Serie A

Jogo à italiana: a história dos esquemas táticos no futebol da Bota – parte 2

Na semana passada, começamos um novo especial aqui no Quattro Tratti. Resolvemos falar de tática, algo tão caro ao futebol italiano, sempre tão estudado e com grande foco nas ideias e estratégias dos seus treinadores. Falamos sobre o início de tudo, sobre as influências das escolas inglesa e húngara e o desenvolvimento de conceitos próprios na Bota; de WM, WW, Vittorio Pozzo e do Grande Torino. Nos aproximamos do presente nesta segunda etapa, mas iremos recapitular para você. Boa leitura!

>>> Parte 1: WM, WW, Vittorio Pozzo e o Grande Torino: as origens do estudo tático
>>> Parte 3: A revolução de Sacchi e o tradicionalismo de Capello e Lippi
>>> Parte 4: Os dias atuais; o que andam fazendo os treinadores na Bota

O auge, a queda e o ressurgimento do jogo à italiana

O fim do Grande Torino foi uma perda imensurável para o futebol italiano. Até então o maior time da história do Belpaese – e talvez ainda seja, por tudo o que representa -, era também a base da seleção azzurra – à época, 10 dos 11 titulares eram granata – e que encantava o país com seu futebol. Enquanto o Torino aos poucos caiu no ostracismo, a rival Juventus voltou a dominar e levou consigo Milan e Inter, na época acompanhados também pela Fiorentina.

Nesse contexto, a presença de estrangeiros ganhou maior relevância, ainda que sempre dentro do limite de três não-italianos para cada clube. Suecos, húngaros, dinamarqueses eram os destaques da liga, ao lado dos oriundi – argentinos, brasileiros e uruguaios de descendência italiana, que já desde os anos 30 passaram a ser importados para o futebol da Bota, assim como para a seleção nacional. Para a Nazionale, agregavam sua habilidade e individualidade para um futebol marcado pela organização tática desde os tempos de Vittorio Pozzo. Na beira do gramado, a presença estrangeira seguiu influente, com húngaros, britânicos e outros do leste europeu comandando vários times na primeira divisão.

Algo que descobri recentemente, porém sem uma fonte exata – um dos grandes problemas do futebol da época, com pouca oferta de material em foto e vídeo, e alguns registros de jornais e rádios – foi uma mudança importante no Grande Torino. Em sua última versão, na temporada 1948-49, sob o comando de Leslie Lievesley e Erno Erbstein, o Torino já apresentava uma das variações do WM que seriam difundidas na Europa nos anos 1950 e 1960, com um “leve” recuo de um dos meio-campistas, que atuava próximo dos defensores e participava com eles do sistema de marcação a homem. No caso, era Giuseppe Grezar quem fazia esse movimento, aparentemente sutil, mas que posteriormente moldaria a próxima grande mudança do futebol.

Do WM, 3-2-2-3, surgia quase um 4-2-4, ainda sem a defesa a quatro justamente alinhada. Não se sabe como, mas talvez Lievesley e Erbstein tenham se inspirado em algum adversário que enfrentaram numa das suas várias viagens internacionais que começaram a fazer após os consecutivos sucessos – numa dessas turnês, tragicamente, aconteceu o Desastre de Superga. Na América do Sul, acompanhada também por outras mudanças de posicionamento do WM, surgiu a diagonal, marca do grande River Plate dos anos 40. La Máquina jogava assim, e da mesma forma atuavam alguns times no Brasil, como o Corinthians e o Flamengo. No clube carioca, o argentino Carlos Volante atuava como Grezar – dez anos antes, por sinal – e popularizou o termo “volante”. A função, já sabemos, dava sustentação para a defesa e o time.

A evolução do WM e o sistema das diagonais, quase um 4-2-4 assimétrico, que surgiria primeiro no Brasil, nos anos 50

Ao mesmo tempo, o gioco all’italiana (literalmente jogo à italiana) começava a dar as primeiras caras. O termo, normalmente utilizado para a zona mista, modelo de jogo disseminado nos anos 1970 e predominante até os anos 1980 na Itália, na verdade se refere ao sistema de marcação homem a homem tipicamente italiano, que por décadas consagrou diversos zagueiros no Belpaese. Tudo isso em conjunto com times de linhas baixas e que tinham no contra-ataque seus grandes argumentos ofensivos. Esse modelo de jogo revolucionou a preparação física, a partir de então mais intensa, e o estudo do futebol.

