Serie A

6ª rodada: Entrando na briga

Com gols de Milito e Cassano, além de uma boa apresentação, a Inter mostrou futebol de quem pode se juntar ao Napoli na caça à Juventus. Agora, falta regularidade (Getty Images)

A sexta rodada da Serie A talvez tenha sido a que mais tenha agradado, em termos de bom futebol. Com 32 gols, já é a rodada com mais gols nesta edição do campeonato, ao lado da segunda. Desta vez, além dos bons jogos do sábado, as equipes presentearam os torcedores com ótimas partidas em Milão, Bérgamo, Bolonha e, principalmente, com o show de Miccoli em Palermo. 

No fim das contas, a rodada teve como principais destaques, além da exibição do capitão rosanero, a primeira vitória da Inter em casa, justamente no dia em que os comandados de Andrea Stramaccioni jogaram seu melhor futebol na temporada. Em busca de regularidade, a Inter já começa a ser vista como a terceira força na Itália. A segunda é o Napoli, que mantém um poder de fogo excepcional e tem encontrado a solidez defensiva que faltou no ano passado e continua sua perseguição à Velha Senhora. A Lazio, mais uma vez, corre por fora, mas vem fazendo um campeonato muito bom e pode surpreender. Acompanhe as análises.

Inter 2-1 Fiorentina

Uma semana antes do dérbi contra o Milan, a Inter seguiu os passos do rival e também voltou a vencer em casa, desta vez realizando seu melhor jogo na temporada. Frente a um dos adversários mais gabaritados do campeonato, Andrea Stramaccioni não contaria com Sneijder, que ficará parado por um mês, e deu espaço a Coutinho no time titular, montado em um 3-4-1-2, espelhando o 3-5-2 de seu amigo Vincenzo Montella. No duelo tático dos mais jovens técnicos da Serie A, o interista levou a melhor, principalmente graças à boa partida da defesa e da rápida transição entre o sistema defensivo e o ofensivo, possibilitado pelas boas prestações de Coutinho e Cassano. 

Aos 34 minutos, com gols de Milito e de Fantantonio, a Inter vencia e dava até a impressão de que poderia golear, já que levava muito a perigo a Viviano. O Príncipe Milito perdeu uma ótima chance e deu azar em outra, depois que deu um chapéu em Rodríguez e acabou acertando o travessão. No entanto, uma falha de Juan permitiu que Rômulo diminuísse, aos 40, reabrindo a partida. No segundo tempo, porém, uma brilhante partida de Ranocchia, seguida à expulsão infantil de Rodríguez tranquilizaram à Inter, que continua na terceira colocação, 4 pontos atrás de Juve e Napoli. A Fiorentina, com 8 pontos, decepcionou, mas a regularidade deve ser atingida apenas em algumas rodadas. Potencial, a equipe viola tem, e certamente a Inter não terá a mesma facilidade no confronto de volta.

Sampdoria 0-1 Napoli

Longe de fazer uma grande partida, o Napoli foi cínico e conseguiu uma dura vitória contra a Sampdoria, em Gênova. Os dorianos tentaram fazer a partida, mas a defesa azzurra se comportou muito bem, concedendo pouquíssimos espaços, e a equipe de Walter Mazzarri matou o jogo no segundo tempo, em um contra-ataque que Gastaldello tentou matar cometendo pênalti sobre Hamsík – a falta aconteceu poucos centímetros fora da grande área, mas a posição dos corpos dos dois jogadores torna o erro de Paolo Tagliavento perfeitamente justificável, e nem mesmo os jogadores da Samp reclamaram. Na cobrança, Cavani converteu com tranquilidade e chegou aos seis gols, assumindo a artilharia isolada. Com a superioridade no placar e no número de jogadores, graças à expulsão do capitão doriano, o Napoli conseguiu gerir a partida com mais tranquilidade e deixou o Luigi Ferraris com valiosos pontos, que deixam a equipe empatada com a Juventus, na liderança do campeonato, com 16 pontos.

A partida azzurra foi uma prova de força importante no início do campeonato, em um dos campos mais difíceis da Itália – a Samp estava invicta no campeonato até este domingo -, que permite aos torcedores sonharem mais alto. Na última temporada, o Napoli pecava pela irregularidade e, neste ano, parece mais maduro. As saídas de Lavezzi e Gargano não estão sendo sentidas e os reforços foram pontuais, sobretudo na defesa. Behrami e Gamberini se encaixaram bem na equipe e tem ajudado a reforçar a defesa, principal deficiência da equipe em 2011-12. Desta vez, os partenopei tem, até agora, a retaguarda menos vazada do campeonato, com apenas dois gols sofridos, e o segundo melhor ataque, logo atrás da Juve (15 contra 12 gols). A Samp, por sua vez, fez um bom jogo mais uma vez, sobretudo porque estava muito desfalcada, e segue entre os cinco primeiros colocados. Na próxima rodada, a Samp busca a recuperação ante o Chievo e o Napoli recebe a Udinese.

