Esquadrões

Times históricos: Parma 1998-2000

Grandes feitos: Campeão da Copa Uefa (1998-1999), Campeão da Coppa Italia (1998-1999) e Campeão da Supercopa da Itália (1999).

Time base: Buffon; Thuram (Benarrivo), Sensini, Cannavaro e Vanoli (Apolloni); Boghossian, Dino Baggio, Diego Fuser (Fiore) e Verón (Ortega); Chiesa (Balbo) e Crespo. Técnico: Alberto Malesani.

Copeiros e endinheirados – parte 2

Já relembramos aqui a ascensão meteórica do Parma no começo da década de 90, quando o clube deixou de ser um pequenino do futebol italiano para se transformar em um dos maiores clubes italianos daqueles anos, graças, claro, ao dinheiro da Parmalat. Depois de colecionar títulos nacionais e internacionais, o Parma mudou de técnico em 1998, se reformulou e voltou a brilhar.

Com jovens talentos como Buffon, Cannavaro, Thuram, Verón e Crespo, a equipe conseguiu a proeza de montar um esquadrão ainda mais forte que o começo da década e faturou três títulos históricos, entre eles a Copa Uefa de 1999, com direito a goleada de 3 a 0 na final sobre o tradicional Olympique Marseille. Mas, mesmo com mais copas para a coleção, a equipe voltou a dar azar no Campeonato Italiano, o que fez do Parma um dos quatro times do planeta a ter um montante de títulos internacionais sem uma única conquista de liga nacional, a exemplo de West Ham, Real Zaragoza e Bayer Leverkusen. É hora de relembrar.

Entressafra

Buffon e Cannavaro: novos nomes para brilhar

Depois da conquista da Copa Uefa de 1995, o Parma perdeu o treinador Nevio Scala para o Perugia, em 1996, e passou por um hiato de conquistas que duraria até 1999. Nesse tempo, Carlo Ancelotti até tentou levar a equipe a algum título, mas não conseguiu. O máximo foi um vice-campeonato da Serie A em 1996-1997, perdido na reta final para a Juventus.

Ancelotti deixou o Parma e em 1998 o técnico Alberto Malesani assumiu o comando da equipe. Malesani havia passado um bom tempo na Holanda estudando as táticas e histórias do Futebol Total realizado no Ajax dos anos 70 e tomou esses estudos como inspiração para o seu trabalho. Se não revolucionou nem Chievo nem Fiorentina (seus clubes anteriores), Malesani conseguiu, no Parma, criar uma equipe forte e consistente na defesa e no meio de campo, graças, claro, ao dinheiro do clube e aos craques que o time tinha em seu elenco para a temporada 1998-1999.

Para começar, um espetacular goleiro cria das categorias de base: Buffon. Na zaga, Sensini, remanescente dos tempos de glória, e outro novato muito técnico e de futuro: Fabio Cannavaro. Nas laterais, um francês forte e coeso na marcação, Thuram, e o italiano Vanoli. No meio de campo, Boghossian, o ídolo Dino Baggio, Fuser e o argentino Verón davam as cartas e as bolas para a dupla de ataque Chiesa e Crespo fazerem a festa. O Parma conseguia, depois de algum tempo, montar um time melhor que aquele dos primeiros anos da década. A saída dos símbolos da geração anterior nem foi sentida, e os novos craques comandados por Malesani já mostrariam serviço logo na primeira temporada do treinador no clube.

Um revés com bons momentos

O Parma tinha um timaço naquela temporada 1998-1999, mas, de novo, o time não conseguiu ir tão longe quanto o desejado no Campeonato Italiano. A equipe terminou na quarta colocação com 15 vitórias, 10 empates e nove derrotas em 34 jogos, marcando 55 gols e sofrendo 36 – a terceira melhor defesa. No entanto, a equipe teve momentos mágicos e jogos com uma enxurrada de gols, como o 5 a 3 pra cima do Empoli e o 6 a 3 no Piacenza, ambos fora de casa.

Contra os grandes times da época, o Parma mostrou autoridade dentro de casa e derrotou Inter (1 a 0), Juventus (1 a 0), Fiorentina (2 a 0) e Milan (campeão daquela temporada) com inesquecíveis 4 a 0, gols de Crespo (2), Chiesa e Boghossian. Fora de casa, o time também deu show contra Inter (3 a 1) e Juventus (4 a 2). Foi uma pena aquele esquadrão não ter ficado com a taça, culpa das derrotas e empates inesperados dentro de casa com equipes como Bologna, Cagliari, Piacenza, Venezia e Vicenza.

