Serie A

1ª rodada: Vencer ou morrer

Novo pilar da Juventus, Tévez estreou fazendo gol na Serie A (Reuters)

A primeira rodada da Serie A passou no teste. No início do campeonato os times ainda estão se acertando e é raro ver bom futebol. Porém, desta vez as equipes foram a campo determinadas a ganhar e o resultado disso é que apenas um jogo terminou empatado – e, mesmo assim, com 0 a 0, teve boas chances de gol para as duas equipes. Nesta 1ª rodada, os destaques ficam para a bicampeã Juventus, que estreou com vitória, e também para Napoli, Inter, Lazio, Fiorentina, Roma e Verona. Acompanhe o resumo da abertura do campeonato.

Sampdoria 0-1 Juventus

Depois do gol na estreia
oficial, na Supercoppa contra a Lazio, poucos roteiros poderiam cair
melhor para a estreia oficial de Tévez na Serie A: fazer  o gol da
vitória. Contra uma fosca, mas valorosa Sampdoria, a Juventus fez o
necessário para conseguir uma vitória que não conseguiu nas duas
partidas da temporada passada, vencendo por 1 a 0 em Gênova. Como vem
acontecendo desde a chegada de Conte ao comando juventino, a Juve não
teve dificuldades para dominar a partida. A (esperada) diferença é que,
agora, aparentemente, a cereja está no topo do bolo.

No primeiro tempo, as chances foram escassas para as duas formações. O preciso
meio-de-campo juventino, como de praxe, funcionou extremamente bem e até
criou algumas oportunidades, mas a também bem postada defesa
blucerchiata se segurou na primeira etapa. Mas a barreira doriana não suportou por muito tempo.
Bastaram 13 minutos da etapa complementar para o ótimo
Pogba fazer uma excelente trama com Vidal, receber em profundidade na
área e, na saída do goleiro brasileiro Júnior Costa, dar meio gol
para o argentino, que só empurrou para as redes. A Samp até que
conseguiu criar, seis minutos depois, uma chance e fazer um gol de
empate, porém, Costa estava em impedimento, na cobrança de falta.
Treinador e capitão da Samp deixaram a partida falando em otimismo para a
temporada. O torcedor bianconero, que vê no novo camisa 10 uma grande
esperança, também. (Thiéres Rabelo)

Napoli 3-0 Bologna

A estreia oficial de Benítez no comando do Napoli não poderia ser melhor. O técnico viu seu time atropelar o Bologna e, ainda por cima, a boa participação de novos contratados, que foram titulares no lugar de jogadores nascidos em Nápoles – Albiol e Callejón nos lugares de Cannavaro e Insigne. O grande craque do jogo foi Hamsík, elevado à condição de capitão com o fato de o real líder do time, Cannavaro, ter sido barrado por Benítez. O eslovaco, que assumiu o comando técnico do time após a saída de Cavani marcou dois gols, participou de outro, e ainda criou muitas jogadas. Higuaín, por sua vez, não se mostrou adaptado ao time e pouco foi visto.

O primeiro gol do Napoli nesta Serie A não teve novidades em relação ao da temporada anterior: jogada de Hamsík e conclusão do camisa 7, que agora é Callejón, e não Cavani. O espanhol ainda acertou a trave e fez um ótimo primeiro tempo. Ainda antes do intervalo, Hamsík fez o segundo, após receber passe de Zúñiga e driblar Curci. No segundo tempo, Callejón e Higuaín tiveram chances, mas foi Hamsík que guardou o terceiro, com um chute forte. Com o 3 a 0 no placar, os napolitanos até chegaram a marcar novamente, com Mertens, mas o gol foi bem anulado por impedimento. A defesa azzurra teve destaque, pela solidez, e passou sem problemas por Diamanti e Bianchi. (Nelson Oliveira)

