Serie A

9ª rodada: A Roma dos recordes

Com 9 vitórias nos 9 primeiros jogos, Roma alcança recorde histórico com melhor início de temporada (AP)

Na 9ª rodada, o destaque vai novamente para a Roma, que não cansa de vencer e alcança um recorde histórico na Serie A. Mais abaixo na tabela, Napoli, Juventus, Inter e Lazio reencontraram as vitórias, enquanto a Fiorentina teve dificuldades para bater o lanterna e o Milan decepcionou mais uma vez. Acompanhe o resumo do fim de semana.

Udinese 0-1 Roma

Foi por pouco, mas a Roma conseguiu igualar o recorde histórico de vitórias no início de uma Serie A e, com 9 vitórias em 9 jogos, o time de Rudi Garcia se igualou à Juventus de 2005-06 – que teve o título cassado, é bom lembrar. A tarefa deste domingo era complicada, já que a Udinese não perdia no Friuli pela Serie A desde setembro de 2012. Porém, como a sequência romana é mais tranquila daqui para frente – a equipe joga contra Chievo (casa), Torino (fora), Sassuolo (casa), Cagliari (casa) e Atalanta (fora) –, há grandes chances de a marca ser aumentada e a liderança ser mantida. Hoje, o time tem o melhor ataque da competição, com 23 gols, e a melhor defesa, com um gol sofrido. A marca defensiva é a melhor da Itália em 50 anos, as de Cagliari e Inter em 1966-67.

Neste domingo, foi a Udinese quem chegou perto do gol mais cedo, quando Muriel acertou a trave e quando Leandro Castán precisou cortar uma cavadinha do colombiano quase em cima da linha. Tudo ficou pior quando Maicon foi expulso, aos 21 do segundo tempo, por levar um segundo amarelo bobo. Porém, uma mexida de Garcia mudou a história do jogo: o francês colocou o volante Bradley para segurar o empate, mas o norte-americano apareceu como elemento-surpresa e deslocou Kelava, aos 37, fazendo o gol que decidiu a partida. O alarme fica por conta do ataque: sem Totti e Gervinho, a Roma mostrou que sofre muito e não é o mesmo time, e apresenta dificuldades para criar chances. (Nelson Oliveira)

Juventus 2-0 Genoa

Após a virada histórica sofrida contra a Fiorentina na última rodada, a Juve voltou à campo pela Serie A diante do Genoa e se recuperou com propriedade, fazendo sua melhor apresentação da temporada. Ligado no jogo e bem organizado taticamente desde o início, o time de Conte não deu a menor chance para a equipe visitante e decidiu o jogo ainda no primeiro tempo. Vidal e Tévez assumiram papéis de líderes e comandaram a vitória, marcando os dois gols da partida. Lá atrás, Buffon não precisou trabalhar.  

Escalado por Gasperini no 5-3-1-1, o Genoa jamais se encontrou em campo e deu muito espaço para a Juve. O primeiro gol saiu após pênalti de Biondini em Asamoah. Vidal cobrou e fez, aos 23 minutos. Pouco mais tarde, Tévez recebeu dentro da área, driblou Vrsaljko bonito e mandou para as redes. O placar só não foi maior porque o goleiro Perin estava em noite inspirada e evitou pelo menos mais três gols da Velha Senhora. No segundo tempo, as duas equipes diminuiram o ritmo, pensando já na rodada do meio de semana. (Rodrigo Antonelli)

Napoli 2-0 Torino 

Em casa, o Napoli não teve problemas para superar o Torino e também decidiu o jogo ainda no primeiro tempo. Apesar de não estar em sua melhor tarde, a equipe de Rafa Benítez contou com um Martens muito inspirado. Com boa movimentação, o belga foi o jogador mais perigoso do Napoli durante a partida e sofreu o primeiro pênalti, aos 13 minutos da etapa incial. Higuaín cobrou e abriu o placar. Aos 31, o atacante argentino voltou à marca do 11 metros e ampliou a vantagem, em pênalti mal marcado pelo juiz.  

Fora esses lances, a partida não reservou muitos momentos de emoção para a torcida presente no San Paolo. O Torino não conseguia sair do seu campo de defesa, mas o Napoli também não criava grandes oportunidades. Espectador de luxo do jogo na maior parte do tempo, o goleiro Reina só trabalhou uma vez, já no segundo tempo, em belo chute de Meggiorini. No fim, Basha ainda foi expulso por falta em Pandev. Com 22 pontos, o Napoli continua à caça da líder Roma, enquanto o Torino permanece com 10, na 12ª colocação. (RA)

Inter 4-2 Verona

No jogo mais aberto da rodada, a Inter recebeu o Verona e definiu sua vitória ainda no primeiro tempo, reencontrando os três pontos após dois empates e uma derrota. Com o resultado, a equipe de Milão retoma a 4ª posição, que tinha perdido justamente para os veroneses, na última rodada – já o Hellas cai para a 6ª colocação. Insatisfeito com algumas falhas durante o jogo, o técnico da Inter, Walter Mazzarri, comentou que a equipe poderia ter sido mais segura e também ter mais pontos no campeonato. Porém, o ataque é o melhor, ao lado da Roma (23 gols marcados), e 10 jogadores foram às redes (mesmo número de Roma e Fiorentina). A defesa é que não vai muito bem: já sofreu 11 gols. Campagnaro faz falta.

