Serie A

6ª rodada: Liderança eterna na Cidade Eterna?

Roma mostra força com novo técnico e reforços: seis vitórias não são por acaso (AP)

É uma Roma dos sonhos. Em seis partidas, a equipe treinada por Rudi Garcia emplacou seis vitórias convincentes, com placares de dois ou mais gols a favor em todas as ocasiões. Soberana, a equipe romana é líder da Serie A com méritos e sem discussão. E já entrou para a história, igualando um feito que apenas a Inter havia atingido, em 1967.

Acompanhe o resumo da 6ª rodada, mas lembre-se: na próxima rodada, as duas maiores surpresas do campeonato, Roma e inter, se enfrentam em Milão, e a Beneamata terá sede para quebrar os 100% de aproveitamento dos romanos. Juventus e Milan fazem um jogo de dois times em baixa, mas muito aguardado, e Lazio e Fiorentina também entram em campo com as atenções voltadas para um duelo de times em busca de recuperação.

Roma 5-0 Bologna
A Roma de Rudi Garcia continua encantando. Com mais uma boa vitória, dessa vez sobre o Bologna, a equipe da capital mantém os 100% de aproveitamento na Serie A, além de ostentar o melhor ataque (17 gols marcados) e a melhor defesa (apenas um sofrido) do campeonato. Antes da Roma, somente a Inter de Milão de 1967 havia conseguido vencer os seis primeiros jogos tendo levado só um gol. A equipe do técnico francês já está na história e se firma, cada vez mais, como candidata ao scudetto, com futebol bonito e equilibrado.

A dupla de zaga Benatia-Castán inspira tanta confiança que o goleiro De Sanctis quase não precisou trabalhar ainda. Foram apenas oito chutes contra sua meta nos seus primeiros jogos. No meio, De Rossi e Strootman desequilibram, enquanto Florenzi, Totti e Gervinho resolvem na frente. Este último foi o melhor contra o Bologna, autor de dois gols e movimentação incansável. Totti deu duas assistências e é notável sua disposição por estar atuando com um time competitivo de novo. Florenzi, Benatia e Ljajic (que sempre entra bem, mostrando força também no banco giallorosso) foram os outros que ajudaram a acabar com a equipe da Emília-Romanha, que agora ocupa a 18ª colocação. Vale destacar, ainda, o bom mercado dos romanos: 10 dos 17 gols do time foram marcados por novos reforços. (Rodrigo Antonelli)

Torino 0-1 Juventus

Mais um jogo da Juventus, mais uma vitória com a ajuda da arbitragem. Contra o Chievo, na rodada passada, o bandeira marcou impedimento inexistente de Paloschi em gol legal. Ante o Torino, no Olímpico, o tento solitário de Pogba tinha de ser invalidado. No primeiro tempo só deu Torino – mas Buffon sequer trabalhou. O time da casa se defendeu muito bem ao colocar El Kaddouri grudado em Vidal, Brighi em Marchisio e recuar Immobile para marcar Pogba. Assim, a Juventus ofereceu nenhum perigo em jogadas pelo meio, com exceção de um tiro fraco de longa distância realizado pelo francês. Os zagueiros bianconeri precisavam avançar até a linha central para fazer o passe – errado – ou lançar diretamente para o goleiro Padelli.  

Na segunda etapa, no entanto, a Juventus conseguiu jogar. Logo nos primeiros minutos, Tévez tirou tinta do travessão ao chutar de fora da área. Giovinco não marcou porque Padelli fez excelente defesa em jogada trabalhada pelo argentino e Marchisio. Eis que o gol ilegal vem à tona: cruzamento para a área, Tévez, em posição de impedimento, desvia, a bola bate no travessão e sobra para Pogba balançar a rede. O assistente que cansou de marcar impedimentos de Cerci na primeira etapa deixou o jogo seguir. Padelli ainda conseguiu realizar mais uma excelente defesa em um voleio de Vucinic, e o Torino seguiu sem levar perigo a Buffon. Pouco demais para um clássico. (Murilo Moret)

