Serie A

38ª rodada: Ritmo de festa

Campeã, recordista e melhores números da Serie A. Esta Juve era mesmo insuperável (AP)

Na última rodada da Serie A 2013-14, o ritmo era de pré-temporada em quase todos os jogos. Quase todos os vereditos da temporada já haviam sido definidos e apenas a última vaga na Liga Europa permanecia em aberto, e a disputavam Torino, Parma, Milan e, com ínfimas chances, o Verona, que foi realista e entrou em campo sabendo que dificilmente superaria o Napoli e contaria com uma combinação de resultados. O ritmo, claro, acabou sendo de festa – mesmo que melancólica para alguns. Festa para a Juventus, para o Napoli, para quatro importantes personagens da história da Inter e para o Parma – ou para o Torino? Acompanhe o resumo. 

Juventus 3-0 Cagliari 

102 pontos, 33 vitórias,
89,5% de aproveitamento, 80 gols marcados. A campanha cheia de recordes
da Juventus não podia terminar de outro jeito que não com uma vitória
de respeito e festa da torcida bianconera. Os 3 a 0 sobre o Cagliari,
com gols de Silvestri (contra, após bela cobrança de falta de Pirlo),
Llorente e Marchisio, encerram mais uma temporada perfeita da Juve em
solos italianos, mas com problemas sérios em campos continentais. A
eliminação ainda na fase de grupos da Liga dos Campeões fez o próprio
técnico Antonio Conte cogitar não ficar no clube para a próxima
temporada.

Na tarde dessa segunda-feira, porém, o clube
anunciou pelo Twitter acordo para Conte ficar e alegrou os torcedores,
que continuam sonhando com uma conquista em nível europeu. O presidente
Andrea Agnelli prometeu ao treinador condições de disputar o título da
Liga dos Campeões. Para isso, Pogba talvez não permaneça no clube. O
francês de futebol físico e requintado ao mesmo tempo pode virar
dinheiro para que o clube invista em outras posições. Conte fará questão
de acompanhar o trabalho dos dirigentes de perto para, finalmente,
colocar seu nome entre os grandes da Europa. (Rodrigo Antonelli)

Parma 2-0 Livorno

Ainda com chances de chegar à Liga Europa, o Parma entrou na última rodada do campeonato na 7ª posição e precisando fazer sua parte contra o Livorno, além de torcer por um tropeço do Torino. Felizmente, para os torcedores da equipe crociata, que lotaram o estádio Tardini, tudo correu bem e os parmenses conseguiram, no campo, a classificação ao torneio continental. Porém, a licença Uefa do clube foi cassada pela Federação Italiana de Futebol e, por enquanto, a vaga é do Torino. O clube já anunciou que irá recorrer da decisão, julgando a decisão incondizente com os “esforços financeiros e futebolísticos da equipe, que lutou no campo e conseguiu sua vaga após anos de tentativas”.

Dentro das quatro linhas, a partida não foi das mais agradáveis do ponto de vista do espetáculo. Bem postado taticamente, o Parma não chegou a ser, de fato, importunado pelo ataque livornês, que fechou 2013-14 em branco e agora só poderá balançar as redes novamente na Serie B. Porém, o Parma só foi chegar aos gols que decidiram a partida no segundo tempo, depois da entrada de Amauri. O atacante ítalo-brasileiro apareceu com tudo na pequena área e, de cabeça, abriu o placar, depois de bela cobrança de escanteio de Cassano. Já nos minutos finais, após outra bola alçada na área, o atacante testou firme, Anania não segurou e, no rebote, outro gol. Apesar do 2 a 0, o Parma só foi comemorar de verdade alguns minutos após o apito final, porque Torino e Fiorentina ainda jogavam. E algo incrível quase tirou a vaga gialloblù… (Nelson Oliveira)

Fiorentina 2-2 Torino

Faltavam dois minutos para o fim da partida em Florença e o Torino, 20 anos fora de competições europeias, tinha um pênalti a seu favor. A equipe precisava deste gol para garantir a 6ª colocação e comemorar a volta ao cenário continental. Seria a coroação de uma grande temporada, de muitos esforços para uma equipe apenas regular, mas bem treinada e com alguns ótimos jogadores. Coroar até mesmo os esforços do time naquela partida, na qual havia ficado em desvantagem no placar por duas vezes. Cerci, porém, chutou a bola nas mãos de Rosati e viu a vaga escorrer por entre seus dedos e ficar com o Parma de Donadoni e Cassano. Ou não, já que a Uefa cassou a licença parmense. Cenas dos próximos capítulos.

