Serie A

27ª rodada: A terceira estrela vem aí

Com golaço de Asamoah, Juve bateu a Fiorentina e, com tropeço da Roma, encaminhou scudetto (AFP)

Mais uma rodada altamente positiva para a Juventus. Nos dois últimos finais de semana, a Velha Senhora ampliou sua vantagem sobre a Roma, que já era boa, em mais cinco pontos. Agora,a equipe treinada por Antonio Conte tem enormes 14 pontos à frente dos romanos, que ainda podem reduzir a vantagem para 11, caso vençam jogo atrasado contra o Parma, que vive excelente fase e não perde há 15 rodadas. Vida difícil – e mesmo que consiga reduzir a desvantagem, terá que contar com muitos tropeços juventinos. Sem Strootman, que perderá as 11 rodadas restantes, já dá para dizer que a Juventus está em piloto automático em um céu de brigadeiro rumo ao trigésimo título nacional de sua história.

Juventus 1-0 Fiorentina
Único time a conseguir derrotar a Juve nesse campeonato, a Fiorentina não repetiu o feito na tarde de domingo e já chega a sua quarta partida seguida sem vencer, deixando cada vez mais distante o sonho de disputar a Liga dos Campeões da próxima temporada. Do outro lado, a Velha Senhora continua sua campanha arrasadora e, com a derrota da Roma, já pode praticamente levantar a taça – 14 pontos separam as duas equipes na tabela. Foi a 14ª vitória seguida dos bianconeri dentro de casa, marca que iguala o recorde do Torino, em 1975-76.

A equipe de Antonio Conte foi muito melhor durante a primeira etapa e praticamente não deixou a Fiorentina passar do meio de campo. O zagueiro Barzagli era o homem mais recuado da Juve e jogava na intermediária da viola, iniciando as jogadas ofensivas. Apesar da pressão constante, o gol só saiu aos 41 minutos do primeiro tempo, depois que Asamoah deu lindo drible, entre três jogadores da Fiorentina, e finalizou no ângulo do goleiro Neto. Com a vantagem no placar, a Juve diminuiu o ritmo e o segundo tempo foi fraco, com apenas duas chances de gol para os visitantes. Assim, a Fiorentina continua com 45 pontos, na 4ª colocação e vê o Napoli muito à frente, com 10 pontos de vantagem. (Rodrigo Antonelli)

Napoli 1-0 Roma
Vacilante nos últimos jogos pela Serie A, o Napoli de Benítez deu uma bela resposta e reafirmou sua força no San Paolo contra os “grandes”. Agora com 55 pontos, os napolitanos abriram boa vantagem sobre Fiorentina e Inter, diminuíram a diferença para a Roma e praticamente definiram as disputas até o final do campeonato, a não ser que nada inesperado ocorra. Para a Roma, dura derrota numa partida em que foi superior e ainda perdeu seu principal meio-campista: Strootman, que vinha jogando no sacrifício por dores no joelho direito, rompeu o ligamento cruzado do joelho esquerdo, além de poder ter problemas no menisco, e está fora da temporada. O holandês, peça importante na seleção laranja de Louis van Gaal, também não virá ao Brasil para a disputa do Mundial.

Com a bola rolando, partida muito movimentada em Nápoles. Entre contra-ataques, tabelas rápidas e jogadas individuais, marcas de ambos os times, a Roma criou as chances mais claras com Gervinho e Michel Bastos, que formaram trio de ataque inédito com Florenzi, auxiliados por Pjanic, Nainggolan e Maicon. Já o time da casa encontrou dificuldades para construir oportunidades de gol com um Hamsík novamente fora de sintonia. Dos pés de Mertens saíram as principais chances, com Callejón e Higuaín eventualmente aparecendo pro jogo. Os romanos, que finalizaram 14 vezes e viram Reina garantir o zero no placar, contudo, não foram capazes de impedir a boa descida de Ghoulam pela esquerda e este acertar centro perfeito para a cabeçada de Callejón, vice-artilheiro dos partenopei na temporada, garantir a vitória diante de sua torcida, que retribuiu a homenagem dos produtores de “La Grande Bellezza”, vencedores do Oscar 2014 de melhor filme estrangeiro. (Arthur Barcelos)