Parmenses voltaram a levantar a Coppa Italia

Durante a competição, a dupla de ataque Crespo-Chiesa mostrou muito entrosamento e fez a alegria da torcida, com Crespo sendo o artilheiro do time no Campeonato com 16 gols. Sem o scudetto, o Parma mostrou mesmo que sua mística era em copas. E foi nelas que o clube ia voltar a fazer história.

Na Coppa Italia, o Parma foi preciso e letal. Eliminou Genoa, Bari, Udinese e Internazionale (com duas vitórias, 2 a 1 e 2 a 0) no caminho até a final. Nela, a rival foi a Fiorentina de Batistuta e Rui Costa. No primeiro jogo, em Parma, empate em 1 a 1. Na volta, em Florença, Crespo e Vanoli marcaram os gols do novo empate entre as equipes, 2 a 2, mas que garantiu o título ao Parma pelo critério de gols marcados. Era o bicampeonato dos gialloblù na competição, que se somava ao caneco de 1991-1992. Mas aquela taça era apenas o aperitivo do grande troféu que ainda viria…

Europa, o xodó

Na Copa Uefa de 1998-1999, o Parma estreou com o pé esquerdo diante do Fenerbahçe ao perder por 1 a 0 a partida de ida. Na volta, jogando em casa, o time deu a volta por cima e venceu por 3 a 1, gols de Crespo, Boghossian e Saffet, contra. Na fase seguinte, empate em 1 a 1 na Polônia contra o Wisla Cracóvia e vitória por 2 a 1 em casa, gols de Fiore e Zajac, contra. Nas oitavas de final, a equipe eliminou o Glasgow Rangers com um empate em 1 a 1 na Escócia e vitória por 3 a 1 em casa, gols de Balbo, Fiore e Chiesa.

Crespo: um dos maiores atacantes da história do Parma

O adversário seguinte foi o Bordeaux, que venceu o Parma no primeiro jogo por 2 a 1. Porém, na volta, a equipe italiana deu um espetáculo para sua torcida ao golear os franceses por 6 a 0, com gols de Crespo (2), Chiesa (2), Verón e Balbo. A apoteose de gols deixou o time entusiasmado e pronto para vencer o torneio pela segunda vez em apenas quatro anos.

Na semifinal, duelo contra o Atlético de Madrid, do brasileiro Juninho Paulista. No primeiro jogo, no Vicente Calderón, Chiesa (2) e Crespo mostraram o cartão de visitas do Parma e deram a vitória fora de casa para a equipe italiana pela primeira vez na competição: 3 a 1. Na volta, no Ennio Tardini, Balbo e Chiesa marcaram os gols da vitória por 2 a 1 que colocou o Parma na final. Era hora de tentar mais uma conquista europeia diante dos franceses do Olympique de Marselha.

Show dos bicampeões

A final da Copa Uefa 1998-1999 foi disputada no estádio Luzhniki, em Moscou. Enquanto o Parma tinha força máxima para o confronto, o OM sofreu com a ausência de quatro jogadores fundamentais durante a campanha do time francês: Ravanelli, Gallas, Dugarry e Jambay não puderam enfrentar o Parma por conta de suspensões, principalmente após a partida semifinal contra o Bologna, que terminou em pancadaria.

Cannavaro, capitão do time, levanta a taça

Sem o quarteto, o OM foi presa fácil para o Parma. Com domínio total da partida, os italianos abriram o placar aos 26 minutos com Crespo. Dez minutos depois, Vanoli apareceu de surpresa no ataque e fez o segundo. Na segunda etapa, logo aos 10, Chiesa acertou um chutaço e decretou a goleada: 3 a 0. O Parma era, pela segunda vez em quatro anos, campeão da Copa Uefa.

Era o título internacional tão merecido a um time talentoso, forte e difícil de ser batido. O clube provava mais uma vez ser o verdadeiro “rei de copas” da Itália naquela década. Mas aquele esquadrão dos sonhos iria durar apenas mais uma temporada.

Nova taça e o fim

Na temporada 1999-2000, o Parma começou bem ao conquistar a Supercopa da Itália vencendo o Milan em pleno San Siro por 2 a 1, gols de Crespo e Boghossian. Mas aquele seria o único grande momento do time. No Campeonato Italiano, a equipe ficou na quinta colocação, mesmo com Crespo infernal no ataque (o argentino fez 22 gols naquela temporada), e se classificou novamente à Copa Uefa.

