Serie A

5ª rodada: A fúria do matador

Cavani destroçou a Lazio e faz o Napoli começar a ensaiar um voo à caça da Juventus (Image Photo)

A primeira rodada de meio de semana da Serie A não decepcionou àqueles que foram aos estádios ou se sentaram em frente à televisão para assistirem aos jogos. A começar pela terça-feira, quando uma ótima Fiorentina jogou muito bem contra a Juventus, mas não conseguiu quebrar a invencibilidade de 44 jogos da equipe campeã da Itália. No dia seguinte, em meio a vários jogos medianos, Napoli e Lazio fizeram o jogo mais aguardado do dia, e mantiveram o nível da terça. Cavani, em estado de graça, liderou os partenopei a uma acachapante vitória, que reitera o potencial da equipe napolitana de brigar pelo scudetto. A rodada teve, ainda, a primeira vitória do Milan em casa, a recuperação da Inter depois de mais uma derrota no Giuseppe Meazza e um tropeço da Roma frente a uma boa Sampdoria. Acompanhe as análises.

Napoli 3-0 Lazio 
Jogando muito bem, o Napoli aplicou uma verdadeira surra futebolística na Lazio e se igualou à Juventus, com 13 pontos, na liderança da Serie A. O dono da festa foi Cavani, que marcou três gols – e poderiam ter sido quatro, caso tivesse convertido um pênalti – e, com cinco gols, tornou-se artilheiro isolado da Serie A. A partida entre o vice-líder e a terceira colocada começou bem para a Lazio, que deu trabalho a De Sanctis com um chute de Konko, e acabou marcando com Klose. O atacante alemão, porém, admitiu que havia marcado com a mão e o árbitro anulou o gol, que já havia considerado válido. A sorte, depois disso, mudou de lado e um chute de Cavani desviou em Ciani, enganando Marchetti e abrindo o placar. O goleiro laziale, pouco depois, não conseguiu espalmar outro chute do Matador e, ao fim do primeiro tempo, o Napoli vencia por 2 a 0.

Na segunda etapa, Hernanes quase diminuiu, com ótima cabeçada defendida por De Sanctis. A Lazio buscava encostar, mas era o Napoli quem dominava o jogo, com excelentes atuações de Hamsík e Behrami, no meio-campo. O terceiro gol não demorou a sair, depois que Campagnaro surpreendeu uma desatenta defesa biancoceleste, com um belo lançamento para Cavani marcar o terceiro. A atuação, muito convincente, logo após um tropeço contra o Catania, credencia os azzurri a brigarem pelo título com a Juventus, e uma nova atuação convincente, diante da Sampdoria, é esperada para o domingo. Já do lado da Lazio, a impressão que ficou é que o time não tem força suficiente para brigar com as equipes que disputam o título. No entanto, Petkovic tem uma boa base e pode trabalhá-la. Uma boa resposta é esperada nesse fim de semana, frente ao Siena.

Fiorentina 0-0 Juventus

O placar foi 0 a 0, mas a partida, cercada por muita rivalidade, foi das melhores na Serie A. Com futebol muito envolvente, a Fiorentina foi muito melhor que a Juventus e, por muito pouco, não encerrou a sequência de 44 jogos de invencibilidade bianconera. Chances, com Jovetic, Ljajic, Pasqual, Roncaglia e Cuadrado, não faltaram, mas a bola insistia em raspar a trave ou até mesmo em explodir nela. No meio-campo, um cansado Pirlo perdeu, por muito, a batalha de registas contra Pizarro, enquanto Montella engoliu Conte e Carrera nas decisões táticas.

No entanto, o 0 a 0 deixa duas lições: a primeira é que a Juventus, mesmo longe de seus melhores dias, dá enorme prova de força a não perder um jogo como esses e, é por isso que segue invicta e é favorita ao título; a segunda é que a Viola pode mesmo brigar no topo da tabela. A falta de um fazedor de gols se faz sentir – um matador poderia ter decidido o jogo a favor, na terça -, mas a equipe tem jogado muito bem. No fim de semana, testes difíceis para Juventus e Fiorentina: no sábado, a Velha Senhora recebe a Roma de Zeman, em um jogo que traz à tona as acusações do técnico a casos de doping da Juve nos anos 90, e deve ser muito quente; a equipe de Montella, por sua vez, visita a Inter, em Milão.

Milan 2-0 Cagliari

Acabou a maldição do San Siro. Um Milan guiado pelos jovens finalmente conseguiu vencer em casa pela primeira vez na temporada, afastando fantasmas do gramado do Giuseppe Meazza e, principalmente, dando uma sobrevida ao cargo de Massimiliano Allegri – desta vez suspenso, substituído por Mauro Tassotti. O nome do jogo foi El Shaarawy, que pela primeira vez marcou dois gols em um jogo da Serie A e ainda poderia ter feito três, caso um chute seu não fosse desviado e tocasse no travessão. Quem também foi bem, na lateral direita, foi De Sciglio, de 20 anos.

