Liga Europa

Altos e Baixos


Mais uma vez, Higuaín foi decisivo pelo Napoli (AFP)

Oitavas da Liga Europa definidas. E três italianos estarão lá, representando o país, em alguns dos confrontos mais empolgantes dessa fase da competição. Quatro equipes da Bota estavam vivas no torneio, mas a Lazio deu vexame frente ao pequeno Ludogorets, da Bulgária, e foi eliminada. Agora, o Napoli, que passou bem pelo Swansea, enfrenta o Porto, e Juventus e Fiorentina fazem duelo italiano em dois jogos que prometem parar a Itália.
 

Napoli 3-1 Swansea
Depois de ser amplamente dominado pelo Swansea na semana passada, desta vez, o Napoli aproveitou a atmosfera positiva do San Paolo e foi mais ofensivo. No tradicional 4-2-3-1, os azzurri jogaram marcando pressão e com boa movimentação de Insigne, Pandev e Higuaín – Callejón ficou devendo. O Swansea manteve o estilo que tem há muito tempo e priorizou a posse de bola (acabou com 56%, mas chegou a ter mais de 62%). Porém, a postura ofensiva inicial dos partenopei deu resultado: Higuaín deixou a área, desviou de cabeça e deixou Insigne à vontade para marcar o 1 a 0, de cobertura. Mas aí começaram os altos e baixos, após abrir o placar, o Napoli deu espaço para os galeses, que passaram a incomodar. Os volantes dos swans tiveram mais liberdade e, em uma dessas chegadas, De Guzmán recebeu livre de Bony e conseguiu o empate. 

Na volta do intervalo e com a vantagem no confronto, o Swansea até tentou manter a pegada, mas foi o Napoli que retomou o domínio da partida. Vendo o maior volume de jogo dos azzurri, o técnico dos galeses, Garry Monk, fez uma alteração defensiva. Tirou um ponta e colocou o lateral Taylor. Assim, saiu o 4-2-3-1 e entrou em ação um 4-4-1-1. A nova formação galesa deixou o Napoli mais dono da partida. Enquanto, a mexida do rival não funcionou, os escolhidos de Benítez criaram o segundo gol italiano. Foi em uma tabela com Hamsík que Mertens recebeu no fundo e cruzou para o meio da área. A defesa visitante não conseguiu cortar e a bola sobrou com Higuaín, que não desperdiçou.

Depois da partida, El Pipita ressaltou a importância do gol: “foi importante porque veio depois de minutos complicados”.
Com o 2 a 1 e faltando apenas 12 minutos, o técnico espanhol optou por recuar a equipe. Os visitantes foram com tudo ao ataque, quase marcaram, mas deram muito espaço ao contra-ataque dos azzurri. Em uma das oportunidades, Inler aproveitou passe de Hamsík e marcou o 3 a 1, classificando o Napoli às oitavas de final. O próximo desafio será o Porto, descrito como “uma grande equipe, que fará um confronto muito difícil” pelo técnico Rafa Benítez. (Pedro Spiacci)

Trabzonspor 0-2 Juventus
Como deve esse isso de viajar para outro país somente para treinar? Pois graças a Vidal e Osvaldo, a Juventus fez um treino de luxo na Turquia, vencendo o Trabzonspor por 2 a 0. De quebra, ganhou a chance de enfrentar a Fiorentina nas oitavas de final. Pressionando desde o início do jogo, a Velha Senhora não tomou conhecimento dos turcos. Aos 5 minutos, Isla acertou o travessão. Na sequência, Giovinco tentou, mas não obteve sucesso. O goleiro Kivrak, por um momento, segurou o ímpeto bianconero. Nem Marchisio, nem Pogba o vazou. Depois do gol anulado de Peluso, que estava impedido, Kivrak defendeu o chute de Giovinco, porém, Vidal, livre na pequena área, estufou a rede com um chute potente. O resultado foi definido aos 33′, com assistência da Formiga Atômica e gol de Osvaldo.

Giovinco teve grande exibição na dominação juventina. Parecia até aquele Sebastian que encantou no Parma e fez a Juve querê-lo novamente. Marchisio jogou mais uma partida maravilhosa na posição de Pirlo. Talvez ele não tenha mais que disputar vaga com Vidal e Pogba. O francês, aliás, saiu ainda no primeiro tempo – para a entrada de Padoin – por precaução. Afinal, no fim de semana tem Juventus x Milan. O chileno, por sua vez, marcou seu 17º gol na temporada. O meio-campista Vidal. Meio-campista. Número incrível.

