Serie A

36ª rodada: Triestelar

Tricampeão com a Juventus, Conte pode estar dando adeus (AP)

Até que enfim! A primeira vez que cravamos a Juventus como campeã desta Serie A foi na 27ª rodada (aqui). De lá para cá, a Velha Senhora continuou a mostrar o futebol extraterrestre que fazia com que, 11 rodadas antes do final do campeonato, fazia com que já a definíssemos como tricampeã. Porém, a Roma resistiu, e como, adiando o grito de campeã da melhor equipe italiana, que dominou todos os adversários com rara superioridade e, por isso, ainda busca o recorde histórico de pontos na Serie A, com 100 pontos – a Juve pode atingir os 102. A equipe nem precisou entrar em campo para comemorar, já que a Roma, em um roteiro típico de suas piores trapalhadas, foi goleada pelo antigo lanterna do campeonato, o Catania.

Agora, com o tricampeonato, a Juventus tem o direito de colocar a terceira estrela sob o seu escudo, porém o presidente Andrea Agnelli disse que isso não acontecerá. “Primeiro, porque os scudetti são 32, não 30, embora a contagem oficial considere-os 30. Se um dia, outra equipe colocar duas estrelas no peito, colocaremos a terceira para nos diferenciar”, declarou. Com ou sem estrela, porém, a Juventus já pode se programar para a próxima temporada, em que ainda há dúvidas sobre quem fica, sai ou chega. Um que pode sair é Antonio Conte, que que declarou ser difícil melhorar a equipe. Dessa forma, ele parece mais pressionar a
diretoria da Juventus a investir forte para a disputa da Liga dos Campeões e a renovar seu contrato, com um valor substancialmente maior, do que, de fato, ameaça uma saída. Veremos se
será atendido. Mesmo sem grandes melhorias, a Juventus provavelmente continuará sendo a equipe a ser batida na Itália.

Juventus 1-0 Atalanta
A Juve nem precisou entrar
em campo para garantir o scudetto e se sagrar tricampeã italiana pela
primeira vez desde a década de 1930, quando emplacou cinco conquistas
seguidas. Com a derrota (surpreendente) da Roma para o Catania, os
jogadores da Velha Senhora comemoraram o título de maneira inusitada:
nada de volta olímpica ou festa com a torcida. Eles estavam concentrados
e festejaram a conquista no hotel mesmo. A celebração ao lado da
torcida ficou para segunda-feira, quando a equipe de Antonio Conte
venceu mais uma vez no Juventus Stadium. Em jogo chato dentro de campo,
uma Juve com muitos reservas – até mesmo Pepe, que quase não jogou nos últimos dois anos, por grave lesão, atuou – venceu com gol solitário de Padoin, que marcou contra o ex-clube. 
Agora, a Velha Senhora persegue uma vitória e, pelo
menos, um empate, nas duas últimas rodadas para chegar aos sonhados 100
pontos. Mas o objetivo principal, que é voltar a brilhar na Liga dos
Campeões, deve começar a ser planejado pela diretoria desde já. A gestão
de Andrea Agnelli se mostrou muito eficiente em campos italianos, mas
ainda não deu resultados na Europa, e um futuro de sucesso passa pelas
renovações de Pirlo e Vidal, assim como pela manutenção do assediado
Pogba. Llorente e Tévez resolveram o problema do ataque bianconero, que
decepcionou nas últimas temporadas, mas novos reforços serão necessários
para elevar o nível da Juve em nível continental.(Rodrigo Antonelli) 
Catania 4-1 Roma 
A Roma parece ter
entrado em campo já derrotada, no último domingo, contra o Catania. A
equipe de Rudi Garcia não mostrou a vontade típica da equipe ao longo do
campeonato e perdeu para o voluntarioso time do Catania, que ainda tenta
escapar do rebaixamento. Com 26 pontos, os sicilianos estão na
penúltima colocação, mas vêem o Bologna, primeiro fora da zona da
degola, apenas três pontos à frente. O sonho da salvezza, portanto, é
possível e os comandados de Pellegrino não vão desistir antes do fim. Na próxima rodada, inclusive, os sicilianos viajam justamente para Bolonha, para um empolgante confronto direto.
Izco fez 2 a 0 para os donos da casa e Totti
descontou ainda no primeiro tempo, mas na volta do intervalo os
romanistas não conseguiram produzir mais nada e apenas assistiram
Bergessio e Barrientos ampliarem o placar para 4 a 1 (e poderia ter sido
mais). Sem aquele fio de esperança pelo scudetto restante, a Roma joga
as duas últimas rodadas sem objetivo no campeonato, mas o técnico Rudi
Garcia disse que quer fazer uma partida digna contra a Juve, na próxima
rodada, para apagar o vexame desse fim de semana – e, claro, atrapalhar os planos de a Velha Senhora atingir os 100 pontos, uma vez que ele e o diretor geral da Juve, Giuseppe Marotta, trocaram muitas farpas ao longo da temporada. Depois, o time já
começa a pensar na temporada que vem e o treinador já deve passar nomes
de reforços para a diretoria. (RA)