Inter-Genoa 2-0
Na
despedida de Stankovic, uma Inter consistente como a muito tempo não se
via no Meazza, lembrando até mesmo a sobriedade daquela com o sérvio no
losango do meio-campo de Mancini e Mourinho. Bem, o fato é que a Inter
de Mazzarri apresentou uma superioridade e equilíbrio que não se
esperavam já na estreia (o próprio técnico ficou surpreso), e bateu o Genoa do
debutante Liverani. O
resultado só foi construído no segundo tempo, isso porque no primeiro
tempo a Inter teve o domínio da posse de bola e “espremeu” o Genoa em
seu campo, porém não conseguiu ter amplitude com os alas e os
meio-campistas. De positivo ficou a atuação da
defesa, muito segura e firme: Campagnaro saia à caça e
Ranocchia se sobressaía na cobertura, não permitindo um contra-ataque
do Genoa – Handanovic sequer fez uma defesa nos 90 minutos.
No
segundo tempo, com a mudança de atitude e a entrada de Icardi no lugar
de Kuzmanovic, a equipe de Mazzarri passou a chutar mais no gol,
finalizando cinco vezes em dez minutos. Afoito em busca do gol, o time
cresceu e teve mais paciência com a entrada de Kovacic, com este
ajudando a organizar as jogadas criada por Álvarez e Guarín. Mas foi com os
alas que o time chegou ao gol: um cruzamento de Jonathan foi escorado por Nagatomo no segundo pau. Depois de uma bola na trave e duas defesas de Perin – sempre
evitando o pior, como nos tempos de Pescara -, a Inter fechou o placar
em mais uma jogada de Guarín, uma enfiada de bola para Palacio mostrar seu poder de decisão e marcar o terceiro
gol em dois jogos na temporada. Uma estreia que empolga pela
consistência e as entradas de Icardi, Kovacic e Taïder. Segundo
Mazzarri, o time ainda está com 60% de desenvolvimento. O que deixa margem para que os interistas pensem em um bom futuro. O Genoa ainda tem o que evoluir, e perder o medo de ir para cima. (Arthur Barcelos)

Verona 2-1 Milan
Em um jogo que começava com possibilidade de polêmicas, já que Verona e Milan tem alguma rivalidade e por uma parte da torcida veronesa ser ligada a movimentos de ultra-direita e racistas e poder atacar Balotelli, nada de grave aconteceu fora de campo. Dentro dele, o Milan saiu na frente, mas Luca Toni foi lá e, zás!, meteu dois gols para virar o jogo e somar três pontos ao Verona, que retornou à elite após passagem pela segunda divisão.

Logo no início do jogo, Rafael conseguiu salvar o Hellas com boa defesa em chute de Balotelli, após finalização por cima do gol de Montolivo. Porém, aos 14 minutos, Poli recebeu de Super Mario e chutou fora do alcance do goleiro, abrindo o placar. Ainda na primeira etapa, Toni subiu atrás de Constant para empatar o jogo. Foi o 15º gol em aberturas de temporada do veterano artilheiro de 36 anos. Na segunda etapa, o Verona permaneceu melhor, nos 15 minutos iniciais, e conseguiu marcar o gol da vitória: cruzamento da direita, Zapata ficou perdidão e Toni, soberano, subiu sozinho para cabecear longe de Abbiati. Pelo lado do Verona, destaque para os brasileiros Rômulo e Raphael Martinho, que correram em dobro e fizeram ótima partida. (Murillo Moret)

Fiorentina 2-1 Catania
Em uma das partidas mais aguardadas da primeira rodada, Fiorentina e Catania fizeram o esperado: um bom e intenso jogo de futebol. Com estilos parecidos, os dois times tentavam impor um jogo de técnica e velocidade, baseado na posse de bola. Melhor para a Fiorentina, que jogou em casa e viu Cuadrado desequilibrar a partida, ganhando quase todas de Monzón. No 2 a 1, destaque também para Rossi, que voltou a marcar um gol depois de quase dois anos – o último havia sido em outubro de 2011.