Além dos defensores ótimos no um a um, duas funções desempenhadas por jogadores bastantes técnicos surgiram nesse contexto. Um deles estava atrás da linha defensiva: era o libero (em italiano, quer dizer “livre”), que marcava por zona, “livre” da marcação individual, e que ocupava os espaços e buracos ocasionados pelas perseguições da marcação a homem, também fazendo a saída de bola, saltando linhas e apoiando o regista. O regista aparece como o construtor do jogo, realmente regendo os companheiros com lançamentos precisos e determinando onde, quando e como atacar. Junto com eles, surgiram também os primeiros terzini fluidificanti: defensores laterais que tinham liberdade para atacar, por fora ou por dentro, e causavam desequilíbrio aos adversários, visto que, até então, os laterais se limitavam a defender.

Essa ideia de retranca e contra-ataque, ou catenaccio e contropiede, em italiano, foi a principal característica do primeiro clube da Bota a conquistar sucesso mundial, construindo sua reputação com conquistas continentais e intercontinentais. Era a Grande Inter, nos anos 60, treinada por Helenio Herrera. O treinador se revolucionou, saindo das premissas técnicas da Espanha, do Barcelona e de suas raízes argentinas, e acabou mudando o futebol para sempre. A preparação física intensa surgiu com o franco-argentino, que tinha esse fator como uma das somas da fórmula da vitória. “Técnica + preparação atlética + inteligência = scudetto”, era sua mensagem acima da porta do vestiário nerazzurro – como se vê na foto. Herrera ainda tinha outros dogmas. “Defesa: não mais de 30 gols sofridos. Ataque: mais de 100 gols marcados”.

A fórmula do sucesso da Grande Inter

Apesar de tudo, mesmo com boas médias de gols marcados e com a qualidade de seus jogadores na frente – Sandro Mazzola, Mario Corso, Luis Suárez, Jair da Costa e Antonio Angelillo, por exemplo –, o time de Herrera foi massivamente criticado, sendo chamado de exemplo de “anti-futebol”, por se defender com linhas baixas e preferir o contra-ataque como arma ofensiva. Assim, por exemplo, bateu o Real Madrid dos já “velhinhos” Francisco Gento, Ferenc Puskás e Alfredo Di Stéfano e o Benfica de Mário Coluna e Eusébio.

Além do mais, o sucesso desse time repercutiu em interpretações ainda mais defensivas do modelo de jogo, com os times pequenos fazendo uso da tática de Herrera, mas não do jeito que o treinador idealizava. Isto gerou críticas do próprio franco-argentino, já que esses times se limitavam apenas a defender, sem oferecer opções de ataque, limitando também a atuação dos jogadores: os defensores ficavam restritos a defender, os meio-campistas a fazer lançamentos, os pontas a correr e fazer cruzamentos e os centroavantes a fazer gols. Longe de uma organização coletiva – o proposto por quem aplicava bem o esquema tático –, o futebol dessas equipes ficou demasiadamente individual.

A versão 1965 da Grande Inter de Herrera

As origens do ferrolho
O catenaccio, um modelo de jogo com estratégia defensiva, privilegiando os contra-ataques e maior segurança, não surge exatamente com Helenio Herrera. Na verdade, no Mundial de 1938, a Suíça apresentou ao mundo o ferrolho suíço, o verrou (tranca ou ferrolho, do francês; ou, no italiano, catenaccio, que significa parafuso ou ferrolho), superando a Alemanha. Do WM, o treinador Karl Rappan colocou um dos meio-campistas na linha dos zagueiros e recuou um desses para atuar atrás da primeira linha, livre de marcação fixa. Por sua vez, esse homem devia fazer marcação dupla ou recuperar bolas, atuando na sobra. Era o primeiro líbero.

