Liga Europa

Vergonha nacional

Fora! Em qualquer direção, a Lazio não acertou nada e caiu diante do Sparta Praga (Ansa)

Sexta, 26 de fevereiro de 2016. A torcida da Lazio estava em clima de felicidade, já que a equipe romana eliminara o Galatasaray e seria a última representante italiana na Liga Europa. Melhor ainda: evitou adversários complicados no sorteio das chaves das oitavas de final, como Manchester United, Liverpool, Tottenham, Villarreal, Sevilla, Bayer Leverkusen e Borussia Dortmund. Dizem as más línguas que o Sparta Praga era chamado nos bastidores de “presente de Deus” (ah, Corinthians…). 

Só que o feitiço virou contra o feiticeiro: os Rudi superaram o favoritismo da Lazio e trucidaram os biancocelesti no Olímpico, carimbando o vexame laziale com uma eliminação acachapante: foi a segunda pior derrota do time em casa por competições continentais. Para piorar, o vexame prejudicou a Itália, que não terá nenhum representante nas quartas de final dos torneios europeus pela primeira vez em 34 anos. O coeficiente Uefa italiano sofre: não será em 2017-18 que o país poderá ter de volta as quatro vagas na Liga dos Campeões.

A partida de ida dos  antigos times do craque Nedved, na República Checa, foi modorrenta. O jogo truncado, disputado em terreno chuvoso, foi de muito equilíbrio no meio-campo e de poucas chances criadas. No início do primeiro tempo, Frýdek recebeu lançamento longo e, de primeira bateu forte, no ângulo. Parolo empatou ainda antes do intervalo, depois de cobrança de escanteio, e na etapa complementar, Candreva acertou o travessão. Ficou nisso e o empate podia até ser considerado um bom resultado.

Na volta, a Lazio já entrava em campo classificada, pelo 0 a 0 e, ainda teria o peso do Olímpico a seu favor. Stefano Pioli poupou vários jogadores na rodada da Serie A, no final de semana, já que os aquilotti não têm mais objetivos no campeonato – ocupam o meio da tabela e só alcançariam vaga na Liga Europa se começarem a vencer e Sassuolo, Milan, Inter e Fiorentina tropeçarem muito. Todas as fichas contra os checos, portanto. Só que a vaca foi para o brejo ainda no início do primeiro tempo.

Aos 12 minutos, o Sparta Praga já vencia por 2 a 0. Os dois primeiros gols saíram pelo lado esquerdo da defesa celeste, já que Bisevac e Hoedt cortaram mal as tentativas de ataque dos Rudi. O capitão Dočkal, com um chute forte e colocado, e Krejčí, com um tapinha – ambos na bochecha direita da rede – iniciaram a zebra. Ainda no primeiro tempo, Konko errou o tempo de bola, não cabeceou a bola que vinha cruzada e Juliš, tomando a frente de Bisevac, aproveitou para completar para as redes com a canhota. Mauri ainda chegou a perder uma chance claríssima de gol quando a partida ainda estava 2 a 0, mas bateu fraco para o gol, cara a cara com o goleiro Bičík.

Durante todo o confronto o que mais impressionou na Lazio foram os erros infantis da defesa. Maurício e Bisevac, contratado no mercado de janeiro, erraram a linha de impedimento na partida de ida, em Praga, o que possibilitou o gol de Frýdek. Em Roma, os erros de Bisevac, Hoedt e Konko acabaram definindo a classificação do Sparta, time que não costuma passar as partidas fora de casa em branco. Para piorar, foi fatal a falta de reação da Lazio em qualquer momento do jogo disputado no Olímpico – nem parecia que o time jogava em casa. Uma das maiores vergonhas da história do clube rendeu merecidas vaias para o time, que provavelmente não terá Pioli como treinador na próxima temporada.

Deixe um comentário