Serie A

36ª rodada: A dona da vantagem

Recuperação: Roma voltou a conseguir vitórias e hoje tem a
vantagem no campeonato particular contra a Lazio (Pagine Romaniste)

Depois de um momento de instabilidade que durou bastante, a Roma voltou aos trilhos. Certo, o time continua sem jogar bem (algo que não aconteceu de fato em 2014-15), mas agora consegue vencer algumas partidas à força, com insistência e coração. Foi o que aconteceu neste domingo, diante da Udinese. A equipe, que havia sido ultrapassada pela rival Lazio, saiu perdendo contra o time de Údine, mas buscou a virada aos trancos e barrancos. Hoje, os romanistas têm a vantagem sobre os laziali na disputa pelo vice-campeonato, o que dá vaga na fase de grupos da Liga dos Campeões: estão a uma vitória do feito. E esta vitória pode ser justamente contra a própria Lazio, na próxima segunda. Segunda? Pois é… Acompanhe o resumo da rodada.

Roma 2-1 Udinese

A Roma tem se recuperado para pelo menos
conquistar a vaga direta para a Liga dos Campeões. Até que enfim, dizem os torcedores, depois de tantos tropeços, empates – é o time
que mais empatou em 2015 nas cinco maiores ligas europeias – e suposto problema
entre treinador e elenco. Com a breve queda da
Lazio e inconsistência do Napoli, restando dois jogos e tendo a tabela
menos complicada, o time romanista deu passo importante para seguir na
segunda posição até o final da temporada. Antes do dérbi romano, os giallorossi têm 67 pontos – contra 66 dos laziali – e uma vitória no clássico os garante na vice-liderança da Serie A.

O que não aconteceu exatamente com
tranquilidade. Como marca deste ano giallorosso, foi com sofrimento
contra a Udinese. Em erro clamoroso na saída de bola, logo aos 18, Manolas
perdeu a pelota para Théréau, que teve chute parcialmente defendido por De
Sanctis, deixando a sobra para Perica inaugurar o marcador. A Udinese teve uma chance incrível no contra-ataque, mas Allan errou o último passe. Na sequência, fato raro: a Roma se livrou de sofrer um gol para marcar o seu. Ainda antes do intervalo,
Nainggolan aproveitou cochilo da zaga binaconera, completou cruzamento de Totti e empatou – tento merecido, depois de minutos de pressão e chances romanas. Em menor ritmo na
segunda etapa, o time da casa chegou ao gol da vitória aos 65, com
Torosidis, que aproveitou erro da zaga friulana. (Arthur Barcelos)

Sampdoria 0-1 Lazio
Exame Sampdoria superado: a Lazio continua brigando forte por uma vaga na Liga dos Campeões. Ao infligir à equipe doriana a segunda derrota no Marassi em toda a temporada, o time treinado por Pioli não só manteve a Roma apenas um ponto à sua frente como bagunçou a luta por uma vaga na Liga Europa – a Inter, que perdera para a Juventus pouco antes, continua com chances, assim como Torino e Genoa. Com isso, a Lazio recuperou pontos que desperdiçou contra a Inter, no último final de semana, e fará dérbi quente contra a Roma. O jogo, que já é muito brigado normalmente, ganhará contornos de drama por causa da briga pelo vice-campeonato, e também porque a Roma não encarou bem uma manobra laziale nos bastidores. Usando de sua influência, o seu presidente, Claudio Lotito, pediu (e conseguiu) adiamento da partida do domingo para a segunda, em virtude da final da Coppa Italia, nesta quarta. A adversária da Lazio, a Juventus, enfrenta o Napoli no sábado, em jogo que também é importante para esta disputa.

No Luigi Ferraris a partida foi truncada, e quem criou mais foi a Sampdoria. No primeiro tempo, o time treinado por Mihajlovic teve uma chance clamorosa, desperdiçada por Obiang dentro da área. Na volta do intervalo, Eto’o teve oportunidade ainda mais clara, mas mesmo sozinho em contra-ataque, bateu à esquerda do gol de Berisha. Seis minutos depois de perder o gol, o camaronês se esticou todo, mas não conseguiu evitar o gol de Gentiletti. O zagueiro, que havia rompido o ligamento cruzado no mesmo estádio, 8 meses antes, completou escanteio batido por Ledesma e fez o gol solitário da partida – gol que poderia ter sido anulado, por puxão de Klose no goleiro Viviano, no lance. Depois de ter saído atrás no placar, a Samp sentiu e viu a Lazio dominar o jogo com tranquilidade. (Nelson Oliveira)