Milan 1-0 Inter
Assim como no primeiro turno, Milan e Inter fizeram um dos dérbis milaneses mais chatos de toda a história. Se, naquela oportunidade, ao menos um golaço de letra de Palacio definiu a partida e foi uma luz no marasmo, desta vez não se pode dizer o mesmo. Em um dos poucos momentos de pura técnica, um lindo chute de Kaká explodiu no travessão. No final das contas, em uma partida em que os nerazzurri entraram para empatar, deu Milan, graças a um gol de cabeça do baixinho De Jong, deixado livre por Cambiasso em cruzamento de Balotelli – no duelo entre os dois no meio-campo, o holandês mordeu mais calcanhares e também saiu vitorioso.

A partida estava cheia de tensão desde o início, porque poderia praticamente confirmar a Inter na Liga Europa e o Milan fora dela. Porém, o que estava em jogo – vagas na “menor Europa” – mostra bem o nível técnico das duas equipes. Mesmo que ambas tenham vivido bons momentos, historicamente deveriam render mais. Falando em história, a da Inter sai manchada: Javier Zanetti, prestes a se aposentar, não foi colocado em campo por Mazzarri, que ao menos concedeu a oportunidade a dois outros jogadores históricos e de saída – Milito e Samuel. O zagueiro, aliás, perdeu o seu primeiro, e único dérbi em onze disputados. Ao fim da rodada, o Milan fica com 54 pontos, na 8ª posição, logo abaixo do Torino, 6º com 55. A Inter, 5ª, tem 57 e depende de uma vitória nos últimos dois jogos para se garantir na Liga Europa. (Nelson Oliveira)

Chievo 0-1 Torino
Jogando em casa, o Chievo não
conseguiu parar o Torino e agora, restando apenas duas rodadas para o
fim do campeonato, volta a temer fortemente o rebaixamento. A equipe de
Verona perdeu as três últimas partidas e está apenas dois pontos acima
da zona da degola, que já esteve distante em outros momentos da
temporada. O gol da partida saiu após erro defensivo do Chievo: Sardo
empurrou para as próprias redes aos nove minutos do segundo tempo. Pouco
depois, Pellissier foi expulso por reclamação e acabou com as
esperanças do time da casa de igualar o placar. 
O Torino, por sua vez, continua firme na luta por
uma vaga na Liga Europa e se mantém um ponto à frente do sétimo
colocado, que agora é o Parma. A importante vitória aconteceu no dia em
que a tragédia de Superga completava aniversário de 65 anos. A dupla
Cerci e Immobile não apareceu bem novamente. Nas duas últimas rodadas, a
equipe tem confronto direto contra o Parma, para tentar se manter na
Liga Europa, e depois outro jogo difícil, contra a Fiorentina. O sonho
para retornar à Europa continua vivo na mente dos granata. (RA)

Fiorentina 3-4 Sassuolo
No melhor jogo da rodada, o valente Sassuolo mostrou força, garra e talento para bater a forte Fiorentina no Artemio Franchi e ficar em ótima situação na briga contra o rebaixamento. Agora, com dois jogos pela frente – um deles em casa, contra o despreocupado Genoa –, a equipe emiliana pode corar a temporada de boas partidas contra times maiores e garantir a segunda participação na Serie A em toda a sua história, um feito e tanto. Com 31 pontos, o Sassuolo pode garantir a permanência na elite já na próxima rodada, com uma combinação de resultados. Já a Fiorentina, de ressaca após o vice-campeonato na Coppa Italia, ainda pode perder a 4ª posição para a Inter, que tem quatro pontos a menos. Porém, a vaga na Liga Europa está garantida.