Logo no início, Rossi marcou um gol difícil, com muitos adversários sobre a linha do gol, após bela jogada de Cuadrado. Pouco depois, os etnei empataram com Barrientos, após falha de Pizarro. O chileno se redimiu com um golaço ainda na primeira etapa, decidindo o jogo. Gómez ainda teve a chance de deixar o seu, mas acertou a trave, mesmo com o gol aberto. Para a Fiorentina, que teve uma partida burocrática do seu trio de meias, ficou a lição: Cuadrado está chamando mais a responsabilidade e é por ali que o time pode ganhar jogos difíceis, apelando para a velocidade e a técnica do colombiano, que desestabilizam as defesas. E, claro, com os cruzamentos para Gómez. (NO)

Livorno 0-2 Roma
A estreia da Roma no campeonato animou
os torcedores do clube da capital. O time de Rudi Garcia mostrou
personalidade e conquistou boa vitória, por 2 x 0, contra o Livorno,
fora de casa. Redesenhada pelo treinador francês em um 4-3-3, a equipe
mostrou solidez defensiva e bom toque de bola do meio para frente.
Destaque positivo para a grande partida de De Rossi, que deixou a
desejar na última temporada. Quem também foi Florenzi, que deve ganhar vaga de titular após a venda de Lamela ao Tottenham. Maicon, estreando pela equipe romana, também merece menção positiva.
Os gols saíram no segundo tempo, depois que o
técnico trocou Borriello por Gervinho. Com o marfinense em campo, Totti
ficou centralizado na linha de três do ataque e a equipe ganhou em
velocidade pelas pontas. De Rossi fez o primeiro gol em belo chute de
fora da área, aos 20 minutos do segundo tempo, e Florenzi ampliou um
minuto depois em outro bonito chute, de primeira, após lançamento longo.
No Livorno, o jovem goleiro Bardi foi destaque, com ótimas defesas. A curiosidade do jogo ficou para o técnico Garcia usando o telefone no
banco de reservas, durante um primeiro tempo. Ele costuma fazer isso
para consultar seu auxiliar técnico, Bompard, mas vai ter que mudar de
hábito, porque a atitude é proibida na Itália. (Rodrigo Antonelli)

Lazio 2-1 Udinese

Um bom início de temporada nacional seria ótimo para os dois times: a Lazio vinha de derrota por 4 a 0 para a Juventus na Supercoppa; a Udinese, por sua vez, tinha sido vencida pelo Slovan Liberec no Friuli por 3 a 1. No fim da partida disputada no Olímpico, melhor para os donos da casa. Candreva começou infernal e criou duas chances de gol nos primeiros 10 minutos. Ele quase acertou o gol, na primeira, e cruzou para González cabecear pra fora quase na sequência. Sem Brkic até novembro por conta de uma lesão no ombro, a Udinese tinha Kelava no gol. Primeiro, ele não conseguiu salvar o chute poderoso de Hernanes, que marcou 1-0 para o time da casa. Depois, cometeu pênalti bobo sobre Klose, convertido por Candreva.

No tempo complementar, a Udinese foi melhor que a Lazio e conseguiu descontar com Muriel, mas não foi suficiente. A Lazio se fechou bem na defesa, Lazzari não conseguiu armar os friulanos com eficiência e Novaretti fez uma partida bem aceitável em sua estreia no campeonato, ao lado de Cana. Quem foi mal foi André Dias, que substituiu o meia albanês, improvisado na zaga, após o intervalo e entregou a rapadura para Maicosuel. A sorte da Lazio é que, com o gol quase vazio, Zielisnki isolou, por causa de um montinho artilheiro, que desviou a trajetória da bola na hora em que ele concluía a gol. (MM)