Napoli 3-2 Cesena
A
vaga na Champions League ainda é uma realidade para o Napoli. E o
responsável por ainda manter os partenopei na disputa é Dries Mertens. O belga, que alterou bons e maus momentos na temporada, foi decisivo
contra o Cesena, ao anotar dois gols e dar a assistência para o gol de
Gabbiadini – além de ter participado das principais jogadas ofensivas
napolitanas. Mas vencer o vice-lanterna não foi moleza para a equipe
napolitana. Os bianconeri abriram o placar logo aos 15 minutos. Defrel
acertou um chute rasteiro de fora da área e colocou os visitantes em
vantagem.

Mesmo com a pressão das arquibancadas, o Napoli não se
abateu com o gol sofrido e, quatro minutos depois chegou à igualdade.
Mertens aproveitou a sobra do chute de Callejón e não deu chances à
Agliardi. A virada chegou no lance seguinte. Mertens fez bela jogada
pela esquerda e cruzou para Gabbiadini, livre na pequena área, só
completar ao gol. Com a vantagem, os azzurri recuaram e os cavalos marinhos
voltaram ao jogo. No último lance da primeira etapa, Defrel apareceu
sozinho na área para igualar o placar, para irritação da torcida local.
Na segunda etapa, a partida caiu de rendimento, mas o Napoli seguiu
melhor. Depois de criar algumas oportunidades, Mertens foi crucial para
garantir a vitória. O camisa 14 recebeu de Hamsík e chutou cruzado para
fazer seu segundo gol na partida. Já sem forças, o Cesena não esboçou
qualquer reação. Agora, o Napoli tem 63 pontos, três a menos que a Lazio e quatro atrás da Roma. Na próxima rodada, os azzurri secam os romanos e viajam para Turim, para tentar carimbar a faixa da Juventus. (Caio Dellagiustina)

Inter 1-2 Juventus
Tinha tudo para ser um Derby d’Italia de menos prestígio – um dos menos na história. A Inter, no meio da tabela, recebia uma Juve já campeã nacional, de ressaca pela passagem à final da Champions e recheada de reservas – somente Lichtsteiner, Bonucci, Marchisio e Morata eram titulares. Um cenário favorável para que os comandados de Mancini pudessem vencer e continuar sonhando com uma vaga europeia. Nem assim os nerazzurri venceram, e amargaram uma virada que praticamente elimina as chances de o time jogar a segunda competição europeia de clubes. O curioso é que o jogo começou bem para a Inter. Muito ligada e com a mentalidade correta para uma partida de relevo, o time da casa mordeu e pressionou bastante. Porém, novamente demonstrando irregularidade e sofrendo com erros individuais (os dois gols da Juve saíram assim), o time degringolou.

A Inter chegou ao gol cedo, aos 9 minutos, depois que Icardi botou o peito na bola e desviou o chute de Brozovic. A Beneamata pressionou muito, e chegou até a ampliar: Shaqiri acertou o travessão e Brozovic, no rebote, anotou. O gol, porém, foi mal anulado por impedimento. Na sequência, a Inter sofreu um gol em uma jogada que já se anunciava perigosa. Morata e Matri davam trabalho com arrancadas para cima da lenta zaga formada por Ranocchia e Vidic – o espanhol fez Handanovic trabalhar antes. O beque sérvio saiu na frente na corrida, mas chegou bem atrás de Matri e cometeu pênalti, convertido por Marchisio. No segundo tempo, a Juventus melhorou e equilibrou as ações do jogo. Quando a partida parecia que iria acabar empatada, Handanovic engoliu frango em chute fraco de Morata, já nos minutos finais. A Inter buscou a reação, mas o vovô Storari, de 38 anos, fez duas defesaças no mesmo lance, sobre Palacio e Icardi. (NO)

Fiorentina 3-0 Parma
Passada
a decepção da eliminação ante o Sevilla, a Fiorentina voltou a campo
para encarar o lanterna Parma e praticamente garantiu sua vaga na Liga
Europa da próxima temporada. Com o Artemio Franchi um tanto quanto
vazio, a equipe recebeu o apoio dos presentes, mesmo depois das vaias da quinta e da declaração irritada do técnico Montella. O time viola foi a campo com poucas modificações: a principal
dela foi a entrada de Gilardino no lugar de Gómez, o que aumentou os
rumores da saída do Alemão para o Borussia Dortmund, numa possível troca
envolvendo Immobile.