A partida, no entanto, passou longe do brilhantismo. Para um San Siro cheio de cadeiras vazias (nem 30 mil lugares ocupados; mais de 50 mil vagos), o Milan encontrou um adversário tecnicamente muito inferior, mas ainda passou algum sufoco, duas vezes com Ibarbo e outra com Thiago Ribeiro. Cínicos, porém, os rossoneri aproveitaram as chances que criaram e ficaram com os três pontos, que o colocam no meio da tabela, com 6 conquistados. A expulsão de Conti, quando o jogo já estava 2 a 0, facilitou ainda mais a vida do Diavolo, que enfrentará o Parma, no Ennio Tardini, neste sábado. Já o Cagliari busca sair da zona de rebaixamento jogando em casa contra o Pescara. Desta vez, a Is Arenas poderá receber público – apenas aqueles que tem carnê anual do clube e são detentores do registro nacional de torcedor.

Chievo 0-2 Inter
Mesmo sem jogar tão bem, a Inter conseguiu a terceira vitória no campeonato, a terceira fora de casa. Contra o Chievo, Stramaccioni inovou e lançou a equipe em um 3-5-1-1, mesmo sem Chivu, considerado por ele o zagueiro ideal para uma defesa a três, e, de forma pragmática, a Beneamata conseguiu se recuperar da derrota contra o Siena. Sneijder saiu machucado aos 25 minutos (deve voltar apenas em duas semanas)  e a entrada de Cassano melhorou o futebol do time, que chegou ao primeiro gol no fim da etapa inicial, com Álvaro Pereira – milimetricamente impedido. No segundo tempo, um contra-ataque que terminou com o gol de Cassano, o terceiro no campeonato, acabou dando números finais ao jogo.

O Chievo até jogou bem, mas encontrou em Handanovic, por duas vezes, um dificultador. O goleiro interista fez uma grande defesa no segundo tempo, em cobrança de falta de Rigoni, e contou com a sorte, no fim do jogo, quando uma cobrança de falta de Cruzado explodiu na trave. Ainda assim foi pouco e mostrou que a Inter, em versão pragmática e com três defensores, embora não perfeita – a equipe produziu pouco ofensivamente -, pode voltar a aparecer outras vezes. Talvez contra a Fiorentina, que também joga com três zagueiros e cinco no meio-campo, já neste domingo. Já o Chievo visita um Palermo em crise.

Roma 1-1 Sampdoria

A Roma saiu na frente no placar, jogou melhor o primeiro tempo inteiro, teve um jogador a mais durante boa parte da segunda etapa, mas ainda assim deixou o gramado do Estádio Olímpico com apenas um ponto. Mais uma vez, a equipe foi vítima de seus próprios erros. O gol romanista saiu aos 35 minutos do primeiro tempo: Totti marcou seu 216º gol na Serie A e se igualou a José Altafini como quarto maior artilheiro da competição na história.

No início do primeiro tempo, Maresca recebeu o segundo amarelo e foi expulso. E, quando tudo parecia tranquilo para a Roma, Stekelenburg falhou e Munari não desperdiçou, fazendo 1 a 1. Se quiser que seu time lute na parte de cima da tabela, Zeman precisa consertar essa queda de rendimento que vem atingindo o time na segunda etapa, principalmente quando já está ganhando. (Rodrigo Antonelli)

Genoa 1-1 Parma

Em Gênova, a torcida local passou por fortes emoções e só viu seu time empatar a partida nos últimos minutos de jogo. A equipe rossoblù começou bem e logo teve oportunidade de abrir o placar: Immobile, no entanto, perdeu chance inacreditável. Minutos depois, Lucarelli aproveitou escanteio e colocou os visitantes na frente, jogando um balde de água fria no Genoa, que mandava no jogo. A equipe de De Canio (que completava 55 anos e 200 jogos na Serie A, ontem), só voltou a jogar bem no segundo tempo.

De novo, porém, a torcida teve suas expectativas devoradas. Primeiro, Borriello errou pênalti. Em seguida, Immobile perdeu outra oportunidade de ouro, defendida por um Mirante em grande noite. A dois minutos do fim, contudo, Borriello se redimiu e deixou a torcida sorrir pelo menos uma vez: entrou na área, sofreu o pênalti e dessa vez acertou. O empate deixa o Genoa com 7 pontos e o Parma com 5. (RA)

Catania 2-1 Atalanta

Na partida entre duas das boas surpresas da última temporada da Serie A, que continuam bem neste campeonato, melhor para a equipe da casa. Tanto Catania quanto Atalanta entraram em campo com cinco pontos na tabela, e com força argentina para tentar decidir a partida. No primeiro tempo, o goleiro Consigli fez ótimas defesas, parando Lodi e Gómez, e dando uma sobrevida à equipe visitante. No início do segundo tempo, os argentinos nerazzurri tiveram ótima chance para se darem melhor no confronto: o goleiro Andújar fez lambança e entregou a bola nos pés de Moralez, que só teve o trabalho de driblá-lo e empurrar para as redes, abrindo o placar para a Atalanta.