O time sofreu com a saída de Verón e se mostrou inconstante, a ponto de ser goleado em casa para a Fiorentina (4 a 0) e levar uma surra de 5 a 1 da Inter fora de casa. Na Liga dos Campeões, o time foi eliminado logo na fase preliminar pelo Rangers e na Copa Uefa caiu nas oitavas de final diante do Werder Bremen. A falta de sentimento com a cidade e a incapacidade de levar o time ao título nacional custaram, em 2001, a saída de Alberto Malesani do Parma. Para piorar, os craques começaram a deixar o clube e apenas mais um título seria conquistado (a Coppa Italia de 2002), já sem a legião de craques de outrora. O escândalo da Parmalat na virada do século provocou sérios danos ao clube, que faliu e foi renomeado Parma Football Club em lugar de Parma Associazione Calcio.

A torcida parmense espera que o time volte a ser como antes e recupere a força que o fez grande na Itália e na Europa por quase uma década. Mas será bem difícil. Enquanto a volta por cima não acontece, resta apoiar o time, que tem feito campanhas honrosas na Serie A, e recordar as partidas marcantes de um time histórico.

Os personagens:

Gianluigi Buffon: estreou com apenas 18 anos no Parma e não saiu mais do time. Seguro, ágil, talentoso e uma barreira quase intransponível em dias iluminados, Gigi Buffon foi um dos grandes craques do time na época e a maior revelação do clube italiano na história, sem dúvida alguma. Depois de conquistar títulos e brilhar, Buffon foi contratado pela Juventus em 2001 e deixou carente a torcida gialloblù. O resto todo mundo já sabe: virou o maior goleiro do mundo e campeão mundial pela Itália em 2006. Um craque imortal.

Lilian Thuram: nascido em Guadalupe, Thuram foi um monstro na lateral direita do Parma naqueles anos, bem como na seleção da França campeã do mundo em 1998. Thuram se dava muito bem em disputas físicas e impunha respeito ao chegar junto dos atacantes e pontas. Depois de brilhar no Parma, também foi contratado pela Juventus, onde continuou jogando em alto nível.

Antonio Benarrivo: um símbolo do Parma, o lateral-direito Benarrivo esteve presente em todos os melhores momentos da história do clube, de 1991 até 2004. Polivalente, jogava nas duas laterais e ajudava tanto na marcação quanto no ataque. Seu futebol de qualidade o levou à Copa do Mundo de 1994, quando a Itália foi vice-campeã mundial.

Roberto Néstor Sensini: o “boquita” foi um dos maiores defensores do futebol mundial na década de 90 e um dos melhores jogadores argentinos da história. Sério e muito comprometido taticamente, o craque foi um dos principais jogadores do Parma entre 1994 e 1999, período em que venceu quatro títulos, três deles internacionais. Na equipe italiana, Sensini podia jogar como zagueiro ou volante, dependendo das circunstâncias do jogo.

Fabio Cannavaro: o capitão do tetracampeonato mundial da Itália em 2006 e Melhor Jogador do Mundo no mesmo ano começou sua carreira no Napoli, mas foi no Parma que Fabio Cannavaro despontou de vez como um dos melhores defensores da história. Técnico, com uma impulsão notável e um tempo de bola fantástico, formou ao lado de Sensini uma zaga histórica na temporada 1998-1999. Jogou tanto que o Parma ficou pequeno demais para ele. Em 2002, foi para a Inter e, depois, para a Juventus, até viver seus últimos momentos de brilho no Real Madrid. Foi fundamental para os títulos de 1999.

Paolo Vanoli: o lateral-esquerdo foi um verdadeiro cigano. Começou no Varese e passou por vários clubes até chegar ao Parma em 1998. Caiu como uma luva no esquema do técnico Malesani e deu muita qualidade ao setor defensivo do time, aparecendo, também, no ataque. Em 2000, continuou sua peregrinação pelo mundo da bola e deixou a cidade de Parma para jogar em Florença, depois em Bolonha, depois em Glasgow…

Luigi Apolloni: foi outro bom defensor do Parma entre 1987 e 2000, mas sofreu em seus últimos anos com contusões. Disputou a Copa de 1994 e foi peça fundamental nas primeiras conquistas do time em 1992 e 1993.

Alain Boghossian: volante muito bom na marcação, o francês Boghossian fez uma temporada impecável em 1998-1999, formando uma dupla entrosada com Dino Baggio. Além de marcar e ajudar a defesa, ainda aparecia no ataque e marcou gols importantes. Esteve junto com o compatriota Thuram na conquista da Copa do Mundo de 1998.