O mês de março está ótimo para a Juventus. Milan no domingo, Fiorentina no próximo fim de semana, Fiorentina novamente no dia 13, Genoa, Fiorentina, Catania, Parma e Napoli. O futuro, ele está aí. Para os bianconeri, a revanche diante a Viola e avançar rumo ao título da Liga Europa, na final que será disputada em seu estádio. Para o time de Vincenzo Montella, a afirmação em território nacional (uma vitória nas últimas quatro partidas da Serie A) e a chance de dizer para a Juve que “não tem Europa pra você!”. (Murillo Moret)

 

Fiorentina 1-1 Esbjerg

Em situação tranquila para o jogo de volta, a Fiorentina fez como manda a cartilha: controlou o jogo, construiu algumas jogadas e não sofreu grandes perigos. No final das contas, empate sem graça com o dinamarquês Esbjerg e vaga assegurada para as oitavas de final da Liga Europa. O próximo desafio, sim, necessitará de maior esforço dos viola: nada mais nada menos que a soberana (na Serie A) Juventus, sua maior rival.

Com a bola rolando, o time de Montella cozinhou o jogo no que Ilicic produzia pela ponta direita, Ryder pela esquerda, numa eventual jogada ou passe de Valero e Pizarro, e na bola parada, onde saiu suas principais oportunidades. Ainda fora de forma, Gómez não teve boa apresentação e sequer chutou a gol em 90 minutos. O gol saiu logo no início da segunda etapa, em cobrança de falta perfeita de Ilicic, enquanto os dinamarqueses, que pouco produziram, empataram apenas nos acréscimos, em boa jogada de Vestergaard, que deu caneta em Compper antes de vencer Rosati, estreando no gol viola. (Arthur Barcelos)

Ludogorets 3-3 Lazio
A Lazio foi a Sofia, capital da Bulgária, enfrentar o Ludogorets correndo atrás do prejuízo, já que o time celeste havia perdido por 1 a 0 no estádio Olímpico de Roma. Em uma partida de muitas reviravoltas, a equipe biancoazzurra chegou a ter dois gols de vantagem, mas os búlgaros conseguiram um empate nos últimos minutos e asseguraram a classificação para as oitavas de final da Liga Europa, deixando a outrora favorita Lazio para trás.

O time romano até reverteu a vantagem adversárias antes do ponteiro marcar um minuto de jogo, quando Keita aproveitou vacilo da defesa, invadiu área, tentou cruzar e contou com a sorte de a bola ter batido no goleiro e voltado para seus pés para, por fim, morrer nas redes. Parecia que os laziali iriam conseguir a classificação sem muito esforço depois que, no início do segundo tempo, Brayan Perea recebeu passe de Onazi em contra-ataque e tocou na saída do goleiro para aumentar ainda mais as esperanças do torcedor. Bezjak, no entanto, tinha outros planos e tratou de colocar o Ludogorets de volta à partida, acertando um chutaço no ângulo. Dois minutos antes, ele mesmo já havia acertado a trave.

A treze minutos do fim, Zalinski mudou totalmente o quadro da partida ao finalizar de fora da área e contar com falha de Marchetti, que até defendeu a bola, mas ela já havia ultrapassado a linha do gol. O alemão Miroslav Klose, quatro minutos após entrar em campo, colocou a Lazio novamente em vantagem, aproveitando rebote do goleiro em cabeçada de Lucas Biglia. Mas a classificação dos italianos teimou em não vir. Juninho Quixadá, brasileiro que havia entrado a pouco tempo do fim do jogo, acreditou no lance após saída ruim de Marchetti e, finalmente, deu acabou de vez com as chances da Lazio, castigando os aquilotti com um gol aos 87′.

Com a eliminação precoce, a Lazio terá apenas a Serie A para disputar até o fim da temporada. O treinador Edy Reja, que nunca foi um grande apreciador da Liga Europa, terá então uma certa tranquilidade para trabalhar focado em uma competição. Entretanto, o máximo que a Lazio pode conseguir através do campeonato nacional é uma nova vaga no segundo torneio de clubes do cenário europeu. (Cleber Gordiano)

Deixe um comentário