Liga Europa

O fim de um sonho

Com a cara no chão: assim ficou o Napoli após cair para o Dnipro, zebra da Liga Europa

Acabou. Napoli e Fiorentina caíram de forma justa na Liga Europa e não teremos final italiana na competição. Agora, para que a Itália volte a conquistar um título continental pela primeira vez em cinco anos, dependerá de uma vitória da Juventus contra o Barcelona na Liga dos Campeões. De qualquer forma, apesar do vexame dos times da Bota nas semifinais da Europa League, a avaliação da temporada é positiva. Veja como foram as eliminações das equipes.

Dnipro 1-0 Napoli
Em Nápoles, muitos reclamarão da arbitragem. De novo. Seleznyov, também novamente, fez o único gol do Dnipro, aquele que sacramentou a classificação dos ucranianos à grande decisão da Liga Europa. A partida no Leste Europeu foi bastante semelhante a da última semana, na Itália. Os napolitanos tentaram pressionar, porém, sem qualquer tipo de consistência. Nas poucas chances criadas, Higuaín parou em Boyko – assim como no jogo de ida.

É interessante, somente, que o finalista teve uma trajetória com duas polêmicas exatamente com a arbitragem. Os gols impedidos de Seleznyov, no primeiro jogo, e Fedetskiy, contra o Saint-Étienne, eliminaram tanto Napoli como Qarabag. O time do Azerbaijão foi prejudicado ainda no duelo contra a Inter: venceria e deixaria o Dnipro amargando a desclassificação na fase de grupos. Porém, o gol da vitória foi anulado de forma bisonha.

De qualquer forma, os italianos agora precisam garantir vaga em competições europeias através do Italiano. Entrar novamente na Liga Europa é mais simples por conta dos cinco pontos de vantagem que tem para a outra eliminada do dia, a Fiorentina. Liga dos Campeões só com quedas de Roma ou Lazio. É possível, já que a Lazio terá pela frente Sampdoria (fora), Roma e o próprio Napoli, na última rodada, no San Paolo.

Foi um dia bastante complicado para a equipe que teria de enfrentar o adversário mais fácil. A eliminação trouxe à tona a declaração de Fedetskiy. O zagueiro deseja que Higuaín cumpra a promessa e pendure as chuteiras, pois Pipita disse que não jogaria mais futebol caso não avançasse de fase. (Murillo Moret)

 

Uma nuvem vermelha persegue Montella: técnico se irritou com torcida após eliminação (Gazzetta.it)

Fiorentina 0-2 Sevilla
A missão não era fácil. Reverter uma desvantagem de três gols contra o atual campeão. Ainda assim, a torcida viola lotou o Artemio Franchi em busca de uma reação histórica. Toda a euforia, porém, acabou antes dos 30 minutos. E se transformaram em muitas vaias e protestos no apito final, o que irritou o técnico Montella. Ele disse que a torcida deveria reconhecer os esforços do grupo ao invés de contestá-lo. Após a partida, o treinador deixou em aberto uma possível saída do clube, antes dada como muito improvável.

 

Apesar de ter começado melhor, com a primeira chance logo aos 15 minutos, milagrosamente defendida por Rico, a zaga da Fiorentina mais uma vez vacilou e num espaço de cinco minutos, sofreu dois gols, praticamente enterrando qualquer chance de chegar à final. Bacca fez o primeiro após completar cruzamento que passou por toda defesa. Na sequência, foi a vez de Carriço ter o trabalho de apenas concluir a gol, aproveitando a falha terrível de Basanta. Acabava ali a partida. Restavam 60 minutos por jogar que de nada serviriam para a Fiorentina. 

 

A equipe de Montella, bastante modificada – e ofensiva –, até criou boas chances, mas em todas o bom goleiro espanhol foi melhor. Quando não conseguiu defender, contou com a sorte. Ilicic teve a chance de descontar e fazer o gol de honra, mas errou bisonhamente a cobrança de penalidade, representando bem o que foi a equipe italiana nessa eliminatória – a propósito, a viola errou seis dos sete pênaltis que teve a seu favor nesta temporada. No placar agregado, o 5 a 0 foi um duro golpe na equipe, que agora joga suas últimas fichas para tentar voltar ao torneio na próxima temporada. (Caio Dellagiustina)

Deixe um comentário