Coppa Italia

São tantas emoções

No sufoco, Ranocchia marcou o gol que garantiu a classificação da Inter às semifinais da Coppa Italia, debaixo de uma neve fina que caía em Milão (Getty Images)

A Coppa Italia não tem sido valorizada por equipes, torcedores e pelos meios de comunicação faz tempo. Mas, neste meio de semana, dois jogões repletos de emoções ajudaram a resgatar a história de um torneio que já foi grande. Acompanhe o resumo das partidas que definiram a semifinal entre Inter e Roma. Na outra chave, Juventus e Lazio se enfrentarão para decidir a outra finalista.

Inter 3-2 Bologna

Tentando se torar uma pedra no sapato da Inter, o Bologna de Pioli deu susto aos poucos mais de 8 mil torcedores presentes no vazio Giuseppe Meazza. Por culpa da própria Inter, que teve várias chances de matar o jogo, mas levou o empate em três minutos e por pouco não sofreu a virada no final. Como contra o Pescara, a Beneamata teve atuação segura, sem muitos sustos na defesa, mesmo com os vacilantes Jonathan e Juan Jesus no 11.

Em boa parte dos 90 minutos, o domínio foi interista, levando vantagem na posse de bola, e utilizando do recurso para cadenciar o jogo e, esporadicamente, explorar as falhas do time emiliano. Mesmo em ritmo baixo, Cassano e Guarín davam trabalho para a marcação rossoblù, e aos 33 minutos fizeram jogada fatal: lançamento do garoto Benassi para Cassano na esquerda, que fez sua tradicional cortada para o centro, achando Guarín, livre de marcação. O colombiano ainda teve tempo para enganar o marcador e acertar chute forte da entrada da área, no canto alto esquerdo de Agliardi.

Na segunda etapa, o Bologna só foi conseguir produzir algo com as entradas de Gabbiadini e Kone, voltando à sua formação titular, no 4-2-3-1, desmontando o 3-4-1-2 de Stramaccioni, que contou com Palacio para ampliar a vantagem interista em momento em que o time da Emília-Romanha era superior: chutão de Juan Jesus pra frente, domínio e passe de Cassano (registrando sua segunda assistência na partida, a nona na temporada, em 25 jogos) para o argentino completar com um corte sobre Pazienza e finalizar de fora da área, pegando Agliardi desprevinido.

Porém, bastaram quatro mintuos para o Bologna, que não sentiu o gol, diminuir: em bela cobrança de falta, Diamanti marcou o terceiro golaço do jogo. Três minutos depois, descida de Marco Motta pela direita e bola levantada na área. Enquanto Juan Jesus saía para dar combate, Ranocchia ficou em Gilardino e Silvestre na sobra, mas Jonathan errou o tempo da bola e não conseguiu cortar, deixando para Gabbiadini apenas escorar e empatar. O brasileiro, aliás, teve mais uma atuação bisonha, o que deve fechar as portas para novas oportunidades na Inter, que busca contratar Schelotto, da Atalanta, para sua posição.

Na prorrogação, foram 15 minutos distintos para cada equipe: os primeiros foram de domínio rossoblù, enquanto a Inter resistia firme e se poupava, mostrando-se uma boa opção, já que a equipe da casa (reposicionada no 4-4-2 desde o primeiro tempo) criou boa parte das chances de gol do segundo tempo, especialmente com Zanetti e Guarín pela direita. ‘Il Capitano’, por sinal, deu outra demonstração de sua invejável forma física, produzindo essa chanche,  parando na trave, e sendo o melhor jogador em campo, ocupando espaços e conduzindo as jogadas de ataque da Inter.

Quando tudo se encaminhava para a disputa por pênaltis, escanteio no último minuto. Guarín, se destacando cada vez mais desde que passou a atuar mais adiantado, cobrou e Ranocchia, soberano, subiu para cabecear e encobrir Agliardi e Portanova, garantindo a classificação interista. A equipe de Milão que terá pela frente a Roma, nos dias 23 e 30 de janeiro, em Roma e Milão, respectivamente. 

Fiorentina 0-1 Roma

O ofensivo 4-3-3 da Roma foi deixado de lado por Zdenek Zeman para classificar o clube da capital à semifinal da Coppa Italia, ao derrotar a Fiorentina na prorrogação. Sem Lamela, Osvaldo e Totti, o tcheco apostou em Pjanic, Destro e Florenzi no ataque, sendo auxiliados por Bradley e De Rossi, pelo meio, e Balzaretti e Piris, nas alas. A Fiorentina jogou apenas sem Viviano, relegado ao banco para a entrada de Neto.

Os primeiros 15 minutos foram de extrema correria. Jovetic foi lançado atrás da zaga e passou por Goicoechea, mas foi marcado o impedimento; Florenzi, por sua vez, parou nas mãos de Neto e, na sobra, Pjanic não conseguiu aproveitar. Destro saiu da marcação de três jogadores e chutou cruzado. A bola passou muito perto da trave direita. Após os 30 minutos, o único lance de perigo foi uma falta cobrada por Aquilani; a bola explodiu no travessão.

Logo no retorno do intervalo, Tomovic vacilou, Destro cruzou e Neto fez uma defesa fantástica em finalização de Florenzi. A Roma teve a chance de abrir a contagem em Florença em contra-ataque puxado por Bradley, que resolveu não tocar para algum de seus três companheiros. Resultado: a Fiorentina retomou a posse.

Depois de Aquilani, na falta da primeira etapa, foi a vez de Borja balançar a trave com um potente remate que acertou a trave. Destro tentou vencer Neto com uma cavadinha, após passe de Florenzi, mas Savic, na pequena área, conseguiu afastar de cabeça. Na prorrogação, o gol da vitória chegou com Destro, após cruzamento de Piris, debaixo da trave. Na sequência, Cuadrado ainda acertou a trave e, na sobra, cabeceou para ótima defesa de Goicoechea. Antes do fim da partida, Taddei, Cuadrado e Dodô foram expulsos.

1 comentário

  • A Fiorentina está perdendo o impulso. Depois de começar a temporada num ritmo alucinante, lentamente vem sendo redimensionada. É claro que ainda tem pretensões no campeonato, mas a Liga Europa é um cenário que já parece bem interessante para os viola.

Deixe um comentário