O empate em 0 a 0 no primeiro tempo servia ao Torino, que jogava contra uma Fiorentina sem objetivos na Serie A, mas se despedindo em um estádio que teve ingressos esgotados para celebrar a boa campanha violeta. Porém, no segundo tempo, Vives cometeu pênalti em Cuadrado, convertido por Rossi, que chegou aos 18 gols na Serie A. Ao mesmo tempo, o Milan vencia o Sassuolo e ia carimbando uma improvável vaga à competição, até que Amauri deixou o Parma com a vaga. Larrondo empatou o jogo para o Toro, mas pouco depois, Cuadrado puxou contra-ataque mortal e o croata Rebic virou, já no minutos finais. Moretti marcou para o Torino, mas teve gol anulado por falta de Larrondo sobre Roncaglia. Kurtic, com um tirambaço, deu novas esperanças para o Torino, que até teve o pênalti a seu favor, depois que Barreto se atirou na área. Cerci desperdiçou e a melancolia se abateu sobre o time grená. (NO)

Milan 2-1 Sassuolo
E o Milan está fora de competições europeias desde
1998-99. Não que seja surpresa, muito graças aos míseros 22 pontos do
time de Allegri no primeiro turno, que nem mesmo um bom returno com
Seedorf, a terceira melhor campanha (35 pontos, contra 41 da Roma e 50
da Juventus), conseguiu recuperar o estrago. Muito também porque o time
do holandês, embora tenha melhorado consideravelmente, no 4-2-3-1 de
início ou no 4-3-1-2 de final, perdeu pontos bobos e ficou atrás de
Parma e Torino na tabela.

A partida no San Siro foi movimentada nas ocasiões de gol e ambos
levaram perigo, porém os goleiros estavam em bom dia. O Sassuolo
incomodou com seu trio Berardi-Zaza-Sansone, que soma 29 gols (67,7%
dos marcados pelos neroverdi na Serie A) e 11 assistências, mas só passou por
Abbiati no último minuto, quando Sansone sofreu pênalti de De Sciglio e
Zaza converteu, diminuindo a vantagem construída pelos volantes Muntari e
De Jong. A partida ainda teve três expulsos – Mexès, De Sciglio e
Cannavaro, este suspenso por três jogos – e a volta de Terranova,
capitão e rigorista original do Sassuolo, que sofreu gravíssima lesão em
setembro e não entrava em campo desde então.(Arthur Barcelos)

Quarteto argentino se despede da Inter e encerra era na Pinetina (Inter.it)

Chievo 2-1 Inter

A partida não valia nada em termos de tabela para um Chievo já garantido na próxima Serie A e uma Inter com a 5ª posição e a vaga na Liga Europa garantidas. Por isso, muitos reservas no gramado do Bentegodi e uma partida morníssima, que só serviria para que a torcida interista se despedisse do clã argentino formado por Samuel, Cambiasso, Milito e Zanetti, um dos mais importantes da história nerazzurra, que deixam o clube – o capitão Zanetti permanece, mas como diretor; os outros jogarão em outras equipes. Samuel seria titular, mas teve problema muscular e não conseguiu entrar em campo. Nas tribunas, Massimo Moratti, presidente honorário da Inter, assistia o jogo. Nada mais simbólico para um fim de era.

Em campo, o Chievo foi melhor e chutou mais vezes ao gol defendido por Carrizo, chegando até a acertar a trave duas vezes na primeira etapa. No meio-campo, Lazarevic deu bastante trabalho aos milaneses, mas foi a Inter quem saiu em vantagem, com um gol de Andreolli, ex-Chievo. No segundo tempo, porém, outro ex do jogo, Obinna, entrou no Chievo e infernizou a defesa do seu antigo clube. Com um gol de fora da área e outro após infiltração, virou a partida e deu um fim de temporada feliz aos clivensi e melancólico aos interistas. (NO)

Udinese 3-3 Sampdoria

Pouco
importava quem venceria o duelo da tarde no Friuli. Udinese e Samp
ocupavam o meio da tabela, não corriam risco de rebaixamento e havia
apenas um motivo para o estádio estar cheio: a despedida de Antonio Di
Natale. Ídolo máximo da Udinese, o atacante de 36 anos entrou em campo
para fazer sua última partida como jogador profissional – é verdade que
ao fim do jogo ele pareceu balançado e afirmou que vai reavaliar a
decisão da aposentadoria, mas até aquele momento tudo fora preparado
para ver o adeus do goleador – e encheu de orgulho e alegria os
torcedores bianconeri.

