma e o Toro visita a Udinese, em jogos que acontecem na quarta.

Atalanta 1-0 Palermo
O Palermo trocou de técnico, mas ainda não conseguiu vencer uma vez sequer na Serie A. Desta vez a equipe ofereceu mais dificuldades e só sofreu o gol que definiria o confronto nos minutos finais, graças a uma forte testada de Raimondi, sem chances para Ujkani. Gasperini chegou logo implantando seu famoso 3-4-3, recuando o volante Donati para a defesa, e colocando o capitão Miccoli no banco. A tática vinha bem no primeiro tempo, quando os rosanero foram melhores, graças a alguns lampejos de Ilicic. Múñoz até marcou um gol, mas bem anulado por impedimento. o segundo tempo, porém, foi dos donos da casa.

Após o intervalo, e com a entrada do promissor De Luca, a Atalanta cresceu muito. Em dia apagado de Bonaventura e de Moralez, o atacante apareceu bem, fazendo muitas jogadas individuais, aliando sua alta velocidade com muita técnica. Porém, faltou passar um pouco mais a bola, como em um lance no qual Denis estava sozinho dentro da área, em ótima posição para concluir a gol. De qualquer forma, a equipe cresceu, com a aproximação de Cigarini, e o placar foi justo. Na quarta, a Atalanta visita o Catania, em duelo de duas equipes que começaram bem  ocampeonato, com 5 pontos, enquanto o Palermo visita o Pescara.

Bologna 1-1 Pescara
O primeiro ponto do Pescara na Serie A desta temporada teve dois grandes fatores responsáveis. Primeiro, o goleiro Pelizzoli, que entrou no segundo tempo, no lugar do expulso (rigorosamente) Perin, para defender penalidade de Diamanti e segurar o resultado, e também o meio-campo abbruzzese, que fez ótima partida, superando os meio-campistas da equipe dona da casa. No início do primeiro tempo, Gilardino confirmou a boa fase e abriu o placar, após cruzamento de Garics. Depois, o Bologna bombardeou Perin, que se saiu bem com algumas boas defesas.

O Pescara chegava pouco, mas em uma ótima cobrança de falta do jovem colombiano Quintero, candidato a revelação da temporada, os golfinhos deixaram tudo igual. Em 10 desde os 15 do segundo tempo, o Pescara conseguiu segurar bem o jogo, praticamente impedindo que os bolonheses criassem jogadas e levaram o valioso pontinho para casa. Na quarta, a equipe do Abbruzzo recebe o Palermo, que perdeu todos os seus jogos, e, na quinta, o Bologna visita o siena.

Cagliari-Roma
A partida não aconteceu por motivos de segurança. O presidente do Cagliari, Massimo Cellino, desrespeitou a decisão do conselho de segurança da prefeitura da cidade e, não obstante o jogo tivesse de ser disputado com portões fechados, pelo fato de a Is Arenas ainda estar em obras, convidou aqueles que tivessem comprado os carnês para a temporada – os chamados abbonamenti -, para assistir o jogo. Assim, a Lega Serie A decidiu adiar o jogo e a equipe romana entrou com recurso para conseguir os três pontos. No julgamento, foi levado em conta o regulamento, que atesta que o clube considerado responsável por um adiamento ou cancelamento é declarado perdedor. Portanto, a Roma venceu, no “tapetão”, por 3 a 0. Merecido, uma vez que o presidente folclórico da equipe sarda desssa vez brincou com fogo e foi longe demais.

Relembre a 3ª rodada aqui.

Confira estatísticas, escalações, artilharia e da 3ª rodada, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Pegolo (Siena); Allan (Udinese), Benatia (Udinese), Legrottaglie (Catania), Marchese (Catania); Kucka (Genoa), Maresca (Sampdoria); Éder (Sampdoria), Rosina (Siena), Quagliarella (Juventus); Ranégie (Udinese). Técnico: Francesco Guidolin (Udinese).

2 comentários

  • Caros, se fosse possível acho que seria legal vocês falarem um pouco sobre essa confusão dos Estádios do Cagliari. Parece-me que no estádio anterior (Sant'Elia) os dirigentes colocaram uma arquibancada dentro do estádio, foi isso mesmo? Agora eles tentaram inventar uma arena de última hora, mas vi na Internet que tem um projeto de um novo estádio, chamado Karalis Arena. Vocês sabem de algo?
    Abraços e Parabéns pelo Blog.

  • Sim, colocaram arquibancadas dentro do estádio porque os setores originais estavam em mau estado de conservação. Também era uma forma de aproximar a torcida do campo de jogo. Taí a foto do "estádio dentro do estádio": http://it.wikipedia.org/wiki/File:Stadio_Sant%27Elia_-Cagliari_-Italy-23Oct2008.jpg

    Quanto à Karalis Arena, o projeto está parado. Portanto, a diretoria alugou um campo amador em Quartu Sant'Elena, comunidade da província de Cagliari, e improvisaram a Is Arenas, com arquibancadas móveis.

Deixe um comentário