Inter 1-0 Torino

Invicta há cinco partidas, a Inter voltou a se encontrar com a vitória após dois empates em um jogo muito seguro contra o bom Torino de Immobile e Cerci. Em casa, a equipe de Milão, que comemorava seu aniversário de 106 anos no dia da peleja, jogou com determinação e muita segurança, não dando chances aos granata, apesar do placar magro, e chegou aos 11 resultados úteis consecutivos no Meazza – a última derrota foi em outubro, para a Roma. O triunfo, sob os olhos do presidente Thohir, mantém a Beneamata na 5ª posição, com 44 pontos, agora apenas um atrás da Fiorentina, 4ª colocada. Já o Torino, com 36 pontos e na 9ª posição, fica mais longe da zona europeia.

A Inter chegou ao seu gol no primeiro tempo, aos 26 minutos, depois de boa tabela entre Palacio e Cambiasso, concluída com bonito passe do volante para que o seu compatriota encobrisse Padelli com uma cabeçada. Antes e depois, praticamente só deu o time da casa, que controlava a posse de bola e tinha o domínio territorial no gramado de San Siro. Nas poucas subidas do Toro, a defesa se comportava bem, mesmo desfalcada – destaque para Ranocchia, que após perder a titularidade por causa de seguidos erros, foi o melhor no setor azul e preto. No segundo tempo, um Torino que também estava com desfalques na defesa (três jogadores) começou a sair mais para o ataque, mas não encontrou seu gol, muito porque Immobile e Cerci foram bem controlados pela zaga interista. (Nelson Oliveira)

Parma 2-0 Verona
Logo atrás da Inter, na 6ª posição, o Parma começa a ver a Europa de mais perto. Em uma partida entre duas das surpresas da temporada, que brigam por uma vaga na Liga Europa – a outra é o Torino –, melhor para o time da casa, que no Tardini chegou a 15 partidas consecutivas sem derrota, um feito louvável para uma equipe com um orçamento bem inferior ao das cinco primeiras colocadas no campeonato, e até mesmo menor que o de times abaixo na tabela, como Milan, Lazio e Bologna. Apenas a Juventus (última equipe a vencê-la) tem retrospecto melhor neste momento da Serie A. Os parmenses tem 43 pontos, três a mais que o próprio Verona, 7º colocado, e dois a menos que a Inter, com quem ainda terá um confronto direto em casa, em abril.

Os emilianos chegaram a vitória de forma incontestável, mas também graças a dois erros do goleiro brasileiro Rafael. No primeiro lance, após cobrança de escanteio, Biabiany desviou chute cruzado, a bola tocou na trave e o goleiro não conseguiu segurá-la, empurrando-a para dentro. Já no segundo tempo, tentou driblar Cassano, perdeu a bola e foi encoberto pelo atacante: a bola caprichosamente tocou no poste, tirou o golaço do jogador, sondado para voltar à seleção italiana, mas não evitou que Schelotto aproveitasse o rebote. No restante do jogo, chamou a atenção a ótima atuação de Marchionni como regista e de Cassano como falso 9. No Verona, não bastou a boa partida de Rômulo. Toni pouco levou perigo, por causa da boa atuação de Paletta, e Jorginho, vendido ao Napoli, ainda faz falta: Cirigliano, ex-River Plate, não tem jogado bem. (NO)