Em campo, o desequilíbrio entre ataque e defesa foi claramente visto. Enquanto o time marcava de todas as formas, a defesa sofria com o experiente Toni. Três dos quatro gols, de Jonathan, Palacio e Rolando, saíram em jogadas de bola parada, enquanto o outro, marcado por Cambiasso, aconteceu após boa jogada criada por Nagatomo. Do outro lado, Toni realizava um bom trabalho de pivô, e os meias e laterais acompanharam mal quem vinha de trás – foi assim que Raphael Martinho e Rômulo deixaram os seus gols. Algo a se corrigir, de acordo com Mazzarri. O Verona, por sua vez, precisa retrabalhar o posicionamento da defesa nas bolas aéreas e também melhorar seu retrospecto fora de casa. No entanto, o time consegue ameaçar mesmo os grandes, e se mantiver o ritmo, fará um campeonato sem riscos de cair. (NO)

Chievo 1-2 Fiorentina

Depois de duas ótimas partidas, contra Juventus e Pandurii, a Fiorentina jogou abaixo do esperado, mas contou com uma ótima atuação de Cuadrado para superar o Chievo, lanterna da Serie A, de virada. O resultado mantém a equipe florentina na zona europeia, em 5º, com 18 pontos, e o Chievo do ameaçado Giuseppe Sannino na lanterna da competição, com 4 pontos. Depois de cinco anos consecutivos na elite, os clivensi podem retornar à Serie B?

Apesar da derrota, o primeiro tempo do Chievo foi bom. A equipe marcou bem no meio-campo e aproveitou um dia pouco brilhante de Pizarro e Valero para anular Rossi. Pelas pontas, Dramé e Estigarribia colocavam os laterais da viola em dificuldades. E foi justamente em uma jogada criada por Dramé, na lateral, que surgiu o cruzamento para Cesar abrir o placar. Para sua sorte, a Fiorentina achou uma oportunidade com Cuadrado, que arrancou e driblou um zagueiro para empatar e levar a partida igual para o intervalo. Em outro lance de sorte, o colombiano aproveitou o bate-rebate e virou o jogo, já após o intervalo. Com a vantagem no placar, a Fiorentina soube comandar a partida e garantiu o resultado. (NO)

Parma 3-2 Milan
A imprensa italiana não poupou elogios ao Milan após a
partida contra o Barcelona, especialmente pelo trabalho defensivo, que anulou
Neymar e segurou Messi, Iniesta, Sánchez e Xavi. Mera ilusão. Cinco dias depois,
a realidade rossonera voltou à tona. A realidade de um time de dois talentos
(Kaká e Balotelli), alguns poucos bons e diversos jogadores que não condizem
com a tradição da equipe. Frente a um modesto Parma, a equipe em poucos
momentos conseguiu se impor e na maioria do tempo foi dominado pela equipe
crociata. Se Biabiany fez o que quis em cima de Constant, Parolo e Cassano
tomaram conta da área e fizeram nela o que bem entenderam. Assim nasceram os dois
primeiros gols.
No
primeiro, o francês ganhou na velocidade de Constant
e cruzou, Parolo aproveitou a sobra e chutou para o gol. Já no final da
primeira etapa, o segundo gol aconteceu após nova jogada de Biabiany, que
deixou Silvestre para trás e cruzou para
Parolo, que ajeitou para Cassano se livrar de Montolivo e chutar no
canto
rasteiro de Gabriel. O Parma seguiu melhor no segundo tempo e teve
grande
chance com Gargano, mas foi o Milan quem diminuiu, com Matri, que havia
entrado
no lugar de Balotelli. Surpreendentemente, o gol de empate saiu na
sequência,
com Silvestre, de cabeça. Kaká teve a chance da virada e Rosi, a chance
de pôr
o Parma novamente na frente, mas ambos foram parados por Mirante e
Gabriel, respectivamente. Já nos acréscimos,
Gabriel não conseguiu segurar a cobrança de falta de Parolo que deu a
vitória
para a equipe de Donadoni, que ultrapassou o Milan na classificação e
sonha com vaga na Liga Europa, enquanto os milanistas se afastam ainda
mais do topo. (Caio Dellagiustina)

Lazio 2-0 Cagliari
A vitória laziale foi construída por um binômio que há tempos dá as cartas na capital: Candreva e Klose. Após um mês sem vitórias, o time romano voltou a ganhar, e subiu para a 7ª posição, com 12 pontos, mas precisou da participação do italiano e, sobretudo, da entrada do alemão no segundo tempo para bater os sardos, que se mantém no meio da tabela.