O verrou de Rappan

Mais tarde, na Itália, três times chamaram atenção com a ideia de catenaccio e contropiede, ainda antes dos sucessos que os times milaneses teriam com o modelo de jogo, tornando-o popular nos anos 1960. Primeiro, a Triestina de Mario Villini em 1941-42, que fechou a Serie A com um digno oitavo lugar e a terceira defesa menos vazada no campeonato. Posteriormente, a equipe alabardata voltaria ao catenaccio com Nereo Rocco, treinador do time entre 1947 e 1950 – ainda falaremos sobre Rocco. Em um dos campeonatos entre-guerra, em 1944, o Spezia de Ottavio Barbieri surpreendeu ao bater um Grande Torino ainda em formação, reforçado pelo artilheiro Silvio Piola.

Mais tarde, o mais famoso catenaccio da época, a Salernitana de Gipo Viani, que se mostrou um incômodo contra os grandes times do norte, mas acabou rebaixada em 1947-48. O sistema tático e modelo de jogo, baseado na ideia de Antonio Valese, ex-treinador-jogador do clube, recebeu até apelido, vianema, uma brincadeira com o sobrenome do treinador. O vianema basicamente era uma adaptação do WM, na qual Viani tirou o centroavante e colocou um meio-campista entre os zagueiros laterais, recuando o zagueiro central original para atuar atrás da primeira linha, como Rappan fizera na Suíça. A curiosidade é que esse meio-campista adaptado à zagueiro central, Alberto Piccinini, preservava a numeração do centroavante, a camisa 9, e era o próprio quem marcava especificamente o centroavante adversário.

O vianema de Viani: líbero no lugar do centroavante

Na década seguinte, mais especificamente em 1952-53, enquanto Milan e Juventus eram comandados por húngaros, veio o primeiro scudetto de um time que fazia o catenaccio. Comandada por Alfredo Foni, a Inter voltou a ganhar o campeonato depois de 13 anos com um futebol nada agradável e bastante criticado por torcedores e imprensa, mas quase imbatível em campo: apenas 24 gols sofridos em 34 partidas, mas somente 46 gols anotados.

Dessa vez, Foni fez uma adaptação diferente do WM, colocando o zagueiro lateral-direito Ivano Blason atrás da primeira linha, como líbero, e recuou o ponta-direita Gino Armano, que revezava entre a primeira e a terceira linha, uma função que se tornaria popular muitos anos depois, na zona mista, principalmente nos anos 1980, por Bruno Conti, na Roma e na seleção italiana. Armano era o ala tornante, que dava equilíbrio para o poderoso trio Lennart Skoglund, Benito Lorenzi e István Nyers decidir. Mesmo campeão, Foni abandonou o catenaccio na temporada seguinte, ainda levando ao bicampeonato um time que se mostrou forte defensivamente e mais regular, perdendo duas vezes menos e marcando 21 gols a mais.

Se a Inter de Foni foi a primeira a conquistar a Itália com o catenaccio, o Milan de Rocco foi o primeiro a conquistar a Europa. Apesar de Herrera ter acabado mais identificado como sinônimo do esquema tático, foi o treinador rossonero um dos precursores do modelo de jogo no Belpaese, e com a apresentação de versões do módulo em diferentes sistemas de jogo.

Rocco usava o padrão 1-3-3-3 – interpretado por Rappan e Herrera, com algumas diferenças -, que, apesar da aparente semelhança com o 4-3-3, não tem nada a ver e não foi sua origem. O técnico triestino também usou o 1-3-2-2-2 (o vianema), um 1-3-3-3 de sua própria criação, com desenho diferente no meio-campo, o 1-4-4-1 e o 1-4-3-2, com cinco defensores – veja nas “pranchetas” abaixo. Assim, Rocco fez boas e surpreendentes campanhas na primeira divisão com Triestina e Padova, chegando ao segundo lugar com o clube de Trieste em 1947-48, auge do Grande Torino, e ao terceiro lugar com o clube do Vêneto em 1957-58, liderado por Kurt Hamrin, peça importante anos mais tarde no seu Milan.

1-3-3-3

1-4-4-1

1-4-3-2

Em Milão, após as sólidas campanhas pelo Padova, Rocco teve sucesso imediato, levando o scudetto em 1961-62 e a Copa dos Campeões em 1962-63, superando o Benfica de Coluna e Eusébio. O time encarnado apresentava o 4-2-4 disseminado pelo húngaro Béla Guttmann, que trazia a novidade tática do Brasil.