Genoa 0-2 Napoli

Após
o vacilo na quarta-feira contra o lanterna do campeonato, o Napoli de
Benítez mostrou a força de seu elenco, mesmo sem Hamsík e Higuaín (este entrou no segundo tempo e não estará disponível
contra o Arsenal, nesta terça). Após bater o Genoa na Ligúria, subiu para o
segundo posto, com melhor saldo de gols do que a Juventus, e não deixou a Roma
abrir vantagem, que permanece em 2 pontos. Quanto aos anfitriões, a aventura de
Fabio Liverani em seu primeiro trabalho como treinador profissional não
durou mais do que três meses – para seu lugar foi contratado Gian Piero
Gasperini, que volta para “casa”. O piemontês trabalhou por quatro anos no clube do
inconstante Enrico Preziosi e retorna depois de três anos.

No
Marassi, um jogo equilibrado e com poucas emoções. Foram apenas 5
chutes “no alvo”, dois do time da casa e três dos visitantes. Dois
destes pararam no fundo das redes de Perin, todos no primeiro
tempo. Aos 14 minutos, Insigne arrancou pela esquerda e buscou Pandev com passe em profundidade, porém Kucka chegou antes e
facilitou ainda mais a vida do macedônio, que ainda limpou o marcador e
finalizou firme, abrindo o placar. Aos 25, a boa trama entre o quarteto
ofensivo partenopeu resultou na doppietta de Pandev: Callejón
passou para Insigne, este esperou o estreante Zapata puxar a
marcação e abrir espaço para a infiltração de Pandev, e o camisa 19
fechou o placar. (Arthur Barcelos)

Cagliari 1-1 Inter

Poupando alguns titulares, a Inter viu seu futebol cair frente ao Cagliari, e dois importantes pontos na disputa por vagas europeias (ou, se ambições se confirmarem, o título), ficarem pelo caminho. Jogando em Trieste, a equipe de Milão entrou em campo 64 horas depois da vitória sobre a Fiorentina, na quinta, o que provocou a ira de Walter Mazzarri, pela falta de descanso aos seus comandados. Seja por falta de descanso, falta de entrosamento ou apenas um dia ruim, a Inter jogou mal, apesar de pressionar na maior parte da partida.

No primeiro tempo, a Inter ficou refém de uma partida abaixo das expectativas de Álvarez, que esteve muito bem nos outros jogos de 2013-14. Pelo lado direito, Nagatomo o auxiliava bem, mas Pereira não aparecia bem no lado oposto. No comando do ataque, Belfodil até tentou, mas encontrou dificuldades. Na segunda etapa, Álvarez deu lugar a Icardi, e o time mudou pouco. Na base do abafa, Pereira marcou, mas uma falta de Belfodil já havia sido marcada – e nem se pode falar de gol anulado. A entrada de Palacio no lugar do atacante argelino deu nova força à Inter, que pressionou e marcou, com Icardi, aos 30. Oito minutos depois, Nainggolan chutou e, com desvio em Rolando, empatou, em uma das poucas chances sardas na partida. Até o fim do jogo, a Inter buscou o segundo, mas saiu de mãos abanando. Melhor para os rossoblù, que conseguiram atrapalhar a vida de outra equipe grande, após arrancar um pontinho também contra a Fiorentina. (Nelson Oliveira)

Milan 1-0 Sampdoria     
Em noite que teve Robinho como protagonista e o menor público da “era
Berlusconi” (apenas 23.372 pessoas), o Milan conseguiu uma apertada vitória contra a
Sampdoria. Tendo a responsabilidade de ser a grande estrela do time, uma vez
que Kaká, Balotelli, Montolivo e El Shaarawy estavam de fora, o brasileiro fez
uma de suas melhores partidas com a camisa rossonera criando as melhores
jogadas, dando assistência para Birsa, que fez o gol no começo da segunda
etapa, e perdendo um gol incrível. Com os três pontos, o Milan além de saltar
para a 9ª colocação, ganhou moral para encarar a dura sequência contra Ajax,
pela Champions League, e o clássico contra a Juventus, na próxima rodada.
Em
campo, um primeiro tempo fraquíssimo, com a melhor chance
milanista criada por Robinho, que fez um belo cruzamento para Constant
arrematar
de primeira, com perigo para o gol do brasileiro Júnior Costa. O gol saiu no
início
da segunda etapa. Birsa recebeu de Robinho e da entrada da área, acertou
um
chute rasteiro no canto esquerdo do goleiro blucherchiato. Na sequência,
Robinho perdeu um
gol incrível, mesmo estando a poucos centímetros da linha do gol. Tendo
dado um mísero chute a gol durante todo o jogo, a Samp pouco fez para
merecer sequer um empate e segue na zona de
rebaixamento. Com apenas uma vitória nos últimos 17 jogos, o trabalho de
Dellio
Rossi é colocado em xeque, enquanto Massimiliano Allegri teve um fim
de semana
de tranquilidade. (Caio Dellagiustina)