O Sassuolo matou o jogo no primeiro tempo, por causa da excelente atuação de dois dos mais promissores jovens do país. Sansone, imparável, atazanava a defesa violeta com grandes jogadas – ele, inclusive, é um jogador que gosta de jogos importantes e já marcou contra Juventus, Milan, Inter e Napoli, além da própria Fiorentina. O outro é Berardi, já adquirido pela Juventus, que marcou 16 gols no campeonato, quatro deles no Milan, três na Sampdoria e os três primeiros do jogo desta terça: um de pênalti, outro após lindo passe de Sansone e o terceiro após erro de Rodríguez. No segundo tempo, Rodríguez se redimiu, cobrando pênalti, e Sansone marcou o quarto. Zaza, outra bela promessa, acertara a trave com bonito chute na primeira etapa, e no segundo tempo perdeu duas chances claríssimas. As chances perdidas acordaram a Fiorentina, que diminuíram com Rossi – de volta ao time após gravíssima lesão –, que deu um aviso a Prandelli, marcando seu 15º gol em 19 partidas. Cuadrado, após lindo lançamento de Pizarro, fez o terceiro, mas a partir daí o Sassuolo se defendeu bem e evitou a derrocada. (NO)

Parma 2-0 Sampdoria

O Parma manteve vivo o sonho de jogar a Europa League. Com
um gol de Cassano e um de Schelotto, a equipe crociata derrotou a Sampdoria e
contou com o tropeço da Inter para se juntar a Torino e Milan como concorrentes à quinta e sexta vaga. Um dos momentos mais marcantes para os
quase quatro mil torcedores genoveses foi durante  o minuto de silêncio, que homenageou Vujadin
Boskov, herói do título blucherchiati. Quando a bola rolou, a única torcida que
se manifestou foi a do Parma, que logo aos sete minutos vibrou com o gol de
Cassano após grande jogada de Biabiany. O atacante, ex-jogador doriano, não comemorou.
Minutos depois, nova chance para o Parma, com Acquah, mas
dessa vez Fiorillo salvou. A Samp saiu para o jogo e criou boas oportunidades,
mas parou no goleiro Bajza. O substituto de Mirante impressionou a todos com
boas defesas, que evitaram o empate. Na segunda etapa, as duas equipes pouco
criaram e em uma das raras chances, Schelotto só desviou o chute de Molinaro
para ampliar o marcador e garantir os três pontos. O resultado ajuda a
recuperar os pontos deixados para trás nas últimas partidas e leva para Turim,
na próxima semana, um confronto direto pela vaga na Liga Europa contra o
Torino. (Caio Dellagiustina)

Lazio 3-3 Verona
Em confronto direto por vaga na Liga Europa, um amargo empate dificultou bastante as chances de Lazio e Verona se classificarem à competição. Em uma partida franca e bem jogada, os dois times buscaram a vitória o tempo inteiro e o empate só aconteceu nos minutos finais, pouco depois de uma virada. O resultado deixa as duas equipes com 53 pontos, na 9ª e 10ª colocações, com o Verona levando vantagem nos confrontos de desempate. Com dois pontos a mais, o Torino, 6º colocado, continua sendo perseguido, assim como a Inter, 5ª, com 57. Na próxima rodada, a Lazio viaja a Milão com o intuito de manter vivas as suas esperanças e a de mais equipes – com uma mera vitória, os interistas garantem a classificação ao torneio. Já o Verona enfrenta a Udinese, sem interesses no campeonato.

No primeiro tempo, foi a Lazio quem saiu em vantagem, depois que um bom contra-ataque terminou com passe de Candreva para uma bela conclusão de Keita, de 19 anos. Antes do intervalo, Hallfredsson lutou pela bola e passou para Marquinho, ex-Roma, bater cruzado e empatar. Na volta dos vestiários, Rafael Marques cometeu um erro e Keita apenas aproveitou para ajeitar para que Lulic marcasse o segundo. A partir daí, o Verona se lançou ao ataque e conseguiu o empate com Iturbe, melhor em campo, dando muito trabalho à defesa laziale. Com o empate, o técnico Mandorlini mandou Rômulo a campo, para fortalecer o meio-campo e apostar nos contra-ataques. Em um deles, o ítalo-brasileiro aproveitou cruzamento de Hallfredsson e falha da defesa romana para virar, a sete minutos do fim do jogo. Lulic, em má atuação, ainda foi expulso e, mesmo assim, a equipe da casa foi buscar o empate nos acréscimos. Após pênalti mal marcado sobre Klose, que valeu a expulsão de Albertazzi, Mauri, no rebote concedido por Rafael, se redimiu da cobrança errada e deixou tudo igual. (NO)