Lazio 2-1 Siena

Poupando Hernanes, a Lazio chegou a uma fácil vitória contra o Siena graças a outro brasileiro: Ederson. Estreando como titular pela equipe romana, o ex-jogador do Lyon abriu as contas no Olímpico e fez boa partida, conduzindo o meio-campo biancoceleste. O segundo gol surgiu graças a cobrança de pênalti do capitão Ledesma, que converteu a falta sofrida por Klose. Os seneses jogaram mal, sem qualquer vontade – pareciam exauridos, sem Rosina, e depois de duas vitórias consecutivas, que tiraram a equipe da pontuação negativa em que se encontrava. Paci ainda descontou, depois de falha de André Dias, mas era tarde demais.

Com o resultado, a Lazio se mantém na cola de Juventus e Napoli, empatada com a Inter, ambas com 12 pontos. Impressiona a regularidade e o equilíbrio da equipe treinada por Vladimir Petkovic, que gastou muito pouco nesse mercado e pode acabar a temporada à frente da rival Roma,  revolucionada e com gastos muito maiores. Concluir o campeonato à frente dos romanos por dois anos consecutivos é algo que não acontece em Formello há muito tempo, mas a torcida tem exigido mais: uma vaga na Liga dos Campeões é improvável, mas é a meta. Já o Siena não pode se queixar. A situação poderia ser pior e uma derrota para a Lazio, em Roma, é perfeitamente aceitável. Na próxima rodada, a equipe de Serse Cosmi tentará se superar em casa, frente à Juventus, enquanto a Lazio visita um revigorado Pescara.

Palermo 4-1 Chievo

Depois de seis rodadas, a primeira vitória do Palermo veio cheia de requinte, com a ajuda da classe do capitão Miccoli. Era algo estranho vê-lo sentado no banco rosanero nos primeiros jogos após a chegada de Gian Piero Gasperini ao comando da equipe. A decisão, de acordo com jornalistas que acompanham o ambiente palermitano,  era uma orientação de Maurizio Zamparini, dono do clube. As vitórias não apareciam, no entanto, e Gasperini decidiu dar uma chance no time titular ao capitão da equipe. E Miccoli respondeu de forma magistral: marcou três golaços, o último deles pegando um voleio do meio-campo, encobrindo Sorrentino, e ainda fez uma jogadaça para o gol de Giorgi – os melhores momentos do jogo estão disponíveis aqui, e a pintura de Miccoli pode ser vista a partir de 1:28.

Apesar da grande prova do Romário do Salento, o Chievo facilitou: jogou com um a mais durante mais de meia hora, no segundo tempo, e foi muito mal. Seu gol, que aconteceu quando o Palermo vencia por 1 a 0, só saiu em um lance fortuito: o gol olímpico, de Rigoni, aconteceu graças a erros de posicionamento da zaga e do goleiro Ujkani, já que o córner nem foi bem batido. Domenico Di Carlo, técnico dos clivensi, até tentou modificar o time, armando uma defesa com três jogadores, mas não deu certo. Agora, após cinco derrotas consecutivas, seu cargo corre riscos.

Atalanta 1-5 Torino

O
resultado, por incrível que pareça é um pouco mentiroso. No primeiro
tempo, os nerazzurri (repletos de desfalques – oito lesionados, no
total) fizeram 1 a 0 com Denis e ainda acertaram o travessão com
Cigarini, mas Bianchi acabou deixando tudo igual, depois de pênalti cometido por Bonaventura.
No segundo tempo, porém, a sorte mudou de lado. Cerci estava muito
ativo e levava dificuldade à defesa bergamasca, que apenas tentava
contê-lo. Após um escanteio cobrado pelo ex-jogador da Fiorentina, Gazzi apareceu bem, desviando para as redes, e a partir daí a Atalanta ruiu.

Logo após a virada granata, Cerci achou Stevanovic com um passe mais que açucarado, e o sérvio, de primeira, fuzilou Consigli. Em absoluta confusão, o lateral D’Ambrosio ainda aproveitou um erro de marcação da defesa para, de cabeça, completar outro cruzamento de Cerci. Para fechar a conta, o capitão Bianchi fez um gol de centroavante típico, recebendo ótimo passe de Stevanovic. Na próxima rodada, uma Atalanta com dor de cabeça, e igualmente desfalcada, visita a Roma, buscando a primeira vitória fora de casa na temporada. Já o Torino, que surpreende e ocupa a 6ª posição, com 8 pontos, recebe um Cagliari em afã.