Com três gols, Totò, como é chamado carinhosamente
pelos torcedores, se despediu mostrando que terá ausência sentida. Primeiro, ele
marcou de falta. Depois, mostrou oportunismo duas vezes: completando
cruzamento da esquerda e aproveitando falha da zaga adversária. A frieza
à frente do goleiro fez de Di Natale um dos maiores artilheiros
recentes da Série A. Ele fez 17 gols nessa temporada; 23 nas duas
útimas, 28 em 2010-11; e 29 em 2009-10. Ao todo, foram 193 na elite do
Campeonato Italiano e oito temporadas consecutivas marcando mais de 10 gols; em sete delas, mais de 20. A atuação de gala ofuscou a boa partida de Okaka
pela Samp. Decisivo, ele fez um e participou dos outros dois gols dos
visitantes, marcados por Éder e Soriano. (RA)  

Genoa 1-0 Roma 
Em outro jogo que não valia nada
na rodada, Rudi Garcia mandou a Roma a campo com alguns jovens – Ricci e
Jedvaj começaram o jogo e Mazztelli entrou depois para fazer sua
estreia – e perdeu a terceira consecutiva. A sequência negativa, porém,
não mancha o grande campeonato dos giallorossi, que fizeram campanha
digna de campeão e garantiram a volta do clube à Liga dos Campeões.
Foram incríveis 85 pontos em 38 jogos, com 26 vitóerias e 72 gols
marcados.  
Do lado do Genoa, que fez partida ruim, mas achou um
gol aos 38 minutos do segundo tempo – com Fetfatzidis -, a vitória
serve como esperança para os torcedores que temiam dias difíceis. A
equipe terminou na 12ª colocação, com 47 pontos, e ganhou aplausos da
torcida pela dedicação. Resultado pra lá de bom para quem foi vaiado
pelos apoiadores em alguns momentos do campeonato. (RA)
Napoli 5-1 Verona
Descompromissado, o Napoli entrou como um jogo
qualquer: bastante ligado, buscando a vantagem cedo e não dando
oportunidades pro oponente. O time de Benítez é o que mais fez gols no
primeiro tempo nesta Serie A, e nesse domingo foram três em 25 minutos,
massacrando o rival Verona e tirando qualquer chance do clube de Vêneto
brigar pela última vaga na Liga Europa. Terminou ainda com o segundo
melhor ataque (77, um recorde na história do clube) e a terceira melhor
defesa, e também repetiu a mesma campanha da temporada passada, sob o
comando de Mazzarri: 23 vitórias, nove empates e seis derrotas.

O jogo teve mais um show de Mertens, o napolitano com a melhor média
no WhoScored junto a Inler, autor de dois gols e duas assistências
diretas, e também doppietta de Zapata, atacante que chegou por um preço
salgado, não mostrou muito serviço ao entrar no segundo tempo, mas
aproveitou as oportunidades como titular: seis partidas, cinco gols e
duas assistências. Insgine, com boa atuação e uma assistência, e
Callejón, com um gol e uma assistência, completaram os 5 a 1 no San
Paolo. O Verona, que ainda levou algum perigo para Doblas, só marcou com
Iturbe. (AB)

Di Natale se despediu em grande estilo (Vavel)

Lazio 1-0 Bologna

Num jogo sem importância para as duas
equipes, foi preciso esperar o último minuto para ver a rede balançar.
Coube a Biglia o último gol da temporada italiana, convertendo  pênalti
sofrido pelo brasileiro Felipe Anderson, e garantir a vitória que de
nada ajudou a Lazio, terminando na nona colocação.

Os
biancocelesti tiveram as primeiras chances, e Candreva até acertou o
travessão. Na segunda etapa, a Lazio abdicou do jogo e viu o Bologna
tomar as ações do jogo e criar boas chances com Ibson e Crespo, mas o
gol sofrido no final apenas refletiu a deprimente temporada do Bologna,
que terá de encarar a segunda divisão. (Caio Dellagiustina)

Catania 2-1 Atalanta

Na
despedida da primeira divisão, o Catania deu ao menos um pouco de
orgulho para sua torcida. Venceu a Atalanta e conseguiu sua terceira
vitória seguida mas, insuficiente, devido ao pífio início de campeonato.
Ainda assim, o time siciliano conseguiu subir mais um posto na
classificação, amenizando a dor da queda e ainda impediu os bergamascos
de alcançaram o recorde de 53 pontos na Serie A.

Após
um primeiro tempo compatível com as posições de cada time, os gols
apareceram na segunda etapa. O predominio dos elefantini se fez valer ao
20 minutos, quando Lodi abriu o placar. A Atalanta conseguiu o empate
com Koné, que marcou seu primeiro gol com a camisa nerazzurra, mas já nos
acréscimos, Bergessio aproveitou o pênalti e definiu a vitória. (CD)

Relembre a 37ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui

Seleção da rodadaBuffon (Juventus); Cuadrado (Fiorentina), Bonucci (Juventus), Paletta (Parma), Ghoulam (Napoli); Marchisio (Juventus), Jorginho (Napoli); Okaka (Sampdoria), Mertens (Napoli), Di Natale (Udinese); Amauri (Parma). Técnico: Roberto Donadoni (Parma).

Deixe um comentário