Liga dos Campeões

A esperança italiana

Após vexame do Milan, Juventus exibe bom futebol contra o Chelsea e mostra que pode representar bem a Itália na Liga dos Campeões (Action Images)

O retorno da Juventus à principal competição de clubes do mundo, após dois anos de ausência, aconteceu em grande estilo. Contra o Chelsea, atual campeão da Liga, a equipe italiana não se intimidou, fez grande partida e conseguiu arrancar um empate de fibra, na casa do adversário. Os bianconeri chegaram a ficar com dois gols de desvantagem no placar, mas mostraram raça e qualidade para buscar o empate. Aliás, foi apenas a terceira vez na história que a Juventus conseguiu se recuperar na LC após estar perdendo por dois gols de diferença. Em suma, a equipe teve a cara de Antonio Conte, mesmo que esse não estivesse à beira do campo gritando e dando suas orientações. E isso é um ponto muito positivo para o time, que em diversos momentos foi questionado se teria a mesma força sem seu treinador no banco de reservas.

Escalada no já habitual 3-5-2, a Juve entrou em campo com tudo que tinha de melhor e chegou com perigo antes mesmo dos donos da casa. O Chelsea tinha maior posse de bola e tentava pressionar, mas não conseguia infiltrar na defesa juventina. A Velha Senhora, por sua vez, era sólida e se preparava para dar o bote. As chances surgiram ainda na primeira metade da etapa inicial, com Marchisio e Vucinic. O primeiro viu Cech fazer boa defesa e o segundo se lamentou por ter desperdiçado uma chance clara de abrir o placar, em ótimo lançamento de Vidal.

Com o jogo mais equilibrado, no entanto, veio o balde de água fria: Oscar arriscou de fora da área, a bola desviou em Bonucci e balnaçou as redes de Buffon, que completava seu jogo de número 400 pela equipe de Turim. Para piorar, o brasileiro ainda ampliou o placar logo em seguida. De costas para o gol, o ex-colorado recebeu passe de Ashley Cole, deu uma meia-lua em Pirlo e acertou um chute que a Gazzetta dello Sport definiu como “alla Del Piero”, no ângulo esquerdo de Buffon. Mantendo a estratégia, a Juve não se deixou abalar e alcançou o empate cinco minutos depois, com o chileno Vidal, que teve (outra) bela atuação coroada. Forte na marcação e com ótimas investidas ao ataque, é provável que o sul-americano seja uma das principais armas do time italiano na competição, uma vez que Pirlo deverá sofrer com forte marcação em todos os jogos.

No segundo tempo, o jogo ficou mais equilibrado e foi o Chelsea quem assustou primeiro. Ivanovic acertou bom chute e Buffon foi obrigado a fazer grande defesa. Com o tempo, os bianconeri ganharam territõrio, mas não tinham a dupla de ataque inspirada. Após atuação decisiva no fim de semana, Vucinic não apareceu bem no jogo e ficou refém da marcação. Giovinco (para variar) não conseguiu jogar bem e já começa a perder os créditos com a torcida. Até aqui, o formiga atômica só fez uma boa partida com a camisa alvinegra, contra a Udinese. Para mudar isso e dar maior velocidade ao time, Carrera mexeu bem na equipe e colocou Quagliarella no lugar de Giovinco e Isla no posto de Lichtsteiner, para se aproveitar da defesa pesada do Chelsea.

As alterações surtiram efeito rapidamente e Quagliarella empatou o jogo apenas quatro minutos após sua entrada. Marchisio acertou ótimo passe em profundidade e o atacante chutou por baixo do goleiro Peter Cech. Gol importante para dar moral ao atacante, que chegou a ser envolvido em especulações de transferência em julho, e ao time, que esteve sob desconfiança antes de estrear na competição europeia. Antes do fim, o próprio Quagliarella ainda fez boa jogada individual e por pouco não virou o jogo: acertou o travessão dos blues. Está provado que a equipe é cascuda e pode fazer frente aos grandes clubes do continente. Bom para o futebol, melhor ainda para a Itália.

Clique aqui para ver os gols do jogo.

2 comentários

  • Seria uma injustica a juve perder ontem. O time jogou mt bem, teve as melhores chances do 1° tempo e tomou o primeiro gol no momento q vidal saiu p o atendimento medico, acho q esse gol nao sairia se ele em campo, pois seria dele o combate dakela bola do Oscar.
    O Quagliarella me surpreendeu ontem, grande jogo dele, mas acho q o Matri eh pouco valorizado pelo conte, deveria jogar mais, alem disso, nao eh pior q brentner

Deixe um comentário