Bologna 4-0 Catania

Quando contratou Gilardino, por empréstimo junto ao Genoa, dificilmente a diretoria do Bologna esperaria um retorno tão imediato. O bomber rossoblù, que vinha em baixa há dois anos, chegou aos 5 gols neste campeonato (151 em sua carreira), e é vice-artilheiro da Serie A. Neste domingo, Gilardino marcou dois, mostrando ótimo senso de posicionamento, primeiro ao partir da mesma linha que a defesa siciliana e tocar na saída de Andújar, e depois fuzilando o goleiro argentino com uma cabeçada. 

Marcaram, ainda, para o Bologna, Guarente, com um belo chute da entrada da área, e Kone, depois de boa jogada de Diamanti, ao apagar das luzes. Porém, nem tudo foram flores para os bolonheses: a estreia do goleiro Curci como titular foi repleta de amostras de insegurança e o arqueiro ainda saiu machucado. Já do lado do Catania, o técnico Rolando Maran precisa exigir dos atletas uma postura mais incisiva fora de casa – os etnei não vencem uma partida longe do Angelo Massimino desde o campeonato passado, há 10 jogos. Os rossoazzurri começaram bem e Capuano até acertou o travessão, mas depois dos gols bolonheses na primeira etapa, se abateram. Com Maran, dificilmente o Catania repetirá a última temporada, com Vincenzo Montella.

Cagliari 1-2 Pescara

Depois de começar a temporada com três derrotas consecutivas (duas delas para Torino e Sampdoria, que também haviam subido da Serie B), o Pescara já começava a dar indícios que não conseguiria permanecer na elite. Certo, Capuano e Romagnoli, dois de seus destaques, ficaram de fora por lesão em quase toda a reta inicial do campeonato, mas a margem de crescimento da equipe parecia baixa, devido à grande inexperiência do elenco e do técnico Giovanni Stroppa. Nos últimos três jogos, porém, a maré virou e a equipe conquistou sete pontos, com quatro pontos obtidos fora dos seus domínios. Neste domingo, a vítima foi o Cagliari, que pela primeira vez pode receber torcedores na Is Arenas.

Os dois times foram a capo em um 4-3-3, mas com improvisações no ataque que não deram certo. Do lado do Cagliari, Sau fez uma partida muito ruim, jogando deslocado pelo lado direito, enquanto Quintero, um trequartista de origem, também não se achou pelo flanco direito. O colombiano do Pescara deixou o campo ainda mesmo no primeiro tempo, dando oportunidade para Weiss, que mudou o jogo. O primeiro gol, em cobrança de falta de Terlizzi, surgiu após falta nele, que rendeu um amarelo a Rossettini. Pouco depois, o eslovaco cavou também a expulsão do zagueiro da equipe sarda e, com superioridade numérica, marcou o segundo dos visitantes. Atrás, Perin fazia ótimas defesas, sobretudo frente a Ibarbo, e só não conseguiu defender a penalidade de Pinilla. Com 7 pontos, o Pescara tem cinco de vantagem sobre a zona de rebaixamento, a mesma quantidade que o Milan. Já o Cagliari segura a lanterna, com um único pontinho, e a falta de vitórias pode fazer com que Massimo Ficcadenti seja demitido e dê lugar a Diego López, ex-jogador do clube e técnico da Primavera.

Udinese 0-0 Genoa

Di Natale-dependência? Sem seu capitão, a Udinese perde muito do poder de fogo e é uma equipe praticamente anônima – foi o que se viu neste domingo, no Friuli. Totò não foi convocado para a partida, depois de uma discussão com o técnico Francesco Guidolin, e quem saiu perdendo foi a equipe. Primeiro porque Fabbrini e Ranégie não conseguiram dar a força ofensiva necessária para que os bianconeri marcassem, e também porque ninguém chamou a responsabilidade. O resultado foi uma partida muito pobre, mais uma vez distante do que a equipe produziu nas últimas duas temporadas.

Melhor para o Genoa, que soube se defender bem, mas também não foi nada brilhante. Sobretudo no ataque, que produziu pouquíssimo e nem de longe arriscou dar o mesmo trabalho que deu à zaga da Juventus, semanas atrás. Neste duelo de equipes tão irregulares, ficou claro que, sem ter um padrão de jogo muito bem definido, Udinese e Genoa dificilmente conseguirão algo melhor que terminar o campeonato no meio da tabela. E, do lado friulano, um resultado desses pode significar fim de ciclo para Guidolin.

Relembre a 5ª rodada aqui.

Confira os resumos dos jogos de sábado aqui.

Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada

Perin (Pescara); Barzagli (Juventus), Ranocchia (Inter), D’Ambrosio (Torino); Vidal (Juventus), Marchisio (Juventus), Hamsík (Napoli), Cerci (Torino); Miccoli (Palermo), Gilardino (Bologna), Cassano (Inter). Técnico: Gian Piero Gasperini (Palermo).

Deixe um comentário