Outros torneios

Serie B: Em busca da consolidação

Pelo conjunto montado por Fulvio Pea e aprimorado por Eusebio Di Francesco, o Sassuolo é a grande sensação deste início da Serie B (LaPresse)
Duas equipes em especial vêm
chamando a atenção desde a temporada passada na Serie B: Sassuolo e Hellas
Verona. De boas campanhas em 2011/12, as equipes acabaram parando nos play-offs
para Sampdoria e Varese. Neste início da segundona italiana, contudo, os
clubes de Emília-Romanha e Vêneto vêm mostrando bom desempenho.
Após 7 rodadas, o surpreendente
Sassuolo lidera o campeonato com 19 pontos – 6 vitórias e 1 empate –, fruto do
crescimento dos neroverdi nos últimos
5 anos. Desde 2007/08, quando conquistou o acesso inédito para a Serie B sob o
comando de um ainda mais jovem Massimiliano Allegri, a equipe tem feito campanhas sólidas, à
exceção de 2010/11, mas destacando-se nas temporadas anterior e posterior,
com os técnicos Stefano Pioli e Fulvio Pea.
Nesta temporada, o ex-Lecce e
também jovem Eusebio Di Francesco assumiu o comando técnico e, mantendo a base montada
por Pea, vem gozando da boa situação da equipe. Num 4-3-3
eficiente no ataque e bem postado na defesa, o Sassuolo tem o segundo melhor
ataque da Serie B com 13 gols marcados, tendo sofrido apenas 2, sendo a melhor
defesa nessas 7 rodadas.
Com um elenco recheado de jovens,
o clube busca se consolidar no futebol italiano após o franco crescimento, e a
subida para a Serie A, caso mantenha o elenco, a administração e consiga
conciliar tudo isso na elite nacional,
tem tudo para se desenvolver ainda mais. Principalmente porque a equipe tem uma política de valorizar a base e
apostar num futebol agradável, apostando em técnicos promissores.
Logo atrás, na 3ª colocação,
aparece o ex-invicto Hellas Verona, com 15 pontos – 4 vitórias, 3 empates e 1 derrota, justamente nesta sexta, em virada sofrida no último segundo ante o Padova de Fulvio Pea, ex-Sassuolo.
Campeão italiano em 1984/85, o clube, refundado em 1991, passou por problemas
financeiros recentemente e viu seu principal rival, o Chievo Verona, se
consolidar na Serie A. Todavia, com um projeto interessante da diretoria, os gialloblù vêm conseguindo se
reerguer rapidamente.
Depois de bater na porta por duas
vezes, o ex-líbero interista Andrea Mandorlini
assumiu o comando técnico do time em 2011, ainda na temporada 2010/11,
conseguindo, assim, heroica volta para a Serie B, o que não acontecia desde
2007. Mandorlini conseguiu dar um padrão tático à equipe e, também no 4-3-3,
se tornou um dos principais destaques em 2011/12, com uma equipe muito criativa
e vertical, ainda que vacilante na defesa. A irregularidade pesou e a os Mastini acabaram caindo de
rendimento no final da temporada, caindo nos play-offs.
Veio 2012/13 e a diretoria,
também buscando se reconsolidar no cenário italiano, investiu pesado na janela de transferências, reforçando muito
bem a já boa equipe montada por Mandorlini. Ainda um pouco irregular, o Verona
mostrou boa evolução defensiva – 5 gols sofridos até o presente momento – e
continua se destacando no ataque, com 12 gols marcados.
Revelado pela Inter, Siligardi finalmente consegue mostrar seu valor. Nesta temporada, como ponta-direita do 4-3-3 amaranto, é o artilheiro da Serie B com seis gols. (LaPresse)
Entre Sassuolo e Verona, aparece
o impetuoso Livorno. Rebaixado na Serie A em 2009/10 e vindo de uma campanha
fraca em 2011/12, o time amaranto parece