Fiorentina 2-2 Parma
Em um jogo movimentado, a Fiorentina deixou mais pontos escapulirem nos últimos minutos. Depois de vacilar e ceder o empate em casa, contra o Cagliari, na 3ª rodada, desta vez o time virou o placar contra o Parma e, nos acréscimos, por causa de um erro primário do goleiro Neto e do zagueiro Rodríguez, teve de se contentar com o empate. A não contratação de um goleiro mais experiente e confiável, e também de um zagueiro com mais qualidade já custaram cinco pontos à equipe. Pode fazer falta.

Já deu para notar que a Fiorentina confia demais no seu poderoso ataque, mas, além de Gómez, Rossi também se machucou e deve ficar de fora ao menos do próximo jogo, em Roma, contra a Lazio. Por outro lado, o jovem Rebic entrou bem no jogo e Vargas, que ganha nova chance em Florença, também – o peruano até fez um gol, com assistência do croata. Rodríguez, que nem sempre é impecável na defesa (falhou no primeiro gol, também), ao menos é um zagueiro-goleador, e deixou o seu. Mas o Parma, aplicado taticamente, aproveitou a fragilidade do lateral Alonso, e viu Biabiany ser letal nas subidas pelo flanco direito, de onde surgiu o segundo gol. No meio-campo, um incansável Gargano recuperou diversas bolas, ganhou o duelo com Borja Valero, e ainda marcou um gol. Com mais dias assim, os parmiggianos podem sonhar com uma vaga na Liga Europa. Se jogar assim mais vezes, a Fiorentina pode amargar um fim de temporada com mãos abanando. (NO)

Sassuolo 2-2 Lazio
Pela segunda rodada seguida, o modesto Sassuolo tira pontos importantes dos principais times do campeonato. Depois de tomar uma saraivada da Inter, a equipe de Di Francesco arrancou empate contra o Napoli, no San Paolo, no meio da semana, e voltou a surpreender, alcançando grande empate contra a Lazio, depois de estar perdendo por 2 a 0. No primeiro tempo, a equipe da casa conseguiu manter a posse de bola, mas chegou com perigo apenas duas vezes. A Lazio, pouco ativa na partida, também não incomodou muito e os times saíram para o intervalo com o placar zerado.

Na volta para o segundo tempo, o jogo subiu de ritmo e saíram três gols nos primeiros dez minutos. André Dias e Candreva fizeram para a Lazio, mas Schelotto logo diminuiu. Melhor no jogo, o Sassuolo foi para cima e alcançou o empate aos 32 minutos, com Floro Flores, em bomba de fora da área, mas com colaboração de Marchetti. O time ainda teve a chance da virada, pouco mais tarde, mas Marchetti se redimiu e fez grande defesa em chute do próprio Floro Flores. Gosto amargo para a Lazio e doce para o Sassuolo. O segundo ponto na temporada, porém, não é suficiente para tirar o time da lanterna da Serie A. A Lazio, por sua vez, chega a seu primeiro ponto conquistado fora de casa, mas pouco tem a comemorar, uma vez que poderia ter se aproximado mais dos quatro primeiros colocados. (RA)

Verona 2-1 Livorno



Confronto entre os
recém-promovidos da Serie B. E um bom jogo em Verona, com pouco mais de
30 finalizações (13 no alvo, sendo três gols, é verdade). O time da
casa mais uma vez contou com outro ótimo desempenho do arqueiro Rafael,
além dos jovens Rômulo e Jorginho, juntamente com
Iturbe, em grande tarde no Bentegodi. A vitória coloca o
surpreendente Hellas na sétima colocação com 10 pontos, a apenas um da
zona de classificação para a Liga Europa. Já para o Livorno, nada muito
prejudicial, uma vez que o time vem rendendo bem e, mesmo com a derrota,
vem logo atrás dos gialloblù, com 8 pontos.