Udinese 5-3 Livorno
No jogo mais movimentado da rodada, Udinese e Livorno
fizeram uma festa de oito gols – sete gols apenas no primeiro tempo. O Friuli presenciou
uma das últimas grandes apresentações de Di Natale – se não a última. Pior para
o Livorno, que com a derrota e a surpreendente vitória do Catania, agora segura
a lanterna da Serie A, ficando cada vez mais perto de voltar à segunda divisão.
Em campo, Paulinho abriu o placar, após cobrança de falta, mas não demorou para
que Di Natale aparecesse. Depois de tentar de bicicleta e de pênalti, defendido
por Anania – com a suspensão de Bardi, de volta aos campos após 16 meses –, Totò não desperdiçou a sobra
de escanteio, logo após o pênalti perdido, e, sozinho na área, igualou o placar.
Com participação de Di Natale, Badu virou, mas Paulinho
deixou tudo igual em nova cobrança de falta. Porém, a felicidade amaranta mais
uma vez durou pouco, pois Pereyra marcou o terceiro dos friulanos, novamente
com participação do ídolo bianconero. Já nos minutos finais, em duas bobeiras
da defesa do Livorno, Gabriel Silva e Di Natale tornaram a vitória uma goleada,
antes mesmo do intervalo. O segundo gol do camisa 10 fez com que superasse
Signori e Del Piero, com 188 gols na Serie A. Com a vitória garantida e o
Livorno entregue, a segunda etapa teve apenas dois momentos de destaque: o gol
de Mesbah, já no final do jogo, diminuindo o prejuízo do clube toscano e a
substituição de Di Natale, aplaudido por todo o estádio. (CD)
Genoa 0-0 Bologna
Gasperini até pediu para não duvidar da moralidade de sua
equipe, mas o jogo frente o Bologna deixou claro que os jogadores estão apenas
esperando as férias. Há cinco partidas sem vencer (tendo conquistado apenas um ponto) e tendo
dado apenas um chute a gol, contra uma equipe que sofre para se manter fora da
zona de rebaixamento, ficou claro que a temporada já “acabou”. Para o Bologna,
ela ainda terá semanas decisivas, afinal a equipe felsinea conquistou apenas
dois pontos dos últimos 18 disputados, correndo sérios riscos rebaixamento. Na próxima rodada, o confronto direto com o Catania será decisivo.

A pelada, ou melhor, o jogo, teve um primeiro tempo sem
nenhuma oportunidade, mesmo com o Bologna precisando vencer. Na segunda etapa,
o time bolonhês pressionou e teve as principais oportunidades. Bianchi teve a
chance de colocar o Bologna em vantagem, mas isolou a principal chance do jogo.
Kone e Lazaros também tentaram, mas Perin e a falta de pontaria fizeram com que
o placar ficasse em branco. Com a vitória do Sassuolo sobre a Fiorentina, o Bologna precisará vencer o confronto direto contra o Catania, em seus próprios territórios, para evitar a queda. (CD)

Napoli 3-0 Cagliari
Apenas cumprindo tabela, Napoli e Cagliari entraram em campo em ritmo de amistoso de verão. Com o tempo mais quente no sul da Itália, já que o verão se aproxima, os azzurri, na ressaca do título da Coppa Italia, foram a campo com um time repleto de reservas e venceram os sardos com muita facilidade. Antes do jogo, festa, é claro: os napolitanos deram a volta olímpica com a taça da copa, e foram ovacionados por uma torcida animadíssima. A tensão, por causa dos incidentes em Roma no sábado, ficou apenas para antes do jogo.

No primeiro tempo, Pandev sofreu pênalti, convertido por Mertens, que chegou aos 9 gols na Serie A. Depois, o próprio Pandev marcou o seu, depois de erro de Astori. Já depois do intervalo, o macedônio, querendo jogo, buscou o contato com o goleiro Silvestri, provocando o pênalti e a expulsão do adversário. Hamsík desperdiçou a cobrança, acertando o travessão, mas os azzurri chegaram ao terceiro gol em seguida, mais uma vez iluminados por Pandev. O atacante chutou, Avramov deu rebote e Dzemaili ampliou. (NO)

Relembre a 35ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Pegolo (Sassuolo); Darmian (Torino), Rolín (Catania), Chiellini (Juventus); Izco (Catania), De Jong (Milan), Acquah (Parma), Iturbe (Verona); Sansone (Sassuolo), Berardi (Sassuolo), Di Natale (Udinese). Técnico: Eusebio Di Francesco (Sassuolo).

Deixe um comentário