ter superado a perda traumática de Piermario Morosini e sob novo comando, do quase
estreante Davide Nicola, o clube toscano vem sendo uma das sensações desta
Serie B, com um futebol primando pelo jogo ofensivo, sendo bem agressivo no
ataque. É outro que atua no 4-3-3.
Não obstante, tem o melhor ataque
do campeonato com 16 gols em rodadas, também sofrendo um alto número de gols:
10. Com 5 vitórias, 1 empate e 1 derrota, a equipe tem tudo para se consolidar
como uma espécie de sucessor do Pescara de Zdenek Zeman, com seu “futebol-espetáculo”. Apesar
disso, terá que procurar reforçar seu sistema defensivo, algo essencial numa competição
com mais de 42 jogos, na qual a irregularidade sempre procura atrapalhar.
Falamos das principais equipes
que vêm se destacando neste início da Serie B – e vale mencionar também equipes
como Bari, Padova e Varese, superando a perda de pontuação devido ao envolvimento
no mais novo escândalo de manipulação de jogos, e dos “novatos” Ternana e Spezia –, mas também há os que merecem destaque negativo.
Quase rebaixado para a Lega Pro
Prima Divisione na temporada passada, o Empoli, após temporadas regulares nos
últimos três anos desde o rebaixamento, parece não ter aprendido com o baque de
2012. Com míseros 2 pontos em 7 jogos – e vale lembrar que também foi punido na
perda de 1 ponto; 3 empates e 4 derrotas – os azzurri só não ocupam a última colocação devido à perda de pontos
do Grosseto.
E não são apenas os resultados
que deixam os torcedores toscanos alerta, mas também pelo futebol (não)
apresentado pelo time. Com um plantel razoável em mãos, Maurizio Sarri não vem
conseguindo fazer o time jogar, ainda que tenha um padrão tático. Sem seu
principal jogador, o veterano Francesco Tavano, Riccardo Saponara – meia-atacante da seleção sub-21 italiana, treinada por Devis Mangia – é um dos poucos (senão o único) destaques do
clube na temporada.
A Lega Pro Prima Divisione está
mais próxima do que imaginam, e pensar numa reação da equipe pelas atuais
circunstâncias é um tanto complicado. Outra equipe que precisa se ligar é o
Cesena, que esboçou uma reação ao vencer na última rodada em casa. Porém,
necessita de mais caso não queira ser mais um exemplo de clubes mal-preparados
que sobem para a Serie A e que retrocedem duas vezes, em seguida.
Emprestado pela Roma ao Padova, o jovem Viviani, da seleção de Mangia, chegou e já mostrou ao que veio, tomando conta do meio-campo dos biancoscudati. Tem tudo para ser a revelação do campeonato (LaPresse)
Entre os destaques individuais aparecem o ex-interista Siligardi (Livorno),
artilheiro do campeonato com 6 gols, seguido por Cacia (Verona), Malonga
(Vicenza), Pavoletti (Sassuolo), González (Novara) e Sansovini (Spezia),
todos com 5 gols cada.
Confira estatísticas,
escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui. Para os
gols e melhores momentos, aqui.

Seleção da Serie B
até aqui

Pomini (Sassuolo); Terranova (Sassuolo), Maietta (Verona), Polenta (Bari), Longhi
(Sassuolo); Koné (Varese), Jorginho (Verona), Viviani (Padova); Siligardi
(Livorno), González (Novara), Sansovini (Spezia). Técnico: Eusebio Di
Francesco (Sassuolo).

Balanço tático das 7 rodadas

4-3-3 (Sassuolo, Livorno, Verona, Bari, Virtus Lanciano), 3-5-2 (Vicenza, Brescia, Ascoli, Cesena, Reggina), 3-4-3 (Cittadella, Ternana, Padova, Modena), 4-3-1-2 (Spezia, Novara, Pro Vercelli), 4-4-2 (Varese, Juve Stabia), 4-2-3-1 (Grosseto, Crotone) e 4-4-1-1 (Empoli).

Deixe um comentário