Após um horrível primeiro tempo, que acabou com muitas vaias da torcida da casa, Petkovic mandou Klose ao gramado do Olímpico. Com apenas sete minutos em campo, o atacante cabeceou para as redes um cruzamento de Candreva e abriu o placar. Três minutos depois, driblou Pisano e fez o defensor colocar a mão na bola, enquanto deslizava na área, em carrinho. Candreva bateu forte e ampliou. O colombiano Perea ainda perdeu um gol incrível, e Marchetti quase frangou no final, mas o placar seguiu inalterado. (NO)

Sampdoria 1-0 Atalanta
Mais de cinco meses de jejum para a
Sampdoria finalmente voltar a vencer em casa pela Serie A. Nesta
temporada, depois de três derrotas e um empate jogando no Marassi, a
equipe blucerchiata derrotou a Atalanta por 1 a 0, interrompendo a
sequência de três vitórias seguidas da equipe bergamasca e vencendo sua
segunda partida consecutiva. A vitória – que não vinha desde 19 de maio,
quando a Samp carimbou a faixa da então campeã Juventus – eleva a
equipe doriana duas posições, e coloca o time na 14ª posição, três pontos
acima da zona de rebaixamento. A Atalanta perde a chance de colar na
zona de Liga Europa, caindo duas posições com a derrota.

Mesmo
com o resultado adverso, os nerazzurri foram os donos do primeiro
tempo. Mesmo que as tramas ofensivas da dupla Denis e Moralez não tenham
ameaçado com contundência a meta do brasileiro Júnior Costa, a
supremacia territorial e de posse de bola ficou evidente. O torcedor
local vaiou sua Samp ao fim da primeira etapa, levando o capitão Palombo
a mandar a torcida calar-se (o mesmo se desculpou após a partida). Fato
é que a Samp foi outra no segundo tempo, após mudança de esquema, e o
gol não demorou a sair. Aos 11, Mustafi cabeceou escanteio para o gol e
Cigarini tentou tirar com a mão, sem sucesso. Mais tarde, aos 17, Nica
foi expulso e, com um a menos, a Atalanta não teve forças para reagir. (Thiéres Rabelo)

Bologna 1-0 Livorno
Três minutos de partida bastaram
para o Bologna desenhar a sua primeira vitória no campeonato. Depois de
cinco derrotas e três empates até então, o time emiliano, jogando em
seus domínios, derrotou o Livorno por 1 a 0 e deixou a lanterna da
competição. Agora com seis pontos, o Bologna iguala-se ao Catania,
primeiro time fora da zona de rebaixamento. O Livorno sofre sua quarta
derrota consecutiva e já não sabe o que é vencer há seis rodadas. A
surpreendente campanha inicial que colocava o time toscano próximo à
Liga Europa, começa a virar um pesadelo da luta contra o descenso, algo que se imaginava antes de a temporada começar.

Quem
teve a primeira chance de perigo da partida foi o Livorno, quando logo
aos 2 minutos o atacante brasileiro Paulinho tentou emendar cabeçada após
cobrança de escanteio, mas a bola passou por cima da meta de Curci. No
minuto seguinte, quando efetuava seu primeiro ataque, o Bologna marcou o
gol da vitória. O ala-esquerdo Marek Cech, um dos destaques da equipe
da casa no campeonato, cruzou da ponta esquerda e achou o espanhol José
Crespo, que se antecipou à zaga e cabeceou, marcando seu primeiro gol na
Serie A. Até o fim do jogo, os dois times tiveram chances claras de
marcar, porém nenhuma foi aproveitada e o time da casa soube
aproveitar-se disso para conseguir o triunfo.

Catania 0-0 Sassuolo
No Angelo Massimino, um duelo de técnicos. Luigi De Canio estreava no Catania (que faz sua pior campanha
na Serie A desde a temporada 1965-66), enquanto Di Francesco ganhou sobrevida
no Sassuolo com a vitória na última rodada, mas ainda assim faria na Sicília
uma partida que poderia ser crucial para sua continuidade no comando dos
neroverdi. Porém, com mais medo de perder do que vontade e necessidade de
ganhar, o empate foi justo pelo que não fizeram os times.
Repleto de desfalques, sobretudo na defesa, Di Canio
precisou improvisar. Mesmo assim, anulou o ataque do Sassuolo na primeira etapa
e ainda criou mais oportunidades, porém, nenhuma com real perigo. Na segunda
etapa, poucas oportunidades criadas. Na melhor delas, Zaza driblou Andújar, mas
pecou na finalização, deixando o jogo no 0 a 0. Se Di Canio considerou o empate
dentro de casa um bom resultado, Di Francesco lamentou as chances perdidas pelo
ataque, mas valorizou a postura da defesa que terminou o primeiro jogo sem
levar gols na temporada. (CD)

Relembre a 8ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Perin (Genoa); Leandro Castán (Roma), Albiol (Napoli), Mustafi (Sampdoria); Biabiany (Parma), Candreva (Lazio), Cambiasso (Inter), Parolo (Parma), Cuadrado (Fiorentina); Palacio (Inter), Tévez (Juventus). Técnico: Antonio Conte (Juventus).

Deixe um comentário