Torino 2-0 Sassuolo

Após o vexame da eliminação da Coppa Italia para o Pescara,
o Torino estreou na Serie A com uma importante vitória contra o novato Sassuolo.
Renovado após a saída de Bianchi, Ventura apostou em um ataque mais rápido,
formado pela dupla Cerci e Immobile. No meio-campo, o veterano Vives deixou no banco o jovem Bellomo, tido como uma das boas promessas do país. Por outro lado, Di
Francesco não se acanhou a escalou os neroverdi com três atacantes, tendo
Farias e Masucci fazendo companhia à Zaza.
Em campo, porém, faltou ofensividade. Foram poucas chances
até o gol de Brighi, já no final do primeiro tempo. O ex-romanista recebeu de
Immobile e acertou um chute rasteiro no canto de Rosati. Na segunda etapa, o jogo pouco mudou. Poucas chances, quase sempre de longa distância, mas em um lance
de inspiração, Cerci acertou um belo chute no canto direito do goleiro
neroverde para definir. Passada a ansiedade da estreia, o Sassuolo se soltou e
mostrou que tem potencial para fazer bons jogos, embora já tenha perdido pontos
contra um concorrente direto pela salvezza. (Caio Dellagiustina)
Cagliari 2-1 Atalanta
O acordo para o Cagliari voltar a atuar no Sant’Elia já está
pronto, mas o retorno ao estádio será apenas em outubro. Enquanto as reformas
não ficam prontas, os sardos, seguem
atravessando a Itália para jogar no Nereo Rocco, em Trieste. Mas, mesmo longe de casa, os
rossoblù obtiveram um importante triunfo contra a Atalanta. O Cagliari não tinha reforço expressivo, mas ia com uma novidade: o técnico Diego López enfim foi liberado para assumir o comando do time, que já exercia na última temporada, embora a falta de licença colocasse seu auxiliar, Ivo Pulga, como treinador do time no papel. Em campo, o time
sardo começou melhor, criando oportunidades com Sau e Conti, mas foi a Atalanta
que abriu o placar, com Stendardo de cabeça. A torcida bergamasca nem teve
tempo de comemorar pois no minuto seguinte, o cobiçado Nainggolan empatou com
um certeiro chute da entrada da área, após passe açucarado de Sau.
Daí para frente, a equipe de Colantuono pouco agredia e o tridente ofensivo
formado por Denis, Livaja e Bonaventura foi improdutivo. Por outro lado a dupla
do Cagliari, Pinilla e Sau, infernizou a zaga da Atalanta. E a promessa italiana
teve a chance da virada após deixar para trás Stendardo, mas finalizou por cima
da meta de Consigli. O gol da vitória saiu pouco depois, após grande passe de
Pinilla, Murru recebeu na área e cruzou para Cabrera que só teve o trabalho de
escolher o canto e virar o jogo para o Cagliari. A Atalanta buscou o empate,
mas na melhor chance, Livaja parou na trave. (CD)

Parma-Chievo 0-0
Ao contrário do que o placar indica, jogo bem movimentado no Ennio Tardini. No seu 3-5-2
que mais parece 4-3-3 para liberar os atacantes Biabiany, Amauri e
Cassano, Donadoni viu sua equipe ter o domínio da posse de bola – o que
não significou muito, já que na maior parte a bola ficou nos pés dos defensores
Cassani, Felipe, Lucarelli e Gobbi. O time parmiggiano foi muito dependente de Cassano
para criar alguma chance realmente perigosa, e até conseguiram. Bem em sua estreia na Serie
A com a camisa dos crociati, FantAntonio foi quem mais driblou e deu
passes para finalizações: duas para Amauri, uma para Biabiany e outra
para Lucarelli, todas esbarrando nas defesas de Puggioni – a sobre o meia francês, no final do jogo, garantiu o empate.

Por sua vez, o Chievo de Sannino fez bem o que se propunha: jogar com as duas de quatro linhas recuadas, contra-atacar
pelos lados e centrar para os atacantes e, nas únicas três oportunidades que Paloschi (duas) e Théréau (uma)
tiveram, lá esteve Mirante para manter o zero no placar dos anfitriões.
Sem grandes perspectivas no campeonato, um resultado normal para o jogo do qual menos se esperava na rodada de abertura desta Serie A 2013-14.
Com o empate, Parma e Chievo ocupam o meio da tabela, onde deverão ficar
até o fim do campeonato se nada “sobrenatural” acontecer. Na 2ª rodada, os times enfrentam duas paradas duras: os vênetos recebem o Napoli,
enquanto os emilianos vão enfrentar uma Udinese engasgada.
(AB)

Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Bardi (Livorno); Rômulo (Verona), Campagnaro (Inter), Albiol (Napoli), Zúñiga (Napoli); Cuadrado (Fiorentina), Candreva (Lazio), Pogba (Juventus), Hamsík (Napoli), Florenzi (Roma); Toni (Verona). Técnico: Andrea Mandorlini (Verona).

Deixe um comentário