O Milan de Rocco era baseado no WM, com certas adaptações e, claro, o catenaccio e contropiede. Cesare Maldini liderava a defesa, dando cobertura à primeira linha e equilibrando a marcação a homem de Víctor Benítez e Giovanni Trapattoni, que sustentavam o jogo para Dino Sani e Gianni Rivera distribuírem e apoiarem o trio de ataque que tinha como destaque e artilheiro José Altafini. Mais tarde, Rocco voltaria a repetir o mesmo caminho, levando o scudetto em 1967-68 e a Copa dos Campeões em 1968-69, além da Copa Intercontinental, em 1969, sempre com Trapattoni e Rivera, e dessa vez reforçado com Roberto Rosato, Karl-Heinz Schnellinger, Kurt Hamrin, Angelo Sormani e Pierino Prati.

Rocco e seu discípulo Trapattoni, em tempos de Milan

O declínio do catenaccio e um novo jeito de entender futebol
O sucesso de Inter e Milan no catenaccio também foi acompanhado de melhor observação dos adversários, especialmente os internacionais, que tanto criticavam o modelo de jogo. O melhor entendimento dos adversários quanto aos esquemas táticos dos italianos ajudou a frear o desempenho internacional dos times da Bota. Entre a metade dos anos 1950 e fim dos anos 1960, os times italianos chegaram a 10 de 27 finais europeias, e levaram cinco títulos – quatro deles na Copa dos Campeões. Na década seguinte, com mais competições continentais acontecendo, foram seis decisões, e apenas dois títulos, em 33 torneios disputados.

Ainda nos anos 1960, a soberba Inter sucumbiu ao veloz e sagaz Celtic no 4-2-4 de Jock Stein em 1966-67. Dois anos depois, porém, o Milan resistiu e goleou a primeira versão do Ajax de Rinus Michels e seu totaalvoetbal (futebol total, literalmente). Na década seguinte, o time holandês simplesmente destruiria o catenaccio e a reputação dos times italianos, superando os envelhecidos times de Inter e Juventus em 1971-72 e 1972-73 com a constante movimentação e marcação agressiva, superando a marcação a homem e os contra-ataques.

Herrera, já velho, mostra seu time e como todos passaram a copiar e gerar encaixes óbvios

Simultaneamente, a seleção italiana também sucumbiu com o catenaccio. A seleção foi eliminada na fase de grupos da Copa de 1966, em uma de suas piores campanhas em mundiais. Renasceu pouco depois: a Squadra Azzurra foi campeã europeia em 1968, e montou grande time na Copa do Mundo de 1970, treinada em ambas as ocasiões por Ferruccio Valcareggi. O treinador, porém, limitava espaço entre Mazzola e Rivera – só um jogava como titular, com a famosa e pouco agradável staffetta – , apostando nos gols de Roberto Boninsegna e Gigi Riva e a solidez defensiva.

Naquela Copa, a Nazionale fez fase de grupos modesta, com apenas um gol e uma vitória, além de dois empates por zero a zero, contra Uruguai e Israel. Depois, goleada sobre os anfitriões mexicanos e, nas semifinais, a equipe fez um dos jogos mais espetaculares do futebol, à época chamado de o jogo do século, terminado com vitória épica a Alemanha Ocidental. Após estar vencendo por quase 90 minutos e sofrer o empate no último lance, a Itália levou a virada na prorrogação; voltou a estar na frente no placar (3 a 2) e sofreu novo empate. Foi aí que Rivera decidiu e levou o time para a fatídica final – para os azzurri.

Aquela seleção seria totalmente superada pelo Brasil, que conhecia bem a marcação a homem e as perseguições individuais. Os canarinhos promoveram a desordem no sistema defensivo italiano com Carlos Alberto Torres, Gérson, Rivellino, Jairzinho, Tostão e Pelé. O ocaso do catenaccio na seleção aconteceu com um show do futebol ofensivista à brasileira.