No entanto, o Catania soube reagir logo depois. Aproveitando um lance de bola parada, especialidade da equipe, já que Lodi é um grande cobrador de faltas e escanteios, Spolli apareceu bem para cabecear para as redes um ótimo cruzamento do capitão. E, quando o jogo já se encaminhava para o fim, Papu Gómez fez ótima jogada, em velocidade, e ajeitou para que Barrientos fechasse o “festival argentino” em favor da equipe mais argentina da Serie A – com oito platenses. No fim de semana, o Catania visita o Bologna e a Atalanta, que não tem jogado bem fora de seus domínios, recebe o Torino.

Pescara 1-0 Palermo

Ainda não foi dessa vez que Gasperini venceu com seu Palermo. Nem mesmo contra uma das equipes mais fracas do campeonato o rosanero aproveitou a oportunidade e, mais uma vez, mostrou a seu torcedor que o campeonato será sofrido. Os visitantes jogaram melhor – tiveram um gol bem anulado a Hernandez e Pelizzoli fez ótimas defesas sobre o uruguaio e também sobre Giorgi e Barreto -, mas a tola expulsão de Von Bergen, aos 35 minutos de jogo, atrapalhou os planos da equipe. Mesmo assim, Gasperini arrumou bem o time taticamente, de modo a sofrer pouco.

Só que, aos 43 do segundo tempo, os volantes ficaram observando Weiss conduzir a bola, com tranquilidade, na etrada da área, e acertar um petardo no ângulo de Ujkani. Foi a primeira vitória pescaresa na Serie A desde que o clube retornou após sua última participação, 20 anos atrás. Já o Palermo está na zona de rebaixamento e contratou Pietro Lo Monaco como diretor executivo da equipe. Maurizio Zamparini, presidente, se afasta.

Siena 1-0 Bologna

O Siena embalou. Depois de vencer a Inter de Milão, em pleno Giuseppe Meazza, no fim de semana, a equipe bianconera conquistou sua segunda vitória no campeonato, nesta quinta, contra o Bologna. Com apenas uma derrota, o time do técnico Cosmi teria oito pontos e ocuparia a sexta colocação, ao lado da Roma, caso não tivesse começado o campeonato com seis pontos negativos. Com o desconto, porém, a situação dos bianconeri ainda é ruim: ocupa a zona de rebaixamento, com apenas dois pontos.

Contra o Bologna, o destaque da equipe, de novo, foi o atacante Calaiò, que marcou o único gol da partida. O goleiro Pegolo também merece menção honrosa, pelas diversas defesas que fez para ajudar seu time a sair com a vitória. O Bologna jogou de igual para igual e saiu de campo reclamando de um possível pênalti em cima de Gilardino. O treinador Pioli, inclusive, foi expulso. O Bologna chega à segunda partida sem vitória e permanece com quatro pontos, na 15ª colocação. (RA)

Torino 0-0 Udinese

Que
a Udinese já não é mais a mesma todo mundo sabe. Sem Di Natale, então, a
equipe de Údine se torna apenas mais uma no bando. O capitão bianconero
ficou 90 minutos no banco de reservas e os friuli tiveram dificuldade
contra o Torino, que jogou melhor e poderia até ter saído com a vitória.
Não que os donos da casa merecessem vencer, mas, apesar do baixo nível
técnico apresentado, levou mais perigo ao gol adversário e mostrou mais
iniciativa. Destaque para Biachi e Santana, que participaram das
principais jogadas do Toro. Mas o empate sem gols e a fraca partida não
enganam: o campeonato será difícil para torcedores de ambos os times,
que somam apenas cinco pontos em cinco jogos. (RA)

Relembre a 4ª rodada aqui.

Confira estatísticas, escalações, artilharia e da 3ª rodada, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada

Pegolo (Siena); De Sciglio (Milan), Roncaglia (Fiorentina), Cannavaro (Napoli), Pasqual (Fiorentina); Barrientos (Catania), Pizarro (Fiorentina), Hamsík (Napoli), Álvaro Pereira (Inter); Cavani (Napoli), El Shaarawy (Milan). Técnico: Vincenzo Montella (Fiorentina).

Deixe um comentário