Liga dos Campeões

Pontaria, pra que te quero

Spaletti ousou e a Roma até foi bem, mas a má pontaria custou caro e não deu para reverter a boa vantagem do Real Madrid (AS Roma)

A Roma conseguiu o que poucos imaginavam, nesta terça, no Santiago Berbabéu: jogar de igual para igual contra o todo poderoso Real Madrid. Após perder a partida de ida por 2 a 0, em casa, os italianos não se apequenaram diante do Real e conseguiram, inclusive, criar as melhores chances do primeiro tempo e do início da segunda etapa, enchendo de esperanças a torcida romanista. A má pontaria de Salah e Dzeko, porém, custou muito caro. Em um jogo dessa importância, contra um time do tamanho do Real, não dá para desperdiçar três vezes cara a cara com o goleiro e sair impune.  

Toda a coragem do time e de Spalletti, que optou por um 4-2-3-1 com praticamente quatro atacantes (Salah, El Shaarawy, Perotti e Dzeko estavam em campo), foi por água abaixo quando Cristiano Ronaldo apareceu no meio da zaga e finalizou para o fundo das redes na única verdadeira chance que teve dentro da área, aos 18 minutos do segundo tempo. O português fez o que Dzeko e Salah não foram capazes em lances bem mais fáceis. “A Roma perdoa, CR7 não”, manchetou a Gazzetta dello Sport na home de seu site, após o jogo. 

Dzeko estava livre de marcação e tinha boa posição para chute aos 12 minutos do primeiro tempo, mas isolou por cima do gol de Navas. Já Salah apareceu em velocidade e só tinha o goleiro madridista à sua frente duas vezes (aos 27 do primeiro tempo e aos 4 da etapa complementar), mas também chutou para fora. Não é à toa que o time inteiro da Roma tem 11 gols marcados na Liga dos Campeões, enquanto apenas CR7 já soma 13 nos mesmos oito jogos. Florenzi, Manolas e Perotti também chegaram com perigo, mas nesses casos o mérito de a bola não ter entrado foi do goleiro costa-riquenho. 

A diferença entre normais e galácticos ficou ainda mais clara três minutos depois do primeiro gol: CR7 puxou o contra-ataque e tocou para deixar James Rodríguez na cara do gol. O colombiano, mesmo em má fase, não titubeou para chutar por debaixo das pernas de Szczesny, talvez o melhor romanista em campo, e abrir 2 a 0 no placar, no 20º jogo consecutivo em que a Roma sofreu gols fora de casa. Zidane fez três alterações e o Real diminuiu o ritmo na parte final, mas ainda levou perigo algumas vezes. 

Com o confronto decidido, Spalletti colocou Totti para desfrutar, muito provavelmente, seus últimos 15 minutos na Liga dos Campeões e ser aplaudido de pé pela torcida presente no Santiago Bernabéu. Aplausos que Dzeko certamente jamais ouvirá da torcida romanista, cada vez com menos paciência para a falta de efetividade e mobilidade do bósnio. “O Salah pelo menos cria as chances que perde. O Dzeko nem isso”, resumiu Gian Oddi, comentarista da ESPN, em seu Twitter. Agora, resta à Roma se concentrar na Serie A, para garantir vaga na LC da próxima temporada, e calibrar o pé para tentar fazer mais bonito no ano que vem.

Deixe um comentário