Os anos 1970 foram tempos difíceis para os italianos, especialmente para o futebol. A “morte” do catenaccio após os insucessos internacionais fez o campeonato fechar espaço para estrangeiros e distanciou os clubes italianos de uma final da Copa dos Campeões por 10 anos – título, mesmo, só depois de 16 temporadas. Mas enquanto no Belpaese se praticava o futebol do catenaccio e contropiede, nos outros centros europeus surgiam os sistemas com defesa a quatro, as primeiras versões do 4-4-2 após o 4-3-3 e a marcação a zona voltava a ser uma tendência com o totaalvoetbal de Michels e Cruyff. Era hora de mudar.

A Itália entra na zona

Na Bota, muitos técnicos decidiram por manter o catenaccio. O futebol do país já estava sob influência da marcação por zona introduzida por Nils Liedholm, um dos primeiros a enfrentar as críticas por causa da preferência histórica dos italianos por marcação a homem. Com a introdução do novo tipo de marcação, o técnico sueco teria grande prestígio nos anos 1980, inspirando outros treinadores e clubes apostarem na mudança – mas isso é assunto para outra parte.

Mesmo para aqueles que optaram por manter o catenaccio algumas mudanças foram necessárias. Assim, na segunda metade dos anos 1970, Giovanni Trapattoni e Luigi Radice conseguiram sucesso ao fazer adaptações em termos de marcação e posicionamento no tradicional 1-3-3-3, a versão mais repetida do catenaccio.

Basicamente, Trapattoni e Radice apostaram em misturar as duas formas de marcação, a homem e por zona. Os defensores, criados no contexto de marcação apertada e perseguições individuais, tinham como referência o jogador adversário, enquanto os meio-campistas e o líbero tinham o espaço como referência, com atenção na cobertura e compensações aos defensores. Era, assim, a zona mista, a próxima evolução do jogo à italiana. Em termos de posicionamento, a ideia era ter superioridade numérica no meio-campo, setor que sofreu  pela baixa presença de jogadores por ali nos tempos de catenaccio.

Versão tradicional da zona mista

A zona mista, como evolução do catenaccio, aproveitou algumas funções que começaram a ser difundidas graças à Inter de Herrera, como o terzino fluidificante e o ala tornante: o lateral-esquerdo tinha liberdade para apoiar e o ponta-direita, por causa da marcação a homem, devia seguir o seu adversário, e assim passou a atuar mais recuado que o normal. Por causa da nova mudança na regra do impedimento, o líbero também sofreu mudança de posicionamento, passando a atuar mais próximo dos defensores – e não tão atrás, próximo do goleiro –, fazendo a cobertura ou dobrando a marcação.

O modelo de jogo também traz uma mudança de estratégia, com os times buscando mais o ataque e a posse de bola. Isso também afetou o papel dos líberos italianos, cuja maior inspiração, agora, vinha de Franz Beckenbauer e dos líberos holandeses, como Ruud Krol. Agora, eles passavam a ter maior peso na construção do jogo, avançando para o meio-campo e apoiando de forma mais contínua o regista, o playmaker do time – seja ele mais adiantado ou recuado.

Com isso, muitos meio-campistas passaram a assumir a função de líbero, a exemplo de Agostino Di Bartolomei, que, inclusive, usava a 10, na Roma, e Andrea Mandorlini, hoje treinador do Verona e então líbero com Trapattoni na Inter – até mesmo o meia-atacante Zbigniew Boniek chegou a jogar assim, em alguns momentos da fase final da carreira. Mas as grandes estrelas na função de “novo líbero” foram Gaetano Scirea e Franco Baresi, ambos desenvolvidos no catenaccio – para muitos, os dois se juntam a Beckenbauer na tríade dos melhores intérpretes da função em toda a história. O primeiro sempre sonhou ser regista e começou como meio-campista, mas virou líbero na Atalanta; o segundo, um defensor de físico incomum, baixo e sem muita massa muscular, mas com senso de posicionamento e leitura de jogo extraordinários.

Trapattoni, da Juventus, e Radice, do Torino, em um dérbi turinense dos anos 1970

Do 1-3-3-3 padrão, os times passaram a atuar em 4-4-2 assimétricos, quase sempre contando com o terzino fluidificante à esquerda e o ala tornante à direita. No novo modelo de jogo, muitas funções foram redefinidas e são usadas até hoje assim.