Udinese 1-0 Milan
Genoa, Atalanta e Cagliari. A Udinese não conseguiu vencer seus últimos últimos três jogos do campeonato (e um pela Coppa Italia). O fim da série negativa aconteceu exatamente um mês após a última vitória ao bater o Milan por 1 a 0. No começo da partida, De Sciglio não conseguiu frear Pereyra, pelo corredor esquerdo, que só parou na defesa de Abbiati após vencer Mexès na corrida. A chance seguinte foi do visitante, em cruzamento de De Sciglio. Só que Pazzini não aproveitou a bobeira de Scuffet, que caçou borboletas no lance, e jogou a bola pela linha de fundo. Outro lance de perigo do Milan também saiu da combinação De Sciglio-Pazzini. O lateral cruzou e o atacante conseguiu um bonito chute de primeira para ótima defesa do goleiro da Udinese.

Na etapa final, mais Milan: cruzamento de Emanuelson logo aos 3 minutos para cabeçada de Robinho. Scuffet fez outra linda defesa. Numa excelente trama aos 22 minutos, a Udinese marcou o único gol da partida. Pereyra tocou para Bruno Fernandes, que passou imediatamente para Di Natale, a um passo da pequena área, vencer Abbiati. Mexès não acompanhou a jogada e deixou o capitão friulano livre. A Udinese abriu vantagem para a zona de rebaixamento depois da vitória no sábado. Já são dez pontos – o Livorno é o 18º, com 21. (Murillo Moret)

Lazio 0-1 Atalanta
Com o Estádio Olímpico praticamente vazio, em protesto contra o presidente Lotito (cerca de dois mil ingressos foram vendidos e muitos proprietários de carnês também deixaram de ir), a Lazio mais uma vez não jogou bem e foi derrotada pela Atalanta. Neste domingo, assim como em jogos recentes, os biancocelesti mostraram pouca criatividade e, nem mesmo a boa fase de Klose dessa vez foi suficiente. Sem inspiração, a primeira etapa foi tão vazia quanto o estádio. Candreva criou boas chances e González até chegou ao gol, que foi bem anulado por Peruzzo.

Na segunda etapa a partida melhorou, especialmente para a Atalanta que criou muito mais e passou a dar trabalho para Marchetti. O gol saiu aos 15 minutos, com Moralez. O argentino aproveitou rebote do goleiro laziale, que defendeu cabeçada de Estigarribia, e completou para o gol. O que estava ruim, piorou para a Lazio, que perdeu Candreva expulso minutos depois. Ainda assim, o time ainda criou boas oportunidades, sendo a principal com Biava, mas nada que impedisse a derrota, o distanciamento da zona de Liga Europa e as vaias ao final do jogo. Para a Atalanta o resultado foi excelente pois afasta a equipe da parte de baixo. (Caio Dellagiustina)

Chievo 2-1 Genoa
Lutando contra o rebaixamento, o Chievo conseguiu uma importantíssima vitória ante o Genoa, em casa, no último minuto, por 2 a 1. O primeiro gol saiu logo aos 4 minutos, quando Andrea Gervasoni viu Konaté puxar a camisa de Stoian. Paloschi converteu. Depois, Sturaro e Guarente acertaram a trave, e Gilardino foi flagrado em posição de impedimento após balançar a rede.

A segunda etapa também não foi movimentada. Os grifoni igualaram o marcador com Gilardino, que desviou a cobrança de escanteio em um mínimo espaço. Só que Motta, nos acréscimos, derrubou Lazarevic dentro da área. Paloschi, mais uma vez, bateu sem chances para Perin – no ano anterior, o atacante já havia feito três gols na sua antiga equipe. Em protesto pelo segundo pênalti marcado no jogo, o treinador Gasperini abandonou a área técnica. O Genoa deve lamentar a derrota no último minuto de jogo, uma vez que Lazio e Torino também perderam na rodada. (MM)

Sampdoria 4-2 Livorno
No jogo mais movimentado da rodada, não foi fácil para a Sampdoria vencer o Livorno. Lutando contra o rebaixamento, o time visitante deu muito trabalho, principalmente na primeira etapa, e conseguiu abrir 2 a 0, com uma doppietta do senegalês Mbaye. Muito atento ao jogo, o zagueiro apareceu bem na frente duas vezes e nas duas marcou para o Livorno, que comemorava sua saída da zona de rebaixamento com esse resultado. Mas a tranquilidade não duraria muito.