A partida começou com o Parma melhor, mas
rapidamente o time toscano tomou conta do jogo. Gonzalo Rodríguez abriu o placar
aos 12 minutos e não fosse a falta de pontaria dos jogadores viola, a
vantagem poderia ter sido ampliada na sequência. O segundo gol, porém,
não demorou a sair, dessa vez com Gilardino, ainda na primeira etapa. Os
crociati estavam entregues e não davam mostras de reação. Se
aproveitando da falta de ofensividade, a Fiorentina chegou ao terceiro,
com Salah, liquidando a partida. Ghezzal ainda tentou descontar no fim
do jogo, mas parou em grande defesa de Neto. A duas rodadas do final a
equipe tem quatro pontos de diferença para a Sampdoria, sétima
colocada. A vaga europeia está bem próxima. (CD)

Atalanta 1-4 Genoa
Olha o Genoa aí. Após início
ruim no returno, o time de Gasperini não parecia ter forças para entrar
na zona europeia, mas novamente surpreendeu e, em boa fase desde abril,
ocupa a sexta colocação, dois pontos atrás da Fiorentina, dois à frente
da Sampdoria e a três da Inter. Distância curta, claro, mas que vale
muito para os grifoni, que na próxima rodada receberão o time de Mancini
em confronto direto e seguirão secando a rival, que mais uma vez perdeu
em casa. No entanto, todo esforço pode não resultar em vaga na Liga Europa, já que o clube teve a licença Uefa negada por questões financeiras e perdeu o primeiro recurso. Com isso, caso os rossoblù fiquem com a sexta posição, o sétimo pode ficar com vaga na Liga Europa, de forma semelhante ao que ocorreu com Parma e Torino no ano passado.

Edy Reja versus Gian Piero Gasperini. Certeza de jogo
pegado, mas também com muitas oportunidades de gol. Foi exatamente o
roteiro da partida em Bérgamo, com final pra lá de feliz pros
visitantes, embora os donos da casa tenha comemorado a permanência na
Serie A após novo campeonato sofrido e mesmo com a goleada. A
Atalanta saiu na frente do placar após pênalti bizarro cometido por
Burdisso, que inexplicavelmente colocou a mão na bola na própria área
aos 17. Na cobrança, Pinilla bateu colocado e fez valer a Lei do Ex. O Genoa respondeu ainda no primeiro tempo, aos 30: Pavoletti
novamente foi decisivo ao marcar o gol de empate e seu quarto gol em
cinco partidas, desviando cruzamento de Bertolacci. Bertolacci, aliás,
responsável pelo gol da virada já na segunda etapa, mais uma vez chamando atenção de times grandes com bela jogada pessoal. Depois, o Genoa marcou duas vezes com Iago, uma das surpresas da
temporada. O espanhol recebeu dois passes de Pavoletti e chegou aos 13 gols. (AB)

Sassuolo 3-2 Milan
Domenico
Berardi. Definitivamente, ele é o carrasco do Milan. Em cinco jogos
oficiais entre as equipes, o meia-atacante do Sassuolo marcou sete gols.
Depois dos quatro na última temporada, numa vitória épica por 4 a 3, o
jovem destaque dessa vez marcou três e garantiu mais uma vitória da
equipe neroverde. E poderiam ter sido quatro, não fosse a brilhante
defesa de Diego López, quando a partida ainda estava empatada. É bem
verdade que o goleiro espanhol colaborou bastante para a tripletta,
falhando bisonhamente no primeiro gol da equipe da casa, não conseguindo
defender um chute de longa distância. A bola não cruzou toda a linha e o gol deveria ter sido invalidado, mas ficou o registro do erro do experiente arqueiro. No segundo gol, López pode culpar sua zaga, pelo
vacilo em deixar Berardi sozinho para receber longo lançamento e bater
cruzado.