Dino Baggio: sem dúvida, um dos maiores ídolos da história do Parma. Meio-campista raçudo, com espírito de liderança e muito técnico, Dino Baggio foi um dos maiores jogadores da Itália nos anos 90 e um dos mais decisivos também. Armava jogadas, marcava gols e ainda ajudava na marcação do meio de campo, jogando sempre para o time. O craque anotou os gols que deram ao Parma a Copa Uefa de 1995 e fez parte das duas eras de ouro do time, de 1994 a 1995 e de 1997 até 2000. Disputou duas Copas do Mundo pela Itália, em 1994 e 1998.

Diego Fuser: podia jogar como volante, defensor e até mesmo meia pela direita, função esta desempenhada no Parma de Malesani. Brilhou na Lazio antes de chegar ao time amarelo e azul em 1998. Jogou ainda na Roma entre 2001 e 2003 e em várias outras equipes da Itália.

Stefano Fiore: depois de uma curta passagem pelo Parma entre 1994 e 1995, o meio campista Fiore voltou ao clube em 1997 e teve mais chances, mas ainda pouco pelo fato de concorrer com Dino Baggio e companhia. Teve bons momentos em algumas partidas até deixar o clube em 1999 para jogar na Udinese. Viveu seu auge na Lazio.

Juan Sebastián Verón: um dos maiores meio-campistas da Argentina na história, Juan Sebastián Verón foi um ícone dos anos 90 e 2000, capaz de marcar, defender e atacar com a mesma qualidade, técnica e talento de um craque fora de série. Era titular absoluto da seleção da Argentina quando chegou a Lazio em 1999, onde ficou até 2001. No período, foi peça crucial para o a dobradinha na Itália (campeonato e Copa), além dos títulos da Supercopa da Uefa sobre o Manchester United e da Supercopa da Itália sobre a Internazionale. Depois que deixou a Lazio e foi jogar no Manchester, em 2001, perdeu o brilho e só voltou aos bons tempos com a camisa do seu querido Estudiantes, pelo qual levantou a Libertadores de 2009.

Ariel Ortega: depois de ser considerado o “sucessor” de Maradona graças as suas atuações de gala pelo River Plate entre 1991 e 1997, Ortega chegou ao Parma em 1999 após passagens por Valencia e Sampdoria. Chegou para substituir o craque Verón, mas não foi nem sombra do compatriota. Deixou o Parma já em 2000 para jogar novamente no River, para cobrir uma dívida que o time italiano tinha com clube argentino.

Enrico Chiesa: dinâmico, rápido e talentoso, o italiano Chiesa foi um dos grandes atacantes da Itália na década de 90 e viveu anos maravilhosos jogando pelo Parma. Ao lado de Crespo, fez uma dupla infernal e marcou vários gols, seja no Campeonato Italiano, seja nas competições internacionais que o clube disputou entre 1996 e 1999. Autor de um golaço na final da Copa Uefa de 1999, Chiesa deixou o Parma no mesmo ano para jogar na Fiorentina. Foi ídolo e um dos grandes nomes na história do Parma.

Abel Balbo: o argentino não repetiu o desempenho do compatriota Crespo e foi apenas regular no Parma entre 1998 e 1999. Fez gols importantes na campanha do título da Copa Uefa de 1998-1999, mas foi um reserva com poucas chances diante dos entrosados Chiesa e Crespo. Sua melhor fase já havia passado: foi entre 1992 e 1995, quando brilhou pela Udinese e Roma.

Hernán Jorge Crespo: típico centroavante matador, Hernán Crespo chegou ao Parma, em 1996, como uma verdadeira estrela do futebol mundial após dar o título da Libertadores para o River Plate naquele ano. Depois de um período fraco no clube italiano, o argentino se reencontrou com a chegada do técnico Malesani e deslanchou de vez ao lado de Chiesa. Foi o artilheiro da equipe naqueles anos dourados e marcou gols importantíssimos, inclusive na final da Copa da Uefa de 1999. Deixou o Parma em 2000 após uma negociação milionária no valor de £35 milhões para jogar na Lazio, onde foi o artilheiro da Serie A de 2001 com 26 gols.

Alberto Malesani (Técnico): foi no Parma que Alberto Malesani conquistou suas primeiras e únicas glórias na carreira de treinador. Foram três títulos e a lembrança eterna da torcida de uma equipe encantadora, com craques em todas as posições do campo. Seu único “porém” foi não ter vencido o scudetto mesmo com um timaço em mãos. Isso pesou para sua saída em 2001. Mesmo assim, fez história como o último técnico multivencedor do clube.

Conteúdo do blog Imortais do Futebol. Leia mais sobre times, seleções, jogadores, técnicos e jogos que marcaram época no futebol mundial aqui.

Deixe um comentário