Já no fim do primeiro tempo, o técnico Mihajlovic mudou a Samp para um 4-3-3 e a equipe começou a melhorar. No intervalo, trocou De Silvestri e Obiang por Fornasier e Krsticic e o time voltou outro para o segundo tempo. Com mais disposição e organização, os donos da casa não demoraram para começar a reação: aos quatro minutos, Krsticic diminuiu. Aos 8′, Fornasier cruzou e Ceccherini desviou para o próprio gol, empatando a partida. A virada veio com Okaka, em boa tarde. Ele marcou o gol do 3 a 2 e depois lançou Gabbiadini para fazer o quarto gol, que praticamente garante a salvezza. Já o Livorno, com 21 pontos – dois atrás do Bologna, primeiro time fora da zona -, continuará sua guerra contra o rebaixamento. (RA)

Catania 1-1 Cagliari

No confronto entre os dois representantes das ilhas Sicília e Sardenha, desvantagem para ambos. Os donos da casa não transformaram a superioridade em vitória e perderam a oportunidade de empatar com o Bologna fora da zona de rebaixamento. Já os visitantes, que abriram o placar, poderiam ter aumentado a vantagem de oito pontos para garantir com maior tranquilidade a salvezza, ainda que esta pareça bem garantida, restando 11 rodadas.

A partida foi de baixo nível técnico, poucas oportunidades, muitas faltas, escanteios e laterais. Em situação mais incômoda, os donos da casa buscaram mais o gol em jogadas rápidas com os laterais, pontas e Bergessio, mas só chegaram ao empate mesmo na bola parada de Lodi, que contou com desvio de Bergessio. Por sua vez, o Cagliari pouco incomodou num bom dia da defesa siciliana, a segunda mais vazada do campeonato, e abriu o placar depois de bate-rebate que terminou em boa finalização de Vecino, mostrando evolução e marcando seu segundo gol seguido. (AB)

Bologna 0-0 Sassuolo
O confronto era crucial para ambos, mais até para o Sassuolo, que precisa desesperadamente de pontos para fugir da última colocação. Porém, o derbi emiliano no Renato Dall’Ara foi de dar sono. O que se viu foram dois times com futebol muito pobre, refletindo suas posições na tabela. Ainda assim, Ballardini saiu contente, considerando o empate um bom resultado, mesmo seu time vencendo apenas uma partida nos últimos nove jogos. Com o empate, o rossoblù mantém-se fora da zona de rebaixamento, com dois pontos a mais que o Livorno.

Com Ibson pela primeira vez entre os titulares, o Bologna criou as primeiras chances, mas foi o Sassuolo quem chegou com mais perigo, com Sansone acertando o travessão de Curci. Mesmo após as vaias ao final do primeiro tempo, o Bologna continuou apático para a segunda etapa. Sansone teve mais uma boa chance para os neroverdi, mas pecou na hora da finalização. Christodoulopoulos criou as melhores oportunidades para o Bologna, sobretudo na bola parada, porém nada de o gol acontecer. A preocupação bolonhesa ficou por conta de Bianchi, que saiu lesionado e pode desfalcar a equipe nas rodadas finais. (CD) 

Relembre a 26ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.  

Seleção da rodada
Reina (Napoli); Paletta (Parma), Ranocchia (Inter), Mbaye (Livorno); Pereyra (Udinese), Marchionni (Parma), Cambiasso (Inter), Asamoah (Juventus), Brivio (Atalanta); Okaka (Sampdoria), Paloschi (Chievo). Técnico: Sinisa Mihajlovic (Sampdoria).

Deixe um comentário