Entre essas podemos citar a figura do mediano, meio-campista central à frente da defesa e mais recuado, e também o mezz’ala ou interno, antes meia-atacantes, e a partir de então meio-campistas laterais em um trio: os “motorzinhos”, agressivos na marcação e ricos em movimentos ofensivos, entrando na área. Também podemos falar do regista, não apenas aquele que nos acostumamos hoje na frente da defesa, mas sempre o construtor do jogo do time, definitivamente o playmaker. O regista podia atuar mais recuado, como Paulo Roberto Falcão, por exemplo, ou mais adiantado, vide Michel Platini e Lothar Matthäus. As modificações criaram também a figura do seconda punta (segundo atacante), que largava a ponta esquerda para transitar no último terço do campo, usando sua velocidade e habilidade para apoiar o centroavante, geralmente mais fixo, usado como referência física e de bolas aéreas para o time.

Que dupla! Scirea e Baresi em campo

Mas a zona mista também teve variações de sistema, como com um losango no meio-campo, então com dois mezz’ali ou interni, e a figura do trequartista, um regista transformado em meia-atacante. A zona mista partia sempre da premissa de ser um 4-4-2 assimétrico. Era um modelo de jogo, e não exatamente um esquema tático, mas influenciou alguns sistemas posteriores, como o 3-5-2 e o 4-3-1-2, que se tornariam populares nos anos 1990 e voltaram a ser utilizados nos anos 2010 – assunto nosso para o futuro. A zona mista também foi adaptada por treinadores da marcação por zona, como Nils Liedholm (Milan 1978-79 e Roma 1982-83) e Osvaldo Bagnoli (Verona 1984-85).

Dessa forma, comandado por Radice, o Torino ganhou seu último scudetto na temporada 1975-76, 27 anos depois do Desastre de Superga. Além da contribuição com a zona mista, o treinador foi um dos primeiros a importar o pressing, a marcação pressão, para a Itália. Também assim, Trapattoni se consagrou um dos maiores treinadores do futebol italiano, dominando o campeonato com a Juventus entre o final dos anos 1970 e início dos 1980 – levantando também a Copa dos Campeões e o Mundial Interclubes –, e tirando a Inter da seca nacional em 1989 e continental em 1991. Ao todo, Trap conquistou 17 troféus nesse período, se tornando o recordista de títulos da Serie A (sete) e da Copa Uefa (três). É o técnico italiano com mais taças levantadas em toda a história.

Torino de Radice, 1975-76

Primeira Juventus de Trapattoni, 1976-77 e 1977-78

Juventus modificada por Trap, em 1983-84

Enzo Bearzot foi outro a fazer sucesso com a zona mista, conduzindo a Itália para o título mundial em 1982. Entre outros exemplos, também no Belpaese, adaptações do modelo acabaram em scudetti em diversas ocasiões – veja os desenhos táticos abaixo. Os melhores expoentes deste futebol foram a Inter de 1979-80 com o losango de Eugenio Bersellini e a dupla Evaristo Beccalossi e Alessandro Altobelli; o grande Napoli de Ottavio Bianchi e, depois, de Alberto Bigon, em 1986-87 e 1989-90 com suportes para o trio Ma-Gi-Ca (Diego Maradona, Bruno Giordano e Andrea Carnevale, depois Careca) desequilibrar; e a grande Sampdoria de Vujadin Boskov, campeã em 1990-91 com Pietro Vierchowod, Toninho Cerezo, Roberto Mancini e Gianluca Vialli.

O losango de Bersellini na Inter 1979-80

A retranca de Bianchi no Napoli 1986-87: líbero, três zagueiros, três volantes e o trio Ma-Gi-Ca

Mais abaixo: desenhos táticos parecidos com a zona mista, mas marcação por zona.

Roma de Liedholm, 1982-83

Verona de Bagnoli, 1984-85

Nossa segunda viagem pelo mundo da tática italiana termina por aqui. Na terceira e penúltima parte desse especial, nos aproximamos ainda mais da contemporaneidade. Será a hora de falarmos do futebol italiano no final dos anos 1980 e início dos anos 1990 – outra vez –, mas sob outra perspectiva. Qual? Aguarde e confie.

Deixe um comentário