Serie A

Nada além do esperado

Nem mesmo com a volta de Balotelli o Milan conseguiu fazer frente ao Atlético (Associated Press)
Dois minutos. Esse foi o tempo que duraram as esperanças
milanistas. Elas até eram grandes, mesmo com a derrota em San Siro no jogo de
ida, mas após um erro de Essien e mais um vacilo de Rami, Diego Costa se
esticou todo para completar para o gol, abrindo o placar para os Colchoneros.
Ali, iam-se embora esperanças de milhões de torcedores. Não que o Milan fosse
incapaz de conseguir uma simples virada contra o Atlético de Madrid, mas esse
Milan certamente seria incapaz de virar o jogo contra esse Atlético.
O Milan, porém, foi aguerrido. Lutou, batalhou, se esforçou.
A pressão inicial do time espanhol deu lugar à posse de bola rossonera. Posse e
passes. Passes para um lado, passes para o outro. Em uma das raras investidas,
o Milan mostrou a força de sua camisa e reagiu. Poli cruzou da direita e Kaká
apareceu livre, nas costas de Juanfran para igualar o marcador. A esperanças
ressurgiam, mesmo que timidamente. Afinal, era apenas a primeira finalização dos italianos em toda a partida, aos 27 minutos de jogo.
Enquanto o Atleti se retraia, para desespero de Simeone, o
Milan aos poucos chegava. As chances eram poucas, mas sempre com muito perigo.
Kaká teve a bola da virada – para alguns, até do jogo – em sua cabeça, mas ela
passou sobre o travessão. No que era o melhor momento milanista no jogo, o time
madrilenho achou o segundo gol. Arda Turan recebeu na entrada da área e chutou,
meio que despretensiosamente, mas contou com desvio em Rami para ver a rede
balançar, já no final da primeira etapa. Tudo o que o Milan não precisava.
Seedorf tentou colocar o time mais a frente e no intervalo
trocou um inoperant Taraabt por Robinho. Mas o brasileiro manteve a “regularidade” e nada
produziu. Ainda assim, foi dele a melhor oportunidade do Milan na segunda
etapa, quando acertou o travessão. Mas a essa altura, a diferença já havia aumentado
graças ao gol de Raúl Garcia, um dos melhores em campo pela equipe espanhola.
Entregue em campo, o Milan já alimentava mais uma
desclassificação e “curtia” os últimos minutos da Champions League, já que na
próxima temporada os rossoneros só a verão pela TV. Para jogar uma pá de cal no
calvário, Diego Costa completou a goleada com um chute rasteiro, indefensável
para Abbiati.
Sem Liga, nem Copas, o Milan luta para terminar a temporada
dignamente. Na melhor das hipóteses, sobra uma vaga para a Liga Europa, ainda
assim, não merecida por todos os erros dessa e de outras temporadas passadas.
Cabe a Seedorf colocar a ordem na casa e se tudo der certo, colocar o Milan
novamente na Champions em 2015-2016. Resta saber se com um time competitivo ou
com mais um desses que chega à fase final e luta para não dar vexame no
mata-mata.
Ficha técnica: Atlético de
Madrid 4-1 Milan
Atlético de Madrid:
Courtois; Juanfran, Godín, Miranda e Filipe Luis; Mario Suárez, Gabi, Koke (Diego)
e Arda Turan (Cristian Rodríguez); Raúl Garcia (Sosa); Diego Costa. Técnico:
Diego Simeone.

Milan:
Abbiati; Abate, Bonera, Rami e Emanuelson; De Jong (Muntari), Essien (Pazzini),
Poli, Kaká e Taarabt (Robinho); Balotelli. Técnico: Clarence Seedorf

Árbitro:
Mark Clatenburg (ING)
Gols:
Diego Costa, aos 3 e aos 85, Kaká, aos 27, Arda Turan, aos 40 e Raul Garcia,
aos 71.

Deixe um comentário