O jogo teve um começo eletrizante, indo de acordo com as diferenças políticas das equipes,
especialmente entre os ultrà – os veroneses, de extrema-direita, os livorneses, esquerdistas. No início, o Verona buscou mais o gol, e o Livorno teve o
controle na segunda parte dos primeiro 45 minutos. Toni,
Coda, Paulinho e Siligardi perderam ótimas chances de abrir o
placar, o que só veio a acontecer na cobrança de falta maravilhosa de Iturbe,
aos 40 minutos. O empate, contudo, veio ainda nos acréscimos, com Rinaudo completando escanteio de Greco. Apesar de os
rivais terem voltado com fome pela vitória, o gol do desempate demorou a
sair. Na experiência, Toni conseguiu outro pênalti depois do que
salvara o time no empate com o Torino na quarta. Na cobrança, novamente
Jorginho garantiu pontos preciosos para o time de Andrea Mandorlini.
(AB)

Atalanta 2-0 Udinese
Em Bérgamo, a Atalanta venceu seu segundo jogo na Serie A
graças à Denis, que reencontrou o caminho do gol. O argentino, que ficou
dez jogos sem marcar (cinco nessa temporada e cinco na última), desencantou na
última rodada frente ao Parma, e dessa vez marcou os dois gols da vitória ante a
Udinese, sua ex-equipe. A polêmica do jogo ficou por conta de um pênalti assinalado e depois
anulado corretamente por Piero Giacomelli, auxiliado pelo bandeira Renato Faverani, que
anotou impedimento de Danilo antes da infração, logo no início do segundo tempo.
O jogo se resumiu em ataque da Atalanta e defesa da Udinese.
Desde os primeiros minutos, os comandados de Colantuono partiram para o ataque,
embora nem sempre com tanta eficiência. Com boa movimentação de Bonaventura e
Moralez, a equipe criou as melhores oportunidades, mas parou no consistente sistema
defensivo armado por Guidolin. O gol só saiu no minutos final da primeira etapa,
com Denis, que completou desvio de cabeça de Bonaventura. O mesmo Denis, aos 63, deu um toque na saída de Kelava para definir o marcador. Com a vitória,
os bergamascos se distanciaram da zona de rebaixamento, enquanto a Udinese,
acostumada com a parte de cima da classificação nas últimas temporadas, continua na
metade da tabela. (CD)

Catania 2-0 Chievo
Em um jogo de poucas chances, o Catania venceu o Chievo por 2 a 0 e conseguiu sua primeira vitória nesta Serie A. O goleiro do Ceo, Puggioni, salvou sua equipe logo no começo da partida após finalizações de Bergessio e Barrientos. Contudo, Plasil marcou seu primeiro gol no Campeonato Italiano – um chute de fora da área; o primeiro tento do Catania no Angelo Massimino na temporada. O tcheco contratado junto ao Bordeaux quase ampliou a vantagem, mas o cabeceio passou perto da trave. No outro gol, Andújar trabalhou na finalização de longa distância de Radovanovic.

No segundo tempo, Castro recebeu de Tachtsidis, pela esquerda. O argentino, ex-Racing, cruzou, Bergessio tentou o toque na bola, mas não conseguiu. Puggioni também não defendeu, e o Catania marcou seu segundo gol no jogo. Os defensores do Chievo pediram o impedimento de Bergessio, mas nada foi marcado. Com a partida já decidida, o time mandante poderia ter feito mais um, com Barrientos, mas o meio-campista jogou a bola pra fora ao sair na frente do goleiro adversário. (MM)

Relembre a 5ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui

Seleção da rodada
Rafael (Verona); Nagatomo (Inter), Legrottaglie (Catania), Benatia (Roma), Balzaretti (Roma); Strootman (Roma), Inler (Napoli); Pandev (Napoli), Iturbe (Verona), Gervinho (Roma); Denis (Atalanta). Técnico: Rudi Garcia (Roma).

Deixe um comentário