Da defesa, o espanhol viu sua equipe pressionar e diminuir
logo na sequência. Bonaventura fez uma bela jogada, passando por quatro
defensores e tocando no canto de Consigli. Apesar de esboçar uma pressão
no final da primeira etapa, o Milan só chegou ao gol de empate no
começo da segunda etapa. Alex aproveitou cruzamento de Suso,
dividiu com o goleiro neroverde e empatou para o Diavolo. A expulsão de
Bonaventura, pouco após o empate, foi decisiva para o Sassuolo, que
voltou a atacar até chegar ao terceiro gol, novamente com Berardi. Se a
vitória não mudou a situação do time da Emília-Romanha, eliminou
matematicamente qualquer possibilidade de o Milan chegar à Liga Europa, colocando ainda
mais pressão para a temporada seguinte. Como consolo, El Shaarawy voltou
aos campos e surge como esperança de um frágil Milan. (CD)

Cagliari 0-1 Palermo
O
inevitável aconteceu. O Cagliari se juntou à Parma e Cesena como os
times que disputarão a Serie B da próxima temporada. Depois de um ano
marcado por trocas de técnicos, um time decadente e muitos problemas
internos, a torcida ainda acreditava num verdadeiro milagre para tirar
oito pontos nas três rodadas restantes e encheu o Sant’Elia.

Toda
euforia logo foi motivação para a equipe que, nos primeiros minutos,
quase abriu o placar. Mas, Vázquez tratou de esfriar o clima no estádio e
aos 9 minutos fez o primeiro para o Palermo, aproveitando sobra na
entrada da área. O jogo seguiu disputado e o Cagliari teve a chance do
empate, com Ekdal e Diego Farias, mas pararam nas boas defesas de Sorrentino.
No segundo tempo, a partida seguiu com o Cagliari pressionando e o
Palermo contra-atacando, mas nada de um gol sair. 11 anos depois, a Sardenha
ficará sem representantes na primeira divisão italiana. (CD)

Torino 2-0 Chievo
O
Torino não criou tantas chances, mas fez o suficiente para manter a
invencibilidade contra o Chievo, no Olímpico, e permanecer na disputa
por uma (improvável) vaga na Liga Europa. Sem contar com Amauri, suspenso, e
Quagliarella, machucado, Maxi López iniciou entre os titulares para
incorporar a Lei do Ex. Está certo que Martínez deveria ter sido o primeiro a
marcar, ainda aos 30 segundos do primeiro tempo, mas não conseguiu
tocar a bola da forma correta com a cabeça.

O primeiro gol da
partida saiu somente na etapa final. Martínez também participou, desta
vez com uma cabeçada meio estranha. A zaga do Ceo afastou ainda pior e
Maxi empurrou a bola para a rede. Em contra-ataque, contando com a segunda assistência do zagueiro Maksimovic no jogo, o argentino
completou o 2 a 0 para a festa da torcida granata. E olha que Bardi
salvou o que seria um dos gols mais bonitos da temporada: Gastón Silva,
de primeira e da intermediária. (Murillo Moret)

Verona 2-1 Empoli
Duelo sem
pretensões para as equipes, mas a partida valia demais para Toni, que ainda disputa o
prêmio de artilheiro do campeonato. O artilheiro, porém, passou em branco. Quem marcou primeiro foi Saponara. O jogador emprestado pelo Milan mostrou outra vez ter sido uma bela aquisição de inverno e silenciou o Marc’Antonio
Bentegodi logo aos 6 minutos, com um chute forte, após assistência de
Maccarone. O lançamento de Obbadi, em cobrança de falta, foi preciso
para Moras empatar a partida ainda no primeiro tempo.

O Verona teve a
chance de virar a partida no pênalti não marcado de Valdifiori. O
árbitro Federico La Penna não viu que o meio-campista do Empoli colocou a
mão na bola. No segundo tempo, deu mais Verona. E foi Hallfredsson que se destacou após o intervalo. O
islandês iniciou a etapa com um cruzamento perfeito para Sala virar a
partida. Ele também participou do único lance de perigo de Toni – uma
cabeçada que deixou a trave balançando. No fim da rodada, o veterano
está empatado com Icardi e com um gol a menos que Tévez. (MM)

Relembre a 35ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.  

Seleção da rodada

Storari (Juventus); Gentiletti (Lazio), Rodríguez (Fiorentina), Maksimovic (Torino); Iago (Genoa), Nainggolan (Roma), Bertolacci (Genoa), Mertens (Napoli); Berardi (Sassuolo), Morata (Juventus), Maxi López (Torino). Técnico: Massimiliano Allegri (Juventus).

Deixe um comentário